OS CONTOS DE FADA NA FICÇÃO SERIADA “ONCE UPON A TIME”: o uso da transficcionalidade em perspectiva mnemônica

Palavras-chave: TV, transficcionalidade, Once Upon A Time, recurso mnemônico, Transficcionalidade, Once Upon a Time.

Resumo

A inovação nos modos de expor narrativas é um tema candente na contemporaneidade. Chama-nos a atenção, nesse processo, um fenômeno que tem se tornado recorrente no universo cinematográfico: a transficcionalidade. Entendendo esse fenômeno como uma estratégia que inova o processo narrativo, ampliando ou mesclando universos de histórias já conhecidas dos públicos (a partir do acionamento de uma certa memória social), sua utilização tem sido muito recorrente no universo de produção fílmica.  Um exemplo desse caso ocorre nas construções relatuais de franquias seriadas. Em particular, interessa-nos observar o seriado americano Once Upon a Time, exibido pelo canal Sony no Brasil e disponibilizado como conteúdo on demand pelo provedor global de filmes e séries de televisão via streaming Netflix. Observando os desdobramentos propostos nas histórias contadas na primeira temporada (na análise de quatro personagens), pretendemos denotar o uso desse recurso (advindo dos estudos da estética literária) para a construção de uma base mnemônica para os interlocutores-receptores, já que o que se aciona previamente para entendimento dos cruzamentos de diferentes universos é o reconhecimento de contos de fada tradicionais, amplamente reconhecidos pelo grande público consumidor.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Mattos Guimarães Orlando, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Graduada em Comunicação Social/Jornalismo e mestre em Letras pela Universidade Federal Fluminense e doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro , é professora adjunta do departamento de Letras e Comunicação do ICHS da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro  (UFRRJ).Foi coordenadora do curso de jornalismo da UFRRJ (biênios 2010/2011 e 2012/1013). E-mail: siprema73@gmail.com

Caique Pereira Ribeiro da Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Graduando em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro  (UFRRJ), bolsista de iniciação científica da Faperj. E-mail: caique.potter@gmail.com

Referências

ÁLVARES, Cristina. Quatro dimensões do microconto como mutação do conto: brevidade, narratividade, intertextualidade, transficcionalidade. Revista Guavira, Programa de Pós-Graduação em Letras UFMS/Campus de Três Lagoas, n. 15. Mato Grosso do Sul: Guavira Letras, 2012.

BESSON, Anne. À la croisée des mondes fictionnels: cycle, littérature de jeunesse et sémiotique des mondes possibles chez Philip Pullman, n. 17, pp. 125-144. Arras: Cahiers Robinson, 2005.

DELIU, Ana-Maria. Metafiction, Transfictionality and Possible Worlds in Jorge Luis Borges' The Immortal. Cluj-Napoca: Metacritic Journal for Comparative Studies and Theory, v. 1, n. 1, pp. 50-60, 2015.

BETTELHIEM, Bruno. A psicanálise dos contos de fada. 16. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

COCA, Adriane Pierre & SANTOS, Alexandre Tadeu dos. Formatos de Ficção Seriada Televisual: Tradições e Perspectivas. Foz do Iguaçu: Trabalho apresentado no GP Ficção Seriada, XXXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 2013.

DENA, Christy. Transmedia Practice: Theorising the Practice of Expressing a Fictional World across Distinct Media and Environments, 2009. Thesis submitted in fulfilment of the requirements for the Degree of Doctor of Philosophy (PhD). School of Letters, Art and Media Department of Media and Communications Digital Cultures Program University of Sydney Australia, 354 p.

FEUER, Jane. Genre Study and Television. In: Channels of Discourse, Reassembled: Television and contemporary criticism. 2. ed. Londres: Routledge, 1992.

GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, 1982.

HAMBURGER, Esther. O Brasil antenado. Jorge Zahar Editor, 2005, 193 p.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o insconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2000.

LAURE-RYAN, M. Narrativa Transmídia e Transficcionalidade. In: Revista Celeuma, n. 3. São Paulo: 2013.

LEVY, Pierre. As tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 2004, 13a. ed.

MACHADO, Arlindo. A Narrativa Seriada: categorias e modalidades. Rio de Janeiro: Trabalho apresentado no GP Ficção Televisiva Seriada, XXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 1999.

NÚÑEZ, Eloy Martos. Hipertexto, cultura midiática e literaturas populares: o auge das sagas fantásticas. In: Questões de leitura no hipertexto. Passo Fundo: UPF Editora, 2013.

PAIVA, Maria Beatriz Facciolla. Os Contos de Fadas: suas origens histórico-culturais e implicações pedagógicas para crianças em idade pré-escolar. Rio de Janeiro: Dissertação (Mestrado) – Institutos de Estudos Avançados em Educação, Departamento de Psicologia em Educação, Fundação Getúlio Vargas, 1990.

PEREIRA, Vinícius Andrade. Práticas de Comunicação e Linguagens Publicitárias nos Meios Digitais: Explorando o Projeto Transficção. Brasília: Artigo submetido no NP Tecnologias da Informação e da Comunicação, XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 2006.

SAINT-GÉLAIS, Richard. Fiction transfuges: La transfictionnalité et ses enjeux. Paris: Seuil, 2011.

SANTOS, Luciane Alves. O conto de fadas: da oralidade à literatura infantil. Anais do IV Enlije – Encontro Nacional de Literatura Infantil e Juvenil. Campina Grande: Realize, 2012.

VILCHES, Lorenzo. A migração digital. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2003.

VOLOBUEF, Karin. Um estudo do conto de fadas. São Paulo: Revista de Letras, v. 33, pp. 99-114, 1993.

Publicado
2016-08-31
Como Citar
ORLANDO, S.; RIBEIRO DA SILVA, C. OS CONTOS DE FADA NA FICÇÃO SERIADA “ONCE UPON A TIME”: o uso da transficcionalidade em perspectiva mnemônica. Revista Observatório, v. 2, n. 3, p. 138-162, 31 ago. 2016.