Paradigmas educacionais e suas influências na formação e na prática pedagógica de professores

Palavras-chave: Formação de professores. Paradigmas inovadores.Prática Pedagógica.

Resumo

Na sociedade contemporânea, a atualização permanente é o ponto chave diante de suas constantes transformações e das novas exigências e necessidades da sociedade em vigor. Assim, torna-se necessária uma reflexão a respeito do processo de educação e formação de professores no momento atual, indagando se estes atendem às exigências da sociedade. Este artigo trata-se de uma revisão de literatura e tem por objetivo analisar os paradigmas do conhecimento e educacionais e suas influencias na formação de professores e consequentemente em sua prática pedagógica. Há a preocupação em torno de uma prática pedagógica inovadora que torne os alunos críticos, reflexivos e investigadores contínuos em suas respectivas áreas do conhecimento. O presente momento é de transição paradigmática, em que se deixa de analisar o mundo em partes independentes e fragmentadas sem conexões umas com as outras, para um novo paradigma que analise e compreenda o mundo como um todo em constantes transformações. As instituições de ensino superior, que formam educadores, têm se mostrado como instituições de uma prática pedagógica conservadora alicerçada em paradigmas tradicionais, em que ainda prevalece um modelo de formação que visa somente a transmissão de conteúdos, a memorização e a repetição. Sugere-se um novo modelo de professor que se baseie em paradigmas inovadores, que desenvolva a capacidade critica e reflexiva do aluno em seu processo de ensino aprendizagem.

Referências

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Curitiba: Champagnat, 1999.

BEHRENS, M. A. O paradigma da complexidade na formação e no desenvolvimento profissional de professores universitários. Revista Eletrônica de Educação. Porto Alegre/RS, ano XXX,n. 3 (63), p. 439-455, set./dez. 2007.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. (Capítulos V, VI). p.105-188

CUNHA, Maria Isabel da.O professor universitário na transição de paradigmas. Araraquara: JM Editora, 1998. (caps 1, 2, 3,4). p. 17-46.

DEMO, P. Educar pela Pesquisa. Campinas, SP: Autores Associados, 1996.

DIAS SOBRINHO, José Dias. Avaliação do ensino superior. Revista Eccos, v.10, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed., São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE. Paulo.Pedagogia do oprimido. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

GATTI, Bernadete. A. Questão docente: formação, profissionalização, carreira e decisão política. Em: CUNHA, Célio da; SOUSA, José Vieira de; SILVA, Maria Abádia da. (Orgs) Políticas Públicas de Educação na América Latina: Lições aprendidas e desafios. São Paulo: Autores Associados, 2011. p. 303-324.

MALDANER, Otavio Aloísio. Princípios e práticas de formação de professores para a

educação básica. In: SOUZA, João Valdir Alves (org.). Formação de professores para

a educação básica:dez anos da LDB. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p.211-233.

MISUKAMI, Maria da Graça. Ensino: as Abordagens do Processo. São Paulo: EPU, 1986.

MORAES, M.C. O paradigma educacional emergente. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1996.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento (Trad.: EloáJacobina) 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. 128 p.

MORIN, Edgar. Por uma reforma do pensamento. Em:PENA_VEGA,Alfredo; NASCIMENTO,Elimar Pinheiro. O pensar complexo Edgar Morin e a crise da modernidade. Rio de Janeiro: Garamond, 1999. 13p.

PARÂMETROS Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental e Médio: ciências humanas e suas tecnologias. MEC - Conselho Nacional de Educação, 1999.

KUENZER, A. Z. Ensino médio e profissional: as políticas do Estado neoliberal. São Paulo: Cortez, 2001.

PEREZ, Geraldo. Prática reflexiva do professor de matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. BORBA, Marcelo de Carvalho (orgs.). Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004. 317p.

PÉREZ GÓMEZ, Angel. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, Antonio (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995, p.93-114.

KUENZER, Acácia Zeneida.A formação de professores para o Ensino Médio: velhos problemas, novos desafios.Educ. Soc. [online]. 2011, vol.32, n.116, pp. 667-688. WEB: http://www.scielo.br/pdf/es/v32n116/a04v32n116.pdf

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva,

SHIROMA, Eneida Oto. A mística da profissionalização docente. Revista Portuguesa de Educação. Braga: Universidade do Minho, vol. 16, no. 2, 2003, pp. 7-24. http://www.gepeto.ced.ufsc.br/arquivos/1amisticadaprofissionalizacaodocente.pdf

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. Porto, Afrontamento, 2002.

SILVA, Marcelo Soares Pereira da. A formação de professores na Universidade Federalde Uberlândia: trilhas e tramas. In: SOUZA, João Valdir Alves (org.). Formaçãode professores para a educação básica:dez anos da LDB. Belo Horizonte: Autêntica,2007, p. 57-72.

SOUZA, Elizeu Clementino. O conhecimento de si: narrativas do itinerário escolare formação de professores. 344f. 2004.Tese (Doutorado em Educação)- UniversidadeFederal da Bahia, Salvador, 2004.

SOUZA, Ruth Catarina Cerqueira Ribeiro de;Novos paradigmas na educação. Mimeo, 2005.11 p.

ZEICHNER, K. (1983). Alternative Paradigms of Teacher Education. In Journal of Teacher Education 34; 3-9.

Publicado
2016-03-21