SOBRE AS FORMAS PERICIAIS EM TRABALHO-SAÚDE E A CONSTRUÇÃO DAS PERÍCIAS EM SAÚDE DO TRABALHADOR

  • Bruno Chapadeiro Unifesp
  • Vitor Barros Rego Centro Universitário Unieuro
  • Laura Pedrosa Caldas Companhia HidroElétrica do São Francisco – CHESF
Palavras-chave: perícias, saúde do trabalhador, saúde mental e trabalho, Intersetorialidade

Resumo

Este artigo visa situar as diferentes formas periciais em trabalho-saúde atualmente encontradas em diferentes contextos de aplicação. Dessa forma, procede-se na apresentação e análise dos diferentes corpus periciais dentro da esfera trabalho-saúde delimitando e entrecruzando atuações de cada espaço num movimento dialético de nossa análise. Busca-se expor as atuações do(a) profissional perito(a) intracampos como também o momento em que, na hybris entre as áreas, surgem outras figuras periciais, ou ainda, que o(a) próprio(a) profissional perito(a) pode atuar em mais de uma das instâncias apresentadas concomitantemente. Também faz-se mister a elucidação do fazer pericial ancorado nos pressupostos do campo Saúde do Trabalhador, a nosso ver, capaz de dar as respostas necessárias ao momento presente do Trabalho e de seu futuro como forma de superação do modelo biomédico pautado no corpo, na norma, na doença e em protocolos já defasados, que permeiam hoje as perícias em trabalho-saúde em seus mais variados contextos e formas de ser.

Biografia do Autor

Bruno Chapadeiro, Unifesp

Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, São Paulo, Brasil.

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0167-0164

Psicólogo, Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Professor Adjunto no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Saúde da Universidade Metodista de São Paulo (PPGPS/UMESP). Psicólogo Perito no TRT da 9ª Região.

Universidade Metodista de São Paulo
Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Saúde
Rua Alfeu Tavares (Vl América), 149
Rudge Ramos
09641000 - São Bernardo do Campo, SP - Brasil
Tel.: (11)43665000

Vitor Barros Rego, Centro Universitário Unieuro

Centro Universitário Unieuro, Brasília, Distrito Federal, Brasil/Trabalho no Divã, Brasília, Distrito Federal, Brasil

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2124-6379

Psicólogo, Mestre em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (UnB).

Docente e Coordenador do Curso de Psicologia do Centro Universitário Unieuro. Diretor da empresa Trabalho no Divã Saúde Mental no Trabalho.

Laura Pedrosa Caldas, Companhia HidroElétrica do São Francisco – CHESF

Psicóloga, Doutora em Psicologia Clínica (UNICAP). Psicóloga Perita no TRT da 6ª Região

Companhia HidroElétrica do São Francisco – CHESF, Recife, Pernambuco, Brasil.

Referências

Antunes, R. (org) (2019). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil IV: trabalho digital, autogestão e expropriação da vida. São Paulo: Boitempo.

Bastos, R. Q. (2012) Implicações do nexo técnico epidemiológico previdenciário sobre a ação indenizatória por acidente do trabalho. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 106, nov.

Cambaúva, L. G. (2002). Do liberalismo ao Neoliberalismo. Maringá: Universidade Estadual de Maringá.

Chapadeiro, B (2018). O panorama atual das perícias em trabalho-saúde: a construção do campo das perícias em Saúde do Trabalhador. Tese [Doutorado]. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

Dallegrave Neto, J. (2007). A. Nexo técnico epidemiológico e seus efeitos sobre a ação trabalhista. Revista do Tribunal Regional do Trabalho 3ª Região. Belo Horizonte, v. 46, n. 76, jul/dez.

International Labour Organization - ILO (1999). Report on decent work. Retrieved from http://www.ilo.org/public/english/standards/relm/ilc/ilc87/rep-i. htm

Jacques, M. G. (2007). O nexo causal em saúde/doença mental no trabalho: uma demanda para a Psicologia. Psicologia & Sociedade. v. 19, Edição Especial 1. p. 112-119 – Porto Alegre.

Lacaz, F.A.C (1996). Saúde do trabalhador: um estudo sobre as formações discursivas da academia, dos serviços e do movimento sindical. Tese [Doutorado], Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas.

_____________ (2007). O campo Saúde do Trabalhador: resgatando conhecimentos e práticas sobre as relações trabalho-saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23 (4): 757-763.

Lima, M. E. A. (2003). A polêmica em torno do nexo causal entre distúrbio mental e trabalho. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 10, n. 14, p. 82-91, dez.

Ribeiro, M. A. (2020). Contribuições da psicologia para repensar o conceito de trabalho decente. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 20 (3), 1114-1121. https://doi.org/10.17652/rpot/2020.3.19488

Silva Júnior, E. (2012). Nexo técnico epidemiológico e sua aplicação perante a justiça do trabalho nas ações de indenização por acidentes do trabalho e doenças ocupacionais. Revista do Tribunal Regional do Trabalho 15ª Região, n. 40, p. 129-138.

Vasconcellos, L.C.F; Oliveira, M. H. B. (orgs.) (2011). Saúde, Trabalho e Direito: uma trajetória crítica e a crítica de uma trajetória. Rio de Janeiro: Educam.

Wild, C. L. D. T. (2013). Distribuição das perícias médicas realizadas no Instituto de Medicina Social e de Criminologia do Estado de São Paulo (IMESC) segundo o tipo de ação judicial. Saúde, Ética & Justiça, 18(2):137-40.

Publicado
2021-02-17
Seção
Artigo de Pesquisa