PSICODINÂMICA DO TRABALHO DE TERCEIRIZADOS EM UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA

  • Rafaele Andrade Trindade Universidade do Estado da Bahia
  • Ana Lúcia Pellegrini Pessoa dos Reis Universidade do Estado da Bahia
  • PABLO MATEUS DOS SANTOS JACINTO Centro Universitário Jorge Amado
  • Jose Geraldo dos Reis Santos Universidade do Estado da Bahia
Palavras-chave: psicodinâmica do trabalho, terceirização do trabalho, universidade pública, prazer e sofrimento, precarização do trabalho

Resumo

Trata-se de uma investigação que teve como objetivo conhecer as repercussões psíquicas vinculadas ao trabalho de trabalhadores terceirizados, que atuam em uma instituição pública de ensino superior na Bahia, ocupando o cargo de recepcionistas. Especificamente, procurou-se compreender as relações socioprofissionais, as condições e a organização do trabalho, a dinâmica de prazer e sofrimento vivenciada por esses trabalhadores e conhecer as estratégias utilizadas para mediar o sofrimento relacionado ao trabalho. O estudo adotou a fundamentação teórica da Psicodinâmica do Trabalho. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e os dados foram tratados qualitativamente por meio da Análise dos Núcleos de Sentido (ANS). Verificou-se, pelos relatos dos participantes da investigação, que as desigualdades em relação aos direitos trabalhistas; menor remuneração, menor tempo de trabalho na organização, maior jornada de trabalho e condições inadequadas de trabalho suscitam sentimento de inferioridade em relação aos trabalhadores concursados. Por outro lado, a vivência com a precarização do trabalho impulsiona os trabalhadores a mobilizar estratégias defensivas para lidar com o sofrimento e manter o equilíbrio psíquico. Relatos de convivência prazerosa com os pares e os gestores evidenciam sentimento de pertencimento e de gratidão à instituição. Conclui-se que, naquele contexto investigado, a terceirização está atrelada à vivência da precarização do trabalho.

Biografia do Autor

Rafaele Andrade Trindade, Universidade do Estado da Bahia

Graduada em Psicologia pela  Universidade do Estado da Bahia

 

Endereço postal: Universidade do Estado da Bahia. Campus I. Departamento de Educação. Colegiado de Psicologia. R. Silveira Martins, 2555 - Cabula, Salvador - BA, 41150-000

Ana Lúcia Pellegrini Pessoa dos Reis, Universidade do Estado da Bahia

Graduação em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (1986) , Mestrado em Administração pela Universidade Federal da Bahia (2004) e Doutorado em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia/ ISC (2011). Especialização em Administração e Desenvolvimento de RH (UFBA), Psicologia do Ensino - Aprendizagem (UESB) e Saúde do Trabalhador (UFBA). É Professora da Universidade do Estado da Bahia, atuando principalmente nos seguintes temas: Saúde e Trabalho; Epidemiologia e Saúde do trabalhador; Psicologia e Saúde; Gestão de Pessoas e Psicologia e Educação.

PABLO MATEUS DOS SANTOS JACINTO, Centro Universitário Jorge Amado

Psicólogo (CRP-03/14425) graduado pela Universidade do Estado da Bahia.Mestre em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia. Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia desenvolvendo pesquisas no campo da psicologia do desenvolvimento e da educação, adolescência, acolhimento institucional, adoção e políticas públicas. Docente no Centro Universitário Jorge Amado.

Jose Geraldo dos Reis Santos, Universidade do Estado da Bahia

Sociólogo graduado pela Universidade Federal da Bahia (1987). Docente da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Referências

Areosa, J. (2019). O mundo do trabalho em (re)análise: um olhar a partir da psicodinâmica do trabalho. Laboreal, 15(2), 1-24. https://dx.doi.org/10.4000/laboreal.15504

Alves, G. (2017). Terceirização: o futuro do trabalho no Brasil. Trabalho, Educação e Saúde, 15(2), 337-339. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00087

Antunes, R., & Druck, G. (2013). A terceirização como regra? Revista do Tribunal Superior do Trabalho, 79(4), 214-231.

Augusto, M. M., Freitas, L. G., & Mendes, A. M. (2014). Vivências de prazer e sofrimento no trabalho de profissionais de uma fundação pública de pesquisa. Psicologia em Revista, 20(1), 34-55. https://dx.doi.org/DOI-10.5752/P.1678-9523.2014v20n1p34

Barbati, V. M., Henriques, F. C., & Guimarães Junior, S. D. (2016). Capturas e resistências à terceirização: estudo com trabalhadores de uma universidade pública. Revista Trabalho (En)Cena, 01(2), 110-127.

Barros, P. C. R., Mendes, A. M. B. (2003). Sofrimento psíquico no trabalho e estratégias defensivas dos operários terceirizados da construção civil. Psico-USF (Impr.) [online], 8(1,), 63-70. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-82712003000100009&script=sci_abstract&tlng=pt.

Central Única dos Trabalhadores. (2014). Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha: dossiê acerca do impacto da terceirização sobre os trabalhadores e propostas para garantir a igualdade de direitos. São Paulo: Central Única dos Trabalhadores. https://www.cut.org.br/system/uploads/ck/files/Dossie-Terceirizacao-e-Desenvolvimento.pdf

Dejours, C. (1991). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho (4ª ed.). Cortez.

Dejours, C. (2008). Entre sofrimento e reapropriação: o sentido do trabalho. In. S. Lancman & L. I. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp 433-448). Brasília: Editora Fiocruz.

Dejours, C. (2011) Psicopatologia do trabalho - Psicodinâmica do trabalho. Laboreal, 7(1), 13-16. http://laboreal.up.pt/revista/artigo.php?id=37t45nSU5471124227847824511.

Departamento Intersidical de Estatística e Estudos Econômicos [DIEESE]. (2017). Nota Técnica número 172 de 2017. Terceirização e precarização das condições de trabalho Condições de trabalho e remuneração em atividades tipicamente terceirizadas e contratantes. Recuperado de https://www.dieese.org.br/notatecnica/2017/notaTec172Terceirizacao.pdf.

Druck, G., Sena, J., Pinto, M. M., & Araújo, S. (2018). A Terceirização no Serviço Público: particularidades e implicações. In A. Gambier (Org.) Terceirização do trabalho no Brasil: novas e distintas perspectivas para o debate (pp. 115-144). Brasília: Ipea. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=32326:terceirizacao-do-trabalho-no-brasil-novas-e-distintas-perspectivas-para-o-debate&catid=410:2018&directory=1.

Figueiredo, M., Alvarez, D., Athayde, M., Suarez, J. D., & Pereira, R. Reestruturação produtiva, terceirização e relações de trabalho na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos (RJ). Revista Gest. Produção, São Carlos, 14(1), 55-68. http://www.scielo.br/pdf/gp/v14n1/05.pdf.

Filgueiras, V. (2014). Terceirização e trabalho análogo ao escravo: coincidência?. Disponível em: https://indicadoresdeemprego.files.wordpress.com/2013/12/tercerizac3a7c3a3o-e-trabalho-anc3a1logo-ao-escravo1.pdf.

Freitas, L. G. (2006). Saúde e processo de adoecimento no trabalho dos professores em ambiente virtual. Tese (Doutorado em Psicologia), Universidade de Brasília, Brasília. http://repositorio.unb.br/handle/10482/6489.

Giongo, C. R., Monteiro, J. K, Sobrosa, G. M. R. (2015). Psicodinâmica do trabalho no Brasil: revisão sistemática da literatura. Temas psicol., Ribeirão Preto, 23(4), 803-814. http://dx.doi.org/10.9788/TP2015.4-01.

Godoy, C. G. P., Mascarenhas, M. C. K. Pinto, S. R. C. F. (2007). Ética e Relações Interpessoais entre Servidores e Terceirizados. Trabalho de Conclusão, Pós Graduação em Gestão de Pessoas, Fundação Instituto de Administração - FIA. Disponível em: https://portal.tcu.gov.br/biblioteca-digital/etica-e-relacoes-interpessoais-entre-servidores-e-terceirizados.htm.

Guimarães Júnior, S. D., & Eberhardt, L. D. (2020). Terceirização, saúde e resistências: uma revisão da literatura científica do campo da saúde do trabalhador. Revista Trabalho Encena, 5(1), 05-27. https://doi.org/10.20873/2526-1487V5N1P05

Guimaraes Junior, S. D., & Ferreira, J. B. O. (2018). Sujeito em terceiro plano: uma reflexão crítica acerca da articulação entre a dinâmica da terceirização e processos de subjetivação. Rev. Psicol., Organ. Trab., 18(2), 381-389. http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2018.2.14177

Harvey, D. (2012). Condição Pós-Moderna (22ª ed.). Edições Loyola.

Jacinto, P. M. S., Reis, A. L. P. (2016). A influência da organização do trabalho na dinâmica de prazer e sofrimento psíquico de feirantes da Feira de São Joaquim, Salvador - Ba. In L. S. Sousa, P. C. S. Galvão & C. R. S. Santos (orgs). Saberes e Práticas: Multirreferência e Interdisciplinaridade (3ª ed., pp. 43-59). Editora CRV.

Lei nº 13.429, de 31 de março de 2017. Diário Oficial da União. (2017). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13429.htm#:~:text=LEI%20N%C2%BA%2013.429%2C%20DE%2031%20DE%20MAR%C3%87O%20DE%202017.&text=Altera%20dispositivos%20da%20Lei%20n,presta%C3%A7%C3%A3o%20de%20servi%C3%A7os%20a%20terceiros.&text=%E2%80%9CArt.,-2%C2%BA%20Trabalho%20tempor%C3%A1rio.

Lopes, A. L. S. V., & Silva, J. R. G. (2008). Casos de terceirização e a influência sobre o contrato psicológico de profissionais de TI. IN: Revista Gestão.Org, 6(2), 249-270.

Mendes, A. M. (2007). Novas formas de organização do trabalho, ação dos trabalhadores e patologias sociais. In: A. M. Mendes (Org.), Psicodinâmicas do Trabalho: teoria, método e pesquisas (pp. 49-126). Casa do Psicólogo. https://www.livrebooks.com.br/livros/psicodinamica-do-trabalho-teoria-metodo-e-mendes-ana-magnolia-tpdu2mlcz0mc/baixar-eboo.

Mendes, A. M., & Morrone, C. F. (2002). Vivências de prazer: sofrimento e saúde psíquica no trabalho: trajetória conceitual e empírica. In A. M. Mendes, L. O. Borges, & M. C. Ferreira (Orgs.). Trabalho em transição, saúde em risco. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Mendes, A. M., Augusto, M. M., & Freitas, L. G. (2014). Vivências de prazer e sofrimento no trabalho de profissionais de uma fundação pública de pesquisa. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, 20(1), 34-55. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682014000100004.

Mendes, A. M., & Facas, E. P. (2011). Subjetividade e trabalho com automação. In R. D. de. Moraes & A. C. L. Vasconcelos (Eds.), Subjetividade e trabalho com automação: Estudo piloto no polo industrial de Manaus (pp. 18-37). Manaus, AM: Editora da Universidade Federal do Amazonas.

Pelatieri, P., Camargos, R. C., Ibarra, A., & Marcolino, A. (2018). Terceirização e precarização das condições de trabalho: condições de trabalho e remuneração em atividades tipicamente terceirizadas e contratantes. In A.

Gambier (Org.) Terceirização do trabalho no Brasil: novas e distintas perspectivas para o debate (pp. 13-33). Ipea. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=32326:terceirizacao-do-trabalho-no-brasil-novas-e-distintas-perspectivas-para-o-debate&catid=410:2018&directory=1.

Pelatieri, P., Marcolino, A., Horie, L., Costa, L. A. R. C., & Camargos, R. C. (2018). As desigualdades entre trabalhadores terceirizados e diretamente contratados: análise a partir dos resultados de negociações coletivas de categorias selecionadas. In A. Gambier (Org.), Terceirização do trabalho no Brasil: novas e distintas perspectivas para o debate (pp. 35-50). Ipea. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=32326:terceirizacao-do-trabalho-no-brasil-novas-e-distintas-perspectivas-para-o-debate&catid=410:2018&directory=1.

Petean, E., Costa, A. L. R. C., & Ribeiro, R. L. R. (2014). Repercussões da ambiência hospitalar na perspectiva dos trabalhadores de limpeza. Trabalho, Educação e Saúde, 12(3), 615-635. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sip00005.

Reis, S. B. (2015). Prazer e sofrimento com trabalhadores terceirizados. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração). Universidade Potiguar. Programa de Pós-graduação em Administração, Natal – RN. https://unp.br/wp-content/uploads/2015/05/SELONIEL-BARROSO-DOS-REIS-PRAZER-E-SOFRIMENTO-COM-TRABALHADORES-TERCEIRIZADOS.pdf.

Resolução Nº 510, de 07 de abril de 2016. Conselho Nacional de Saúde, Brasília, DF. (2016).

Torres, C. C., Ferreira, M. C., & Ferreira, R. R. (2016). Trabalhadores Descartáveis? Condição de Terceirizado e Mal-Estar no Trabalho. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 16(3), 715-735. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812016000300004&lng=pt&tlng=pt

Publicado
2021-04-06
Seção
Artigo de Pesquisa