Journal of Biotechnology and Biodiversity https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB <p>O Journal of Biotechnology and Biodiversity foi criado em 2010 e publica artigos originais, artigos de revisão, estudos de caso e comunicações breves sobre os fundamentos, aplicações e gestão da biodiversidade. O objetivo da revista é avançar e disseminar o conhecimento em todas as áreas afins de Ciências Agrárias, Química, Biotecnologia e Biodiversidade.</p> <p><img src="/periodicos/public/site/images/giongo/jbb4.jpg"></p> Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo (CeMAF) / Universidade Federal do Tocantins (UFT) pt-BR Journal of Biotechnology and Biodiversity 2179-4804 <p>Copyright (c) 2019 - <a href="https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB" target="_blank" rel="noopener"><strong>Journal of Biotechnology and Biodiversity</strong></a></p> <p><a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License" width="119" height="42"></a><br>This work is licensed under a&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" rel="license">Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License</a>.</p> <p><strong>&nbsp;Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:&nbsp;</strong></p> <p>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista, sem pagamento, o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/deed.pt"><strong>Creative Commons Attribution License&nbsp;</strong>(CC BY-NC 4.0)</a>,&nbsp;permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.&nbsp;</p> Una metodología para evaluar el manejo del turismo en áreas naturales pro-tegidas https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7581 <p>Existen diversas metodologías para evaluar la gestión de áreas naturales protegidas, pero no se encuentran referencias enfocadas exclusivamente a la actividad turística. Por eso, esta investigación propone una metodología para determinar los avances del manejo de turismo en áreas naturales protegidas individuales. Para su diseño, se revisaron seis documentos internacionales relacionados con el turismo, la naturaleza y la cultura, y se obtuvieron seis criterios para evaluar los avances del manejo del turismo en las áreas naturales protegidas. Se preparó un programa de entrevistas a 24 especialistas en el área del turismo y áreas naturales protegidas y se obtuvo información para determinar las variables a evaluar dentro de los seis criterios determinados. Se desarrolló una primera matriz de evaluación con un sistema de evaluación numérica a aplicarse a los criterios y variables, que fue presentada y discutida en un taller de validación con 14 especialistas. Finalmente, con los comentarios y sugerencias obtenidos, se realizó el afinamiento de la matriz y de la evaluación numérica, con lo que se obtuvieron 56 variables a ser analizadas para los seis criterios. A cada una de las variables se le asignaron cuatro niveles de calificación. Usando los puntajes y las gráficas comparativas, se puede determinar cuáles son los criterios que más deben ser trabajados y, dentro de ellos, cuáles son las variables más sólidas o más débiles, para aplicar mayores esfuerzos en su desarrollo. Se espera que esta metodología contribuya al desarrollo sistemático del turismo en las áreas naturales protegidas, bajo los conceptos de sostenibilidad.</p> Jorge Mario Chávez Salas Alexandre França Tetto Carlos Augusto Reynel Nilton José Sousa Andressa Tres Mariana Meira Micaloski Gonzalo Javier Oliveira Flores Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-30 2019-12-30 7 4 413 423 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.salas Uso do solo no alto curso do rio Lontra, Tocantins https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7755 <p>O monitoramento dos recursos naturais tem sido discutido em projetos de integração e análise de dados de natureza diversa, sendo identificados diferentes usos e ocupações do solo. Neste sentido as técnicas de geoprocessamento têm ganhado destaque como ferramenta de análise do uso e ocupação do solo, potencializando o planejamento das atividades a serem desenvolvidas em bacias hidrográficas, considerando a aptidão dos recursos disponíveis e as adequações por meio de gerenciamento agroambiental. O objetivo deste trabalho foi avaliar as características da rede de drenagem do alto curso do Rio Lontra, município de Araguaína (TO), mostrando os seus diferentes usos e ocupações do solo. Para o desenvolvimento dos mapas, foram utilizadas cartas imagens de satélite Landsat 8, sensor OLI, composição RGB das bandas 764, bem como ferramentas de geoprocessamento, manuseadas em plataformas do SIG e datum SIRGAS2000. Assim, foi constatado que a área de estudo possui uma rede de drenagem característica de cursos perenes, com perfil longitudinal e classificada como de 3ª ordem. Além disso, as APP’s dos corpos hídricos, até 2015, sofreram uma supressão de vegetação 8,7 ha e a atividade de uso do solo mais predominante na área é a silvicultura de eucalipto.</p> Cynthia Karyne Tavares Maciel Olavo da Costa Leite Daniel Santana Colares Allan Deyvid Pereira da Silva Jader Nunes Cachoeira Maria de Paula Soares da Silva Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-30 2019-12-30 7 4 424 433 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.maciel Indicação de um programa de secagem para espécie nativa do cerrado https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7780 <p>Este estudo teve como objetivo a elaboração de um programa de secagem da madeira de <em>Pterodon emarginatus</em> que é uma espécie nativa do Cerrado, amplamente utilizada na produção de madeira, principalmente para indústria de base florestal, em todo o Brasil. Para a realização deste trabalho foram confeccionados 10 corpos de provas para a determinação da densidade básica e retratibilidade com dimensões de 4,5x2,0x2,0 cm, e para o programa de secagem foram utilizados 10 amostras com dimensões de 15x4,5x1,0 cm, referentes a comprimento, largura e espessura. A secagem dos corpos de prova foi realizada segundo a metodologia de secagem drástica a 100°C adaptado por Ciniglio (1998). Os resultados demonstram que a madeira de <em>Pterodon emarginatus</em> possui uma densidade básica de 0,800 g.cm<sup>-3</sup>, classificando está madeira como moderadamente pesada. Sua umidade inicial foi de 70,61%, calculado por meio do método gravimétrico. O colapso foi o principal defeito observado nas amostras que apresentou valor de 0,450mm, sendo assim classificada como baixo grau de colapso. Os principais parâmetros do programa de secagem foram temperatura inicial (40,77), temperatura final (63,13) e potencial de secagem (1,8), o programa gerou uma secagem difícil para a espécie, indicando temperaturas mais baixas na secagem a fim de evitar defeitos severos na madeira.</p> Natália Stheffany de Brito Lima Hyara Alves Pereira e Silva Raquel Marchesan Priscila Bezerra de Souza Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-30 2019-12-30 7 4 434 442 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.lima Avaliação da inflamabilidade de seis espécies nativas na região sul do Tocantins https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7794 <p>A vegetação lenhosa do Cerrado apresenta propriedades adaptativas ao fogo. As queimadas durante a estação seca podem ocasionar em mudanças significativas na estrutura e composição florística da vegetação. Este trabalho teve como objetivo avaliar a inflamabilidade de seis espécies nativas de um fragmento de Cerrado, localizado no sul do Tocantins. Foram coletadas amostras compostas de materiais finos das espécies selecionadas, com diâmetro inferior a 7 mm, excluindo folhas jovens e gemas apicais. Para cada espécie, realizou-se 50 repetições, sendo analisados: frequência de ignição, tempo para ignição, duração da combustão, índice de combustão, além da determinação do valor de <em>inflamabilidade</em>. Dentre as espécies avaliadas, <em>Curatella</em> <em>americana</em> L., <em>Clethra</em> <em>scabra</em> Pers. e <em>Anacardium</em> <em>occidentale</em> L. obtiveram valores significativos com destaque para Clethra scabra Pers. que obteve os maiores valores médios das variáveis de inflamabilidade. Observamos também que a maioria das espécies tiveram um índice de combustão classificados como muito alto (IC = 4 e IC = 5). Com este estudo podemos concluir que a maioria das espécies são inflamáveis, sendo que <em>Clethra</em> <em>scabra</em> Pers. foi a espécie que apresentou o melhor resultado das variáveis de inflamabilidade sendo classificada como altamente inflamável. Por outro lado, <em>Macrolobium</em> <em>limbatum</em> Spruce ex Benth. var. limbatum e <em>Ziziphus</em> <em>cinnamomum</em> Triana &amp; Planch. foram as espécies que obtiveram os menores resultados sendo classificadas como fracamente inflamáveis.</p> Yasmim Andrade Ramos Allan Deyvid Pereira da Silva Rayna Régina Alves de Oliveira Rodrigo Araújo Fortes Francisca de Cássia Silva da Silva Antônio Carlos Batista Marcos Giongo Maria Cristina Bueno Coelho Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-31 2019-12-31 7 4 443 448 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.ramos Avaliação da eficiência de remoção de matéria orgânica em efluente sanitário em função da idade do lodo de reator UASB: um estudo de caso https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7832 <p>No Brasil, um dos processos de tratamento biológico de efluentes sanitários mais utilizados é o reator anaeróbio de fluxo ascendente e manta de lodo do tipo UASB (em inglês, <em>Upflow</em> <em>Anaerobic</em> <em>Sludge</em> <em>Blanket</em>), devido as suas características operacionais compatíveis com o clima predominante e os custos relativamente baixos de manutenção. O presente trabalho avaliou o desempenho do reator UASB de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) localizada na região sul do estado do Tocantins quanto à remoção de matéria orgânica em função da idade do lodo. Caracterizou-se as amostras em relação aos parâmetros físico-químicos: pH, turbidez, sólidos totais e Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO). O monitoramento do reator ocorreu ao longo de 4 meses, e as amostras foram coletadas mensalmente nesse período, tanto no afluente como no afluente do reator. A eficiência de remoção da matéria orgânica pelo reator UASB variou entre 52,5 e 93,0%, e o maior valor foi observado apenas no quarto mês de coleta, o que indica que para idades de lodo inferiores o processo pode não ser eficiente. O pH do afluente e efluente apresentaram valores semelhantes, próximo da neutralidade e adequados para o processo anaeróbio. A remoção de sólidos totais manteve-se entre 50 e 60%, enquanto a remoção de turbidez variou entre 70 e 80%, o que demonstra que as condições físico-químicas do afluente foram adequadas ao processo de tratamento anaeróbio. A cinética de degradação da matéria orgânica pelo reator pôde ser representada por um modelo de primeira ordem, no entanto, foi melhor representado pela equação DBO = - 0,0013.t^3 + 0,2786.t^2- 18,801.t + 625,55.</p> Ana Paula Nogueira das Neves Dennis da Silva Ferreira Douglas Azevedo Castro Grasiele Soares Cavallini Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-31 2019-12-31 7 4 449 456 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.neves Previsão de vazão na bacia hidrográfica do rio Manuel Alves da Natividade utilizando o modelo de séries temporais SARIMA https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7895 <p>O estudo e simulação do escoamento superficial de uma bacia hidrográfica são fundamentais para o gerenciamento dos recursos hídricos. Os modelos hidrológicos são ferramentas que auxiliam o planejamento do abastecimento hídrico, projetos de uso da água, geração de energia hidrelétrica, sistemas de irrigação, utilização sustentável e conservação da biodiversidade de uma bacia hidrográfica. A área em estudo é a bacia hidrográfica do rio Manuel Alves da Natividade, uma importante bacia hidrográfica pertencente a região hidrográfica Tocantins-Araguaia, um dos principais afluentes do rio Tocantins. Neste contexto, objetivou-se analisar, modelar e fazer previsões com base nas séries temporais de vazões mensais da bacia hidrográfica do rio Manuel Alves da Natividade utilizando o modelo SARIMA. A metodologia adotada foi a de Box e Jenkins que consiste em: identificar o modelo; estimar seus parâmetros e aplicar o modelo ajustado para previsão. A série foi verificada quanto a tendência, sazonalidade e estacionariedade e a identificação da ordem dos componentes dos modelos se deu por meio da análise gráfica dos correlogramas e periodograma. A seleção do melhor modelo foi realizada com base nos critérios de seleção e medidas de qualidade. O modelo escolhido foi o SARIMA(1,0,1)(1,1,4)<sub>12</sub>, que apresentou coeficiente de Nash-Sutcliffe de 0,61 e 0,81 para as etapas de calibração e validação, respectivamente, valores estes classificados como “bom”, segundo a classificação para modelos hidrológicos. O modelo mostrou-se eficaz na previsão de períodos de recessão do escoamento, sendo indicado principalmente como ferramenta na gestão de recursos hídricos para a previsão da oferta hídrica em períodos de estiagem críticos.</p> Victor Braga Rodrigues Duarte Francisca de Cássia Silva da Silva Igor Viana Souza Marcos Vinicius Cardoso Silva Hygor Gomes de Almeida Sousa Marcos Giongo Marcelo Ribeiro Viola Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-31 2019-12-31 7 4 457 468 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.duarte Resultados preliminares do manejo integrado do fogo nas terras indígenas Paresi https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7957 <p>O manejo integrado do fogo considera as práticas locais, as informações ecológicas e científicas e o manejo institucional para conservar a biodiversidade, reduzir a prevalência de incêndios florestais e proteger a vegetação sensível ao fogo. Nas terras indígenas, a gestão do manejo ocorre por meio do Programa de Brigadas Florestais, que é respaldado pelo Acordo de Cooperação Técnica entre o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e pela Fundação Nacional do Índio. Ainda são escassas avaliações sobre a implementação deste paradigma em Terras Indígenas com enfoque ao regime de queima e aos danos causados em espécies vegetais, considerando os períodos de tratamento de fogo. Por isto, o objetivo deste trabalho foi avaliar os primeiros resultados do manejo integrado do fogo nas terras indígenas Juininha, Paresi e Utiariti, todos ocupadas pelo povo indígena Paresi e localizadas no estado do Mato Grosso, por meio da análise das fitofisionomias afetadas pelas queimas, dos danos na vegetação causadas pelo fogo e pela distribuição sazonal do dado de fogo ativo, nos anos de 2016 a 2018. Os resultados apresentaram que as queimas nas terras indígenas foram deslocadas para a estação do fogo precoce e que a maioria das espécies avaliadas não tiveram danos causados pelas queimas de ambos os períodos. Quando com algum nível de impacto, este foi mais elevado no período de fogo precoce. Por isto, concluiu-se que apesar das queimas estarem deslocadas para o período de fogo precoce, as técnicas de queimas prescritas não abrangem a frequência e histórico das superfícies atingidas para considerar uma abordagem de mosaicos além da redução dos grandes eventos na estação de fogo modal-tardio.</p> Ananda Santa Rosa Raquel Antunes Daldegan Ruth Elias de Paula Laranja Rafael Rodrigues da Franca Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-31 2019-12-31 7 4 469 480 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.srosa A importância da utilização da espécie Acmella oleracea L. https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/JBB/article/view/7842 <p>A utilização de espécies de plantas é o que mantém a sociedade em vários aspectos, usufruindo das propriedades benéficas que a biodiversidade oferece, incluindo entre ela a hortaliça <em>Acmella oleracea </em>L. conhecida popularmente como Jambu, sendo ele valor nutricional e comercial, extraída da flora. Desta forma, o trabalho visou caracterizar a importância desta espécie, mostrando suas propriedades em vários setores como funções nutritivas no alimento e cosmético. O artigo buscou fixar as principais benfeitorias através de revisões bibliográficas de determinados estudos entre eles, artigos, estudos de mestrados até doutorados, destacando a sua importância e como causa sua dormência. Com as revisões destes, foi possível notar que esta espécie de hortaliça é bastante estudada, pois possui substâncias essenciais que o corpo humano necessita, entre elas, vitaminas, cálcio, ferro e entre outros. A sua utilização trouxe para o estudo acadêmico uma visão diferente e complementar jamais vista em outras atividades.</p> Crisna Pereira dos Santos Matheus Mendes Nina Sthefanie Felix da Rocha Renato Abreu Lima Copyright (c) 2019 Journal of Biotechnology and Biodiversity https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2019-12-31 2019-12-31 7 4 481 485 10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.santos