Desempenho de sementes de feijão sob diferentes temperaturas

  • Mártin Zanchett Groth Universidade Federal de Pelotas
  • Rodrigo Ferraz Ramos Universidade Federal de Santa Maria
  • Cristiano Bellé Universidade Federal de Pelotas
  • Débora Leitzke Betemps Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Nariane de Andrade Universidade Federal de Santa Maria
  • Tiago Edu Kaspary Instituto Nacional de Investigación Agropecuaria
Palavras-chave: ecótipo, Phaseolus vulgaris, plasticidade fenotípica, temperatura de germinação

Resumo

O estudo avaliou o desempenho germinativo de sementes de feijão (BRS Expedito) de diferentes regiões do sul do Brasil submetidas a diferentes temperaturas de germinação (20, 25 e 30º C). Foram avaliados: germinação (GER), primeira contagem de germinação (PCG), índice de velocidade de germinação (IVG), massa seca da parte aérea (MSPA) e massa seca da raiz (MSR). As sementes de São Mateus (PR) apresentaram os maiores valores médios para as variáveis GER, PCG e IVG nas três temperaturas testadas. O aumento da temperatura (20 a 30 ºC) influenciou significativamente o acúmulo de biomassa seca nas raízes e da parte area das platulas de feijão. Os resultados indicam a existência de uma plasticidade fenotípica adquirida pela cultivar devido à adaptação local dos ecótipos.

Referências

Barbosa FR, Gonzaga ACO. Informações técnicas para o cultivo do feijoeiro-comum na Região Central-Brasileira: 2012-2014. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 272 p. 2012.

Bewley JD, Black M. Seeds: physiology of development and germination. 2nd ed. New York: Plenum Press, 446 p.1994.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimen-to. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 399 p. 2009.

Coelho JD. Produção de grãos – feijão, milho e soja. Caderno Setorial ETENE, v. 33, n. 1, p. 1-12, 2018.

Ferreira DF. Sisvar: a Guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência e Agrotecnologia, v. 38, n. 2, p. 109-112, 2014.

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542014000200001

Machado-Neto NB, Gatti AB, Priolli MR, Cardoso VJM. Temperature effects on seed germination in races of com-mon beans (Phaseolus vulgaris L.).Acta Scientiarum. Agronomy, v. 28, n. 2, p. 155-164, 2006.

Maguire JD. Speed of germination aid in selection and evalua-tion for seeding emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 76-177, 1962.

Maluf JRT, Wesphalen SL, Caiaffo MR. Zoneamento agro-climático da cultura de feijão no Estado do Rio Grande do Sul: recomendação de períodos favoráveis de semeadura por município. Circular técnica, v. 3, n. 1, p. 1-32, 2000.

Minuzzi A, Braccini AL, Rangel MAS, Scapim CA, Barbosa MC, Albrecht PA. Qualidade de sementes de quatro cultiva-res de soja, colhidas em dois locais no estado de Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 1, p. 176-185, 2010.

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222010000100020

Nakagawa J. Testes de vigor baseados na avaliação das plântu-las. In: Vieira RD, Carvalho NM. Testes de vigor em se-mentes. Jaboticabal: FUNEP, 49-85 p. 1999.

Nascimento WM. Temperatura X germinação. Seed News, v. 4, n. 4, p. 44-45, 2000.

Neto ACA, Sousa FGS, Nunes RTC, Moreira ES, Vasconce-los RC. Qualidade fisiológica em sementes de variedades de feijão comum cultivadas em vitória da conquista – BA. En-ciclopédia Biosfera, v.10, n. 18, p. 2583- 2593 2014.

Pereira V, Gris D, Marangoni T, Frigo J, Azevedo K, Grze-siuck A. Exigências Agroclimáticas para a Cultura do Feijão (Phaseolus vulgaris L.). Revista Brasileira de Energias Re-nováveis, v. 3, n.1, p. 32-42, 2014. http://dx.doi.org/10.5380/rber.v3i1.36917

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, 2015.

Sbrussi CA, Zucareli C. Germination of corn seeds with dif-ferent levels of vigor in response to differents temperatures. Ciências Agrárias, v. 35, n.1 p. 215-226, 2014.

Vieira C, Trazilbo JPJ. Feijão. 2 ed. Viçosa: UFV, 600p. 2006.

Wrege MS, Steinmetz S, Reisser Júnior C, Almeida IR. Atlas climático da região Sul do Brasil: Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Brasília, DF: Embrapa, 334 p. 2012.

Wylot E, Ramos RF, Mello AM, Sobucki L, Dossin MF, Pavanelo AM. Germinação de sementes de Phaseolus vul-garis L. submetidas a diferentes tratamentos com bioestimu-lante. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM (Uniara), v.22, n.1, p.121-130, 2019.

https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2019.v22i1.623

Zucareli C, Brzezinski CR, Abati J, Werner F, Ramos Júnior EU, Nakagawa J. Qualidade fisiológica de sementes de fei-jão carioca armazenadas em diferentes ambientes. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.19, n.8, p.803-809, 2015.

http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n8p803-809

Publicado
2020-05-22
Como Citar
Zanchett Groth , M., Ferraz Ramos , R., Bellé, C., Leitzke Betemps , D., de Andrade , N., & Kaspary , T. E. (2020). Desempenho de sementes de feijão sob diferentes temperaturas. Journal of Biotechnology and Biodiversity, 8(1), 012-016. https://doi.org/10.20873/jbb.uft.cemaf.v8n1.groth