Aplicação do modelo SIR no estudo da transmissão da dengue no município de Gurupi, Tocantins

  • Laina Pires Rosa Universidade Federal do Tocantins
  • Pedro Alexandre da Cruz Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: biomatemática, métodos numéricos, modelagem matemática, epidemiologia, equações diferenciais

Resumo

A dengue, uma doença infecciosa febril aguda que pode matar, tornou-se um dos maiores problemas de saúde pública no Brasil. Por ainda não possuir uma vacina eficaz, seu quadro epidemiológico multiplica-se em todo território nacional, principalmente no verão, onde o mosquito Aedes aegypti vetor de transmissão da doença encontra condições ambientais favoráveis à sua alta reprodução. O objetivo desse estudo é discutir e aplicar o Modelo SIR (susceptíveis, infectados e recuperados) na descrição da transmissão da dengue no município de Gurupi-TO.  Realizando simulações a fim de validar o modelo comparando com os dados reais de casos de dengue no município, além de apresentar alterações feitas em alguns parâmetros cujos esse não se tem registros. As simulações numéricas foram efetuadas via método de Runge-Kutta de 4ª ordem implementado em linguagem C, utilizando alguns parâmetros da literatura, outros foram ajustados para validação do modelo para os períodos de 2006/2011, 2009/2013 e 2014/2016 o que proporcionou um melhor ajuste para todos os períodos quando comparados com os dados reais.

Referências

BASSANEZI, R.C. Ensino aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo: Editora Contexto, 2002.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portal da saúde. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/dengue> Acesso em: 12 de Agosto de 2017.

BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Con-tagem da População 2010. Disponível em: < http://cod.ibge.gov.br/2VXOL> Acesso em: 15 agosto 2017.

CÂMARA, F.P., THEOPHILO, R.L.G.; SANTOS, G.T.; PEREIRA, S.R.F.G.; CÂMARA, D.C.P. et al. Estudo re-trospectivo (histórico) da dengue no Brasil: características regionais e dinâmicas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.40, n.2, p.192-196, 2007.

CRUZ, P.A.; ROSA, L.P.; CRUZ, L.C.C. A utilização de modelos matemáticos para análise de parâmetros populacio-nais da cidade de Gurupi. Revista Cereus, Gurupi-TO, v.8, n.1, p.33-45, 2016.

DE BARROS, A.M.R. Modelos matemáticos de equações diferenciais ordinárias aplicados à epidemiologia. Revista de Ciências Exatas e Tecnologia, v.2, n.2, p.62-67, 2015.

FREIRE, M.G.M.; DIAS, V.M.; NETO, A.F.S.; SANTOS; C.M.; SILVA, A.T.M.F. Zero Aedes: Fora Dengue, Fora Zika, Fora Chikungunya. Revista Perspectiva Online: Bio-lógicas & Saúde, v.7, n.24, p.23-31, 2017.

HEINZ, S. Mathematical modeling. New York: Springer, 2011.

KEATING, J. An investigation into the cyclical incidence of dengue fever. Elsevier, Social Science Medicine, n.53, p.1587-1597, 2001.

KERMACK, W.O.; McKENDRICK, A.G. A contribution to the mathematical theory of epidemics. Proceedings of the Royal Society of London. Series A, Containing Papers of a Mathematical and Physical Character, v.115, p.700-721, 1927.

PORTAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GURUPI. História do município. Disponível em: <http://www.gurupi.to.gov.br/?page=dados-municipio>. Acesso em: 13 agosto de 2019.

ROCHA, D.I.C. Modelos matemáticos aplicados à epidemio-logia. 2012. 124f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Méto-dos Quantitativos em Economia e Gestão, Matemática e In-formática - Faculdade de Economia Universidade do Porto.

SANTOS, D.A. Modelagem de Transmissão de dengue e problemas ambientais similares via sistemas de equações diferenciais ordinárias. 2013. 103f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB, Campus Itapetinga.

ZILL, D.G. Equações diferenciais. v.2, 3ª edição, São Paulo: Pearson Makron Books, 2001.

Publicado
2019-10-05
Como Citar
Rosa, L. P., & Cruz, P. A. da. (2019). Aplicação do modelo SIR no estudo da transmissão da dengue no município de Gurupi, Tocantins. Journal of Biotechnology and Biodiversity, 7(1), 231-240. https://doi.org/10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n1.rosa