Germinação de sementes de Handroanthus serratifolius (Vahl) S. O. Grose em substrato contendo resíduos agroindustriais

Palavras-chave: uso alternativo, impacto social, ambiental, agropecuária

Resumo

A Agricultura tem grande influência na economia rondoniense, mas o setor gera resíduos que podem ter diferentes destinações. E uma alternativa promissora para o destino final desses resíduos é o seu uso como substratos, minimizando assim impactos social, econômico e ambiental. O objetivo do trabalho foi avaliar os substratos obtidos a partir de diferentes concentrações resíduos agroindustriais, na germinação de Handroanthus serratifolius (Vahl) S. O. Grose. O delineamento utilizado foi o de blocos casualizados, cinco tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos resultaram em diferentes combinações de areia e resíduo agroindustrial: T1 – 0%:100% (testemunha); T2 – 75%:25%; T3 – 50%:50 %; T4 – 25%:75%; e T5 – 0%:100%. Diariamente, foi avaliada a porcentagem de germinação (G%) e, após a estabilização da germinação aos 27 dias, foram calculados o índice de velocidade de germinação (IVG), tempo médio de germinação (TMG) e velocidade média de germinação (VMG) das sementes e as médias de germinação foram submetidas aos testes normalidade, homogeneidade a 5% de significância e análise de variância ao teste de Tukey (P ≥ 0,95). A porcentagem de germinação variou de 9% a 71%, e foi verificado 100% de sanidade das sementes e ausência de plântulas anormais. Verificou-se que o tratamento 2 apresentou diferença significativa entre os demais tratamentos, o substrato com os melhores resultados foi o T2 (G% = 71%; IVG =11; TMG = 17 dias; VMG = 0,0606 sementes.dia-1). O substrato com 25% resíduos + 75% areia destacou-se dos demais tratamentos, resultando nos melhores resultando na melhor germinação.

Referências

Alvares CA, Stape JL, Sentelhas PC, Gonçalves JL, Sparovek G. (Dezembro de 2013). Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v.22, p.711-728, dez. 2013. https://doi:10.1127/0941-2948/2013/0507

Amaral DMI. Padronização de testes em laboratório com sementes florestais. In: Simpósio Brasileiro Sobre Tecnolo-gia de Sementes Florestais, v.1, 1984, Belo Horizonte. Anais... Brasília: ABRATES, 1986. p.267-283.

Angiosperm Phylogeny Group (APG). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, v.118, n.1, p.1-20, mai, 2016. https://doi:10.1111/boj.12385

Baratta Júnior AP. Utilização do composto de resíduos da poda da arborização urbana em substratos para produção de mudas. 2007. 53f. Dissertação (Mestrado em Ciências Am-bientais e Florestais) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Florestas, Rio de Janeiro.

Brasil. (2009). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abaste-cimento. Regras para análise de sementes. (1ª ed.). Brasília, DF: MAPA/ACS, 2009.

Brown PH, Welch RM, Cary EE. Nickel: a micronutrient essential for higher plants. Plant Biologists, v.85, p.801-803, 1987. https://doi:doi.org/10.1104/pp.85.3.801

Caldeira MVW, Delarmelina WM, Lube SG, Gomes DR, Gonçalves EO, Alves AF. Biossólido na composição de substrato para a produção de mudas de Tectona grandis. Floresta, v.42, n.1, p.77-84, jan/mar, 2012. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v42i1.26302

Caldeira MV, Schumacher MV, Barichello LR, Vogel HL, Oliveira L. Crescimento de mudas de Eucalyptus saligna Smith em função de diferentes doses de vermicomposto. Floresta, v.28, n.1/2, p.19-30, 1998. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v28i12.2305

Carvalho NM, Nakagawa J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. V.5. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590p.

Cogo MR, Barbosa FM, Souza LB, Coelho APD, Frescura VD. Produção de mudas de Solanum betaceum Cav. e Physalis angulata L. em diferentes substratos. Revista Enci-clopédia Biosfera. Goiânia, v.9, n.16, p.1806-1813, 2013.

Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolu-ção n. 375, de 29 de agosto de 2006: Define critérios e pro-cedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produ-tos derivados, e dá outras providências. DOU, Brasília, 30 ago. 2006.

CNM, Confederação Nacional de Municípios. Responsável por 23,5% do PIB, agropecuária puxa geração de empregos formais. Jun.2018.

Dechen AR, Nachtigall G0R. Elementos requeridos à nutrição de plantas. Em N. R. F., A. V. H., B. N.F., F. R. F., C. R. B., & N. J. (eds), Fertilidade do Solo (pp. 91-132). Viçosa, MG SBCS/UFV: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo SBCS/UFV, 2007.

Dutra TR, Massad MD, Otoni BA, Santos AR, Menezes ES, Sarmento MF. Potencial fitorremediador de Tecoma stans em solo contaminado com herbicida diuron + hexazinone, em Salinas-MG. Agropecuária Científica no Semiárido - ACSA, v.13, n.2, p.106-112, abr/jun, 2017.

Epstein E. Silicon in plants: Facts vs. concepts L E Datnoff G H Snyder G H Korndörfer (Eds) Silicon. Agriculture Else-vier. Amsterdam. 15p. 2001.

Epstein E, Bloom AJ. Nutrição mineral de plantas: princípios e perspectivas. 2. ed. Londrina: Editora Planta, 2006. 403p.

Ferreira EB, Cavalcanti PP, Nogueira DA. ExpDes: An R Package for ANOVA and experimental designs. Applied Mathematics, v.5, n.19, p.2952-2958, 2014. http://dx.doi.org/10.4236/am.2014.519280

Ferreira EGBS, Matos VP, Sena LHM, Sales AGFA. Germi-nação de sementes e desenvolvimento inicial de plântulas de crista-degalo em diferentes substratos. Scientia Agraria, Cu-ritiba, v.9, n.2, p.241-244, 2008.

Galbiatti JA, Lui JJ, Sabonaro DZ, Bueno LF, Silva VL. Formação de mudas de eucalipto com utilização de lixo or-gânico e níveis de irrigação calculados por dois métodos. Engenharia Agrícola, v.27, n.2, p.445-455, ago,2007. https://doi.org/10.1590/S0100-69162007000300013

Goncalves JL, Benedetti V. Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba, SP: IPEF, 2000.

Gonçalves JL, Santareli EG, Moraes Neto SP, Manara MP. Produção de mudas de espécies nativas: substrato, nutrição, sombreamento e fertilização. Em JL. Gonçalves, V Benedet-ti, Nutrição e fertilização florestal (pp.309-350). Piracicaba: IPEF, 2000.

Guedes RS, Alves EU, Gonçalves EP, Colares PN, Medeiros MS, Viana JS. (2011). Germinação e vigor de sementes de Myracroduon urundeuva Allemão em diferentes substratos e temperaturas. Revista Árvore, v.35, n.5, 975-982, 2011. https://doi.org/10.1590/S0100-67622011000600003

Kabata-Pendias A, Pendias H. Trace elements in soils and plants (3ª ed.). Boca Raton: CRC Press, 2001.

Knapik JG et al. Crescimento inicial de Mimosa scabrella Benth., Schinus terebinthifolius Raddi e Allophylus edulis (St. Hil.) Radl. sob diferentes regimes de adubação. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, PR, v.51, p.33-44, 2005.

Lima Filho OF de; Lima MTG de; Tsai SM. O silício na agri-cultura. Informações Agronômicas, n.87, p.1-7, 1999.

Lima CR, Pacheco MV, Ferrari CD, Braga-Júnior JM, Bezer-ra AK. Temperaturas e substratos na germinação de semen-tes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Brasileira de Sementes, v.33, n.2, p.216-222, 2011. https://doi.org/10.1590/S0101-31222011000200003

Lorenzi H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil (Vol.2). Nova Odessa, SP: Plantarum, 1992.

Machado CF, Oliveira JA, Davide AC, Guimarães RM. Me-todologia para a condução do teste de germinação em se-mentes de Ipê-Amarelo (Tabebuia serratifolia (Vahl) Ni-cholson). Cerne, v.8, n.2, p.17-25, 2002.

Medeiros AC, Zanon A. Germinação de sementes de sapuva (Machaerium stiptatum (DC.) Vog) e de Acacia longifolia (Andr.) Wildenow). Boletim de Pesquisa Florestal, p.31-38, jan/jun 1999.

Monteiro JM, Lins Neto EM, Amorim EL, Strattmann RR, Araújo EL, Albuquerque UP. Teor de taninos em três espé-cies medicinais arbóreas simpátricas da caatinga. Revista Árvore, v.29, n.6, p.999-1005, 2005. https://doi.org/doi:10.1590/S0100-67622005000600020

Nascimento IL, Leal CC, Nogueira NW, Medeiros AK, Câma-ra FM. Influência de diferentes tipos de substrato e tempera-tura na germinação de sementes de Inga ingoides, Rich., Willd. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.6, n.4, p.7-10, out/dez 2011.

Nascimento JS. Compostagem.2005. Disponível em: <http://eb.ufpel.edu.br/compostagem.pdf> Acesso em: 19 jun 2011.

Neves OS, Ferreira EV, Carvalho JG, Soares CR. Adição de níquel na solução nutritiva para o cultivo de mudas de um-buzeiro. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.31, n.3, 485-490 jun, 2017. https://doi.org/doi:10.1590/S0100-06832007000300008

Pacheco MV, Matos V, Ferreira RL, Lícia A, Feliciano P, Silva KM. Efeito de temperaturas e substratos na germina-ção de sementes de Myracrodruon urundeuva Fr. All. (Anacardiaceae). Revista Árvore, v.30, n.3, p.359-367, jun,2006. https://doi.org/doi:10.1590/S0100-67622006000300006

Pagliarini MK, Castilho RM, Nasser FA, Alves MC. Trata-mentos pré-germinativos e substratos na germinação de se-mentes e biometria de plântulas de Hymenaea courbaril L. var. Stilbocarpa. Cultura Agronômica, v.25, n.1, p.39-54, 2016. https://doi.org/doi:10.32929/2446-8355.2016v25n1p39-54

Paiva HN, Carvalho JG, Siqueira JO, Fernandes AR, Miranda JR. Efeito da aplicação de doses crescentes de níquel sobre o teor e o conteúdo de nutrientes em mudas de ipê-roxo (Ta-bebuia impetiginosa (Mart.) Standley). Scientia Forestalis, n.63, p.158-166, jun, 2003.

Panda SK, Choudhury S. Chromium stress in plants. Brazilian Journal of Plant Physiology, v.17, p.95-102, 2005. https://doi.org/doi:10.1590/S1677-04202005000100008

Rosa MF, Abreu FAP, Furtado AAL, Brígido AKL, Norões ERV. Processo agroindustrial: obtenção de pó de casca de coco verde. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical. 4p. (Comunicado técnico 61), 2001.

Rosa MF, Santos FJS, Montenegro AAT, Abreu FAP, Cor-reia C, Araújo FBS, Norões ERV. Caracterização do pó de casca de coco verde usado como substrato agrícola. Comu-nicado técnico. Embrapa Agroindústria Tropical. n.54, maio/2002, p.1-6.

Ribeiro HM, Romero AM, Pereira H, Borges P, Cabral F, Vasconcelos E. Evaluation of a compost obtained from for-estry wastes and solid phase of pig slurry as a substrate for seedlings production. Bioresource Technology. Bioresource Technology, v.98, n.17, p.3294-3297, dez, 2007. https://doi.org/doi:10.1016/j.biortech.2006.07.002

Santos FE, Araújo JM, Andrade WC, Costa CC, Silva AG. Formação de mudas de Eucalyptus urophylla S.T. Blake com utilização de resíduo sólido orgânico urbano. Enciclo-pédia Biosfera, v.9, n.16, p.1203-1214, 2013.

SEAGRI, Secretaria de Estado da Agricultura. Agronegócio de Rondônia avança e bate recordes de exportação e produ-ção agrícola em 2020. Mar. 2021.

Sena LHM et al. Qualidade fisiológica de sementes de pitan-gueira submetidas a diferentes procedimentos de secagem e substratos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Am-biental, Campina Grande-PB, v.14, n.4, p.412-417, 2010.

Schulze M, Grogan J, Uhl C, Lentinia M, Vidal E. Evaluating ipê (Tabebuia, Bignoniaceae) logging in Amazonia: Sustain-able management or catalyst for forest degradation? Biologi-cal Conservation, v.141, n.8, p.2071-2085, ago, 2008. https://doi.org/doi:10.1016/j.biocon.2008.06.003

Silva CS, Pedroso MF. Ecotoxicologia do cromo e seus com-postos. Caderno de Referência Ambiental, v.5, 2001.

Souza FB, Mengarda LH, Spadeto C, Lopes JC. Substratos e temperaturas na germinação de sementes de gonçalo-alves (Astronium concinnum Schott). Revista Tropica: ciências agrárias e biológicas Maranhão, v.6, n.3, p.76- 86, 2012. https://doi.org/doi:10.0000/rtcab.v6i3.905

Taiz L, Zeiger E. Fisiologia vegetal (Vol. 5 ed.). Porto Alegre: Artmed, 2013.

Journal of Biotechnology and Biodiversity
Publicado
2022-03-01
Como Citar
Soares, C. R. B., Rocha, K. J. da, & Tronco, K. M. de Q. (2022). Germinação de sementes de Handroanthus serratifolius (Vahl) S. O. Grose em substrato contendo resíduos agroindustriais. Journal of Biotechnology and Biodiversity, 10(1), 051-060. https://doi.org/10.20873/jbb.uft.cemaf.v10n1.soares