ENTRE TENSIONAMENTOS E CONFLITOS NARRATIVOS JORNALÍSTICOS: CONSTRUÇÕES SOBRE A POLÍCIA E/OU O POLICIAL NA MÍDIA IMPRESSA DA AMAZÔNIA PARAENSE

  • Alda Cristina Silva da Costa Universidade Federal do Pará
  • Denise Cristina Salomão Corrêa Universidade Federal do Pará
  • Mônica Melo Salgado Universidade Federal do Pará
  • Wallace Corrêa Pantoja Junior Universidade Federal do Pará

Resumo

A polícia e/ou os policiais passaram a figurar como atores principais num cenário social em que a violência emerge como um grave problema que aflige grande parte da população brasileira. Mesmo diante dessa centralidade de importância dada a esse ator social, como ‘instrumento’ de segurança pública exercida pelo Estado, constatamos um tensionamento nas construções narrativas jornalísticas, nas quais o discurso sobre a instituição oscila entre heróis e bandidos. A escrita do presente artigo tem como base a seguinte indagação: o que é ou como é representada a polícia e/ou os policiais nas narrativas jornalísticas da mídia impressa paraense? Questão que se ampara no campo das representações sociais, compreendidas nos estudos de Jodelet (1989) sob duas perspectivas: como conhecimento prático, orientado para a compreensão do mundo e para a comunicação; e, por outro, como construções com caráter expressivo, elaborações de sujeitos sociais sobre objetos socialmente valorizados. Logo, as representações sociais são entendidas a partir do contexto que as engendra e da sua funcionalidade nas interações sociais cotidianas, ou seja, no contexto de sua produção. Como recorte da pesquisa, são tomadas quatro edições do jornal paraense Amazônia, editoria de Polícia, do ano de 2013. Ainda como aporte metodológico, recorremos à Análise do Discurso, de van Dijk (2008), em que o discurso é entendido como qualquer evento comunicativo na sociedade. Nas análises, encontramos ideias antagônicas e difusas sobre a instituição polícia e/ou sobre os policiais, que, de acordo com os fatos narrados, adquirem status de importância em conformidade com os interesses da vida social e dos indivíduos neles envolvidos.

 

PALAVRAS-CHAVE: Polícia; Jornal Amazônia; Representações Sociais; Análise Crítica do Discurso.

 

 

ABSTRACT

The police and / or the police have come to represent as main actors in a social scene in which violence emerges as a serious problem that afflicts great part of the Brazilian population. Even in view of this central importance given to this social actor, as an 'instrument' of public security exercised by the State, we find a tension in the narrative journalistic constructions, in which the discourse on the institution oscillates between heroes and bandits. The writing of this article is based on the following question: what is or how the police and / or police are represented in the journalistic narratives of the print media in Para? A question that fits in the field of social representations, understood in the studies of Jodelet (1989) from two perspectives: as practical knowledge, oriented to the understanding of the world and to communication; and, on the other, as constructions with expressive character, elaborations of social subjects on socially valued objects. Thus, social representations are understood from the context that engenders them and from their functionality in everyday social interactions, that is, in the context of their production. As a cut of the research, four editions of the Amazonia newspaper, the police magazine, are published in 2013. Still as a methodological contribution, we use the Discourse Analysis, by van Dijk (2008), in which the discourse is understood as any event communicative in society. In the analyzes, we find antagonistic and diffuse ideas about the police institution and / or the police, which, according to the facts narrated, acquire importance status in accordance with the interests of social life and the individuals involved in them.

 

KEYWORDS: Police; Journal of the Amazon; Social Representations; Critical Discourse Analysis.

 

 

RESUMEN

La policía y / o los policías pasaron a figurar como actores principales en un escenario social en que la violencia emerge como un grave problema que aflige gran parte de la población brasileña. Incluso ante esta centralidad de importancia dada a ese actor social, como "instrumento" de seguridad pública ejercida por el Estado, constatamos una tensión en las construcciones narrativas periodísticas, en las que el discurso sobre la institución oscila entre héroes y bandidos. La escritura del presente artículo tiene como base la siguiente indagación: ¿qué es o cómo es representada la policía y / o los policías en las narrativas periodísticas de los medios impresos paraense? Cuestión que se ampara en el campo de las representaciones sociales, comprendidas en los estudios de Jodelet (1989) bajo dos perspectivas: como conocimiento práctico, orientado a la comprensión del mundo ya la comunicación; y, por otro, como construcciones con carácter expresivo, elaboraciones de sujetos sociales sobre objetos socialmente valorados. Por lo tanto, las representaciones sociales son entendidas a partir del contexto que las engendra y de su funcionalidad en las interacciones sociales cotidianas, o sea, en el contexto de su producción. En el marco de la investigación, se toman cuatro ediciones del diario paraense Amazonia, editorial de Policía, del año 2013. Aun como aporte metodológico, recurrimos al Análisis del Discurso, de van Dijk (2008), en que el discurso es entendido como cualquier evento comunicativo en la sociedad. En los análisis, encontramos ideas antagónicas y difusas sobre la institución policía y / o sobre los policías, que, de acuerdo con los hechos narrados, adquieren status de importancia de acuerdo con los intereses de la vida social y de los individuos en ellos involucrados.

 

PALABRAS CLAVE: Policía; Diario Amazonia; Representaciones Sociales; Análisis crítico del discurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alda Cristina Silva da Costa, Universidade Federal do Pará

Doutora. Professora do Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia, da Universidade Federal do Pará (UFPA). Coordenadora dos projetos de pesquisa Mídia e Violência: percepções e representações na Amazônia; Narrativas Contemporâneas na Amazônia Paraense. E-mail: aldacristinacosta@gmail.com.

Denise Cristina Salomão Corrêa, Universidade Federal do Pará

Graduanda de Comunicação Social, na Universidade Federal do Pará. Bolsista de Iniciação Científica do projeto de pesquisa Mídia e Violência: percepções e representações na Amazônia. E-mail: denisessalomao@gmail.com.

Mônica Melo Salgado, Universidade Federal do Pará

Graduanda de Comunicação Social, na Universidade Federal do Pará. Bolsista de Iniciação Científica do projeto de pesquisa Mídia e Violência: percepções e representações na Amazônia. E-mail: monicameloufpa@gmail.com.

Wallace Corrêa Pantoja Junior, Universidade Federal do Pará

Graduando de Comunicação Social, na Universidade Federal do Pará. Bolsista do projeto de pesquisa Mídia e Violência: percepções e representações na Amazônia. E-mail: wallacepjr97@gmail.com.

Publicado
2018-09-01
Seção
Dossiê Temático / Thematic dossier / Dossier temático

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##