ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO TOPONÍMICA NA CRIAÇÃO DO SINAL EM LIBRAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL NORTE DO TOCANTINS - UFNT

Resumo

Nomear é uma necessidade humana, quer seja numa língua oral ou em uma língua de sinais. Em alguns casos, é possível rastrear as influências motivadoras que culminam na escolha e na aceitação do nome de um local ou de uma instituição. Em nosso artigo buscamos trilhar as fontes inspiradoras da criação do sinal em Libras da Universidade Federal Norte do Tocantins (UFNT). A pesquisa bibliográfica sobre a Toponímia nos ajudou a alcançar o objetivo do estudo, a saber, compreender como se dá o processo de criação de um sinal em Libras e também nos valemos de uma busca documental para descrever o processo de criação do sinal da Universidade. Nos valemos dos seguintes autores para a construção deste trabalho: Dick (1990) (1992), Seabra (2014), Souza-Junior (2012), Carneiro (2016) e Carneiro; Souza; Costa; Ludwig (2019) além de consultas ao site da Universidade tutora responsável pelo processo de transição, a saber, a Universidade Federal do Tocantins (UFT).  Como resultado, registramos os detalhes da criação do sinal em Libras da nova Universidade tocantinense e constatamos a motivação toponímica presente nesse referente da língua de sinas

Biografia do Autor

Fabiane Barroso, UFNT

Pesquisadora surda, psicóloga e professora de Libras.

Referências

BRASIL. Decreto-lei n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 03 jan. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.032 de 23 de outubro de 2000. Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal do Tocantins. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10032.htm. Acesso em: 16 fev. 2021.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 03 jan. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.856, de 8 de julho de 2019. Cria a Universidade Federal do Norte do Tocantins, por desmembramento de campus da Fundação Universidade Federal do Tocantins. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13856.htm. Acesso: 14 fev. 2021.

CARNEIRO, Bruno Gonçalves. Ampliação lexical da língua de sinais brasileira: aspectos icônicos. Revista Leitura, v. 1, n. 57, p. 104 - 119, 2016. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/2840 Acesso em: 17 jul. 2021.

CARNEIRO, Bruno Gonçalves; SOUZA, José Divino Mendes; COSTA, Delismar Palmeira; LUDWIG Carlos Roberto. Um território surdo na Universidade Federal do Tocantins: o lugar como espaço vivido. In: CARNEIRO, Bruno Gonçalves; LEÃO, Renato Jefferson Bezerra; MIRANDA, Roselba Gomes de (orgs.). Língua de Sinais, identidades e cultura surda no Tocantins. v. 1. North Charleston: Amazon Digital Services, 2019. p. 13 a 32.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Arquivo do Estado, 1990.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia e antroponímia do Brasil: coletânea de estudos. 3. ed. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas da FFLCH/USP, 1992.

SEABRA, M. C. T. C. A formação e a fixação da Língua Portuguesa em Minas Gerais: a Toponímia da Região do Carmo. 2004. 368 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

SOUSA, Alexandre Melo de; QUADROS, Ronice Müller de. Toponímia em Libras: tecnologia e ensino. Simpósio Ibero-Americano de Tecnologias Educacionais, 3., 2019, Araranguá (SC). Anais [...]. Araranguá (SC): Laboratório de Experimentação Remota (Rexlab), 2019, p. 137-146. Disponível em: https://publicacoes.rexlab.ufsc.br/index.php/sited/article/view/131/17. Acesso em: 06 mar. 2021.

SOUSA, Alexandre Melo de; QUADROS, Ronice Müller de. Proposta de ficha lexicográfico-toponímica digital para o estudo da toponímia em língua de sinais. Guavira Letras, v. 15, n. 30, p. 126-140, 2019. Disponível em: https://websensors.net.br/seer/index.php/guavira/article/view/854. Acesso em: 17 jul. 2021.

SOUSA, Alexandre Melo de. Toponímia em Libras. Disponível em: http://www.toponimialibras.com/mapa. Acesso em: 22 fev. 2021.

SOUZA-JÚNIOR, José Ednilson Gomes de. Nomeação de lugares na língua de sinais brasileira: uma perspectiva de toponímia por sinais. 2012. 346 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

UFT (UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS) (Brasil). Resultado final do concurso para criação da identidade visual da universidade federal do norte do Tocantins - UFNT. 20 de novembro de 2020. Disponível em: https://docs.uft.edu.br/share/s/3Q0yU99hS_aDLf1urUuzHA. Acesso em: 16 fev. 2021.
Publicado
2022-05-23
Como Citar
Guedes, F. E., & Barroso, F. S. (2022). ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO TOPONÍMICA NA CRIAÇÃO DO SINAL EM LIBRAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL NORTE DO TOCANTINS - UFNT. Porto Das Letras, 8(2), a22005. Recuperado de https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/13302