Percepção dos riscos de inundações e vulnerabilidade socioambiental das famílias no setor Jardim Querido em Porto Nacional TO

  • Ewandelina de Moraes Universidade Federal do Tocantins (UFT)
  • Lucas Barbosa e Souza Universidade Federal do Tocantins - UFT
Palavras-chave: Percepção ambiental, Riscos de inundações, Vulnerabilidade socioambiental

Resumo

O presente trabalho traz reflexões sobre a percepção dos riscos de inundações com ênfase na vulnerabilidade socioambiental das famílias do Setor Jardim Querido, em Porto Nacional – TO. Foram discutidos antecedentes teóricos, englobando especialmente a questão da justiça ambiental. Quanto aos aspectos metodológicos, tratou-se de pesquisa perceptiva, tendo sido realizadas entrevistas semiestruturadas junto às pessoas, em suas residências. Os resultados indicaram, de modo geral, as dificuldades das famílias para lidar com o risco, a falta de uma compreensão clara sobre os condicionantes de risco no local e uma percepção negativa a respeito da atuação do poder público junto à comunidade. Assim, almeja-se que os apontamentos provindos deste estudo sirvam de subsídio ao planejamento de políticas públicas, aos responsáveis pelo monitoramento e ordenamento territorial da cidade, sempre voltados à sustentabilidade e melhora da qualidade de vida da população.

Biografia do Autor

Ewandelina de Moraes, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Assistente social e pedagoga, mestra e doutoranda em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins (UFT); professora da rede municipal de Palmas (TO) e da Universidade Estadual do Tocantins (UNITINS).

Lucas Barbosa e Souza, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Bacharel (1999) e licenciado (2000) em Geografia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), mestre (2003) e doutor (2006) em Geografia (Análise da Informação Espacial) pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Campus de Rio Claro. Pós-doutorado (2018) em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professor Associado da Universidade Federal do Tocantins (UFT) desde 2004, onde atua junto ao Curso de Geografia (Campus de Porto Nacional) e aos Programas de Pós-Graduação em Geografia (Campus de Porto Nacional) e em Ciências do Ambiente (Campus de Palmas). Desenvolve pesquisas nas áreas de climatologia geográfica, percepção ambiental e planejamento urbano

Referências

ACSELRAD, H. Justiça ambiental e construção social do risco. Desenvolvimento e meio ambiente, Curitiba, n.5, p.49-60, 2002.

ACSELRAD, H. Ambientalização das lutas sociais: o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v.24, n.68, p.103-119, 2009. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10469 Acesso em: 07 jul. 2016.

ACSELRAD, H.; MELLO, C. C. do A.; BEZERRA, G. das N. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BERNARDELI, M. A. F. D.; SOUZA, L. B.; FORMIGA-JOHNSSON, R. M. Análise da situação ambiental na bacia hidrográfica do córrego São João, Porto Nacional – TO. Interface, Porto Nacional, v.17, n.17, p.59-69, 2019. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/interface/article/view/7163 Acesso em: 08 jul. 2020.

BOTELHO, R. G. M. Bacias hidrográficas urbanas. In: GUERRA, A. J. T. (Org.). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011, p. 71-115.

BOTELHO, R. G. M.; SILVA, A. S. da. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. In: VITTE. A. C.; GUERRA, A. J. T. (org.) Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004, p.153-192.

BRASIL. Lei Federal nº 10.257/2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília, 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm Acesso em: 07 jan. 2017.

BRASIL. Lei Federal nº 12.651/2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 07 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres. Anuário brasileiro de desastres naturais: 2013. Brasília: CENAD, 2014.

BULLARD, R. D. (org.) Confronting environmental racism: voices from the grassroots. Boston: South End Press, 1993.

BURTON, I.; KATES, R. W.; WHITE, G. F. The environment as hazard. 2. ed. New York: Guilford Press, 1993.

CUTTER, S. L. A ciência da vulnerabilidade: modelos, métodos e indicadores. Revista Crítica de Ciências Sociais, v.93, p.59-69, 2011, Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/165 Acesso em: 18 abr. 2017.

DAGNINO, R. de S.; CARPI JUNIOR. S. Risco ambiental: conceitos e aplicações. CLIMEP, Rio Claro, v.2, n.2, p. 50 – 87, 2007. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/climatologia/article/view/1026 Acesso em: 13 ago. 2016.

IELO, E. M. Estudo de vulnerabilidade à inundação no município de Ourinhos (SP). Rio Claro: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2015. (UNESP, Dissertação, mestrado em Geografia).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Panorama de Porto Nacional – TO, 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/to/porto-nacional/panorama Acesso em: 20 jan. 2017.

LAHAM, F. G. C. (coord.). Revisão do Plano Diretor do Município de Porto Nacional – Tocantins: diagnóstico municipal, leitura técnica e comunitária. São Paulo: Arcadis, 2019.

PACHECO, D. A. Novos loteamentos e a multiplicação de vazios urbanos em Porto Nacional – Tocantins. Porto Nacional: Universidade Federal do Tocantins, 2020. (UFT, Dissertação, mestrado em Geografia).

PAULO NETTO, J. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2001.

PEREIRA, M. D. R.; CRISTO, S. S. V. de. Análise da susceptibilidade a inundação na bacia hidrográfica do córrego São João, Porto Nacional – TO. Interface, Porto Nacional, v.16, n.16, p.82-96, 2018. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/interface/article/view/6523 Acesso em: 08 jul. 2020.

PINTO, P. H. P. As chuvas no estado do Tocantins: distribuição geográfica e gênese das variações rítmicas. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2013. (UNESP, Dissertação, mestrado em Geografia).

RAMOS, A. M.; SANTOS, L. A. R. dos; FORTES, L. T. G. (Org.). Normais climatológicas do Brasil 1961–1990. ed. rev. e ampl. Brasília: INMET, 2009.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

SOUZA, L. B. A hipérbole mercantil da expansão urbana e suas implicações ambientais. Mercator, v.14, n.4 (especial), p.159-180, 2015. Disponível em:

http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/view/1785/628 Acesso em: 14 abr. 2016.

SOUZA, L. B. Percepção dos riscos de escorregamentos na Vila Mello Reis, Juiz de Fora (MG): contribuição ao planejamento e à gestão urbanos. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2006 (UNESP, Tese, doutorado em Geografia).

SOUZA, L. B.; ZANELLA, M. E. 2. ed. Percepção de riscos ambientais: teoria e aplicações. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

SOUZA, M. L. de. Ambientes e territórios: uma introdução à Ecologia Política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

SUERTEGARAY, D. M. A. (Re)ligar a Geografia: natureza e sociedade. Porto Alegre: Compasso Lugar-Cultura, 2017.

TOCANTINS (Estado). Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente. Diretoria de Zoneamento Ecológico-Econômico. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. Palmas: SEPLAN, 2005.

VEYRET, Y.; RICHEMOND, N. M. de. Definições e vulnerabilidade do risco. In: VEYRET, Y. (org.) Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007, p.25-46.

XAVIER, H. Percepção geográfica dos deslizamentos de encostas em áreas de risco no município de Belo Horizonte, MG. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 1996 (UNESP, Tese, doutorado em Geografia).

WHYTE, A. V. T. Guidelines for field studies in environmental perception. Paris: UNESCO, 1977 (MAB Technical Notes, 5).

WHYTE, A. V. T. Perception. In: KATES, R.W.; AUSUBEL, J.H.; BERBERIAN, M. Climate impact assessment: studies of the interaction of climate and society. Chichester: John Wiley, 1985.

ZACHARIAS, A. A. A representação gráfica das unidades de paisagem no zoneamento ambiental: um estudo de caso no Município de Ourinhos-SP. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2006 (UNESP, Tese, doutorado em Geografia).

Publicado
2020-12-22
Como Citar
MORAES, E. DE; SOUZA, L. B. E. Percepção dos riscos de inundações e vulnerabilidade socioambiental das famílias no setor Jardim Querido em Porto Nacional TO. Revista Tocantinense de Geografia, v. 10, n. 20, p. 23-45, 22 dez. 2020.