FEIRAS LIVRES E SEU PAPEL NA ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO

O CASO DE MONTES CLAROS-MG

  • Paula Graziela Mendes Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
Palavras-chave: espaço urbano, feiras, organização espacial, território

Resumo

As feiras livres são fenômenos caracterizados por serem mercados periódicos realizados ao ar livre, geralmente em espaços públicos. São elementos importantes no abastecimento urbano como também em questões culturais e sociais sendo realizadas periodicamente em diversos bairros da cidade. Neste contexto é importante verificar: quais são os impactos das feiras livres no espaço público da cidade de Montes Claros? Este trabalho tem como recorte de pesquisa a feira que ocorre na Praça Doutor Chaves em que o objetivo central é refletir sobre o seu papel na organização do espaço urbano tendo como foco as mudanças sociais, políticas e econômicas.

Biografia do Autor

Paula Graziela Mendes, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo - Faculdades Integradas Pitágoras (2016). 

Referências

BARBOSA, Carla Cristina. A Feira e o Turismo: Pontencialidades e Atrativos. Caminhos de Geografia (UFU), v. 9, p. 53-63, 2008.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Lisboa: Edições 70, 2014. 307 p.

CORRÊA, Roberto Lobato. As redes de localidades centrais nos países subdesenvolvidos. Revista Brasileira de Geografia, v.50, n. 1, p. 61-83, 1988.

GRIMM, Isabel Jurema; SAMPAIO, Carlos Cioce; PROCOPICK, Mario. Encadeamento ecossocioeconômico e gestão urbana: um estudo das feiras livres na cidade de Curitiba (PR). Novos Cadernos NAEA, 2018, v.21, n. 1, p.35-56.

HAESBAERT, Rogério. O binômio território-rede e seu significado político-cultural. Territórios alternativos. São Paulo/Rio de Janeiro: Contexto/EdUFF, p. 117-127, 2002.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2011.

JESUS, Gilmar Mascarenhas de. Modernidade Urbana e Flexibilidade Tropical: as feiras livres na Cidade do Rio de Janeiro (1904-1934). Geo UERJ, 1997, 2: 29-42.

MASCARENHAS, Gilmar; DOLZANI, Miriam C. S. Feira livre: Territorialidade popular e cultura na metrópole contemporânea - DOI 10.5216/ag.v2i2.4710. Ateliê Geográfico, v. 2, n. 2, p. 72-87, 2008.

MONTENEGRO, Marina Regitz. A teoria dos circuitos da economia urbana de Milton Santos: de seu surgimento à sua atualização. Revista Geográfica Venezolana, v.53, n.1, p.147-164, 2012.

MONTES CLAROS. Montes Claros – Praça dos Jatobás em Montes Claros poderá ganhar feira livre. Jornal Montes Claros, 30 de março de 2019. Disponível em <<https://jornalmontesclaros.com.br/2019/03/30/montes-claros-praca-dos-jatobas-em-montes-claros-podera-ganhar-feira-livre/>>. Acesso em 27/12/2019.

SANTOS, Milton. O espaço dividido. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

SANTOS, Milton. O dinheiro e o território. GEOgraphia, v. 1, n. 1, p. 7-13, 1999.

SILVEIRA, María Laura. Metrópolis brasileñas: un análisis de los circuitos de la economía urban. EURE (Santiago), v. 33, n. 100, p. 149-164, 2007.

QUEIROZ, Thiago Augusto Nogueira de; AZEVEDO, Francisco Fransualdo de. Circuitos da economia urbana: arranjos espaciais e dinâmica das feiras livres em Natal-RN. Sociedade e Território, 2012, v. 24, n. 1, p. 115-133.

QUEIROZ, Thiago Augusto Nogueira de. O Complexo Circuito das Feiras Livres de Natal-RN. 2011.

Publicado
2021-02-02
Como Citar
MENDES, P. G. FEIRAS LIVRES E SEU PAPEL NA ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO. Revista Tocantinense de Geografia, v. 10, n. 20, p. 84-103, 2 fev. 2021.