Análise espaço-temporal da erosividade das chuvas na bacia do Rio Capivara-SP

  • Alyson Bueno Francisco Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: 'Erosão', '; Precipitação', 'Estimativas'

Resumo

A Bacia do Rio Capivara, na porção oeste do Estado de São Paulo, possui um número alto de processos erosivos lineares e os impactos provocados pelas precipitações pluviais durante o verão no clima tropical podem causar o agravamento das erosões lineares. Este trabalho apresenta as estimativas de erosividade das chuvas (EI30), através de cálculos gerados pelos totais mensais de precipitação de anos secos, regulares e chuvosos, de postos pluviométricos do Departamento de Águas e Energia Elétrica, localizados em Maracaí, Paraguaçu Paulista e Rancharia. Em Rancharia foi estimada uma erosividade de 9.088 MJ.mm/ha.h.ano em anos chuvosos, sendo em anos secos foi estimada a erosividade de 5.665 MJ.mm/ha.h.ano. Para os três postos pluviométricos analisados na bacia do Rio Capivara, foi estimada uma erosividade média de 7.453 MJ.mm/ha.h.ano em anos regulares com uma precipitação anual média de 1.400 mm. Em anos secos, foi estimada a erosividade de 5.875 MJ.mm/ha.h.ano, nos três postos pluviométricos. Os histogramas e os mapas gerados pelos dados das estimativas de EI30 das três localidades favorece a compreensão da sazonalidade pluvial existente no clima tropical do oeste paulista. O mapa da erosividade das chuvas em anos chuvosos demonstra a espacialidade do fator erosivo numa bacia com fragilidade das terras.

Biografia do Autor

Alyson Bueno Francisco, Universidade Estadual Paulista

Doutor em Geografia (2017), Mestre em Geografia (2011), Bacharel e Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Campus de Presidente Prudente. Licenciado em Filosofia pela Universidade de Franca. Defendeu o doutorado aos 30 anos de idade. Realizou estágio pós-doutoral de 12 meses com bolsa da CAPES. Foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) nas modalidades de iniciação científica, mestrado e doutorado. Possui 40 publicações em 2018 e 2019. Passou por todos os níveis de ensino em escolas públicas e universidade pública. Atuou profissionalmente nas Esferas Federal (IBGE), Estadual (professor no Centro Paula Souza e tutor em EAD pela FUNDUNESP) e Municipal (técnico em agrimensura). Possui publicações com autoria individual em 8 livros, 9 capítulos, 27 artigos nacionais e artigo internacional. É pesquisador dos temas: erosão urbana, monitoramento de boçorocas, controle de erosão, cartografia em grandes escalas e extensão universitária em práticas de conservação da natureza.

Referências

BERTONI, J. Sistemas coletores para determinações de perdas por erosão. Bragantia, v.9, p. 147-155, 1949.

BOIN, M. N. Chuvas e erosões no Oeste Paulista: uma análise climatológica aplicada. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 2000, 202f.

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA. Dados pluviométricos dos postos D7-065; D7-041 e D7-043. Disponível em: <http://www.hidrologia.daee.sp.gov.br> Acesso em: 11 fev. 2020.

FRANCISCO, A. B. As formas erosivas lineares e suas relações com as formações geológicas e declividades na bacia do Rio Capivara. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, Anais..., Fortaleza, 2019.

TOMMASELLI, J. T. G.; FREIRE, O.; CARVALHO, W. A. Erosividade da chuva na região oeste do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Campinas, n. 7, p. 269-276, 1999.

WISCHMEIER, W. H.; SMITH, D. D. Predicting rainfall-erosion losses from cropland east of the Rocky Mountains: Guide of selection of practices for soil and water conservation. Agriculture Handbook, n. 282, Washington D.C., United States Department of Agriculture, 1965.

Publicado
2020-05-17
Como Citar
Francisco, A. B. (2020). Análise espaço-temporal da erosividade das chuvas na bacia do Rio Capivara-SP. Revista Tocantinense De Geografia, 9(18), 01-09. https://doi.org/10.20873/uft.2317-9430.2020v9n18p01