PRODUÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO: POLÍTICA E PROCESSOS FORMATIVOS EM GEOGRAFIA

  • Uilmer Rodrigues Xavier da Cruz Univerdade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Produção; Social; Espaço

Resumo

O objetivo deste ensaio consiste em estabelecer uma reflexão com base em alguns autores que, ao longo da história do pensamento geográfico-científico, têm se preocupado em produzir reflexões conceituais, propondo apreender fenômenos da realidade através do olhar específico da Geografia.Para tanto, é necessário que se estabeleça um questionamento – não com foco em produzir respostas, porém novas perguntas – a respeito das tramas elaboradas pelos autores e autoras que aqui estarão expostos. O questionamento que norteia a produção deste texto é o seguinte: Qual a relação entre a produção de conceitos geográficos e os recortes temporais nos quais os mesmos são elaborados? Neste aspecto, busco através dos próximos parágrafos, desenvolver uma reflexão que vai de encontro à pergunta supracitada. Pensar a produção do conhecimento científico pode significar relacionar ao recorte sócio-espacial referente à qual determinada reflexão é (foi) produzida. Tampouco a Ciência Geográfica tem sua história epistemológica desprendida de tal fato. Ao longo da história da humanidade e de suas mudanças sociais, o conhecimento produzido também passou por alterações conceituais ligados à realidade da época. Tomando este aspecto enquanto ponto de partida para se problematizar a produção de conhecimento científico geográfico, seus conceitos, bem como seus questionamentos, é válido estabelecer discussão com Moreira (2014).

Biografia do Autor

Uilmer Rodrigues Xavier da Cruz, Univerdade do Estado do Rio de Janeiro

Discente do programa de pós graduação stricto sensu em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) (2017), pós Graduado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (2009). Graduação em Geografia - Ênfase em Sistemas de Informações Geográficas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) (2008). Técnico em Informática Industrial pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) (2002). Analista de geoprocessamento e/ou software do PANGEA - Centro de Estudos Socioambientais. Tem experiência nas áreas de educação ambiental, gestão e saneamento ambiental, disposição de resíduos sólidos, tecnologia social, geoprocessamento, logística de materiais, cadeia da reciclagem e políticas públicas para catadores de materiais recicláveis. Interesse de investigação: Rede de reciclagem, cadeia da reciclagem, políticas públicas de coleta seletiva, percepção ambiental, formação e estratégias de educação ambiental, gestão integrada de resíduos sólidos, tratamento de resíduos sólidos, formação e mobilização de catadores de materiais recicláveis, tecnologias sociais para gestão integrada de resíduos sólidos e viabilização de exercício profissional de catadores de materiais recicláveis. Responsável por implantar o software CATAsig, PLACAR DA RECICLAGEM e por ministrar cursos, palestras, capacitações em várias cooperativas de catadores no estado da Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Referências

GREGORY, K.J. 2. Um século para uma implantação 1851 – 1950. In: GREGORY, K. J. A Natureza da Geografia Física. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992. P. 33 – 69.

HAESBAERT, Rogério. Por uma constelação geográfica de conceitos. In: HAESBAERT, Rogério. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014. P. 19 – 51.

HARVEY, David. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011. P. 41 - 150.

LEFEBVRE, Henri. Prefácio. In: LEFEBVRE, Henri. A Produção do Espaço. Paris: Éditions Anthropos. 4ª Ed., 2000. P. 03 – 12.

MOREIRA, Ruy. Como pensamos. In: MOREIRA, Ruy. O discurso do avesso: para a crítica da geografia que se ensina. São Paulo: Contexto, 2014. P. 13 – 43.

OSLENDER, Ulrich. Espacio, lugar y movimientos sociales: hacia una ‘espacialidad de resistencia’. Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, Universidad de Barcelona, v. VI, n. 115, 2002.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo – globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, 1994

SAUER, C.O. A Morfologia da Paisagem. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004. P. 12 – 74.

SMITH, Neil. Para uma teoria do desenvolvimento desigual I: A dialética da diferenciação e da igualização geográficas; Para uma teoria do desenvolvimento desigual: A escala espacial e o vaivém do capital. In: SMITH, Neil. Desenvolvimento Desigual. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

SUERTEGARAY, D. M. A. Espaço Geográfico Uno e Múltiplo. Scripta Nova: Revista Eletrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Universidad de Barcelona, n. 93, 2001.

THOMPSON, E. P. Tempo, disciplina de trabalho e capitalismo Industrial. In: THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Cia. das Letras, 1998. P. 267 – 304.

Publicado
2019-04-01
Como Citar
Xavier da Cruz, U. R. (2019). PRODUÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO: POLÍTICA E PROCESSOS FORMATIVOS EM GEOGRAFIA. Revista Tocantinense De Geografia, 8(14). Recuperado de https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/geografia/article/view/5940