RACIOCÍNIO GEOGRÁFICO NO ALUNO NA PERSPECTIVA DA PEDAGOGIA DIALÓGICA: UMA DISCUSSÃO TEÓRICO-METODOLÓGICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA NOS ANOS FINAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

UMA DISCUSSÃO TEÓRICO-METODOLÓGICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA NOS ANOS FINAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

  • DANIEL RODRIGUES SILVA LUZ NETO RODRIGUES SILVA LUZ NETO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UNB
Palavras-chave: cultura, dialogicidade, desenvolvimento.

Resumo

A globalização tem influenciado nos vários campos das sociedades, inclusive na educação. Isso porque as constantes mudanças no mundo têm exigido do sujeito uma interpretação mais abstrata. A construção do raciocínio geográfico pelo professor de Geografia nas instituições educacionais tem como função compreender tal dinâmica. Esse modus operandi intelectivo pode realizar inferência tantos dos eventos humanos quanto naturais. Há desafios que esse tipo de raciocínio seja desenvolvido, pois as políticas educacionais atuais, as condições estruturais das escolas e as lacunas de formação de professores tem prejudicado tal perspectiva. Assim, a pedagogia dialógica é uma estratégia que pode ser utilizada como uma possibilidade para a construção do raciocínio geográfico.  Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é propor a pedagogia dialógica como estratégia do professor de Geografia na Educação Básica. A abordagem qualitativa foi à escolha deste trabalho, pois as pesquisas em educação transitam entre condições concretas e abstratas. Os resultados mostraram a pedagogia dialógica um potencializar o desenvolvimento do raciocínio geográfico em virtude de se estabelecer uma relação de dialogismo no processo de ensino-aprendizagem. O professor nesse processo não é o dono da verdade, mas que a construção do conhecimento se dar de maneira negociada entre os envolvidos.

 

Referências

ASCENÇÃO, Valéria de Oliveira Roque; VALADÃO, Roberto Célio. Professor de Geografia: entre o estudo do fenômeno e a interpretação da espacialidade do fenômeno. In: Colóquio Internacional de Geocrítica. Barcelona: Universitad de Barcelona, Anais Eletrônicos, 2014. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/coloquio2014/Valerie%20de%20Oliveira%20y%20Roberto.pdf Acesso em: 30 de Novembro de 2017.

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Tradução Alfredo Bossi. 5ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ALEXANDER, R. Education, Culture and Cognition: intervening for growth International Association for Cognitive Education and Psychology (IACEP). In: 10th International Conference, University of Durham, UK. 2005.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CAVALCANTI, Lana de Souza.O ENSINO DE GEOGRAFIA NA ESCOLA. Campinas, SP: Papirus, 2012.

CORSARO, C. Métodos etnográficos no estudo da cultura de pares e das transições iniciais na vida das crianças. In: F. MÜLLER & A. M. A. CARVALHO. Teoria e Prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. (Orgs.) São Paulo: Cortez Ed. (pp.71-79). 2009.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário/Raciocínio. Disponível em:https://dicionariodoaurelio.com/raciocínio. Acesso em, 25 de Fe. 2018.

FLEER, Marilyn; VERESOV, Nikolai. Cultural-Historical and Activity Theories Informing Early Childhood Education. In: International Handbook of Early Childhood Education. Springer, Dordrecht, 2018. p. 47-76.

______. Theorising play in the early years. Melbourne: Cambridge University Press. 2014.

GIROTTO, Eduardo Donezeti. ENSINO DE GEOGRAFIA E RACIOCÍNIO GEOGRÁFICO: as contribuições de Pistrak para a superação, Revista Brasileira de Educação, v.5, n.9, p.71-86, 2015.

LEE, Carol. D. Culture, Literacy and Learning: Taking Blooming in the Midst of the Whirlwind. 2007.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica . - 5. ed. - São Paulo : Atlas 2003.

MOREIRA, Ruy. Pensar e ser em Geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. 2.ed. São Paulo: Editora Contexto, 2015.


MATUSOV, Eugene, Smith, M., Candela, M. A. & Keren, L. Culture has no internal territory: culture as dialogue. Em VALSINER, Jaan & ROSA, Alberto (Orgs.). Cambridge Handbook of Socio-Cultural Psychology (pp.460-483). New York: Cambridge University Press , 2007.


TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos.Metodologia da pesquisa. 2.ed. Curitiba:IESDE Brasil, 2009.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. -23. ed. rev.atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço; técnica e tempo. Razão e Emoção. 4.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

MATUSOV, Eugene, Smith, M., Candela, M. A. & Keren, L. . Culture has no internal territory: culture as dialogue. Em VALSINER, Jaan & ROSA, Alberto (Orgs.). Cambridge Handbook of Socio-Cultural Psychology (pp.460-483). New York: Cambridge University Press , 2007.

VIGOTSKY, Lev Semenovich. A construção do pensamento e da linguagem. tradução de Paulo Bezerra. 2ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ZITTOUN, T; MIRZA, N.M; PERRET-CLERMONT, A. Quando a cultura é considerada nas pesquisas em psicologia. Educar, Curutiba, n.30, p. 65-75, 2007.
Publicado
2018-11-24