REFLEXÕES E OBSERVAÇÕES INICIAIS SOBRE ÁREAS DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA NA VERTENTE ORIENTAL DA SERRA DE MARANGUAPE/CE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20873/rtg.v11n24p18-31

Palavras-chave:

Desastre Ambiental, Ocupação indevida, Área de encosta

Resumo

O ser humano interfere diretamente no funcionamento do meio ambiente, geralmente de forma negativa. Porém, é necessário recordar que a natureza e seus recursos são findáveis. A presente pesquisa é de caráter reflexivo e teórico, que estabelece uma discussão acerca da ocupação em áreas sujeitas a risco de acidentes desencadeados por movimentos de massa na vertente Oriental da serra de Maranguape/CE, com o objetivo de analisar essas áreas, realizando uma caracterização do local. A análise desse movimento contribui positivamente para os estudos relacionados com a Geografia no geral, pois auxilia a população e todos os envolvidos na temática a ter um melhor entendimento a cerca do tema.

Biografia do Autor

Lara Lima Lourenço, Universidade Estadual do Ceará

Atualmente cursando bacharelado em Geografia na Universidade Estadual do Ceará-UECE, ingressada em 2016.2. Integrante do grupo de estudo de sensoriamento remoto e do grupo de estudo em Rede pelo Geoprocessamento do Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Aplicados- LABGEO. Estagiária da Ouvidoria da Defensoria Pública Geral do estado do Ceará. Pós graduanda em Topografia e Sensoriamento Remoto. 

Gislania de Meneses Silva, Universidade Estadual do Ceará

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia (ProPGeo) na Universidade Estadual do Ceará, vinculado ao Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Aplicados - LABGEO. Graduada em Geografia/Bacharelado na Universidade Estadual do Ceará (2018). Técnica em Meio Ambiente, pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE (2015). Integrante dos Grupos de Pesquisa Semiárido Brasileiro e o Contexto Geoambiental, Resíduos Sólidos e Reúso de Água Residuária, certificados pelo CNPQ. Participa da Supervisão do Grupo de Estudos Análise Geoambiental do Semiarido e suas Paisagens de Exceção do Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Aplicados-Labgeo/UECE. 

Daniel Paulo Braga , Universidade Estadual do Ceará

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (ProPGeo) na Universidade Estadual do Ceará, vinculado ao Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Aplicados - LABGEO. Graduado em Geografia/Bacharelado na Universidade Estadual do Ceará (2019). Membro do Grupo de Pesquisa ?Semiárido Brasileiro e o Contexto Geoambiental? (CNPq) e do Grupo de Estudos ANGEO: Análise Geoambiental do Semiárido e suas Paisagens de exceção - UECE.

Maria Lúcia Brito da Cruz, Universidade Estadual do Ceará

Tenho graduação em GEOGRAFIA pela Universidade Estadual do Ceará (1986), Especialização em Sensoriamento Remoto pelo Instituto nacional de pesquisas Espaciais - INPE(1989), Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará-UFC (1998), Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2010) e Pós-Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Pará-UFPA(2018). Atualmente estou professora da Universidade Estadual do Ceará junto aos cursos de Geografia em nível de Graduação e Pós-Graduação.

Referências

ALMEIDA, L.Q.de. Vulnerabilidades socioambientais de rios urbanos. Tese de Doutorado. Fortaleza: UECE, 2010.

BASTOS, F. H. Movimentos de massa no maciço de Baturité (CE) e contribuições para estratégias de planejamento ambiental. Tese (Doutorado em Geografia) - Curso de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012. 257p.

BRAGA, D.P; SOUZA, M.J.N.; SOUZA, G.M.; GOMES, A.C.A; SILVA, G.M. Análise temporo-espacial do estado de conservação da Serra de Maranguape-CE. REGNE, Vol. 2, Nº Especial. 2016.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico, In: Cadernos de Ciências a Terra, v. 13, São Paulo, 1969.

BRAZIL. Brazilian Ministry of Agrarian Development: Territorial Plan for Sustainable Rural Development: Citizenship Territory. Cariri-MDA/SDT/AGROPOLOS. Fortaleza: Agropolos Institute of Ceara, 2010. 348 p.

CEARÁ. Zoneamento ambiental e plano de manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra de Maranguape (CE). Fortaleza: SEMACE, 2002.

COSTA, Lorena. A. A. da. Mapa de área de risco da CPRM contribui para elaboração de Plano de Contingência de Alto dos Marianos, no município de Maranguape (CE). Brasil: CPRM, 2019. Disponível em: <http://cprm.gov.br/publique/Noticias/Mapa-de-area-de-risco-da-CPRM-contribui-para-elaboracao-de-Plano-de-Contingencia-de-Alto-dos-Marianos%2C-no-municipio-de-Maranguape-%28CE%29-5468.html >. Acesso em: 26 abr. 2019.

CORDEIRO, Abner. M. N.; GARCEZ, Danielle. S. A Influência dos Componentes Geoambientais e das Intervenções Antropogênicas nos Movimentos de Massa na APA da Serra de Maranguape, Ceará. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Estadual do Ceará-UECE. Fortaleza: 2011.

FARIA, D. G. M. Mapeamento de perigo de escorregamentos em áreas urbanas precárias brasileiras com a incorporação do Processo de Análise Hierárquica (AHP). 2011. 194p. Tese (Doutorado em Geotecnia) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2011.

IPECE. INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Perfil Básico Municipal 2017. Fortaleza: IPECE, 2017. 5p.

LIMA, Daniel Cassiano. A bananicultura na área de proteção ambiental da serra de Maranguape-CE e suas implicações no ambiente físico, humano e na biodiversidade. 2005. Fortaleza: Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente, PRODEMA/UFC, 2005.

MENDES, Marília C. Metropolização e indústria: Maranguape no contexto da região metropolitana de Fortaleza-CE. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Geografia). Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2006.

OLIVEIRA, F.L.S. Indicadores de vulnerabilidade e risco local: o caso do município de Pacoti, CE. Tese (Doutorado Acadêmico em Geografia) – Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2018.

RIFFEL, E. S.; GUASSELLI, L. A.; BRESSANI, L. A. Desastres associados a movimentos de massa: uma revisão de literatura. Bol. Goia. Geogr. (Online). Goiânia, v. 36, n. 2, p. 285-306, mai./jul. 2016.

SEMADE. Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Agrário. Ação emergencial para delimitação de áreas em alto e muito alto risco a enchentes, inundações e movimentos de massa. Maranguape: 2014. Disponível em: < http://blogsemade.blogspot.com/p/areas-de-risco.html >. Acesso em: 26 abr. 2019.

SOTCHAVA, V.B. Introdução à Teoria do Geossistema. Novasibéria: Nauka. 1978. 320 p.

SOUZA, M. J. N. Contexto ambiental do enclave úmido da serra de Baturité-Ceará. In: BASTOS, F. H. (org.). Serra de Baturité: uma visão integrada das questões ambientais. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011.

SOUZA, M. J. N. Compartimentação Geoambiental do Ceará. In: Silva, J.B. et al. (Orgs.). Ceará: um novo olhar geográfico. Edições Demócrito Rocha, Fortaleza – CE, 2005. p.127-140.

SOUZA, M. J. N.; OLIVEIRA. V. P. Os Enclaves Úmidos e Sub-Úmidos do Semiárido do Nordeste Brasileiro. Fortaleza, 2006. p. 85-102.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: SUPREN, 1977.

VEYRET, Y. Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. Tradução de Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto, 2007. 320p.

VINCHON, C. et al. Assessing vulnerability to natural hazards in Europe, MOVE: from principles to practice a manual on concept, methodology and tools. Bonn: Report of the move, 2011. Disponível em: <http://www.move-fp7.eu/documents/MOVE_Manual.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

Downloads

Publicado

2022-05-03

Como Citar

LOURENÇO, L. L.; SILVA, G. de M.; BRAGA , D. P.; CRUZ, M. L. B. da. REFLEXÕES E OBSERVAÇÕES INICIAIS SOBRE ÁREAS DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA NA VERTENTE ORIENTAL DA SERRA DE MARANGUAPE/CE. Revista Tocantinense de Geografia, [S. l.], v. 11, n. 24, p. 18–31, 2022. DOI: 10.20873/rtg.v11n24p18-31. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/geografia/article/view/12057. Acesso em: 3 fev. 2023.