Apresentamos mais uma edição da EntreLetras, finalizada nesse triste momento da história do país, quando se expande abruptamente a contaminação pelo COVID-19 e a democracia se acha explicitamente ameaçada. Enfermeiros que protestavam neste Dia Trabalho, em Brasília, foram agredidos por negacionistas enfurecidos: a ciência não é bem-vinda por terraplanistas e similares. Diante de um verdadeiro caos institucional, o Brasil se acha dilacerado, com um destino bastante incerto. Nesta semana, tivemos a notícia do corte de bolsas de iniciação científica para as ciências humanas e a não regulamentação da profissão de historiador. Apesar de tudo, confinados, ameaçados, agredidos, desqualificados, prosseguimos com lives de cunho acadêmico, aulas e bancas por videoconferência, pesquisas e publicações. Há uma intensa produção que dribla a quarentena e nos põem em diálogo, encontrando caminhos para resistência política, teórica e, também, poética.

Por isso mesmo, comemoramos esta nova edição, produto de um bom trabalho que contou com grandes parceiros: os autores que assinam os 31 artigos e as 06 produções literárias de prosa e poesia, pareceristas, revisores, editores. Em especial, agradecemos aos pesquisadores que organizaram o dossiê de Literatura e História, César Alessandro Sagrillo Figueiredo (UFT) e Gilmei Francisco Fleck (UNIOESTE). Mais do que nunca, a arte da palavra se alia ao trabalho da memória. É preciso narrar para não esquecer; é necessário narrar para resistir.

Publicado: 2020-05-02

Dossiê

Entrevista

Temas Livres

Produção Literária