QUANDO AS PALAVRAS SALTAM À VIDA, GERAM SENTIDOS E CRIAM CONSCIÊNCIA, FORMA-SE UM LEITOR

LER ALÉM DOS SIGNOS – EXPERIENCIAR A ARTE CONSTITUÍDA DE PALAVRAS

  • Gilmei Francisco Fleck Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Palavras-chave: formação do leitor literário; processo de leitura; ensino de literatura

Resumo

Neste texto buscamos refletir sobre a formação do leitor no espaço escola e de como a leitura pode ser meio de descolonização em sociedade estratificadas. Conscientes de que o processo de humanização ocorre pelo acesso e pelo desenvolvimento da linguagem, compartilhamos considerações sobre a importância da leitura ao longo da formação integral. Apontamos para a necessidade da escola como instituição social de promover nessa trajetória a formação do leitor literário capaz de compreender que a linguagem é material maleável, manipulável à formação de discurso. O texto literário, neste sentido, é o mais precioso médio de confrontar o aluno com esse uso da linguagem. Esse processo de formação do leitor literário em busca da humanização do sujeito deve começar já nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Nossas proposições estão fundamentadas nos pressupostos de Lajolo (1993), Candido (2004), Soares (2004), Colomer (2007), Petit (2008) Martins (2012), entre outros. Para que esse processo seja eficiente a escola não só deve atentar aos textos lidos, mas também à forma como a leitura está sendo mediada e incentivada pelos professores e realizada pelos alunos.

Biografia do Autor

Gilmei Francisco Fleck, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Possui Pós doutorado (2015) em Literatura Comparada e Tradução pela Universidade de Vigo, com Bolsa da CAPES, Doutorado (2008) em Letras pela Universidade Estadual Paulista - UNESP/ Assis. Mestrado em Letras (2005) pela Universidade Estadual Paulista - UNESP/ Assis. Especialista em Língua Espanhola e respectivas literaturas (2000) pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC/Xanxerê e em Ensino de Inglês como língua estrangeira pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC/Chapecó. Possui graduação em Letras Habilitação Português/ Espanhol e Respectivas Literaturas (2001) pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões -URI/Frederico Westphalen e graduação em Letras Habilitação Português/ Inglês e Respectivas Literaturas (1996) pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões -URI/Frederico Westphalen. Atualmente é professor associado da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em literaturas hispânicas e língua espanhola, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura hispânica, literatura comparada, literatura hispano-americana e espanhola e prática educacional. Líder do Grupo de Pesquisa Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização - UNIOESTE.

Referências

BAMBERGER, R. Como incentivar o hábito da leitura. 5ed. São Paulo: Cortez, 1991.
BORDINI, M. da G.; AGUIAR, V. T. de. A formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Alegre, 1988.
CANDIDO, A. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.
CANDIDO, A. Inquietudes na poesia de Drummond. In: Vários escritos. 4. ed. (reorganizada pelo autor), São Paulo: Duas Cidades; Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2004.
CANDIDO, A. O direito à literatura. In: Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.
COLOMER, T. Andar entre livros: a leitura literária na escola. São Paulo: Global, 2007.
FLECK, G. F. Formação do Leitor: um projeto socioeducacional – uma trajetória para a vida cidadã. In: FLECK, G. F. (Org.). Literatura Infantojuvenil: desafios para o letramento literário – pesquisas e experiências no âmbito escolar. Curitiba: CRV, 2017.
FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 36.ed. Rio de Janeiro: Ed. Paz e terra, 2003.
KLEIMAN, A. Preciso ensinar o letramento? Não basta ensinar a ler e escrever? Ministério da Educação. Campinas: CEFIEL/UNICAMP, 2005.
LAJOLO, M. No mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo, SP: Ática, 1993.
MARTINS, M. H. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 2012.
PETIT, M. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. Tradução de Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2008.
POLON, G. X. P; PADILHA, A. M. L. Apontamentos sobre o desenvolvimento do psiquismo humano: desafios e possibilidades para a educação escolar. Educação em Foco, Piracicaba, ano 20, n.32, p.79-99, set/dez. 2017. Disponível em: Acesso: 20 mar. 2019.
ROJO, R. Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. São Paulo: SEE: CENP, 2004. Texto apresentado em Congresso realizado em maio de 2004.
SOARES, M. Alfabetização e Letramento, Caminhos e Descaminhos. Revista Pátio. ano VIII, n. 29, p. 20, fev/abr. 2004.
SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 3 ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2009.
TFOUNI, L. V. Letramento e alfabetização. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2004.
VARGAS LLOSA, M. La verdad de las mentiras. Buenos Aires, Aguilar, Altea, Taurus, Alfaguara, S/A, 2002.
ZILBERMAN, R. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 2004.
ZILBERMAN, R. A escola e a leitura da literatura. In: ZILBERMAN, R.; RÖSING, T. M. K. Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009.
Publicado
2019-11-15

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)