O QUE PODE O LEITOR?

Palavras-chave: leitor literário, identidade, regimes de interação, sociossemiótica

Resumo

Resumo: O trabalho discute o leitor numa perspectiva plural, uma vez concebendo a própria identidade como processual, em perpétuo devir, não sendo o sujeito sempre o mesmo. Ao mesmo tempo, considera que o sujeito se atualiza na relação com o objeto, o que leva a pensar diferentes modos de interagir com o objeto-livro. De caráter interdisciplinar, põe em diálogo a semiótica discursiva, em suas proposições relativas à interação privilegiadas pela sociossemiótica, e estudos literários em torno do letramento e da formação do leitor.

Palavras-Chave: leitor literário; identidade; regimes de interação; sociossemiótica.

 

Abstract: The paper discusses the reader in a plural perspective, since conceiving their identity as procedural in perpetual becoming, not being the subject always the same. At the same time, it considers that the subject is updated in relation to the object, which leads to think different ways to interact with the book-object. Interdisciplinary, puts the discursive semiotics into dialogue, in its proposals concerning the privileged interaction by the sociossemiotics, and literary studies around literacy and reader training.

Keywords: literary reader; identity; interaction schemes; sociossemiotics.

Referências

ANDRADE, M. de; BANDEIRA, M. Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira. Organização, introdução e notas de Marcos Antonio de Moraes. São Paulo: Edusp; IEB, 2000.

BARTHES, R. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 1987.

FIORIN, J. L. De gustibus non est disputandum? In: LANDOWSKI, E.; FIORIN J. L. O gosto das gentes, o gosto das coisas: abordagem semiótica. São Paulo: EDUC, 1997.

GREIMAS, A. J. Da imperfeição. São Paulo: Hacker, 2002.

GONÇALVES, M. T. et al (Orgs.). Antologia comentada de literatura brasileira. Petrópolis: Vozes, 2006.

LANDOWSKI, E. Presenças do outro: ensaios de sociossemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2002.

_____. As interações arriscadas. São Paulo: Estação das Letras e das Cores, 2014.

LISPECTOR, C. Felicidade clandestina. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

SILVA, L. H. O.; SILVA, W. R.; SILVEIRA, R. A.; FREITAS, M. R. S.; PEREIRA, J. A.; SOUSA, B. S. Fontes de saberes no trabalho com gêneros na escola. In: SILVA, W. R.; LIMA, P.; MOREIRA, T. M. (Orgs.). Gêneros na prática pedagógica: diálogos entre escolas e universidades. São Paulo: Pontes, 2016, p. 95-128.

SILVA, W. M. Momentos formadores na narrativa autobiográfica de um professor de literatura africana. Dissertação de Mestrado. PPGL/UFT, 2016.

TATIT, L. Musicando a semiótica: ensaios. São Paulo: Annablume, 1997.

VIANA, R. ‘Não me interessa o leitor’, diz Bernardo Carvalho em mesa na Flip. Folha de São Paulo, São Paulo, 2 jul. 2016. Disponível em:

<http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/07/1788026-nao-me-interessa-o-leitor-diz-bernardo-carvalho-em-mesa-na-flip.shtml?cmpid=compfb>, acessado em 20 set. 2016.

ZILBERBERG, C. Elementos de semiótica tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

Publicado
2016-10-04