O GOLPE DE 1964 NA ORDEM DO DIA

MEMÓRIA E SILENCIAMENTO NO PROCESSO DISCURSIVO DE LEGITIMAÇÃO DA VIOLÊNCIA DE ESTADO

  • Bethania Mariani UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
  • Milene Maciel Carlos Leite Universidade Federal Fluminense
  • Ariana da Rosa Silva Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Análise do Discurso; memória; silenciamento; violência de Estado.

Resumo

Este artigo, filiado ao arcabouço teórico da Análise do Discurso materialista, considerando, especialmente, os conceitos de memória, silêncio, historicidade, propõe um gesto de análise de três documentos institucionais emitidos pelo Ministério da Defesa do atual governo nos anos de 2019, 2020 e 2021 que consistem na Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. O principal objetivo é compreender de que modo essas notas oficiais de comemoração/rememoração do golpe de 1964 emitidas do lugar institucional do governo federal produzem sentidos sobre a violência de Estado exercida no período ditatorial.

Biografia do Autor

Milene Maciel Carlos Leite, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense (2020). Mestra em Estudos de Linguagem (2016) pela Universidade Federal Fluminense, Especialista em Língua Portuguesa (2014) e licenciada em Letras (Português/Espanhol) também pela UFF (2012). Atualmente, é docente substituta no curso de Letras no Instituto Federal Fluminense campus Campos Centro. 

Ariana da Rosa Silva, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense (2021), com sanduíche na Universidade Nova de Lisboa. Mestra em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense, com bolsa Capes. Especialista em Leitura e Produção Textual pela Universidade Estácio de Sá (2011) e licenciada em Letras (Português/Literatura) pela mesma Universidade (2008)

Referências

ALTHUSSER, L. [1976] Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado. 3ª. ed. Tradução de Joaquim José de Moura Ramos. Lisboa: Editora Presença, 1980.

BRASIL. Lei Nº 6.683, de 28 de Agosto de 1979. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6683.htm

BRASIL. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. 2021. Disponível em: https://www.gov.br/defesa/pt-br/centrais-de-conteudo/noticias/ordem-do-dia-alusiva-ao-31-de-marco-de-1964-2021.

BRASIL. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/defesa/pt-br/centrais-de-conteudo/noticias/ultimas-noticias/ordem-do-dia-alusiva-ao-31-de-marco-de-1965

BRASIL. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/defesa/pt-br/centrais-de-conteudo/noticias/ultimas-noticias/ordem-do-dia-alusiva-ao-31-de-marco-de-1964

COURTINE, Jean-Jacques. [1981] Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos, SP: EDUFSCar, 2014.

COURTINE, Jean-Jacques. O chapéu de Clémentis. In. INDURSKY, Freda; FERREIRA, Maria Cristina. Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 1999.

GARCIA, Marília. Sem saída. In. PECHANSKY, Rafaela (Org.) Partes de uma casa. Porto Alegre: TAG Experiências Literárias, 2021.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. 1ª ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LEITE, Milene. Sentidos de democracia: FHC e Lula no Roda Viva. Entrevista ao Alhures, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RI7_k4bMr44&t=197s - Último acesso em 25 de abril de 2021.

MARIANI, Bethania. "Mas nessa luta se aprende. Se aprende muitíssimo!". Testemunho de resistência. Memória. In ADORNO, Guilherme; FERRAÇA, Minelly e OSTHUES, Romulo (Orgs.) O discurso nas fronteiras do social. Campinas: Pontes, 2019, p. 277-294.

MARIANI, Bethania. Discurso e instituição: a imprensa. In. Rua. Campinas, 5: 47-61, 1999.

MARIANI, Bethania. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922- 1989). 1ª edição. Rio de Janeiro: Revan e Editora da Unicamp, 1998.

ORLANDI, Eni. Análise de Discurso, alteridade, narratividade. In: Eu, Tu, Ele: discurso e real da história. 2ª ed. Campinas, SP: Pontes, 2017.

ORLANDI, Eni. [1990] As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 4ª reimpressão da 6ª edição. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2015.

ORLANDI, Eni. Texto e Discurso. In. Organon. Revista do Instituto de Letras da UFRGS. 1ª ed., vol. 9, 1995.

PÊCHEUX, M. [1983] O Discurso: Estrutura ou Acontecimento. Tradução Eni P. Orlandi. Campinas, SP: Pontes, 1990.

PÊCHEUX, M. Papel da Memória [1983]. In: ACHARD, Pierre [et al.]. Papel da Memória. 4ª edição. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015.

PÊCHEUX, Michel. [1975]. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

ROBIN, Régine. A memória saturada. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2016.

SILVA, Ariana da Rosa. Dois presentes, dois passados, dois futuros: funcionamento discursivo dos votos dos deputados na sessão do impeachment de Dilma Rousseff. Tese de doutorado. Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2021.

SILVA, Ariana.; LEITE, Milene. (2019). Democracia, ditadura, direitos humanos e a disputa de sentidos: há o que comemorar? In: DA SILVA, A.; DA SILVEIRA, C.; CAVALCANTI, M.; SALLES, S. (Orgs). Teoria e Empiria dos Direitos Humanos. Rio de Janeiro, Editora Multifoco, (p.458-474).

TEIXEIRENSE, Pedro. Os presidentes da Nova República e a memória do golpe de 1964. In. Café com História, 1 abr. 2019. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/https-www-cafehistoria-com-br-nova-republica-ditadura-militar-golpe-de-1964/ - Último acesso em 25 de abril de 2021.

Publicado
2021-06-12
Como Citar
Mariani, B., Maciel Carlos Leite, M., & Silva, A. da R. (2021). O GOLPE DE 1964 NA ORDEM DO DIA. EntreLetras, 12(1), 25 - 48. https://doi.org/10.20873/uft2179-3948.2021v12n1p25-48