https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/issue/feed DESAFIOS - Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins 2021-10-27T14:56:05-03:00 Dr. Guilherme Nobre L. do Nascimento revistadesafiosuft@gmail.com Open Journal Systems <p>Desafios é uma publicação científica trimestral da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal do Tocantins, dirigida à produção acadêmica interdisciplinar com interesse nas áreas de: Ciências Humanas e Contemporaneidade; Saúde e Sociedade; Eduação; Ciência, Tecnologia e Ciências Agrárias. Recebe artigos em fluxo contínuo e trabalha com publicação no formato contínuo. ISSN -&nbsp;2359-3652</p> https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/9074 FUNCIONALIDADE NAS ATIVIDADES INSTRUMENTAIS DE VIDA DIÁRIA EM IDOSOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER 2021-10-27T14:56:05-03:00 Suzane Santos suzanecristinaa@gmail.com Camilla Fagundes de Oliveira Bueno ccahmi@yahoo.com.br Juliana Aparecida Wosh Pires julianaguaraflex@hotmail.com Juliana Sartori Bonini juliana.bonini@gmail.com <p>O processo de envelhecimento humano traz modificações na capacidade funcional dos idosos. O risco para a incapacidade funcional se agrava quando o idoso é acometido pela Doença de Alzheimer (DA). Nosso objetivo foi avaliar a funcionalidade, de idosos com DA, por meio das atividades instrumentais de vida diária (AIVDs) e relacioná-la com o estágio da doença. A amostra foi composta por 56 idosos com DA, para avaliação das AIVDs utilizou-se a Escala de Lawton e Brody e para avaliar o estágio da doença a Escala de Avaliação Clínica da Demência (CDR). Os dados foram apresentados na forma de estatística descritiva. A maior parte dos participantes encontrava-se no estágio grave da doença (CDR3: 41,1%) e a minoria deles no estágio inicial (CDR1: 23,2%). Em relação às AIVDs a maioria dos idosos com foi classificada com dependência total (35,7%), e os idosos no estágio grave da doença foram os que mais apresentaram dependência total (30,3%). Apenas idosos do grupo que se encontrava no estágio leve obtiveram classificação de independentes (5,3%), e nesse mesmo grupo não houve nenhum classificado como dependente total. Em conclusão observamos que, idosos com Doença de Alzheimer apresentam um declínio funcional progressivo na realização de atividades de vida diária.</p> 2021-10-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Suzane Santos https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/9133 EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: ESTRATÉGIA NO PROCESSO DE TRABALHO 2021-10-27T14:55:34-03:00 Ana Beatriz Gouveia de Araújo bia_araujo38@hotmail.com Camila Mendes da Silva camila_mendes@hotmail.com Gisetti Corina Gomes Brandão gisettibrandao@gmail.com Antonio Ialy Ferreira ialy_pb@hotmail.com <p>O processo de trabalho do agente comunitário de saúde se relaciona com a nova concepção do modelo de atenção à saúde, dispondo do olhar ampliado sobre o indivíduo, a família e a comunidade na perspectiva biopsicossocial. Com isso, o presente estudo tem por objetivo discutir o processo de trabalho dos agentes comunitários à luz da educação permanente em saúde. Trata-se de uma pesquisa descritiva e exploratória, abordagem qualitativa, delineada pelo constructo da pesquisa-ação. O cenário do estudo foram três unidades de saúde da cidade de Campina Grande-Paraíba. A amostra foi composta por 16 agentes comunitários e a coleta de dados ocorreu através de um questionário estruturado e 32 oficinas de trabalho gravadas, que foram analisados por meio da Técnica de Análise de Conteúdo proposta por Bardin. Três categorias de análise foram evidenciadas: Fragilidades e dificuldades no dia a dia de trabalho, as potencialidades do processo de trabalho do agente comunitário de saúde e perspectivas dos agentes com a educação permanente em saúde. As práticas pedagógicas devem ser baseadas na aprendizagem significativa, para que haja a responsabilização dos sujeitos frente ao seu processo de trabalho e a reflexão crítica sobre o seu dia a dia de trabalho.</p> 2021-10-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Ana Beatriz Gouveia de Araújo, Camila Mendes da Silva, Gisetti Corina Gomes Brandão, Antonio Ialy Ferreira https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/10287 Urochloa brizantha E Andropogon gayanus EM MONOCULTIVO E CONSÓRCIO SOB DIFERENTES NÍVEIS DE ADUBAÇÃO 2021-10-27T14:53:47-03:00 Jhansley Ferreira da Mata jhansley.mata@uemg.br Jucielle Cardoso da Silva Magalhães juciellec@yahoo.com.br Susana Cristine Siebeneichler susana@uft.edu.br Rubens Ribeiro da Silva rrs2002@uft.edu.br Mireia Aparecida Bezerra Pereira mireia@unirg.edu.br Heytor Martins heytor.lemos18@gmail.com <p>No Tocantins as condições climáticas são favoráveis para cultivo de plantas forrageiras, possibilitando elevada produtividade agrícola. Sendo assim, para solucionar problemas como manejo incorreto de aplicação de espécies forrageiras, insere-se o Sistema de Plantio Direto (SPD). Este trabalho objetivou avaliar o crescimento e tempo de meia vida em braquiarão e andropogon em sistemas de monocultivo e em consórcio sob três níveis de adubação. O experimento ocorreu sob um Latossolo Vermelho distrófico, submetido a 13 anos de cultivo, sendo: 8 anos sob sistema convencional com o uso gradagem aradora e gradagem niveladora; 2 anos sob cultivo mínimo com o uso de subsolador e gradagem niveladora posteriormente e 3 anos sob sistema de plantio direto em profundidade de 0 a 20 cm. As espécies braquiarão e andropogon em consórcio verificou maior altura quando foi aplicado 20% da adubação química e este consórcio influenciou na permanência por maior tempo na superfície do solo, no entanto a adubação ajudou na decomposição da palhada conforme o tempo de meia-vida. Em sistema consórcio a altura das plantas favoreceram em 20% de adubação; o milheto em monocultivo apresentou maior crescimento em altura e o sorgo teve um desempenho inferior e a adubação influenciou na redução do tempo de meia vida dos sistemas de produção</p> 2021-10-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Heytor Martins https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/11141 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA MORBIMORTALIDADE POR CÂNCER DE PRÓSTATA EM INDIVÍDUOS ADULTOS NO ESTADO DE ALAGOAS-BRASIL 2021-10-27T14:53:20-03:00 Claudio José dos Santos Júnior claudiosantos_al@hotmail.com Elaine Cristina Torres Oliveira laineoliv83@gmail.com <p>A Organização Mundial da Saúde reconhece o câncer como um importante problema de saúde pública. De todos os tipos de cânceres, a neoplasia maligna de próstata (CaP) ganha considerável relevância pelo fato de ser a segunda mais frequente entre os homens no âmbito nacional, ficando atrás apenas do câncer de pele. Essa doença, apesar de estar comumente relacionada as idades mais avançadas, vem acometendo, de forma cada vez mais frequente, homens a partir de 45 anos e até mesmo antes dessa faixa etária. Este trabalho objetiva avaliar a distribuição geoespacial da incidência e mortalidade por câncer de próstata em homens adultos em um estado do Brasil. Trata-se de estudo ecológico realizado a partir dos registros de morbimortalidade para câncer de próstata em homens com idade entre 20 e 59 anos no estado de Alagoas, Brasil. Foram utilizados os programas SPSS v. 25 para estimar a variação percentual anual da incidência e da mortalidade e seus respectivos intervalos de confiança e o software Quantum GIS 3.0 para realização da distribuição espacial dos indicadores, tendo sido o padrão de distribuição espacial verificado através da elaboração de mapas de calor. Foi observado que 209 homens foram atendidos em virtude do câncer de próstata em Alagoas. Foi verificada a ocorrência 54 óbitos (25,8%). A distribuição espacial dos casos demonstrou áreas quentes (hot spot) para de diagnósticos e óbitos em áreas urbanas. Indivíduos com diagnóstico ou óbito por câncer de próstata estiveram concentrados nas maiores cidades de Alagoas no período estudado.</p> 2021-10-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Claudio José dos Santos Júnior, Elaine Cristina Torres Oliveira https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/11201 CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO SOBRE OS DEPENDENTES QUÍMICOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA (CRDQ) – ISMAEL ABDEL AZIZ 2021-10-27T14:52:41-03:00 João Viriato Mazalo joaomazalo@gmail.com Antônio Marcos Sales Conceição marcos_salles33@hotmail.com Bruno Mori brunomori@ufam.edu.br <p><strong>RESUMO</strong></p> <p>Os enfermeiros desempenham um papel crucial na transformação social, tendo atuação ativa no processo de tratamento, reabilitação, combate ao consumo de álcool e outras drogas psicoativas. O consumo de drogas é considerado um problema de saúde pública, que afeta todas as faixas etárias, sem distinção da classe social, criando implicações sociais, psicológicas, econômicas e políticas. Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o conhecimento dos enfermeiros sobre os dependentes químicos no Centro de Reabilitação em Dependência Química – Ismael Abdel Aziz. Trata-se de um estudo descritivo-exploratório de natureza qualitativa. Participaram no estudo 6 enfermeiros que atuavam na instituição. A coleta de dados foi realizada no mês de julho de 2015, com base em entrevista semiestruturada, sendo categorizados segundo a análise de conteúdo de Bardin. Os enfermeiros afirmaram que a demanda dos dependentes químicos tende a crescer progressivamente devido a vários fatores expostos pela sociedade, havendo necessidade de maior abrangência de políticas públicas e criação de novos projetos, bem como a capacitação dos enfermeiros para melhorar o atendimento. Após a realização da pesquisa concluiu-se que os enfermeiros possuem conhecimentos básicos que são utilizados no processo de recuperação dos dependentes químicos, onde estes atuam na assistência das crises de abstinências, fissura, ansiedade, entre outras situações expostas.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Dependência Química; Drogas; Reabilitação.</p> 2021-10-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 João Viriato Mazalo, Antônio Marcos Sales Conceição, Bruno Mori https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/11171 MICROALGAS COMO UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVES 3G 2021-10-27T14:53:00-03:00 Daniel Alves de Souza Panta daniel.panta@mail.uft.edu.br Mirella Pessôa Diniz da Silva mirella.diniz@uft.edu.br Jodson da Silva Gloria jodsond@gmail.com Glaucia Eliza Gama Vieira glauciaeliza@mail.uft.edu.br <p>As energias renováveis ​​estão ganhando importância, e os biocombustíveis à base de microalgas são vistos como uma excelente alternativa.&nbsp;Estas apresentam crescimento rápido, têm alta eficiência fotossintética, e têm necessidade de terra e consumo de água relativamente pequenos, em comparação com biocombustíveis de culturas terrestres convencionais. A microalga é apontada como matéria-prima promissora, e diversos estudos têm sido realizados desde o cultivo, extração e conversão, até o produto final, visando melhor eficiência energética no processo, bem como aumento de produtividade.&nbsp;Ainda existem barreiras desafiadoras na sua implementação como fonte potencial no mercado da bioenergia.&nbsp;Algumas espécies de microalgas crescem facilmente em águas salobras e residuais, tornando-a uma fonte energética mais viável.&nbsp;Embora as microalgas sejam a melhor alternativa para a produção de biocombustíveis, o custo de produção e o seu rendimento. ainda são desafiadores. Esta revisão avalia as diferentes etapas da geração de biocombustíveis a partir das microalgas, e esclarece sobre biocombustíveis de terceira geração (3G).</p> 2021-10-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Daniel Alves de Souza Panta, Mirella Pessôa Diniz da Silva, Jodson da Silva Gloria, Glaucia Eliza Gama Vieira https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/11332 USO DO Vaccinium macrocarpon (CRANBERRY) NA PROFILAXIA DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO 2021-10-27T14:52:16-03:00 Beatriz da Silva Rosa Bonadiman beadasilvarosa@gmail.com Gabriela Cimadon gabicimadon@gmail.com <p>Objetivo: Abordar o uso do Cranberry como medida profilática para reduzir a incidência de infecção urinária. Método: Através de uma revisão bibliográfica nas bases de dados Scielo, PubMed e Lilacs, onde foram encontrados mais de 2000 artigos ao inserir a palavra cranberry no campo de busca. A partir disso foram selecionados os artigos mais recentes, dos últimos 5 anos e que apresentavam informações referentes aos compostos presentes na fruta e de que maneira exerciam seu efeito terapêutico, de modo a diminuir a incidência de infecção urinária através da inibição do crescimento bacteriano. Resultados: A fruta pode atuar inativando a <em>Escherichia coli</em> uma das maiores causadoras dessas infecções, por meio da inativação de seus genes e através da redução das funções, impedindo a sua multiplicação e assim culminando na morte das cepas bacterianas. Conclusão: Diante da efetividade demonstrada, sugere-se que novos estudos sejam realizados a fim de determinar a dosagem e a o modo de administração que provocam o melhor efeito terapêutico e assim incentivar seu uso na profilaxia da infecção urinária.</p> 2021-10-22T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Beatriz da Silva Rosa Bonadiman, Gabriela Cimadon https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/11648 DIVERGÊNCIA ENTRE CULTIVARES DE MILHO TRANSGÊNICO E NÃO TRANSGÊNICO SOB CULTIVO NO CERRADO 2021-10-27T14:50:47-03:00 Márcio Eckardt adm1marcio@gmail.com Ila Raquel Mello Cardoso ilaraKel@hotmail.com Nubia Adriane da Silva nubia@ifto.edu.br Joenes Mucci Peluzio joenesp@uft.edu.br Flávio Sérgio Afférri flavioafferri@gmail.com <p>O crescente uso da transgenia em programas de melhoramento pode levar a efeitos adversos na cultura do milho. O estudo comparativo entre cultivares transgênicas e não transgênicas disponíveis no mercado, sob diferentes doses de nitrogênio, no cerrado tocantinense, teve o objetivo de identificar os efeitos das tecnologias na diversidade genética. Foram realizados dois ensaios em Paraíso do Tocantins e dois em Palmas, com semeaduras em novembro de 2018 e janeiro de 2019. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, com três repetições. Em cada ensaio, foi realizada adubação de cobertura com 50, 100 e 150 kg de N (Nitrogênio) por ha<sup>-1</sup>. Para cada dose de N, e para análise conjunta, foram obtidas a contribuição relativa das características, medidas de dissimilaridade e a formação de grupos. Ainda, a análise conjunta foi submetida ao método hierárquico da distância média. Em sua maioria, a composição dos grupos similares formados foi constituída tanto pelas cultivares transgênicas quanto pelas não transgênicas. A adubação de 100 kg de N por ha<sup>-1</sup> proporcionou o maior número de grupos. As características que mais contribuíram relativamente para a dissimilaridade foram o número de grãos por fileira (NGF) e o comprimento da espiga com palha (CECP).</p> 2021-10-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Márcio Eckardt, Ila Raquel Mello Cardoso, Nubia Adriane da Silva, Joenes Mucci Peluzio, Flávio Sérgio Afférri https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/11478 ALTERNÂNCIA IDEOLÓGICA NA ECONOMIA: O CASO DA TEORIA DA POLÍTICA ECONÔMICA 2021-10-27T14:51:05-03:00 Rafael Galvão de Almeida rga1605@gmail.com <p>No período que se seguiu à Grande Depressão nos anos 1930, economistas desenvolveram técnicas de planejamento e uma teoria de política econômica a fim de encontrar o melhor nível de intervenção estatal na economia. Isso ocorreu em resposta à crise da teoria econômica. Nos anos 1970, houve uma nova crise, que causou a inversão de posição dos economistas. A partir dessa época economistas passaram a favorecer mercados livres. Assim, o objetivo desse artigo é entender como esse processo ocorreu, utilizando a ascensão e queda da teoria da política econômica como exemplo da mudança das preferências dos economistas. Analisando-se alguns dos principais textos de teoria de política econômica, incluindo literatura secundária, encontra-se que, de 1930 a 1970, a economia favoreceu intervencionismo porque o paradigma do modelo de equilíbrio geral dava espaço à ideia de que o ótimo social poderia ser alcançado através da ação econômica estatal. Após esse período, críticas de economia política e de expectativas racionais lançaram dúvidas sobre a capacidade de intervenção estatal. Por fim, o artigo conclui que é incerto afirmar se haverá novamente grandes mudanças como as que foram discutidas no artigo e que as teorias econômicas se adaptam: a teoria da política econômica se adaptou às críticas de economia política e expectativas racionais.</p> 2021-10-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Rafael Galvão de Almeida https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/10862 “MULHERES NAS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIAS”: PERCEPÇÕES DE CONCLUINTES DO ENSINO MÉDIO DE DISTINTOS AMBIENTES SOCIOEDUCACIONAIS 2021-10-27T14:51:25-03:00 Ulisses Franklin Carvalho da Cunha ulisses_franklin@hotmail.com Magale Karine Diel Rambo magalerambo@mail.uft.edu.br Cynthia Mara Miranda cynthiamara@mail.uft.edu.br <p>Este estudo propôs-se a refletir acerca da presença das mulheres nas áreas de Ciências Exatas e Tecnologias, na perspectiva das narrativas de alunas concluintes do Ensino Médio, de duas escolas localizadas em distintos ambientes socioeducacionais de uma capital brasileira: uma, sendo pública e em região de vulnerabilidades sociais, e a outra, particular da área central da cidade. Este estudo foi realizado utilizando-se como metodologia de obtenção dos dados o grupo focal, que nos permitiu ter acesso ao imaginário e às opiniões destas adolescentes. As discussões levantadas nos grupos focais foram gravadas, transcritas e submetidas à análise de conteúdo. Os resultados foram discutidos especialmente à luz dos estudos de gênero. As análises realizadas no desenvolvimento do estudo apontam que as adolescentes de ambas as escolas possuem percepções convergentes em diversos pontos que evidenciam a existência de estereótipos de gênero na ciência.</p> 2021-10-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Ulisses Franklin Carvalho da Cunha, Magale Karine Diel Rambo, Cynthia Mara Miranda