Curso de Agricultor Familiar: possíveis aproximações com a Educação Popular e a Educação do Campo

  • Osmar Lottermann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – IFRS
  • Walter Frantz Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Resumo

O artigo apresenta uma pesquisa realizada sobre a execução do Curso de Agricultor Familiar, ministrado em diferentes municípios do entorno do Instituto Federal Farroupilha – Campus Santo Augusto, nos anos de 2013 e 2014, com o objetivo de identificar suas características e possíveis aproximações com a Educação Popular e a Educação do Campo. A metodologia utilizada foi uma revisão bibliográfica e documental de caráter qualitativo. Partimos da hipótese que, para que os cursos executados por instituições públicas atendam aos objetivos da Educação Popular e da Educação do Campo, deve haver articulação entre a Extensão e os trabalhadores do campo envolvidos. Orientamos nossas análises a partir das seguintes perguntas: há referenciais teóricos no Projeto Pedagógico que indicam um compromisso com a Educação Popular? O que se pode extrair do Projeto em relação às demandas da Educação do Campo? Por fim, qual o caráter e o alcance do envolvimento institucional do Campus com os agricultores familiares, através do Departamento de Pesquisa e Extensão e dos projetos de extensão? Identificamos limitações da Extensão frente às necessidades de diálogo com trabalhadores do campo e aspectos progressistas no espaço de formação básica do Projeto Pedagógico do Curso, que possibilitaram reflexões em aula.

Palavras-chave: Curso de Agricultor Familiar, Pronatec Campo, Educação Popular, Educação do Campo, Extensão.

 

Family Farmer Course: Possible approximations with the Popular Education and the Rural Education               

ABSTRACT. This article presents a research carried out on the execution of the Family Farmer Course, delivered in different municipalities around the Farroupilha Federal Institute - Santo Augusto Campus, in 2013 and 2014, with the objective of identifying its characteristics and possible similarities with the Popular Education and the Rural Education. A qualitative bibliographic and documentary review was used as methodology. We started from the hypothesis that, in order for courses run by public institutions to meet the objectives of the Popular and Rural Educations, there must be an articulation between the Extension project and the rural workers involved. We conducted our analysis based on the following questions: Are there theoretical references in the Pedagogical Project that indicate a commitment to the Popular Education? What can be extracted from the Project in relation to the demands of the Rural Education? Finally, what is the character and scope of the institutional involvement of the Campus with the family farmers, through the Research and Extension Department and the extension projects? We identified limitations of the Extension project when taking into account the needs for dialogue with rural workers and progressive aspects in the basic training space of the Course Pedagogical Project, which allowed for reflections in class.

Keywords: Extension, Family Farmer Course, Popular Education, Pronatec Campo, Rural Education.

 

Curso de Agricultor Familiar: posibles aproximaciones con la Educación Popular y la Educación del Campo

RESUMEN. El artículo presenta una pesquisa realizada sobre la ejecución del Curso de Agricultor Familiar, impartido en diferentes municipios del entorno del Instituto Federal Farroupilha – Campus Santo Augusto, en los años de 2013 y 2014, con el objetivo de identificar sus características y posibles aproximaciones con la Educación Popular y la Educación del Campo.  La metodología utilizada fue una revisión bibliográfica y documental de carácter cualitativo. Partimos de la hipótesis que, para que los cursos ejecutados por instituciones públicas atiendan los objetivos de la Educación Popular y de la Educación del Campo, debe haber articulación entre la Extensión y los trabajadores del campo envueltos. Orientamos nuestros análisis a partir de las siguientes preguntas: ¿hay referenciales teóricos en el Proyecto Pedagógico que indican un compromiso con la Educación Popular? ¿Lo que se puede extraer del Proyecto en relación a las demandas de la Educación del Campo? Por fin, ¿cuál el carácter y el alcance del envolvimiento institucional del Campus con los agricultores familiares, través del Departamento de Pesquisa y Extensión y de los proyectos de extensión? Identificamos limitaciones de la Extensión frente a las necesidades de diálogo con trabajadores del campo y aspectos progresistas en el espacio de formación básica del Proyecto Pedagógico del Curso, que posibilitaran reflexiones en clase.

Palabras clave: Curso de Agricultor Familiar, Pronatec Campo, Educación Popular, Educación del Campo, Extensión.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osmar Lottermann, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – IFRS

Graduado em História pela Universidade de Passo Fundo - UPF/RS; Especialista em Ciências Sociais pelas Faculdades Integradas de Amparo - FIA/SP; Mestre em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - Unijuí/RS e Doutor em Educação nas Ciências, também pela Unijuí. Desenvolve suas atividades como docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, Campus Farroupilha.

Walter Frantz, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Graduado em Ciências Naturais e Pedagogia, estudos de cooperativismo no Instituto Chileno de Educação Cooperativa, Santiago, Chile e no Instituto de Cooperativismo da Faculdade de Economia, da Universidade de Münster, Alemanha, na qual fez doutorado em Sociologia da Educação. Pós-doutorado pelo PPGCS UNISINOS. Professor do Departamento de Ciências Jurídicas e Sociais e do Programa de Pós-graduação em Educação nas Ciências, da UNIJUI.

Referências

Arroyo, M. G. (2007). Políticas de Formação de educadores(as). Cadernos Cedes, 27(72), 157-176. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622007000200004

Brandão, C. (2012). O que é educação popular. São Paulo, SP: Brasiliense.

Brandão, C. (2002). A educação popular na escola cidadã. Petrópolis, RJ: Vozes.

Caldart, R. (2012a). Educação do campo. In Caldart, R.; Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 257-264). 2. ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Caldart, R. (2012b). Pedagogia do Movimento Sem Terra. 4. ed. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Caldart, R. (2011). Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo (pp. 147-158). 5.ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988, 05 de outubro). Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Decreto 5.840. (2006, 13 de julho). Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja) e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5840.htm

Fiod, E. G. M. (2009). Educação do campo e transição social. In Aued, B. W., & Vendramini, C. R. (Orgs.). Educação do campo: desafios teóricos e práticos (pp. 41-51). Florianópolis, SC: Insular.

Fonec. (2012). Fórum Nacional de Educação do Campo. Seminário Nacional. Notas para análise do momento atual da Educação do Campo. Brasília, DF: Fonec. Recuperado de: https://educanp.weebly.com/uploads/1/3/9/9/13997768/fonec__notasanlisemomentoatualeducampo_set.pdf

Freire, P. (2008). Extensão ou Comunicação? 8. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (2014). Política e Educação. 1.ed. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo, SP: Atlas.

Gohn, M. G. (2012). Movimentos sociais e educação. 8. ed. São Paulo, SP: Cortez.

Gohn, M. G. (2010). Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo, SP: Cortez.

Gomes, R. (2016). Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In Minayo, M. C. S.(Org.), Deslandes, S. F., Gomes, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade (pp. 72-95). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lei n. 12.513, de 26 de outubro de 2011. (2011, 26 de outubro). Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Altera as Leis nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), no 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a organização da Seguridade Social e institui Plano de Custeio, no 10.260, de 12 de julho de 2001, que dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior, e no 11.129, de 30 de junho de 2005, que institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (ProJovem); e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12513.htm

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo, SP: Atlas.

Mejía, M. R. (2003). A transformação social: educação popular e movimentos sociais no fim do século. Tradução de Ana Vieira Pereira e Ricardo Ribeiro. 2.ed. São Paulo, SP: Cortez.

Munarim, A., Tamanini, E., Hardt, L. S., Conde, S., & Peixer, Z. I. (2009). Política pública de educação do campo: a articulação entre o Estado e a sociedade. In Aued, B. W., & Vendramini, C. R. (Orgs.). Educação do campo: desafios teóricos e práticos (pp. 53-65). Florianópolis, SC: Insular.

Paludo, C. (2001). Educação popular em busca de alternativas: uma leitura desde o campo democrático popular. Porto Alegre, RS: Tomo Editorial.

Plano de Desenvolvimento Institucional. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha. (2014-2018). Recuperado de: https://www.iffarroupilha.edu.br/documentosiffar

Projeto Político Pedagógico do Curso de Agricultor Familiar. (2013). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus Santo Augusto.

Resolução nº 48/2008. (2008, 28 de novembro). Estabelece orientações para a apresentação, seleção e apoio financeiro a projetos que visem à oferta de cursos de formação continuada na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos no formato de cursos de extensão, aperfeiçoamento e especialização. Recuperado de: https://www.fnde.gov.br/index.php/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/3277-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-48-de-28-de-novembro-de-2008

Souza, M. A. (2012). Educação do campo: propostas e práticas pedagógicas do MST. Petropólis, RJ: Vozes.

Zonta, E., M., Trevisan, F., & Hillesheim, P. (2010). Pedagogia da alternância e agricultura familiar. Poesias/Organização. Frederico Westphalen, RS: URI/FW.

Publicado
2020-04-08
Como Citar
Lottermann, O., & Frantz, W. (2020). Curso de Agricultor Familiar: possíveis aproximações com a Educação Popular e a Educação do Campo. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 5, e7368. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7368
Seção
Artigos / Articles / Artículos