A formação de pedagogos indígenas em alternância no Paraná: uma contribuição à interculturalidade e ao bilinguismo

  • Marcos Gehrke Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO
  • Marlene Lucia Siebert Sapelli Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO
  • Rosangela Celia Faustino Universidade Estadual de Maringá - UEM

Resumo

O objetivo do artigo é apresentar o processo de constituição da experiência de formação de pedagogos indígenas, da Universidade Estadual do Centro Oeste (Guarapuava/PR), destacando a chegada da demanda indígena à Universidade, a construção participativa do Projeto Pedagógico do Curso (PPC) e a implementação da Pedagogia da Alternância na formação superior indígena no Paraná. Por meio de pesquisa documental e bibliográfica, explicita-se o protagonismo dos movimentos indígenas na luta pelo direito de acesso ao Ensino Superior, no Paraná, numa perspectiva intercultural e bilíngue, e a premente necessidade de formação de pedagogos para atuarem nas escolas indígenas no estado. Na contextualização do processo de criação do curso de Pedagogia Indígena, com a Pedagogia da Alternância, destacam-se os princípios que sustentam ações projetadas e realizadas coletivamente, presentes no Projeto Pedagógico e na execução do Curso. Os resultados do processo formativo em andamento evidenciam uma melhor participação dos povos indígenas nas decisões e na organização da formação superior indígena, a concretização de um currículo intercultural e bilíngue, bem como a constituição de uma Licenciatura Intercultural, composta apenas por estudantes indígenas, que tem protagonizado ações com autonomia e auto-gestão.

Palavras-chave: Pedagogia Indígena, Pedagogia da Alternância, Ensino Superior Indígena, Formação Intercultural e Bilíngue.

 

The training of indigenous pedagogues in alternance in Paraná: a contribution to interculturality and bilinguism

Abstract

The aim of this paper is to present the constitutional process of the experience of indigenous educators development of the Central West State University (Guarapuava / PR), highlighting the arrival of indigenous demand at the University, the participatory construction of the Pedagogical Project of the Course (PPC) and the implementation of Alternation Pedagogy in indigenous higher education in Paraná. Through documentary and bibliographical research, the role of indigenous movements in the fight for the right of access to higher education in Paraná is explained in an intercultural and bilingual perspective, and the urgent need for training of educators to work at indigenous schools in the state. In the context of the process of creation of the course of Indigenous Pedagogy, with the Pedagogy of Alternation, we highlight the principles that support actions designed and performed collectively, present in the Pedagogical Project and in the execution of the Course. The results of the ongoing development process show a better participation of indigenous peoples in the decisions and organization of indigenous higher education, the establishment of an intercultural and bilingual curriculum, as well as the establishment of an Intercultural Degree in Teaching, composed only of indigenous students, which has led actions with autonomy and self-management.

 

Keywords: Indigenous Pedagogy, Alternation Pedagogy, Indigenous Higher Education, Intercultural and Bilingual Training.

 

La formación de pedagogos indígenas en alternancia en Paraná: una contribución a la interculturalidad y al bilingüismo

Resumen

El objetivo de este trabajo es presentar el proceso de constitución de la experiencia de formación de educadores indígenas, de la Universidad Estatal des Centroeste (Guarapuava/PR), destacando la llegada de la demanda indígena a la Universidad, la construcción participativa del Proyecto Pedagógico del Curso (PPC) y la implementación de la Pedagogía de Alternancia en la educación superior indígena en Paraná. A través de la investigación documental y bibliográfica, se explica el papel de los movimientos indígenas en la lucha por el derecho de acceso a la educación superior en Paraná, desde una perspectiva intercultural y bilingüe, y la necesidad urgente de capacitar a educadores para trabajar en escuelas indígenas en el estado. En el proceso de creación del curso de Pedagogía Indígena, con la Pedagogía de Alternancia, destacamos los principios que apoyan las acciones diseñadas y realizadas colectivamente, presentes en el Proyecto Pedagógico y en la ejecución del Curso. Los resultados del proceso de capacitación, en curso, muestran una mejor participación de los pueblos indígenas en las decisiones y la organización de la educación superior indígena con el establecimiento de un plan de estudios intercultural y bilingüe, y la criación de un curso intercultural, compuesto solo por estudiantes indígenas, que ha liderado acciones con autonomía y autogestión.

Palabras clave: Pedagogía Indígena, Pedagogía de Alternancia, Educación Superior Indígena, Entrenamiento Intercultural y Bilingüe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Gehrke, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professor Adjunto da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Pesquisador do Laboratório da Educação do Campo e Indígena. Coordenador do Curso de Pedagogia Indígena (UNICENTRO/PR).

Marlene Lucia Siebert Sapelli, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Doutora em Educação, docente da Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava/PR, e-mail: marlenesapelli@gmail.com, integrante do Setor de Educação do MST/PR, pesquisadora na área de políticas educacionais, currículo e educação do campo.

Rosangela Celia Faustino, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Associada da Universidade Estadual de Maringá (UEM/PR). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Educação Indígena no Paraná. Pesquisadora do Programa Interdisciplinar de Estudos de Populações (PIESP/LAEE-UEM-PR). Coordenadora da ação Saberes Indígenas na Escola, Paraná (MEC-SEMESP).

Referências

Almeida, W. B. (2004). Terras tradicionalmente ocupadas: processos de territorialização e movimentos sociais. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 6(1), 9-32.

Barros, M. C. D. M. (1993). Linguística missionária: Summer Institute of Linguistics (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.

Bergamaschi, M. A., & Silva, R. H. (2007). Educação escolar indígena no Brasil: da escola para índios às escolas indígenas. Ágora, 13(1), 124-150. Doi: http://dx.doi.org/10.17058/agora.v13i1.113 Recuperado em 07 de abril, 2019 de https://online.unisc.br/seer/index.php/agora/article/view/113.

Betancourt, R. F. (1994). Questões de método para uma filosofia intercultural a partir da Ibero-América. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos.

Brandão, C. R. (1988). Pesquisa Participante. São Paulo, SP: Editora Brasiliense.

Caldart, R. S. (2000). Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Caldart, R. S. (2017). Inventário da realidade: guia metodológico para uso nas escolas do campo. In Caldart, R. S. (Org.). Caminhos para a transformação da Escola 4 - Trabalho, agroecologia e estudo nas escolas do campo (pp. s./p.) São Paulo, SP: Editora Expressão Popular.

Carta-pedido de cursos superiores na Terra Indígena. (2018). Terra Indígena Rio das Cobras, Nova Laranjeiras, PR.

Censo Demográfico 2010. (2010). Rio de Janeiro, RJ: IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado em 10 de abril, 2019 de http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/a-comunidade/estimativas-populacionais-das-comunidades/estimativas-do-ibge/censo-demografico-ibge-2010.pdf

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (2016). Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo n. 186 (2008, julho 9). Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas. Recuperado em 15 de junho, 2019 de https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf

Consulta Escola: dia a dia educação. (2018). Paraná. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Recuperado em 14 junho, 2018 http://www.consultaescolas.pr.gov.br/consultaescolas/f/inicial

Consulta sobre a possibilidade de oferta de curso de graduação para a formação de Educador Indígena na Terra Indígena Rio das Cobras. (2018). Paraná. Conselho Estadual de Educação. Parecer CEE/CP nº 03/18 de 19 de outubro.

Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indígenas no Ensino Superior. (2014). Brasília, DF: Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação.

Falkembach, E. M. F. (1995). Sistematização ... juntando cacos, construindo vitrais. Ijuí, RS: Editora Unijui.

Faustino, R. C. (2006). Política educacional nos anos de 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Faustino, R. C. (2012). Políticas educacionais e educação escolar indígena no Paraná. Universidade Federal de Santa Catarina: Recuperado em 13 de junho, 2019 de http://www.rizoma.ufsc.br/pdfs/936-of10b-st3

Faustino, R. C., Novak, M. S. J., & Cipriano, S. C. (2013). A Presença indígena na Universidade: acesso e permanência de estudantes Kaingang e Guarani no ensino superior do Paraná. Revista Cocar, 7(13), 69-81.

Freire, P (1987). Pedagogia do Oprimido. São Paulo, SP: Editora Paz e Terra.

Freire, P (2004). Ação cultural para liberdade e outros escritos. São Paulo, SP: Editora Paz e Terra.

Guimarães, E. (2005). Brasil: país multilíngue. Ciência e Cultura, 57(2), 22-23.

Jara, O. (1985). Concepções dialéticas de educação popular. Caderno CEPIS. Texto de Apoio (2).

Junqueira, C. (2002). Antropologia Indígena: uma introdução. São Paulo, SP: Editora EDUC.

Lei nº 6.001 de 19 de dezembro de 1973. (1973, 21 de dezembro). Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Diário Oficial da União, seção 1. Recuperado em 13 de junho, 2019 de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-6001-19-dezembro-1973-376325-publicacaooriginal-1-pl.html

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, seção 1.

Menezes, M. C. B. (2016) Educação escolar indígena e o processo de alfabetização enquanto apropriação da linguagem escrita (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Maringá, Paraná.

Novak, M. S. J. (2007). Política de ação afirmativa: a inserção dos indígenas nas universidades públicas paranaenses (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Maringá, Paraná.

Novak, M. S. J. (2014). Os organismos internacionais, a educação superior para indígenas nos anos de 1990 e a experiência do Paraná: estudo das ações da Universidade Estadual de Maringá (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Maringá, Paraná.

Ramos, A. R. (1984). O Brasil no movimento indígena americano. Anuário Antropológico, (82), 281-286.

Ramos, A. R. (2012). Constituições nacionais e povos indígenas. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG.

Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas (1998). Brasília, DF: Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental MEC/SEF.

Rodrigues, I. C., & Wawzyniak, J. V. (2006). Inclusão e Permanência de Estudantes Indígenas no Ensino Superior Público no Paraná: Reflexões. Recuperado em 18 de abril, 2019 de www.acoesafirmativas.ufscar.br/relatorio CUIA. 2006.

Sanches Vásquez, A. (1968). Filosofia da práxis. Rio de Janeiro, RJ: Editora Paz e Terra.

Shulgin, V. N. (2013). Rumo ao politecnismo: artigos e conferências. São Paulo, SP: Editora Expressão Popular.

Souza, H. J de. (2014). Como se faz análise de conjuntura. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Teixeira, E. S., Bernartt, M. L., & Trindade, G. A. (2008). Estudos sobre Pedagogia da Alternância no Brasil: revisão de literatura e perspectivas para a pesquisa. Educação e Pesquisa, 34(2), 227-242. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022008000200002

UNICENTRO. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE). Resolução Nº 108-CEPE/Unicentro, de 23 de Setembro De 2008. Aprova o Regulamento do Programa Paranaense de Mobilidade Docente no Âmbito da Unicentro, PPMD/Unicentro.

UNICENTRO. (2018a). Laboratório da Educação do Campo e Indígena (LAECI). Departamento de Pedagogia (DEPED/G). Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia (Terra Indígena). Guarapuava, PR.

UNICENTRO. (2018b). Ofício nº329 GR/ UNICENTRO. 28 de setembro de 2018 b. Solicitação de autorização de funcionamento do Curso de graduação para a formação de Educador Indígena na Terra Indígena Rio das Cobras município de Nova Laranjeiras ao CEE.

Williams. R. (2007). Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. Tradução de Sandra Guardani Vasconcelos. São Paulo: Editora Boitempo.

Williams. R. (2008). Cultura. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Williams, R. (2011). O campo e a cidade na história e na literatura. Tradução de Paulo Henrique Britto. São Paulo: Editora Companhia das Letras.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Gehrke, M., Sapelli, M. L. S., & Faustino, R. C. (2019). A formação de pedagogos indígenas em alternância no Paraná: uma contribuição à interculturalidade e ao bilinguismo. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e7350. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7350
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil