A organização curricular em alternância nos cursos de formação de professores: PRONERA e Licenciatura em Educação do Campo

  • Dulcinéa Campos Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Dalva Mendes de França Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Valmere Santana Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Resumo

Este artigo objetiva contribuir com reflexões sobre os princípios teórico-metodológicos que orientam a organização curricular em alternância da Licenciatura em Educação do Campo. Além disso, analisa como esses preceitos, materializados no trabalho pedagógico do curso em alternância, podem servir de parâmetro para a construção de uma nova referência de escola.  A partir de uma pesquisa bibliográfica, apoiada na concepção de Educação do Campo, datada no Seminário Nacional de 2002, pauta suas análises ante pressupostos do materialismo histórico dialético.  Também fundamenta reflexões sob o aporte teórico de Moisey Mikhaylovich Pistrak, pedagogo russo que defendeu a formação de professores focada no exercício da práxis, visando ao desenvolvimento de autonomia docente no processo de construção e de reconstrução das práticas e dos métodos de educação. Os resultados deste estudo sinalizam que a proposição de uma organização curricular em alternância na Licenciatura em Educação do Campo, voltada para um ensino coerente com o método dialético de interpretação da realidade, confere aos professores as ferramentas necessárias para repensar e transformar a configuração escolar existente no campo.

Palavras-chave: Educação do Campo, Currículo em Alternância, Formação de Professor, Complexos de Estudo.

 

The curricular organization in alternation on the teacher’s training courses: PRONERA and graduation Degree in Rural Education

ABSTRACT. This article aims to contribute with reflections about the theoretical-methodological principles that guide the alternating curricular organization in Degree Rural Education courses. It also discuss how these precepts, materialized in the pedagogical work of the alternating course, can serve as a parameter for the construction of a new school reference. Based on a bibliographical research, supported by the conception of Rural Education, dated at the National Seminar of 2002 is made a analysis is based on the assumptions of dialectical historical materialism. In addition, it bases reflections about theoretical support of Moisey Mikhaylovich Pistrak, a Russian pedagogue who defended teacher training focused on the  praxis, aiming at the development of teaching autonomy in the process of construction and reconstruction of practices and methods of education. The results of this study indicate that the proposal for an alternating curriculum organization in the Rural Education Degree, aimed at teaching coherent with the dialectical method of reality interpretation, gives teachers the necessary tools to rethink and transform the existing configuration of the rural school.

Keywords: Rural Education, Alternating Curriculum, Teacher’s Formation, Study Complexes.

 

La organización curricular en la alternación en los cursos de formación profesional: PRONERA y licencia en la Educación del Campo

RESUMEN. Este artículo tiene como objetivo contribuir a las reflexiones sobre los principios teórico-metodológicos que guían la organización alternativa del currículo en la formación inicial del profesorado, centrándose en el Grado de Educación de Campo y analizar cómo estos principios materializados en la organización del trabajo pedagógico del curso alterno sirven como parámetro para la construcción de una nueva referencia escolar. A partir de una investigación bibliográfica, respaldada por la concepción de la educación rural fechada en el Seminario Nacional de 2002, basa sus análisis en los supuestos del materialismo histórico dialéctico. Basa sus reflexiones en las formulaciones teóricas de M. M. Pistrak, pedagogo ruso que defendió una formación docente centrada en la práctica de la praxis, con el objetivo de desarrollar la autonomía docente en el proceso de construcción y reconstrucción de prácticas y métodos de educación. Los resultados de este estudio indican que la propuesta de una organización curricular alterna en el Grado de Educación de Campo, dirigida al desarrollo de una enseñanza coherente con el método dialéctico de interpretación de la realidad, brinda a los maestros las herramientas necesarias para repensar y transformar la forma escolar existente en el campo.

Palabras clave: Educación del Campo, Plan de Estudios Alternativo, Formación Docente, Complejos de Estudio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dulcinéa Campos, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Possui graduação em Pedagogia. Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professora de graduação e pós-graduação do Centro da mesma universidade. Discute a alfabetização de crianças de escolas do campo e da cidade; formação de professores da Educação do Campo e a Gestão escolar pautada na democracia participativa.

Dalva Mendes de França, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Doutoranda em Educação do PPGE/UFES. Possui Mestrado em Educação, Graduações: Licenciatura em Língua Portuguesa e Literatura e Pedagogia. Professora voluntária no Departamento de Política, Educação e Sociedade. Integra o Grupo de Pesquisa: EJA e Educação Profissional na Cidade e no Campo. Integrante do Setor de Educação MST/ES. Representante dos movimentos sociais do campo no Colegiado da Licenciatura em Educação do Campo/UFES.

Valmere Santana, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Graduado em Licenciatura em Educação do Campo. É autor de seis livros publicados pelo Clube de Autores Publicações S/A: Itinerário Existencial; Crônicas do Apocalipse; Baía de Todas as Vitórias; PVD-5; Obituário Secreto dos Dias; Vale do Moxuara; As Peças do Jogo.

Referências

Brasil. (2015). Movimento do Desenvolvimento Agrário: 12 anos de transformações, lutas e conquistas. Brasília, DF.

Caldart, R. S. (2000). Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola mais do que escola. Petrópolis. RJ: Vozes.

Caldart, R. S. (2011). O MST e a escola: concepção de educação e matriz formativa. In Cadart, R. S., Fetzner, A. R., Rodrigues, R., & Freitas, L. C. (Orgs.). Caminhos para transformação da escola 1: Reflexões desde práticas da licenciatura em Educação do Campo (pp. 63-83). São Paulo, SP: Expressão Popular.

Caldart, R. S. (2011). Licenciatura em Educação do Campo e projeto formativo: qual o lugar da docência por área? In Cadart, R. S., Fetzner, A. R., Rodrigues, R., & Freitas, L. C. (Orgs.). Caminhos para transformação da escola 1: Reflexões desde práticas da licenciatura em Educação do Campo (pp. 127-154) São Paulo, SP: Expressão Popular.

Caldart, R. S. (2015a). Pedagogia do Movimento e Complexos de Estudo. In Sapelli, M. L. S., Freitas, L. C., & Caldart, R. S. (Orgs.). Caminhos para transformação da escola 3: Organização do trabalho pedagógico nas escolas do campo: Ensaios sobre complexos de estudos (pp. 19-66). 1 ed. São Paulo: Expressão Popular.

Caldart, R. S. (2015b). Caminhos para transformação da escola. In Caldart, R. S., Stédile, M. H., & Daros, D. (Orgs.). Caminhos para transformação da escola 2: Agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo (pp. 115-138). 1 ed. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Caldart, R. S. (2017). Trabalho, agroecologia e educação politécnica nas escolas do campo. In Caldart, R. S. (Org.). Caminhos para transformação da escola 4 (pp. 115-160). São Paulo, SP: Expressão Popular.

Fernandes, B. M. (2012). Território Camponês. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 746-750). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz; São Paulo, SP: Expressão Popular.

Freitas, L. C. (2009a). Introdução. In Pistrak, M. M. (Org.). A Escola-Comuna (pp. 155-178). São Paulo, SP: Expressão Popular.

Freitas, L. C. (2009b). A luta por uma Pedagogia do meio: revisitando o conceito. In Pistrak, M. M. (Org.). A comuna escolar (pp. 9-103). Tradução de Luiz Carlos de Freitas e Alexandra Marenich. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Freitas, L. C. (2010). Escola Única do Trabalho: explorando os caminhos de sua construção. In Caldart, R. S., Fetzner, A. R., Rodrigues, R., & Freitas, L. C. (Orgs.). Caminhos para a transformação da escola 1: Reflexões desde práticas da licenciatura em Educação do Campo (pp. 155-175). 1 ed. São Paulo, SP: Expressão popular.

Freitas, L. C. (2015). Prefácio. In Sapelli, M. L. S., Freitas, L. C., & Caldart, R. S. (Orgs.). Caminhos para transformação da escola 3: Organização do trabalho pedagógico nas escolas do campo: Ensaios sobre complexos de estudos (pp. 7-12). 1 ed. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Leite, L. C. A. (2016). Contribuições da agroecologia e da politecnia para a Educação do Campo (Dissertação de Mestrado). Rio de Janeiro, RJ: Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

Leite, S. P. (2012). Assentamento rural. In Caldart, R. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 110-114). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz; São Paulo, SP: Expressão Popular.

Marx, K. (2008). O Capital. v. 1, Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Marx, K. (1998). A Ideologia Alemã. São Paulo, SP: Martins Fontes.

MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (1994). Escola, trabalho e educação (pp. 3-19). Boletim da Educação no 4, São Paulo, SP: Setor de Educação.

MST – Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (2005). Caderno de Educação n. 13: Dossiê MST escola: documentos e estudos 1990 - 2001. São Paulo, SP: Setor de Educação.

MST – Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (2013). Plano de Estudos. Cascavel, PR: Edunioeste.

Pistrak, M. M. (2011). Fundamentos da Escola do Trabalho. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Ribeiro, M. (2008). Pedagogia da Alternância na educação rural/do campo: projetos em disputa. Educação e Pesquisa, 34 (1), 27-45. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022008000100003

Santos, C. A. (2012). Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA). In Caldart, R. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 631-639). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz; São Paulo, SP: Expressão Popular.

Sapelli, M. L. S. (2013). Escola do Campo - espaço de disputa e de contradição: análise da proposta pedagógica das escolas itinerantes do Paraná e do Colégio Imperatriz Dona Leopoldina (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina.

Savi, C. L. (2014). Complexos de Estudo: investigando um experimento de currículo em uma escola de assentamento do MST no Paraná (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel.

Shulgin, V. (2013). Rumo ao politecnismo. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Silva, L. H. (2012). As experiências de formação de jovens do campo: Alternância ou alternâncias? Curitiba, PR: Editora CRV.

Stédile, J. P., Carvalho, H. M. (2012). Soberania alimentar. In Caldart, R. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 716-725). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz; São Paulo, SP: Expressão Popular.

Trindade, G., Vendramini, C. R. (2011). A relação trabalho e educação na pedagogia da Alternância. Revista HISTEDBR On-line, 44(12), 32-46. Doi: https://doi.org/10.20396/rho.v11i44.8639976

Stédile, J. P. (2012). Reforma Agrária. In Caldart, R. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 659-668). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz; São Paulo, SP: Expressão Popular.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Campos, D., Mendes de França, D., & Santana, V. (2019). A organização curricular em alternância nos cursos de formação de professores: PRONERA e Licenciatura em Educação do Campo. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e7334. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7334
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil