A pedagogia da alternância e a construção do movimento social dos extrativistas na Amazônia amapaense

  • Marlo dos Reis Universidade Federal do Amapá - UNIFAP
  • Roni Mayer Lomba Universidade Federal do Amapá - UNIFAP

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar resultados parciais de estudo realizado em 2017-2018 sobre os movimentos sociais extrativistas no sul do estado do Amapá, especialmente a centralidade da pedagogia da alternância nas lutas e construção da identidade coletiva desses sujeitos. Trata-se de uma pesquisa embasada no materialismo histórico-dialético como enfoque teórico, metodológico e analítico utilizando como instrumento a entrevista com lideranças do movimento extrativista e escolas famílias na região, totalizando dez sujeitos. As principais categorias de análise são “luta de classes”, “identidade camponesa” e “conscientização”. Os resultados do estudo evidenciam a pedagogia da alternância como estratégia central de educação do campo e formação intelectual destes protagonistas, reconfigurando o sentido da luta para a conquista de políticas públicas e direitos sociais. As conclusões explicitam a trajetória dos extrativistas como sujeito social com identidade própria, consciência de classe social construída na luta pela manutenção da floresta nativa como marco de categoria social identitária. Este estudo contribui para o avanço da organização coletiva dos extrativistas e a publicização de sua trajetória e identidade inéditas.

Palavras-chave: Pedagogia da Alternância, Educação do Campo, Movimento Social Extrativista.

 

The pedagogy of alternation and the construction of the social movement of extractivists in Amapaense Amazon

Abstract. This article aims to present partial results of a study conducted in 2017-2018 on extractive social movements in the southern state of Amapá, especially the centrality of the pedagogy of alternation in struggles and construction of the collective identity of these subjects. This is a research based on historical-dialectical materialism as a theoretical, methodological and analytical approach using as an instrument the interview with leaders of the extractive movement and family schools in the region, totaling ten subjects. The main categories of analysis are 'class struggle', 'peasant identity' and 'awareness'. The results of the study show the pedagogy of alternation as a central strategy of rural education and intellectual formation of these protagonists, reconfiguring the meaning of the struggle for the conquest of public policies and social rights. The conclusions explain the trajectory of the extractivists as a social subject with their own identity, social class consciousness built in the struggle for the maintenance of the native forest as a milestone of social identity category. This study contributes to the advancement of the extractivists' collective organization and the publicization of their unprecedented trajectory and identity.

Keywords: Pedagogy of Alternation, Rural Education, Extractive Social Movements.

 

La pedagogía de la alternancia y la construcción del movimiento social de extractivistas en la Amazonía amapaense

Resumen. Este artículo tiene como objetivo presentar resultados parciales de un estudio realizado en 2017-2018 sobre movimientos sociales extractivos en el estado sureño de Amapá, especialmente la centralidad de la pedagogía de la alternancia en las luchas y la construcción de la identidad colectiva de estos sujetos. Esta es una investigación basada en el materialismo histórico-dialéctico como un enfoque teórico, metodológico y analítico que utiliza como instrumento la entrevista con los líderes del movimiento extractivo y las escuelas familiares en la región, con un total de diez temas. Las principales categorías de análisis son 'lucha de clases', 'identidad campesina' y 'conciencia'. Los resultados del estudio muestran la pedagogía de la alternancia como estrategia central de la educación rural y la formación intelectual de estos protagonistas, reconfigurando el significado de la lucha por la conquista de las políticas públicas y los derechos sociales. Las conclusiones explican la trayectoria de los extractivistas como un sujeto social con su propia identidad, la conciencia de clase social construida en la lucha por el mantenimiento del bosque nativo como un hito en la categoría de identidad social. Este estudio contribuye al avance de la organización colectiva de los extractivistas y a la publicidad de su trayectoria e identidad sin precedentes.

Palabras clave: Pedagogía de Alternancia, Educación Rural, Movimientos Sociales Extractivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlo dos Reis, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP

Mestre em Desenvolvimento Regional. Especialista em Educação à Distância. Graduado em Pedagogia. Licenciado em Estudos Sociais. Docente no Curso de Licenciatura em Educação do Campo – LEDOC da Universidade Federal do Amapá – UNIFAP.

Roni Mayer Lomba, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP

Graduado em Geografia (UFMS), Mestre em Geografia (UFMS) e Doutor em Geografia Humana (USP). Docente na Universidade Federal do Amapá na área de Geografia Regional e no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional. Estágio de pós-doutorado em Ciências Humanas na Universidad Nacional de La Patagonia Austral em Rio Gallegos, Argentina (em curso).

Referências

Bauer, M. W. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In Bauer, M. W. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp. 189-217). Petrópolis, RJ: Vozes.

Caldart, R. S. (2004). Por uma Educação do Campo: Traços de uma Identidade em Construção. In Arroyo, M. (Org.). Por uma Educação do Campo (pp. 18-25). 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Castells, M. (1980). A sociedade em rede. v. 1. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Castro, E. G. (2010). Quem faz o campo das políticas públicas de juventude: demandas, bandeiras e questões. Palestra. Ação Educativa.

Costa, H. G. P. (2016). Políticas Públicas de Educação: um estudo sobre os programas federais de educação para o campo no Amapá (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Amapá, Amapá.

CPT, Comissão Pastoral da Terra. (2010). Histórico. Recuperado de: https://www.cptnacional.org.br/index.php/sobrenos/historico. Acesso em 23 mar. 2017.

Demo, P. (1995). Metodologia científica em Ciências Sociais. São Paulo, SP: Atlas.

Fernandes, B. M. (2009). Campesinato e agronegócio na América Latina: a questão agrária atual. São Paulo, SP: Clacso - Editora Expressão Popular.

Filocreão, A. S. M. (2014). A História do Agroextrativismo na Amazônia Amapaense. Macapá, AP: UNIFAP.

Gimonet, J. C. (2007). Praticar e Compreender a Pedagogia da Alternância no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gohn. M. G. (2011). Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, 16(47), 333-513. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782011000200005

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber. Belo Horizonte, MG: UFMG.

Marx, K., & Engels, F. (2009). A Ideologia Alemã. São Paulo, SP: Bomtempo.

Minayo, M. C. S. (Org.). (2002). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 2º Ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Nosella, P. (1977). Uma nova educação para o meio rural. São Paulo, SP: PUC.

Ribeiro, M. (2010). Movimento camponês, trabalho e educação. 1. ed. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Santos. M. (1996). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo, SP: Ed Hucitec.

Sousa, R. (Org.). (2016). Educação do Campo na Amazônia. Belém, PA: IEB.

Touraine, A. (1994). Crítica da modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Turato, E. R. (2004). A questão da complementaridade e das diferenças entre métodos quantitativos e qualitativos de pesquisa: uma discussão epistemológica necessária. In Grebits, S., & Norteg, S. (Orgs.). Método qualitativo: epistemologia, complementaridade e capôs de aplicação (pp. 17-51). São Paulo, SP: Vetor.

Vieira, L. (1999). Cidadania Global e Estado Nacional. Dados, 42(3), 395-419.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Reis, M. dos, & Lomba, R. M. (2019). A pedagogia da alternância e a construção do movimento social dos extrativistas na Amazônia amapaense. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e7328. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7328
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil