Pedagogia da Alternância e Educação do Campo: dos hibridismos epistemológicos à simetria com a Educação Popular

  • Úrsula Adelaide de Lélis Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Magda Martins Macêdo Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Leandro Luciano da Silva Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
  • Maria Auxiliadora Amaral Silveira Gomes Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Resumo

A Pedagogia da Alternância vem se constituindo como possibilidade metodológica para a educação dos povos do campo, dada sua convergência pedagógica e política com os princípios da Educação do Campo. Contudo, experiências híbridas têm revelado que os fundamentos epistemológicos que sustentam essa Pedagogia têm sido colocados à margem das práticas, esvaziando as potencialidades emancipadoras da Alternância. Partindo dessas acepções, este texto, resultado de reflexões teóricas, discute os princípios epistemológicos que fundamentam a Pedagogia da Alternância, compreendida enquanto práxis forjada na unidade tempo e espaço, e suas contribuições para a formação emancipatória dos povos do campo. A assunção do papel político da epistemologia da Alternância promove o rompimento da formação calcada na dicotomia tempo-escola e tempo-comunidade. Rompe com uma práxis fetichizada promovendo a transformação-emancipação dos sujeitos e suas comunidades. As simetrias entre Educação do Campo e Pedagogia da Alternância evocam, necessariamente, ultrapassar as variantes híbridas que essa Pedagogia vem assumindo no âmbito da formação dos povos do campo. Exige conceber a unidade que produz o tempo-escola e o tempo-comunidade como processo político formativo.

Palavras-chave: Pedagogia da Alternância, Educação do Campo, Unidade Tempo-Escola e Tempo-Comunidade, Emancipação.

 

Pedagogy of Alternation and Rural Education: from epistemological hybridism’s to symmetry with Popular Education                       

ABSTRACT. Pedagogy of alternation has been considered a methodological possibility for the rural people’s education, given its pedagogical and political convergence with the principles of Rural Education. However, hybrid experiences have revealed that the epistemological foundations that underpin this Pedagogy have been placed on the margin of practices, emptying the emancipatory potentialities of Alternation. Starting from these meanings, this text which is the result of theoretical reflections, discusses the epistemological principles that underlie the Pedagogy of Alternation, understood as a praxis forged in the unit of time and space, and its contributions to the emancipatory formation of rural people. The assumption of the political role of the Alternation epistemology promotes the disruption of formation based on the time-school and time-community dichotomy. It breaks with a fetishized praxis promoting the transformation-emancipation of these people and their communities. The symmetries between Rural Education and Alternation Pedagogy necessarily evoke overcoming the hybrid variants that this Pedagogy has been assuming in the context of rural people’s education. It requires conceiving the unity that produces time-school and time-community as a formative political process.

Keywords: Pedagogy of Alternation, Rural Education, Time-school and Time-Community Unit, Emancipation.

 

Pedagogía de la Alternancia y Educación del Campo: de los hibridismos epistemológicos a la simetría con la Educación Popular

RESUMEN. La Pedagogía de La Alternancia se está constituyendo como una posibilidad metodológica para la educación de los pueblos del campo, dada a su convergencia pedagógica y política con los principios de la Educación del Campo. Sin embargo, experiencias híbridas han revelado que los fundamentos epistemológicos que sustentan esta Pedagogía han sido colocados al margen de las prácticas, vaciando las potencialidades emancipadoras de la Alternancia. Partiendo de estas acepciones, este texto, resultado de reflexiones teóricas, discute los principios epistemológicos que fundamentan la Pedagogía de la Alternancia, comprendida como praxis forjada en la unidad de tiempo y espacio, y sus contribuciones para la formación emancipadora de los pueblos del campo. La asunción del papel político de la epistemología de la Alternancia, promueve el rompimiento de la formación calcada en la dicotomía Tiempo – escuela y tiempo-comunidad. Rompe con la praxis fetichizada promoviendo la transformación-emancipación de los sujetos y sus comunidades. Las simetrías entre Educación del Campo y la Pedagogía de la Alternancia evocan, necesariamente, exceden las variantes híbridas que esta Pedagogía viene asumiendo en el ámbito de la formación de los pueblos del campo. Exige concebir la unidad que produce el tiempo-escuela y el tiempo comunidad como proceso político formativo.

Palabras clave: Pedagogía de la Alternancia, Educación del Campo, Unidad Tiempo-Escuela y Tiempo-Comunidad, Emancipación.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Úrsula Adelaide de Lélis, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Pedagoga. Mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Profª na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Colaboradora dos Grupos de Pesquisa GEPEL (Unimontes) e Polis (UFU), e do Grupo de Ensino LabÉdoCampo (Unimontes). Área de Estudos: Gestão e Políticas Públicas Educacionais; Epistemologia da Pesquisa e Educação do Campo.

Magda Martins Macêdo, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Pedagoga. Mestre em Desenvolvimento Social pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) (2009). Profª na Unimontes. Área de estudos: Formação de Professores; Educação do Campo; Educação de Jovens e Adultos. Coordenadora do Projeto de Ensino: Laboratório de Educação do Campo no Semiárido Mineiro: Identidade, Território, Agroecologia – LabÉdoCampo.

Leandro Luciano da Silva, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Doutor em Educação pela FAE/UFMG. Mestre em Ciências Agrárias pela UFMG. Especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, e em Direito Público. Especialista em Gestão Integrada: Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho. Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Sete Lagoas (2003). Docente do Curso de Direito da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).  

Maria Auxiliadora Amaral Silveira Gomes, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Pedagoga. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (2015). Mestre em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG, 2002). Profª na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Área de estudos: Educação e Linguagem; Educação a Distância; Educação do Campo. Integrante do LabÉdoCampo (Unimontes).

Referências

Adorno, T. W., & Horkheimer, M. (2006). Dialética do esclarecimento. Fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília.

Brasil. (1996). Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília.

Brasil. (2002). Resolução CNE/CEB nº 1 de 3 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília.

Brasil. (2006). Parecer nº1 de 15 de março/2006. Trata dos dias letivos para a aplicação da Pedagogia de Alternância nos Centros Familiares de Formação por Alternância (CEFFA). Brasília.

Brasil. (2008). Resolução nº 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece Diretrizes Complementares, Normas e Princípios para o Desenvolvimento de Políticas Públicas de Atendimento da Educação Básica do Campo. Brasília.

Brasil. (2018). Plano Nacional de Educação 2014-2024. Brasília.

Calazans, M. J. C., Castro, L. F. M., & Silva, H. R. S. (1981). Questões e Contradições da Educação Rural no Brasil. In Werthein, J., & Bordenave, J. D. (Orgs.). Educação Rural no Terceiro Mundo – experiências e novas alternativas (pp. 161-198). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Caldart, R. (2012). Educação do Campo. In Caldart, R. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 257-265). Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Expressão Popular. Rio de Janeiro.

Caldart, R. (2011). Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo (pp. 149-158). Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Candau, V. M., & Lélis, I. A. (2005). A relação teoria-prática na formação do educador. In Candau, V. M. (Org.). Rumo a uma nova didática (pp. 56-72). Petrópolis, RJ: Vozes.

Cruz, P., & Monteiro, L. (2019). O Anuário Brasileiro da Educação Básica/2019. Recuperado de: https://www.todospelaeducacao.org.br/_uploads/_posts/302.pdf

Freire, P. (1967). Educação como prática de Liberdade. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freitas A. L. C., & Freitas, L. A. A. (2018). A construção do conhecimento a partir da realidade do educando. Revista On line de Política e Gestão Educacional, 22(1), 365-380, Doi: https://doi.org/10.22633/rpge.v22.n.1.2018.10707

Gimonet, J. C. (2007). Praticar e Compreender a Pedagogia da Alternância dos CEFFAS. Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Guia do Estudante. (2010). Pesquisa avalia escolas rurais brasileiras e detecta problemas de infraestrutura. Recuperado de: https://guiadoestudante.abril.com.br/estudo/pesquisa-avalia-escolas-rurais-brasileiras-e-detecta-problemas-de-infraestrutura/

Kosik, K. (2002). Dialética do concreto. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Movimento de Educação de Base. (2019). Quem somos. Recuperado de: https://www.meb.org.br/quem-somos/

Nascimento, C. G. (2003). Pedagogia da resistência cultural: um pensar a educação a partir da realidade campesina. In VIII Encontro Regional de Geografia (EREGEO). Cidade de Goiás, GO.

Oliveira, I. A. (2016). Epistemologia e Educação – bases conceituais e racionalidades científicas e históricas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Queiroz, J. B. (2004). Construção das escolas famílias agrícolas no Brasil: ensino médio e educação profissional (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Reis, T., & Moreno, A. C. (2015). Brasil urbano X Brasil rural. Recuperado de http://especiais.g1.globo.com/educacao/2015/censo-escolar-2014/brasil-urbano-x-brasil-rural.html

Santos Filho, J. C. (2009). Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. In Santos Filho, C., & Gamboa, S. S. (Orgs.) Pesquisa educacional: quantidade-qualidade (pp. 10-32). São Paulo, SP: Cortez.

Silva, L. L. (2017). Dois tempos, vários lugares: trabalho e emancipação em alternância (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais.

Silva, L. L., & Martins, M. F. A. (2015). Outra perspectiva para a Educação do Campo. Caderno de Ciências Agrárias, 7(1), 89-101.

Souza, J. V. A. (2008). Pedagogia da alternância: uma alternativa consistente de escolarização rural? In Anais da 31a Reunião da ANPED. Recuperado de http://www.anped.org.br/reunioes/31ra/1trabalho/GT14-4500--Int.pdf

Vázquez, A. S. (2007). Filosofia da práxis. Buenos Aires, AR: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLASCO; São Paulo, SP: Expressão Popular.

Zancanella,Y., & Detogni, A. A. (2019). Pedagogia da Alternância proposta de formação: Casa Familiar do município de Coronel Vivida-PR. Revista Brasileira de Educação do Campo, 4(1), 1-28. Doi: http://dx.doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e4936

Publicado
2019-12-19
Como Citar
de Lélis, Úrsula A., Martins Macêdo, M., da Silva, L. L., & Amaral Silveira Gomes, M. A. (2019). Pedagogia da Alternância e Educação do Campo: dos hibridismos epistemológicos à simetria com a Educação Popular. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e7323. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7323
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)