Alternância e Seus 50 anos: Uma Possibilidade Formativa da Educação do Campo

Resumo

Este artigo apresenta os resultados parciais de uma pesquisa sobre os principais aspectos teórico-práticos da alternância e sua potencialidade formativa na educação do campo. Embasa-se nas reflexões do Grupo de Trabalho Pedagogia da Alternância e Educação do Campo discutidas no Seminário Internacional realizado em outubro de 2018. Na ocasião, foram comemorados os 50 anos do Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo (Mepes), entidade pioneira na formação por alternância na América Latina, com a abordagem sobre as Redes de cooperação emancipatórias na formação integral e desenvolvimento sustentável. Faz interlocuções teóricas com Gimonet (2002, 2007), Garcia-Marirrodriga (2002); Puig-Calvó (2002); Caliari (2002); Molina (2010) e Antunes-Rocha (2010). Metodologicamente, o estudo faz uso do grupo focal (Gatti, 2012) e evidencia resultados atinentes à importância da alternância na formação dos camponeses. Além disso, enfatiza a relevância dos Centros de Formação por Alternância (CEFFAs) para o fortalecimento da agricultura familiar e a organicidade dos pressupostos da formação por alternância com o Movimento da Educação do Campo, no que tange à relação com as pautas reivindicatórias de formação integral e sustentabilidade.

Palavras-chave: Formação por Alternância, Educação do Campo, Formação Integral e Desenvolvimento Sustentável.

 

Alternation And its 50 Years: A Training Possibility of Countryside Educations

Abstract

This article presents the partial results of a research about the main theoretical and practical aspects of the alternation and its formative possibility in the education of the countryside.  It is based on the reflections of the Pedagogy of Alternation and Field Education Working Group discussed at the International Seminar held in October 2018. On the occasion, the 50th anniversary of the Espírito Santo Promotional Education Movement (MEPES), the pioneering organization in Latin America, was celebrated, with the discussion on networks of emancipatory cooperation in integral formation and sustainable development.  It makes theoretical interlocutions with Gimonet (2002, 2007); Garcia-Marirrodriga (2002); Puig-Calvó (2002); Caliari (2002); Molina (2010) and Antunes-Rocha (2010). Methodologically,  the study made use of a focus group (Gatti, 2012), showing results regarding the importance of alternation in the training of peasants, the relevance of Training Centers for Alternation (CEFFAs) to strengthen family farming and the organicity of the assumptions of training in alternation with the Countryside Education Movement, especially regarding the relationship with the demands for integral formation and sustainability.

Keywords: Alternate training, Countryside education, Integral Training and Sustainable development.

 

La Alternancia y Sus 50 años: Una Posibilidad de la Formación en la Educación Campesina

Resumen

Este artículo presenta los resultados parciales de una investigación sobre los principales aspectos teóricos y prácticos de la alternancia y su capacidad formativa en la educación del campo. Se basa en las reflexiones que se produjeron en el Grupo de trabajo Pedagogía de la alternancia y la educación del Campo discutido en el Seminario internacional celebrado en octubre de 2018. En la ocasión, se celebró la conmemoración del 50º aniversario del Movimiento de Educación Promocional de Espírito Santo (Mepes), una organización pionera en la formación por alternancia en América Latina, con el debate sobre las redes de cooperación emancipadora en formación integral y desarrollo sostenible. Haces interlocuciones teóricas con Gimonet (2002, 2007); Garcia-Marirrodriga (2002); Puig-Calvó (2002); Caliari (2002); Molina (2010) y Antunes-Rocha (2010). Metodológicamente, el estudio utiliza el grupo focal (Gatti, 2012), que muestra resultados sobre la importancia de la alternancia en la formación de campesinos. Además, enfatiza la relevancia de los Centros de Capacitación para la Alternancia (CEFFA) para fortalecer la agricultura familiar y la organicidad de los supuestos de la formación por alternancia con el Movimiento de Educación del Campo, especialmente con respecto a la relación con las demandas de formación integral y sostenibilidad.

Palabras clave: Formación por Alternancia, Educación del Campo, Formación Integral y Desarrollo Sostenible.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janinha Gerke, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Doutora em Educação. Professora da Licenciatura em Educação do Campo, Universidade Federal do Espírito Santo. Membro do grupo de pesquisa Cnpq/UFES Culturas, Parcerias e Educação do Campo e do grupo de investigação internacional do Sistema Dual-Alternância, Universidade de Sherbrooke/Canadá.

Silvanete Pereira dos Santos, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Doutora em Educação. Professora da Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Espírito Santo. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação do Campo do Espírito Santo. Membro do Grupo de investigação internacional do Sistema Dual-Alternância, Universidade de Sherbrooke/Canadá.

Referências

Antunes-Rocha, M. I., Pernambuco, M. M. C., Paiva, I. A., & Rego, M. C. F. D. (2010). Formação e Trabalho Docente na Escola do Campo: Protagonismo e Identidades em Construção. In Molina, M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa II. Questões para Reflexão (pp. 65-73). Brasília, DF: MDA/MEC.

Begnami, J. B. (2006). Pedagogia da alternância como sistema educativo. Revista da Formação por Alternância. 1(2), 39-41.

Caldart, R. S. (2009). Educação do Campo: notas para uma análise de percurso. Trab. Educ. Saúde [online], 7(1), 35-64. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462009000100003

Caliari, R. O. (2002). Pedagogia da Alternância e Desenvolvimento Local. Lavras, MG: UFLA.

Demo, P. (2002). Educação e conhecimento. Rio de Janeiro, Petrópolis, RJ: Vozes.

Fernandes, B. M. (2008). Educação do campo e território camponês. In Santos, C. A. (Org.). Por uma educação do campo: campo, políticas e educação (pp. 39-66). Brasília, DF: NEADA/INCRA.

Freire, P. (1979). Conscientização. São Paulo, SP: Cortez Editora.

Freire, P. (2002). Extensão ou Comunicação? (20. ed). São Paulo, SP: Paz e Terra.

Freire, P. (2006). Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Frigotto, G. (2012). Educação omnilateral. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 265-272). Rio de Janeiro, RJ: Expressão Popular.

Garcia-Marirrodriga, R. (2002). La formación por alternancia en el medio rural: contexto e influencia de las MFR sobre el desarrollo local de Europa y los PVD. Modelo de planificación y aplicación al caso de Colombia (Tesis Doctoral). Universidad Politécnica de Madrid, Madri. Recuperado de http://oa.upm.es/640/1/02200217.pdf

Gatti, B. A. (2012). Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília, DF: Liber Livro.

Gerke de Jesus, J. (2011). Formação dos Professores na Pedagogia da Alternância: Saberes e fazeres do campo. Vitória, ES: GM.

Gimonet, J. C. (2007). Praticar e compreender a pedagogia da alternância dos CEFFAS. Petropolis, RJ: Vozes.

Gimonet, J. C. (2002). Adolescência e Alternância. In Anais do II Seminário Internacional da Pedagogia da Alternância. Formação em Alternância e Desenvolvimento Sustentável (pp. 118-125). Brasília, DF.

Gramsci, A. (2001). Cadernos do cárcere: os intelectuais, o princípio educativo, o jornalismo, 13(2). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Molina, M. C., & Jesus, S. M. S. A. (Orgs.). (2004). Contribuições para a construção de um projeto de educação do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma educação do Campo. Recuperado de

http://www.gepec.ufscar.br/publicacoes/livros-e-colecoes/livros-diversos/contribuicoes-para-a-construcao-de-um-projeto-de.pdf/at_download/file

Molina, M. C. (2010). Reflexões sobre o significado do protagonismo dos Movimentos Sociais na construção de Políticas Públicas de Educação do Campo. In Molina, M. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa II. Questões para Reflexão (pp. 137-149). Brasília: MDA/MEC. Recuperado de

http://www.epsjv.fiocruz.br/upload/d/Vendramini.pdf

Puig-Calvó. P. (2002). Formação Pessoal e Desenvolvimento Local. In Anais do II Seminário Internacional da Pedagogia da Alternância. Formação em Alternância e Desenvolvimento Sustentável (pp. 126-146). Brasília, DF.

Sá, L. M., & Molina, M. C. (2010). Políticas de Educação Superior no Campo. In Molina, M. (Org.) Educação do Campo e Pesquisa II. Questões para Reflexão (pp. 74-83). Brasília: MDA/MEC. Recuperado de http://www.epsjv.fiocruz.br/upload/d/Vendramini.pdf

Schneider, S. Ferreira, B., & Alves, F. (Orgs.). (2014). Aspectos multidimensionais da agricultura brasileira: diferentes visões do censo agropecuário brasileiro 2006. Brasília: IPEA. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=21595

Silva, L. H. (2010). Concepções e Práticas de alternância em Educação do Campo. In Revista FCT. UNESP.BR, 17(18), 180-191.

Silva, M. S. (2007). A formação Integral do ser humano: referência e desafio da Educação do Campo. Revista da Formação por Alternância, 1(5), 45-61.

Zamberlan, S. (1996). Pedagogia da alternância: escola da família agrícola. MEPES – Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo. Anchieta: Mansur Ltda.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Gerke, J., & dos Santos, S. P. (2019). Alternância e Seus 50 anos: Uma Possibilidade Formativa da Educação do Campo. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e7292. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7292
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil