Escola Família Agrícola de Olivânia: 50 anos de história narrada por muitas vozes

  • Rogério Omar Caliari Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Erineu Foerste Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Resumo

Neste artigo expomos as narrativas dos movimentos que antecederam o início das atividades da Escola Família Agrícola de Olivânia. O estudo teve como objetivo investigar as relações entre as famílias camponesas e a Escola Família Agrícola de Olivânia. Os processos investigações para produção, sistematização e análise de dados beneficiaram-se da realização de entrevistas semiestruturadas, análise documental, observação direta, registros sistemáticos em diário de campo. As complexas realidades encontradas foram focalizadas de formas abrangentes e contextualizadas em rodas de conversas com os protagonistas da pesquisa a partir dos movimentos e momentos de interação potencializados pela Pedagogia da Alternância. No final da década de 60, seus momentos iniciais foram acompanhados por mobilizações organizadas pelo Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo - Mepes, que principiava suas atividades nos municípios de Anchieta, Alfredo Chaves, Rio Novo do Sul, Piúma e Iconha. São descritas as articulações e mobilizações para a concretização do projeto de construção do prédio destinado às atividades escolares, fruto das inquietações de Dom Helvécio Gomes de Oliveira e das famílias camponesas residentes no Vale do Rio Coryndiba. Concluídas as instalações, percebeu-se que o projeto para a consolidação desse sonho requeria muito mais que a edificação do prédio.  Sua ocupação alterna-se, entre colégio sacerdotal, residência de padres, posto de venda de insumos agrícolas e educandário social, finalizando, em 10 de março de 1969, com a inauguração da Escola da Família Rural de Olivânia.

Palavras-chave: Família Camponesa, Pedagogia da Alternância, Educação Popular, Participação Popular.

 

Family Farm School: 50 years of history narrated by many voices

Abstract: In this article we expose the narratives of the movements that preceded the beginning of the activities of the Agricultural Family School of Olivânia. The study aimed to investigate the relationships between peasant families and the Olivânia Agricultural Family School. The processes investigations for production, systematization and data analysis benefited from semi-structured interviews, documentation analysis, direct observation, systematic records in field diary. The complex realities found were focused on comprehensive forms and contextualized in wheels of conversations with the protagonists of the research from the movements and moments of interaction enhanced by the Pedagogy of Alternation. At the end of the 1960s, his initial moments were accompanied by mobilizations organized by the Promotional Education Movement of Espírito Santo - Mepes, which began its activities in the municipalities of Anchieta, Alfredo Chaves, Rio Novo do Sul, Piúma and Iconha. The articulations and mobilizations for the implementation of the construction project of the building for school activities are described, the result of the concerns of Dom Helvécio Gomes de Oliveira and the peasant families living in the Coryndiba River Valley. Once the facilities were completed, it was noticed that the project for the consolidation of this dream required much more than the building. Its occupation alternates, between priestly college, residence of priests, sale post of agricultural and social ducefying inputs, ending, on March 10, 1969, with the inauguration of the School of the Rural Family of Olivânia.

Keywords: Peasant Family, Pedagogy of Alternation, Popular Education, Popular Participation.

 

Escuela Familia Agrícola de Olivânia: 50 años de historia narrada por muchas voces

Resumen: En este artículo exponemos las narrativas de los movimientos que precedieron al inicio de las actividades de la Escuela de Familia Agrícola de Olivánia. El estudio tenía como objetivo investigar las relaciones entre las familias campesinas y la Escuela de Familia Agrícola de Olivânia Los procesos de investigación para la producción, sistematización y análisis de datos se beneficiaron de entrevistas semiestructuradas, análisis de documentación, observación directa, registros sistemáticos en diario de campo. Las complejas realidades encontradas se centraron en formas integrales y se contextualizaron en ruedas de conversaciones con los protagonistas de la investigación de los movimientos y momentos de interacción potenciados por la Pedagogía de la Alternancia. A finales de la década de 1960, sus primeros momentos fueron acompañados por movilizaciones organizadas por el Movimiento Educativo Promocional de Espírito Santo - Mepes, que inició sus actividades en los municipios de Anchieta, Alfredo Chaves, Rio Novo do Sul, Piúma y Iconha. Se describen las articulaciones y movilizaciones para la implementación del proyecto de construcción del edificio para las actividades escolares, fruto de las preocupaciones de Dom Helvécio Gomes de Oliveira y las familias campesinas que viven en el valle del río Coryndiba. Una vez finalizadas las instalaciones, se notó que el proyecto para la consolidación de este sueño requería mucho más que el edificio del edificio.  Su ocupación alterna, entre el colegio sacerdotal, la residencia de sacerdotes, la venta de insumos agrícolas y sociales de la defensa, terminando, el 10 de marzo de 1969, con la inauguración de la Escuela de la Familia Rural de Olivánia.

Palabras clave: Familia Campesina, Pedagogía de la Alternancia, Educación Popular, Participación Popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério Omar Caliari, Instituto Federal do Espírito Santo - IFES

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professor Titular do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES). Desenvolve pesquisas nas seguintes áreas: Escola Família Agrícola, Família Camponesa, Pedagogia da Alternância, Educação do Campo e Práxis Pedagógica em contextos camponeses. É membro do Grupo de Pesquisa (UFES - CNPq) Culturas, Parcerias e Educação do Campo.

Erineu Foerste, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Erineu Foerste é Professor Adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo e membro do colegiado do Programa de Pós-Graduação em Educação. Graduação em Letras, com mestrado e doutorado em educação. Foi Professor Visitante da Universität-Siegen/Alemanha e Justus-Liebig-Universität Giessen/Alemanha. Fundou e lidera o Grupo de pesquisa (CNPq) "Culturas, parcerias e Educação do Campo".

Referências

Betto, F. (1979). A educação nas classes populares. In Félix, M. et al. (Orgs.). Encontros com a civilização brasileira (pp. 162-173). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, n. 13.

Bordenave, J. E. D. (1994). O que é participação. São Paulo: Brasiliense.

Brandão, C. R. (2007). O que é Educação. São Paulo: Brasiliense. (Coleção Primeiros Passos; 20).

Brandão, C. R. (1995). A partilha da vida. São Paulo: Geic/Cabral Editora.

Brandão, C. R. (1986). Educação popular. São Paulo: Brasiliense.

Brandão, C. R. (1985). Lutar com a palavra. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal.

Brandão, C. R. (1983). O ardil da ordem: caminhos e armadilhas de educação popular. Campinas: Papirus.

Brandão, C. R. (1980). Da educação fundamental ao fundamental da educação. Cadernos Cedes, 1(1), 5-35.

Calazans, M. J. C. (1979). (Coord.). Estudos retrospectivos da educação rural no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas (FGV), Instituto de Estudos Avançados em Educação (Iesae).

Caliari, R. (2012). A prática pedagógica da formação em alternância: novos espaços possíveis. Rivista Visioni Latinoamericane, 4(7), 140-155.

Conselho Estadual de Educação Espírito Santo (CEE/ES). (1978). Parecer no 40/78. Autoriza o Mepes a criar um Curso Técnico em Agropecuária em Olivânia. Vitória, p. 5.

Conselho Estadual de Educação Espírito Santo (CEE/ES). (1972). Selecta. Secretaria Estadual de Educação. Vitória, v. 3.

Marchesi, F. G. (1930). Breve histórico da localidade denominada S. Miguel do Rio Coryndiba sita atualmente no município de Guarapary (Estado do Espírito Santo). Marianna: Typographia Archiepiscopal.

Martins, J. S. (1981). A valorização da escola e do trabalho no meio rural. In Werthein, J., & Bordenave, J. D. (Orgs.). Educação rural no Terceiro Mundo: experiências e novas alternativas (pp. 249-270). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo (Mepes). (1968). Regimento interno provisório das Escolas Família Rurais do MEPES. Mimeografado, (mimeografado).

Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo (Mepes). (1969). Folheto de divulgação da Escola da Família Rural. Anchieta.

Reijntjes, C., Haverkort, B., & Waters-Bayer, A. (1994). Agricultura para o futuro: uma introdução à agricultura sustentável e de baixo uso de insumos externos. Tradução de John Cunha Comeford. Rio de Janeiro: AS-PTA.

Tedesco, J. C. (1999). Terra, trabalho e família: racionalidade produtiva e ethos camponês. Passo Fundo/RS: UDIUPF.

Saviani, D. (2007). História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados.

Sousa, J. M. (1950). Educação rural pela escola primária. Revista Brasileira dos Municípios, 3(12), 1095-1105.

Szmrecsányi, T., & Queda, O. (1979). Vida rural e mudança social. 2. ed. São Paulo: Nacional.

Woortmann, E. F., & Woortmann, K. (1997). O trabalho da terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: UNB.

Zamberlan, S. (2004). O lugar da família na vida institucional da escola família: participação e relação do poder (Dissertação de Mestrado). Universidade Nova de Lisboa, Brasília.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Caliari, R. O., & Foerste, E. (2019). Escola Família Agrícola de Olivânia: 50 anos de história narrada por muitas vozes. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e7208. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7208
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil