Educação do Campo em giro decolonial: a experiência do Tempo Comunidade na Universidade Federal Fluminense (UFF)

  • Francisca Marli Rodrigues de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF https://orcid.org/0000-0001-6450-5911
  • Letícia Pereira Mendes Nogueira Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Lucas do Couto Neves Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Marcela Pereira Mendes Rodrigues Universidade Federal Fluminense - UFF

Resumo

A Educação do Campo no Brasil, em cinco décadas, vem construindo uma prática educativa que valoriza e inclui os sujeitos, os saberes e as experiências sociais do campo; ou seja, a Pedagogia da Alternância. Em âmbito universitário, a Alternância reorganiza os espaçostempos de aprendizagens em Tempo Universidade e Tempo Comunidade e, portanto, propõe questionamentos à lógica da colonialidade/modernidade do saber, imposta à América Latina. Nessa reorganização, a presente pesquisa tem por objetivo: conhecer o processo de construção do Tempo Comunidade, implementado na Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo (UFF) para, então, identificar os elementos pedagógicos decoloniais que potencializam a formação de educadores do campo. Metodologicamente, adotamos uma proposta de pesquisa qualitativa inscrita no enfoque interpretativo. Para coletar as informações realizamos entrevistas semiestruturadas com 5 docentes e 12 estudantes do curso; análise documental dos 12 projetos dos eixos temáticos do Tempo Comunidade. Os principais resultados sinalizam a importância do Tempo Comunidade na formação de educadores do campo, bem como nos processos de transformação da realidade. Igualmente, o poder da ação-reflexão do Tempo Comunidade em desencadear ações de fortalecimento da cidadania e da organização de lutas emancipatórias.

Palavras-chave: Educação do Campo, Pedagogia da Alternância, Formação de Educadores do Campo, Tempo Comunidade, Decolonialidade.

 

Rural Education in a Decolonial Turn: the Community-Time Experience at the Fluminense Federal University (UFF)

Abstract: Rural Education in Brazil, in five decades, has been constructing an educational practice that values and includes the subjects, the lores and the social experiences of the countryside; that is, the Pedagogy of Alternation. In the university context, Alternance reorganizes the spaces of learning in Community-Time (CT) and School-Time (ST) and, therefore, proposes questions to the logics of colonization/modernity of knowledge, imposed on Latin America. In this reorganization, the present research has as objective: to know the process of construction of Community-Time, implemented in the Interdisciplinary Degree in Rural Education (UFF), to identify decolonial pedagogical elements that potentiate the formation of educators in the rural zone. Methodologically, we adopted a qualitative-oriented research, which is inscribed in the interpretative approach. To collect data, we performed semi-structured interviews with 5 teachers and 12 students; documentary analysis of the 12 projects of the Thematic Fields of Community-Time. The main results point to the importance of Community-Time in of rural educators’ formation as well as in the processes of transformation of reality. Likewise, the power of action-reflection of the Community-Time in encouraging actions to strengthen citizenship and the organization of emancipatory struggles.

Keywords: Rural Education, Pedagogy of Alternation, Training of Rural Educators, Community-Time, Decolonization.

 

Educación del Campo en giro decolonial: la experiencia del Tiempo Comunidad en la Universidad Federal Fluminense (UFF)

Resumen: La Educación del Campo en Brasil, en cinco décadas, ha estado construyendo una práctica educativa que valora e incluye los sujetos, el conocimiento y las experiencias sociales del campo; es decir, la Pedagogía de la Alternancia. En el contexto universitario, la Alternancia reorganiza los espaciostiempos de aprendizaje en Tiempo Universidad y Tiempo Comunidad y, por lo tanto, propone cuestionamientos a la lógica de la colonialidad/modernidad del saber impuesta a la América Latina. En esta reorganización, la presente investigación tiene como objetivo: conocer el proceso de construcción del Tiempo Comunitario, implementado en la Licenciatura Interdisciplinar en Educación del Campo (UFF) para, entonces, identificar los elementos pedagógicos decoloniales que potencializan la formación de educadores del campo. Metodológicamente, adoptamos una propuesta de investigación cualitativa inscrita en el enfoque interpretativo. Para recopilar la información realizamos entrevistas semiestructuradas con 5 profesores y 12 estudiantes del curso; análisis documental de los 12 proyectos de los ejes temáticos del Tiempo Comunidad. Los principales resultados indican la importancia del Tiempo Comunidad en la formación de los educadores del campo, así como en los procesos de transformación de la realidad. Igualmente, el poder de la acción-reflexión del Tiempo Comunidad en la activación de acciones para fortalecer la ciudadanía y la organización de luchas emancipatorias.

Palabras clave: Educación del Campo, Pedagogía de la Alternancia, Formación de Educadores del Campo, Tiempo Comunidad, Decolonialidad.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca Marli Rodrigues de Andrade, Universidade Federal Fluminense - UFF

Professora Adjunta na área de Saúde e Meio Ambiente, vinculada à Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo - Departamento de Ciências Humanas da Universidade Federal Fluminense (UFF). Possui doutorado em Educação, Cultura da Sustentabilidade e Desenvolvimento pela Universidade de Santiago de Compostela (USC) – Espanha.

Letícia Pereira Mendes Nogueira, Universidade Federal Fluminense - UFF

Graduanda em Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo na Universidade Federal Fluminense (UFF). Forma parte do projeto Território de Experiências Interdisciplinares Agroecológicas – TEIA, desenvolvido pelo Núcleo de ensino, pesquisa e extensão em Território, Ambiente e Agroecologia – NUTAGRO, sediado no INFES.

Lucas do Couto Neves, Universidade Federal Fluminense - UFF

Graduando em Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo na Universidade Federal Fluminense (UFF). Bolsista em intercâmbio na Universidade Pedagógica de Maputo (UPM), Moçambique, pelo Programa de Mobilidade Internacional da Universidade Federal Fluminense (UFF). Bolsista do CNPq no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - PIBITI.

Marcela Pereira Mendes Rodrigues, Universidade Federal Fluminense - UFF

Graduanda em Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo na Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente participa e desenvolve atividades no projeto Território de Experiências Interdisciplinares Agroecológicas – TEIA. Forma parte do Núcleo de ensino, pesquisa e extensão em Território, Ambiente e Agroecologia – NUTAGRO, sediado no INFES/UFF.

Referências

Andrade, F. M. R. (2018). Educação Ambiental em miradas integrativas e restaurativas: currículos educativos na Amazônia. Revista Espaço do Currículo (Online), 11(3), 297-310. Doi: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.41937

Andrade, F. M. R. (2019). Natureza e representações que r-existem: cinco séculos de invasão, apropriação e violência na Amazônia brasileira. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 36(2), 207-227. Doi: https://doi.org/10.14295/remea.v36i2.9039

Andrade, F. M. R., Nogueira, L. P. M., & Rodrigues, M. P. M. (2019). Tempo Comunidade - espaçotempo potencializador de experiências na formação de educadores do campo. In Costa, A. D. (Org.). Cultura, cidadania e políticas públicas 2 (pp 154-163). Ponta Grossa (PR): Atena Editora. Doi: https://doi.org/10.22533/at.ed.78019250115

Arroyo, M. G. (2012). Formação de Educadores do Campo. In Caldart, R. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp 361-367). Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Arroyo, M. G. (2014). Outros sujeitos, outras pedagogias. Editora Vozes Limitada.

Ballestrin, L. (2013). América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, (11), 89-117.

Castro-Gómez, S. (2005). Ciências Sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In Lander, E. (Org.). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americana (pp. 80-106). Colección Sur Sur. CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires.

Brasil. (1996). Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de: http://www.senado.gov.br/sf/legislacao

Brasil. (2010). Decreto nº. 7.352/2010. (2010, 4 de Novembro). Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm

Caldart, R. S. (2002). Por Uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In Kolling, E. J. et al. (Orgs.). Educação do Campo: identidade e políticas públicas (pp. 18-25). Brasília, DF: articulação nacional Por Uma Educação do Campo, 2002. Coleção Por Uma Educação do Campo, n. 4.

Caldart, R. S. (2008). Sobre a Educação do Campo. In Santos, C. (Org.). Educação do Campo: Campo-políticas públicas-educação (pp. 67-86). Brasília: Incra; MDA.

Cordeiro, G. N. K., Reis, N. S., & Hage, S. M. (2011). Pedagogia da Alternância e seus desafios para assegurar a formação humana dos sujeitos e a sustentabilidade do campo. Em Aberto, Brasília, 24(85), 115-125. Doi: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.24i85.2489

Ferreira, M., & Molina, M. C. (2016). Ensino Superior e Alternância de tempos educativos - entrelaçando perspectivas para a formação de educadores do campo. In Anais do XXIV Seminário Nacional UNIVERSITAS/BR (pp. 1705-1722) Recuperado de: http://www.ppe.uem.br/xxivuniversitas/anais/trabalhos/e_7/7-011.pdf

Freire, P. (2000). Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP.

Grosfoguel, R. (2007). Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Ciência e Cultura, 59(2), 32-35.

Lander, E. (2005). Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In Lander, E. (Org.). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americana (pp. 8-23). Colección Sur Sur. CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires.

Maldonado-Torres, N. (2007). Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In Castro-Gómez, S., & Grosfoguel, R. (Orgs.). El Giro Decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global (pp. 127-167). Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

Mignolo, W. (2007). El Pensamiento Decolonial: Desprendimiento y Apertura. Un manifesto. In Castro-Gómez, S., & Grosfoguel, R. (Orgs.). El Giro Decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global (pp. 25-46). Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

Molina, M. C. (2015). Expansão das licenciaturas em Educação do Campo: desafios e potencialidades. Educar em Revista, 55, 145-166. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.39849

Molina, M. C., & Freitas, H. C. A. (2011). Avanços e desafios na construção da Educação do Campo. Em Aberto, 24(85), 17-31.

Porto-Gonçalves (2005). Apresentação da edição em português. In Lander, E. (Org.). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americana (pp. 3-5). Colección Sur Sur. CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In Lander, E. (Org.). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americana (pp. 107-130). Colección Sur Sur. CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires.

Ribeiro, M. (2010). Movimento camponês trabalho e educação: liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Rossato, M., & Martínez, A. M. (2017). A metodologia construtiva-interpretativa como expressão da Epistemologia Qualitativa na pesquisa sobre o desenvolvimento da subjetividade. Investigação Qualitativa em Educação, (1), 343-352.

Santos, C. A. (2012). Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA). In Caldart, R. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 631-639). Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Walsh, C. E. (Ed.). (2013). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re) existir y (re) vivir. Abya Yala.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Andrade, F. M. R. de, Nogueira, L. P. M., Neves, L. do C., & Rodrigues, M. P. M. (2019). Educação do Campo em giro decolonial: a experiência do Tempo Comunidade na Universidade Federal Fluminense (UFF). Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e7178. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e7178
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil