Educação do Campo e a Pedagogia da Alternância: limites, desafios e possibilidades na formação de professores

  • Sebastião Silva Soares Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Selva Guimarães Universidade Federal de Uberlândia - UFU / Universidade de Uberaba - UNIUBE

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre os limites e as potencialidades da Pedagogia da Alternância na formação de professores no contexto da Educação do Campo. Apresentamos um breve resgate histórico sobre a Pedagogia da Alternância e a sua integração nos currículos dos cursos superiores de Licenciatura em Educação do Campo implantados no Brasil, por meio do Edital de Seleção n. 2/2012-Sesu/Setec/Secadi/MEC, de 31 de agosto daquele ano. Conforme narrativas de professores formadores de duas instituições contempladas por essa chamada pública na região Norte do Brasil, verificamos concepções, limites, potencialidades e projeções futuras da Pedagogia da Alternância.

Palavras-chave: Pedagogia da Alternância, Ensino Superior, Educação do Campo.

 

History of Rural Education and Pedagogy of Alternation: limits, challenges and possibilities in teacher training

Abstract: This article propose a reflection on the limits and potentialities of the Alternation Pedagogy as an formative device in the process of teaching and learning in teacher education in the context of Countryside Education. We present a brief historical rescue on the Alternation Pedagogy and its integration in the curricula of the undergraduate courses in Countryside Education implemented in Brazil, through the Call for Selection n. 2/2012-Sesu/Setec/Secadi/MEC, of ​​August 31st of that year. According to the narratives of teacher trainers of two institutions contemplated by this public call in the Northern region of Brazil, we verify conceptions, limits, potentialities and future projections of Alternation Pedagogy.

Keywords: Alternation Pedagogy, Higher Education, Countryside Education.

 

Educación Rural y Pedagogía de la Alternancia: límites, desafíos y posibilidades en la formación de profesores

Resumen: Este artículo proponer una reflexión sobre los límites y las potencialidades de la Pedagogía de la Alternancia en la formación de profesores en el contexto de la Educación Rural. Presentamos un breve rescate histórico sobre la Pedagogía de la Alternancia y su integración en los currículos de los cursos superiores de Licenciatura en Educación Rural implantados en Brasil, a través del Edicto de Selección n. 2/2012-Sesu / Setec / Secadi / MEC, del 31 de agosto de aquel año. Conforme narrativas de profesores formadores das instituciones contempladas por esa llamada pública en la región Norte de Brasil, verificamos concepciones, límites, potencialidades y proyecciones futuras de la Pedagogía de la Alternancia.

Palabras clave: Pedagogía de la Alternancia, Enseñanza Superior, Educación Rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sebastião Silva Soares, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Mestre em Educação pela Universidade de Brasília. Professor na Universidade Federal do Tocantins – Câmpus Arraias.

Selva Guimarães, Universidade Federal de Uberlândia - UFU / Universidade de Uberaba - UNIUBE

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora de Produtividade do CNPq, 1B. Docente do PPGEB/UNIUBE e do PPGED/UFU.

Referências

AArroyo, M. G., & Fernandes, B. M. (1999). A educação básica e o movimento social do campo. Brasília: Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo.

Carvalho, M. F., & Sales, S. da S. (2016). Implantação da Comunidade Integradora do Curso de Licenciatura em Educação do Campo no Município de Paranã-TO. In Moura, S. A., Sales, S. S., & Khidir, K. S. (Orgs.). Educação do Campo e Pesquisa: políticas, práticas e saberes em questão (pp. 173-195). Goiânia: Kelps.

Carvalho, R. A. (2016). O processo de implantação do Curso de Licenciatura em Educação do Campo na UFT Campus de Arraias. In Moura, S. A., Sales, S. S., & Khidir, K. S. (Orgs.). Educação do Campo e Pesquisa: políticas, práticas e saberes em questão (pp. 19-27) Goiânia: Kelps.

Costa, E. M., & Monteiro, A. L. (2014). A Pedagogia da Alternância na licenciatura em Educação do Campo em Portel (PA). Comunicação, 21(2), 113-127. Recuperado em 23 setembro, 2017, de https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacoes/article/view/2040/1325.

Edital de convocação n. 9, de 29 de abril de 2009 (2009). Chamada pública para seleção de projetos de Instituições Públicas de Ensino Superior para o Procampo. Recuperado em 20 setembro, 2017, de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/edital_procampo_20092.pdf.

Edital de seleção n. 2/2012-Sesu/Setec/Secadi/MEC, de 31 de agosto de 2012 (2012). Chamada pública para seleção de Instituições Federais de Educação Superior – IFES, denominação utilizada para designar as Universidades Federais e os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, para criação de cursos de Licenciatura em Educação do Campo, na modalidade presencial. Recuperado em 20 setembro, 2017, de http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2012-pdf/11569-minutaeditais-selecao-ifesifets-03092012.

Fernandes, B. M., & Molina, M. C. (2004). O campo da Educação do Campo. In Molina, M. C., & Jesus, M. S. (Orgs.). Por uma Educação do Campo: contribuições para a construção de um projeto de Educação do campo (pp.32-53). Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Fernandes, B. M. (2006). Os campos da pesquisa em Educação do Campo: espaço e território como categorias essenciais. Recuperado em 10 de agosto, 2019 de: http://www4.fct.unesp.br/nera/publicacoes.php

Freire, P. (2012). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Guimarães, Selva. (2006). Ser professor no Brasil – História Oral de Vida. Campinas: Papirus.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2010). Entrevista narrativa. In Bauer, M. W. Gaskell, G. (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (pp. 90-113). Petrópolis: Vozes.

Kolling, E. J., Nery, I. J., & Molina, M. C. (Orgs.). (1999). Por uma educação básica no campo. Brasília: UnB.

Macedo, E., & Lopes, A. C. (2002). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez.

Molina, M. C. (2015). Expansão das licenciaturas em Educação do Campo: desafios e potencialidades. Educar em Revista, 55, 145-166. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.39849

Recuperado em 10 setembro, 2017 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602015000100145.

Molina, M. C., & Antunes-Rocha, M. I. (2014). Educação do Campo: histórica, práticas e desafios no âmbito das políticas de formação de educadores? Reflexões sobre o Pronera e o Procampo. Reflexão e Ação, 22, 220-253. Doi: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v22i2.5252

Nosella, P. (2012). Educação no campo: origens da Pedagogia da Alternância no Brasil. Vitória: Edufes.

Passos, M. G., & Melo, A. O. (2012). Casa familiar rural da França à Amazônia: uma proposta da Pedagogia da Alternância. In Ghedin, E. (Org.). Educação do Campo: epistemologia e práticas (pp. 237-250). São Paulo: Cortez.

Queiroz, J. B. P. (2004). Construção das Escolas Famílias Agrícolas no Brasil: Ensino Médio e Educação Profissional. Brasília: UnB.

Santos, R. B., & Silva, M. A. (2016). Políticas públicas em educação do campo: Pronera, Procampo e Pronacampo. Revista Eletrônica de Educação, 10(2), 135-144. Doi: http://dx.doi.org/10.14244/198271991549 Recuperado em 20 setembro, 2017, de http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/download/1549/493.

Santos, A. R. (2013). Ocupar, resistir e produzir, também é educação. São Paulo: Paco Editorial.

Silva, L. H. (2010). Concepções e práticas de Alternâncias na educação do campo: dilemas e perspectivas. Nuances: Estudos sobre Educação, 17(18), 180-192.

Silva, M. V., & Silva-Júnior. (2014). Políticas educacionais para Educação do Campo: perspectivas curriculares em debate. In Carvalho. C., & Castro, M. (Orgs.). Educação Rural e do campo (pp. 35-62) Uberlândia: Edufu.

Soares, S. S., & Guimarães, S. (2017). História de vida do professor formador e os desafios da inserção na docência universitária: um novo campo para a pesquisa educacional. In Atas do 6º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa. Salamanca, Ciaiq. Recuperado em 14 novembro, 2017, de http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1400.

Souza, A. S. D., & Mendes, G. C. (2012). O trabalho docente do educador do Campo e a Pedagogia da Alternância: elementos para reflexão e discussão. In Ghedin, E. (Org.). Educação do Campo: epistemologia e práticas (pp. 251-270). São Paulo: Cortez.

Souza, E. C. (2014). Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Educação, 39(1), 39-50. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/1984644411344

Souza, M. A. (2012). Educação do Campo: propostas e práticas pedagógicas do MST. Petrópolis: Vozes.

Souza, M. A. (2008). Educação do Campo: políticas, práticas pedagógicas e produção científica. Educação & Sociedade, 105, 1089-1111. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302008000400008

Veiga, I. P. A. (2009). Docência como atividade profissional. In. Veiga, I. P. A., & D’Avila, C. M. (Orgs.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas (pp. 13-22). (2a ed.) Campinas: Papirus.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Soares, S. S., & Guimarães, S. (2019). Educação do Campo e a Pedagogia da Alternância: limites, desafios e possibilidades na formação de professores . Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6954. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e6954
Seção
Dossiê Temático: 50 anos da Alternância no Brasil