Educação, trabalho e formação profissional no MST: a experiência do Curso de Agroecologia da Escola Milton Santos

  • Erika Porceli Alaniz Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul - UEMS
  • Neusa Maria Dal Ri Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - UNESP

Resumo

No processo de ocupação e conquista de assentamentos da reforma agrária, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) implanta inúmeras experiências educacionais em diferentes níveis e modalidades de ensino para atender o direito à educação e a necessidade de formação política e técnica das crianças e jovens. Este artigo traz uma reflexão sobre o significado da educação para e no trabalho na pedagogia do MST, em especial em um curso técnico em Agroecologia. Buscamos apreender o sentido do trabalho como princípio educativo efetivado pela escola, bem como identificar a imbricação entre a dimensão técnica e política no processo formativo. Trata-se de pesquisa empírica realizada na Escola Milton Santos, Paraná, por meio de observação e entrevistas semiestruturadas com dirigentes e educandos. Os resultados apontaram que os educandos formam-se por meio do trabalho real vivenciado na escola e nos assentamentos enquanto momentos complementares e voltados para a luta social.

Palavras-chave: Educação do Campo, Movimento Social, Educação e Trabalho, Agroecologia.

 

Education, work and vocational training in the MST: the experience of the Course of Agroecology of the Milton Santos School                          

ABSTRACT. In the process of occupation and conquest of agrarian reform settlements, the Movement of Landless Workers implants innumerable educational experiences at different levels and modalities of education to meet the right to education and the need for political and technical training children and youth. This article presents a reflection on the meaning of education and work in the technical course in Agroecology in a school of MST. We look for attempted to grasp the meaning of work as an educational principle effected by the school, as well as identifying the overlap between the technical and political dimension in the training process. It is empirical research conducted at the School Milton Santos, Paraná, through observation and semi-structured interviews with leaders and students. The findings showed that the students are formed through real work experienced in school and in the settlements as complementary moments, aimed at social struggle.

Keywords: Rural Education, Social Movement, Education and Work, Agroecology.

 

Educación, trabajo y formación profesional en el MST: la experiencia del Curso de Agroecología de la Escuela Milton Santos

RESUMEN. En el proceso de ocupación y conquista de asentamientos de la reforma agraria, el Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST) implanta innumerables experiencias educativas en diferentes niveles y modalidades de enseñanza para atender el derecho a la educación y la necesidad de formación política y técnica de los niños y jóvenes. Este artículo trae una reflexión sobre el significado de la educación para y en el trabajo en la pedagogía del MST, en especial en un curso técnico en Agroecología. Buscamos aprehender el sentido del trabajo como principio educativo efectuado por la escuela, así como identificar la imbricación entre la dimensión técnica y política en el proceso formativo. Se trata de una investigación empírica realizada en la Escuela Milton Santos, Paraná, por medio de observación y entrevistas semiestructuradas con dirigentes y educandos. Los resultados apuntaron que los educandos se forman por medio del trabajo real vivido en la escuela y en los asentamientos como momentos complementarios y dirigidos a la lucha social.

Palabras clave: Educación del Campo, Movimiento Social, Educación y Trabajo, Agroecología.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erika Porceli Alaniz, Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul - UEMS

Pós-doutora pela Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Marília, Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), docente do Mestrado Profissional em Educação, graduação em Pedagogia e em Geografia da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS), experiência na área de educação, trabalhando com principalmente com os temas política educacional, qualificação profissional, autogestão, educação e movimentos sociais, precarização do trabalho docente.

Neusa Maria Dal Ri, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - UNESP

Professora Livre-Docente III da Universidade Estadual Paulista. Realizou mestrado (UFSCar) e doutorado (USP) em educação, pós-doutorado na Universidade do Minho, Portugal (2008) e na UFSCar (2018). Bolsista PQ do CNPq nível 1D. Editora do periódico científico ORG&DEMO. Líder do Grupo de Pesquisa Organizações e Democracia. Foi Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unesp – Campus de Marília (2013-2017).

Referências

Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo, SP: Boitempo. Recuperado de: file:///D:/backup%20atual/Grupo%20de%20Pesquisa/2016-19/O%20Privil%C3%A9gio%20da%20Servid%C3%A3o%20-%20Ricardo%20Antunes.pdf.

Brasil. (2016). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal. Recuperado de: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf

Bruno, L. (2011). Educação e desenvolvimento econômico no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 16(48), 545-562. https://doi.org/10.1590/s1413-24782011000300002

Caldart, R. S. (2009). Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trabalho, Educação e Saúde, 7(1), 35-64. https://doi.org/10.1590/s1981-77462009000100003

Caldart, R. S. et al. (2013). Escola em Movimento: Instituto de Educação Josué de Castro. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Caporal, F., & Costabeber, J. A. (2015). Agroecologia: conceitos e princípios para a construção de estilos de agricultura sustentáveis. In Novaes, H., Mazin, D. A., & Santos, L. (Orgs.). Questão agrária, cooperação e agroecologia (pp. 263-284). São Paulo, SP: Outras expressões.

Dal Ri, N. M. (2004). Educação democrática e trabalho associado no contexto político-econômico do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (Tese de Livre-Docência). Universidade Estadual Paulista, Marília.

Ferretti, C. J., & Silva Júnior, J. R. (2000). Educação profissional numa sociedade sem empregos. Cadernos de Pesquisa, 109, 43-66. https://doi.org/10.1590/s0100-15742000000100003

Kuenzer, A. Z. (2010). As políticas de Educação profissional. In Moli, J. (Col.). Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões, possibilidades (pp. 253-270). Porto Alegre, PA: ArtMed.

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (2013). Programa Agrário do MST. VI Congresso Nacional do MST: lutar, construir reforma agrária popular. São Paulo, SP: MST. Recuperado de: https://mstbrasilien.de/wp-content/uploads/2014/02/Cartilha-Programa-agr%C3%A1rio-do-MST-FINAL.pdf

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (1999). Como fazemos a escola de educação fundamental. Caderno de Educação, 9.

Paro, V. H. (2012). Administração Escolar: introdução crítica. 16. ed. São Paulo, SP: Cortez.

Pergher, E. G. (2012). A organização do trabalho pedagógico e a formação para o trabalho no Instituto Josué de Castro. In Aued, B. W., & Vendramini, R. C. (Orgs.). Temas e problemas no ensino em escolas do campo (pp. 207-234). São Paulo, SP: Outras Expressões.

Pistrak, M. M. (2005). Fundamentos da escola do trabalho. 4. ed. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Rumert, S. M., Algebaile, E., & Ventura, J. (2013). Educação da classe trabalhadora brasileira: expressão do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Brasileira de Educação, 18(54), 717-738. https://doi.org/10.1590/s1413-24782013000300011

Santos, L. R. (2014). A gestão democrática na educação profissional agroecológica do MST/Paraná: a experiência da escola Milton Santos. Revista Tamoios, 10(2), 57-68. https://doi.org/10.12957/tamoios.2014.11705

Shulgin, V. N. (2013). Rumo ao politecnismo. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Souza, M. A. (1999). As formas organizacionais de produção em assentamentos rurais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Toná, N., & Guhur, D. M. P. (2009) O diálogo de saberes, na promoção da agroecologia na base dos movimentos sociais populares. Revista Brasileira de Agroecologia, 4(2), 3322-3325.

Publicado
2019-10-17
Como Citar
Alaniz, E. P., & Dal Ri, N. M. (2019). Educação, trabalho e formação profissional no MST: a experiência do Curso de Agroecologia da Escola Milton Santos. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6789. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6789
Seção
Artigos / Articles / Artículos