Educação do Campo e Agroecologia: possibilidades de articulação a partir da identidade e diversidade em suas concepções e práticas

  • Eugênio Alvarenga Ferrari Universidade Federal de Viçosa - UFV
  • Marcos Marques de Oliveira Universidade Federal Fluminense - UFF

Resumo

O artigo propõe uma reflexão sobre a pouca articulação e ações conjuntas entre as instâncias nacionais que promovem o movimento da educação do campo e o movimento da agroecologia, mesmo que comunguem princípios comuns e se vinculem à mesma base social. Sistematiza o contexto e a trajetória de construção de ambos os movimentos, buscando entender suas identidades e diversidades, assim como as possibilidades de mais interação e aprendizagem mútua. O contexto tem como pano de fundo o processo de modernização conservadora da agricultura, vinculado à questão agrária no Brasil. Na trajetória de constituição de uma expressão nacional destes movimentos identifica-se a falta de articulação e troca de experiências de suas instancias de organização nacional, na construção de suas concepções metodológicas e na incidência sobre políticas públicas. Só recentemente a pauta de um movimento se imbrica na de outro e percebe-se que há experiências acumuladas e aprendizados conquistados em cada um, capazes de fortalecê-los mutuamente, sem prejuízo a sua especificidade. No contexto atual se faz necessário ampliar as alianças no campo democrático e popular, explicitando a diversidade destas experiências e as possibilidades de maior articulação na construção de um projeto popular para o campo e para o Brasil.

Palavras-chave: Educação do Campo, Agroecologia, Movimentos Sociais, Políticas Públicas.

 

Rural Education and Agroecology: possibilities of articulation from the identity and diversity in their conceptions and practices     

ABSTRACT. The article analyzes the small articulation between the national bodies that promote themovements of rural education and agroecology. It systematizes the context of construction of both movements, seeking to understand their identities and diversities, as well as the possibilities of more interaction and mutual learning. The context has as a background the process of conservative modernization of Brazilian agriculture. The hypothesis is that in the constitution of these movements there is a lack of articulation and exchange of experiences of their instances of national organization, both in the construction of their methodological conceptions and in the incidence on public policies. Only recently have the two political guidelines mixed. In the current context, it is necessary to broaden the alliances in the democratic and popular field, explaining the diversity of these experiences and the possibilities of greater articulation in the construction of a popular project for the countryside and for Brazil.

Keywords: Rural Education, Agroecology, Social Movements, Public Policies.

 

Educación del Campo y Agroecología: posibilidades de articulación de la identidad y la diversidad en sus concepciones y prácticas

RESUMEN. El artículo analiza la pequeña articulación entre las instancias nacionales que promueven los movimientos de la educación del campo y de la agroecología. Sistematiza el contexto de construcción de ambos movimientos, buscando comprender sus identidades y diversidades, así como las posibilidades de más interacción y aprendizaje mutuo. El contexto tiene como telón de fondo el proceso de modernización conservadora de la agricultura brasileña. La hipótesis es que en la constitución de estos movimientos hay una falta de articulación y de intercambio de experiencias de sus instancias de organización nacional, tanto en la construcción de sus concepciones metodológicas y en la incidencia sobre políticas públicas. Sólo recientemente las dos pautas políticas vienen mezclándose. En el contexto actual, se hace necesario ampliar las alianzas en el campo democrático y popular, explicitando la diversidad de estas experiencias y las posibilidades de mayor articulación en la construcción de un proyecto popular para el campo y para Brasil.

Palabras-clave: Educación del Campo, Agroecología, Movimientos Sociales, Política Pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugênio Alvarenga Ferrari, Universidade Federal de Viçosa - UFV

Graduado em Agronomia, mestre em Extensão Rural pela UFV e doutorando em Educação pela UFF. Professor Assistente do Departamento de Educação da UFV. Colaborador do Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata. Membro do Conselho Editorial da Revista Agriculturas. Tem experiência nas áreas de Educação do Campo e Agroecologia.

Marcos Marques de Oliveira, Universidade Federal Fluminense - UFF

Professor Associado de Sociologia da Educação do Departamento de Educação do Instituto de Educação de Angra dos Reis da UFF. Vice-coordenador e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação (FEUFF), vinculado à linha de pesquisa "Diversidade, Desigualdade Social e Educação" (DDSE). Possui estudos sobre Educação do Campo, Florestan Fernandes e Ensino Privado.

Referências

Alentejano, P. R. R. (2011). Questão agrária no Brasil atual: uma abordagem a partir da geografia. Terra Livre, 1(36), 116-142.

Almeida, J. (1997). Da ideologia do Progresso à ideia do desenvolvimento (rural) sustentável. In Almeida, J., & Navarro, Z. (Orgs.). Reconstruindo a agricultura: ideias e ideais na perspectiva de um desenvolvimento rural sustentável (pp. 33-55). Porto Alegre, RS: Ed. UFRGS. https://doi.org/10.31692/2526-7701.iicointerpdvagro.2017.00516

Altieri, M. (2002). Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba, RS: Agropecuaria.

Articulação Nacional de Agroecologia (2006). Carta Política do II ENA – Encontro Nacional de Agroecologia. Recuperado a 9 de maio de 2019 em https://fase.org.br/wp-content/uploads/2010/01/Carta_IIENA.pdf

Articulação Nacional de Agroecologia (2006). Anais do III ENA: Encontro Nacional de Agroecologia. - Rio de Janeiro: Articulação Nacional de Agroecologia - ANA.

Bottomore, T. (2012). Dicionário do Pensamento Marxista. 2ª Edição. Rio de janeiro: Zahar.

Brum, A. J. (1988). Modernização da agricultura: trigo e soja. Petrópolis, RJ; Ijuí, RS: Vozes; Fidene.

Caldart, R. (2016). Trabalho, agroecologia e educação politécnica nas escolas do campo. In Pires, J. H., Novaes, H. T., Mazin, A., & Lopes, J. (Orgs.). Questão Agrária, Cooperação e Agroecologia (pp. 263-328). Vol. III. São Paulo, SP: Outras Expressões.

Caldart, R. S. (2012). Educação do Campo. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 257-264). Rio de Janeiro, RJ; São Paulo, SP: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Expressão Popular.

Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica. (2013). Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica - PLANAPO. Brasília, DF: MDS; CIAPO.

Cover, M., & Cerioli, P. R. (2015). Juventude rural e modelos de desenvolvimento agrário. In Leão, G., & Antunes-Rocha, M. I. (Orgs.). Juventudes do Campo (pp.53-68). Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora.

Delgado, G. C. (2010). A questão agrária e o agronegócio no Brasil. In Carter, M. (Org.). Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil (pp. 81-112). São Paulo, SP: Editora Unesp.

Fernandes, B. M. (2012). Território Camponês. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. (pp. 744-748). Rio de Janeiro, RJ; São Paulo, SP: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Expressão Popular.

Fernandes, B. M. (2006). Os campos da pesquisa em Educação do Campo: espaço e território como categorias essenciais. In Molina, M. C. (Org.). Educação do Campo e pesquisa: questões para reflexão (pp. 27-39). Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Ferrari, E. A., Silva, M. G., Marques, E. M. D., & Barrella, T. P. (2018). Licenciatura em Educação do Campo/Licena/UFV: Concepções teóricas e práticas pedagógicas. In Sousa, J. V., Botelho, A. F., & Griboski, C. M. (Orgs.). Produção do conhecimento e educação do campo na expansão da educação superior (pp. 344-361). Anápolis, GO: Ed. UEG.

Ferrari, E. A. (2017). Em busca de liberdade e autonomia: agricultura familiar camponesa e agroecologia. Balti, MD: Novas Edições Acadêmicas.

Fórum Nacional de Educação do Campo (2012). Manifesto à Sociedade Brasileira. Recuperado a 9 de maio de 2019 em http://www.gepec.ufscar.br/publicacoes/documentos/forum-nacional-de-educacao-do-campo-manifesto-a.pdf/at_download/file

Fórum Nacional de Educação do Campo (2013). Oficina de Planejamento 2013 – 2014. Relatório Síntese das conclusões e proposições. Recuperado a 9 de maio de 2019 em http://livrozilla.com/doc/719385/f%C3%B3rum-nacional-de-educa%C3%A7%C3%A3o-do-campo-%E2%80%93-fonec

Fórum Nacional de Educação do Campo (2012). III Seminário Nacional. Documento Final. Recuperado a 9 de maio de 2019 em https://eventocantu.files.wordpress.com/2016/08/fonec2015.pdf

Frigotto, G. (2010). Projeto societário contra-hegemônico e educação do campo: Desafios de conteúdo e forma. In Munarin, A., Beltrame, S., Conde, S. F., & Peixer, Z. (Orgs.). Educação do campo. Reflexões e perspectivas (pp. 19-46). Florianópolis, SC: Insular.

Gohn, M. G. (2011). Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, 16(47), 333-361. https://doi.org/10.1590/s1413-24782011000200005

González de Molina, M. (1992). Agroecología: bases teóricas para una historia agraria alternativa. Agroecología y Desarrollo, (4), 22-31.

Gramsci, A. (2004). Cadernos do Cárcere. Vol. 2. (Ed. e Trad. Coutinho, C. N.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Hecht, S. (2002). A evolução do pensamento agroecológico. In Altieri, M. (Ed.). Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável (pp. 15-30). Guaíba, RS: Agropecuária.

Molina, M. C., & Sá, L. M. (2012). Escola do Campo. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 324-331). Rio de Janeiro, RJ; São Paulo, SP: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Expressão Popular.

Monteiro, D., & Londres, F. (2017). Pra que a vida nos dê flor e frutos: notas sobre a trajetória do movimento agroecológico no Brasil. In Sambuichi, R. H. R., Moura, I. F., Mattos, L. M., Ávila, M. L., Spínola, P. A. C., & Silva, A. P. M. (Orgs.). A política nacional de agroecologia e produção orgânica: uma trajetória de luta pelo desenvolvimento rural sustentável (pp. 53-83). Brasília, DF: IPEA.

Oliveira, L. M. T., & Campos, M. (2012). Educação Básica do Campo. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 237-244). Rio de Janeiro, RJ; São Paulo, SP: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Expressão Popular.

Padula, J., Cardoso, I. M., Ferrari, E. A., & Dal Soglio, F. K. (2013). Os caminhos da agroecologia no Brasil. In Gomes, J. C. A., & Assis, W. S. (Eds.). Agroecologia: princípios e reflexões conceituais (pp. 37-72). Brasília, DF: Embrapa.

Petersen, P., & Dias, A. (2007). Construção do conhecimento agroecológico: novos papeis, novas identidades. (Caderno do II Encontro Nacional de Agroecologia). Rio de Janeiro, RJ: Articulação Nacional de Agroecologia; Gráfica Popular.

Petersen, P., & Almeida, S. G. (2006). Rincões transformadores: trajetória e desafios do movimento agroecológico brasileiro- uma perspectiva a partir da Rede PTA (versão provisória). Rio de Janeiro: AS-PTA.

Ploeg, J. D. (2009). Sete teses sobre a agricultura camponesa. Agriculturas (Edição Especial: Agricultura familiar camponesa na construção do futuro), 17-31.

Ploeg, J. D. (2008). Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. (Trad. Pereira, R.). Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS.

Semeraro, G. (2017). A concepção revolucionária em Gramsci: uma análise do caderno 13. Movimento-Revista de Educação, 4(6), 34-53. https://doi.org/10.22409/mov.v0i6.358

Semeraro, G. (2006). Gramsci e os novos embates da filosofia da práxis. Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Wezell, A.,Bellon, S., Dore, T., Francis, C.,Vallod, D., David, C. (2009). Development Agroecology as a science, a movement and a practice. A review. Agronomy for Sustainable Development, 29(4), 503-515. https://doi.org/10.1051/agro/2009004

Publicado
2019-10-17
Como Citar
Ferrari, E. A., & Oliveira, M. M. de. (2019). Educação do Campo e Agroecologia: possibilidades de articulação a partir da identidade e diversidade em suas concepções e práticas. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6701. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6701
Seção
Artigos / Articles / Artículos