Licenciaturas em Educação do Campo da área de Ciências da Natureza: análise da produção em periódicos nacionais

Resumo

O presente artigo investiga como as Licenciaturas em Educação do Campo articulam-se com a área das Ciências da Natureza, a partir das produções socializadas em periódicos nacionais, da área de Ensino da CAPES, entre os anos de 2013 a 2017, com classificação Qualis A1, A2 e B1. As fontes da pesquisa foram 14 artigos, dentre os 4189 artigos publicados em 25 periódicos. A pesquisa é qualitativa, do tipo bibliográfica, e a técnica de análise foi a Análise Textual Discursiva. Os resultados foram sintetizados em três categorias inter-relacionadas, denominadas: a) Currículos e Culturas na Educação do/no Campo em Ciências da Natureza; b) Formação Docente do/no Campo em Ciências da Natureza; c) Ciência – Tecnologia – Sociedade e Implicações Socioambientais. Destacamos a presença de três elementos centrais, inseparáveis, que são: as populações do campo, os contextos e as intencionalidades. Assim, educadores, educadoras e estudantes, que vivem e trabalham nos diferentes contextos do campo, que vivenciam e problematizam as intencionalidades na Educação, nas Ciências da Natureza e na sociedade, encontram na Educação do Campo um lugar de debate sobre as contradições vividas e de construção de outros caminhos possíveis em termos de sociedade.

Palavras-chave: Educação do Campo, Ciências da Natureza, Licenciatura, Produção Bibliográfica, Formação de Professores.

 

Licentiate courses in Rural Education of the Area of Natural Sciences: analysis of the production in national journals

ABSTRACT. This paper investigates how licentiate courses in Rural Education articulate with the area of the Sciences of Nature, from the productions socialized in Brazil, from the Teaching area of CAPES, between the years of 2013 to 2017, with classification A1, A2 and B1. The sources of the research were 14 articles, among 4189 articles published in 25 journals. The research is qualitative, of the bibliographic type, and the technique of analysis was the Textual Discourse Analysis. The results were synthesized in three categories interrelated: a) Curriculums and Cultures in Rural Education in Natural Sciences; b) Teacher Training in Rural Education in Natural Sciences; c) Science - Technology – Society and Social and Environmental Implications. We highlight the presence of three central, inseparable elements: the rural populations, contexts and intentionalities. So, teachers and students, who live and work in different rural contexts, too experience and problematize the intentionalities in Education, the Natural Sciences and society. They find in Rural Education a place of discussion about the lived contradictions and the construction of other possible ways of society.

Keywords: Rural Education, Natural Sciences, licentiate course, Bibliographic Production, Teacher Education.

 

Licenciaturas en Educación Rural del área de Ciencias de la Naturaleza: análisis de la producción en periódicos nacionales

RESUMEN. Este artículo investiga cómo las Licenciaturas en Educación Rural se articulan con el área de las Ciencias de la Naturaleza, a partir de las producciones socializadas en periódicos nacionales, del área de Enseñanza de la CAPES, entre los años de 2013 a 2017, con clasificación A1, A2 y B1. Las fuentes de la investigación fueron 14 artículos, entre los 4189 artículos publicados en 25 periódicos. La investigación es cualitativa, del tipo bibliográfica, y la técnica de análisis fue la Análisis Textual Discursiva. Los resultados se sintetizaron en tres categorías interrelacionadas, llamada: a) Currículos y Culturas en la Educación Rural en Ciencias de la Naturaleza; b) Formación Docente del / en el Campo en Ciencias de la Naturaleza; c) Ciencia - Tecnología - Sociedad e Implicaciones Socioambientales. Resaltamos la presencia de tres elementos centrales, inseparables, que son: las poblaciones del campo, los contextos y las intencionalidades. Así, profesores y estudiantes viven y trabajan en diferentes regiones rurales, que experimentan y problematizan las intencionalidades en Educación, Ciencias de la Naturaleza y sociedad, encuentran en la Educación Rural un lugar de debate acerca de las contradicciones vividas y de la construcción de otras formas posibles de sociedad.

Palabras clave: Educación Rural, Ciencias de la Naturaleza, Licenciatura, Producción Bibliográfica, Formación del Profesorado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Marcos Teixeira Dalmolin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Licenciado em Física e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é professor do Departamento de Ensino e Currículo, da Faculdade de Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com atuação no Curso de Licenciatura em Educação do Campo - Ciências da Natureza. Também é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da UFRGS.

Rosane Nunes Garcia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Licenciada e Bacharel em Ciências Biológicas; Mestre em Genética e Biologia Molecular e Doutora em Biologia Animal pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professora e pesquisadora no Colégio de Aplicação da UFRGS e no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da UFRGS. Coordena o grupo de pesquisa Alfabetização Científica no Ensino Básico, trabalhando com temáticas relacionadas ao ensino e à aprendizagem das Ciências da Natureza e a interdisciplinaridade no currículo.

Referências

Alves-Mazzotti, A. J., & Gewandznajder, F. (1998). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo, SP: Pioneira.

Araújo, J. P., Assis, M. P., & Costa, E. R. (2017). A sustentabilidade, a educação ambiental e o curso de Educação do Campo: é possível essa aproximação? Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 921-940. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p921

Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (2004). Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Auler, D. (2002). Interações entre Ciência-Tecnologia-Sociedade no Contexto da Formação de Professores de Ciências (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Auler, D. (2018). Cuidado! Um cavalo viciado tende a voltar para o mesmo lugar. Curitiba, PR: Appris.

Borges, M. G., Faria, J. E. S., & Brick, E. M. (2017). Fenômenos como mediadores do processo educativo em Ciências da Natureza e Matemática na Educação do Campo. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 965-990. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p965

Brito, R. S., & Silva, T. G. R. (2015). Educação do Campo: formação em ciências da natureza e o estudo da realidade. Educação & Realidade, 40(3), 763-784. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623645797

Carneiro, F. F., Augusto, L. G. S., Rigotto, R. M., Friedrich, K., & Búrigo, A. C. (Org.). (2015). In Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro, RJ: EPSJV; São Paulo, SP: Expressão Popular.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Plataforma Sucupira. Brasília. Recuperado de: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/veiculoPublicacaoQualis/listaConsultaGeralPeriodicos.jsf

Crepaldi, M. M., Klepka, V., & Pinto, T. H. O. (2017). Interculturalidade e conhecimento tradicional sobre a Lua na formação de professores no/do campo. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 836-860. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p836

Cunha, M. B. M., & Silva, J. L. P. B. (2016). Complexos temáticos na formação de professores do campo. Educar em Revista, 32(61), 171-188. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.45967

Dagnino, R. (Org.). (2010). Estudos sociais da ciência e tecnologia e política de ciência e tecnologia: abordagens alternativas para uma nova América Latina. Campina Grande, PB: EDUEPB.

Decreto Nº 7.352, de 04 de novembro de 2010. (2010, 04 de novembro). Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA. MEC/SECADI: Brasília. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm

Delizoicov, D., Angotti, J. A. P., & Pernambuco, M. M. C. A. (2002). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo, SP: Cortez.

Edital de Seleção nº 02 - SESU/SETEC/SECADI/MEC, de 31 de agosto de 2012. (2012, 31 de agosto). PROCAMPO. Brasília. Recuperado de: http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/edital_%2002_31082012.pdf

Faleiro, W., & Farias, M. N. (2016). Formadores de professores em Educação do Campo em Goiás. Revista Brasileira de Educação do Campo, 1(1), 88-106. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2016v1n1p88

Fernandes, B. M., Cerioli, P. R., & Caldart, R. S. (2004). “Primeira Conferência Nacional ‘Por uma educação básica do campo’: texto preparatório”. In Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo (pp. 15-30). Petrópolis, RJ: Vozes.

Fernandes, C. S., & Stuani, G. M. (2015). Agrotóxicos no Ensino de Ciências: uma pesquisa na educação do campo. Educação & Realidade, 40(3), 745-762. https://dx.doi.org/10.1590/2175-623645796

Fonseca, E. M., Duso, L. & Hoffmann, M. B. (2017). Discutindo a temática agrotóxicos: uma abordagem por meio das controvérsias sociocientíficas. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 881-898. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p881

Formigosa, M. M., Marchi, M. I., Del Pino, J. C., & Quartieri, M. T. (2017). Júri simulado e tempestade cerebral: entendendo a implantação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 899-920. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p899

Freire, P. (2019). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1992). Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1995). À sombra desta mangueira. São Paulo, SP: Olho d’água.

Freire, P. (2006). Extensão ou Comunicação. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Gonsalves, E. P. (2001). Conversas sobre iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Alínea.

Halmenschlager, K. R., Camillo, J., Fernandes, C. S., Del Mônaco, G., & Brick, E. M. (2017). Articulações entre Educação do Campo e Ensino de Ciências e Matemática Presentes na Literatura: Um Panorama Inicial. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 19(e2800), 01-21. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172017190131

Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e Patologia do saber. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Marchi, C. (2018). Após grande número de denúncias, Seapi ganha mais prazo para relatório sobre herbicida. Porto Alegre, RS: Correio do Povo. 4125(2018). Recuperado de: https://www.correiodopovo.com.br/Noticias/Rural/2018/12/668039/Apos-grande-numero-de-denuncias,-Seapi-ganha-mais-prazo-para-relatorio-sobre-herbicida

Marques, L. O. C. (2017). Interculturalidade na formação de professores do campo: análise de uma experiência. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(2), 447-471. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n2p447

Mendes, M. P. L., & Grilo, J. S. P. A. (2017). Contribuição da História das Ciências para formação de educadores do campo. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(2), 632-649. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n2p632

Minayo, M. C. S. (Org.). (2002). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Molina, M. C. (Org.). (2014). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília, DF: MDA.

Molina, M. C. (2015). Expansão das licenciaturas em Educação do Campo: desafios e potencialidades. Revista Educar em Pesquisa, 31(55), 145-166. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.39849

Molina, M. C. (2017a). Contribuições das Licenciaturas em Educação do Campo para as políticas de formação de educadores. Educação & Sociedade, 38(140), 587-609. http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017181170

Molina, M. C. (Org.). (2017b). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Volume II. Brasília, DF: Editora UNB.

Moradillo, E. F., Messeder Neto, H. S., & Massena, E. P. (2017). Ciências da Natureza na Educação do Campo: em defesa de uma abordagem sócio-histórica. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 991-1019. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p991

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2016). Análise Textual Discursiva. Ijuí, RS: Unijuí.

Moreira, A. F. B., & Silva, T. T. (2005). (Org.). Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo, SP: Cortez.

Portaria nº 072, de 21 de dezembro de 2012. (2012, 21 de dezembro). Resultado Final do processo de seleção regido pelo Edital SESU/SETEC/SECADI nº 2, de 31 de agosto de 2012. MEC/SECADI: Brasília. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13299-potaria-72-21-dezembro-2012-pronacampo-pdf&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. (2013). Projeto Pedagógico do Curso de Graduação Licenciatura Em Educação do Campo. Porto Alegre. Recuperado de: https://www.ufrgs.br/liceducampofaced/projeto-pedagogico/

Prsybyciem, M. M., Santos, A. P., & Sartori, J. (2017). Formação de professores em Ciências da Natureza para escolas do/no campo na UFFS – Campus Erechim: perspectivas e desafios. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 941-964. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p941

Sacristán, J. G. (2013). O que significa o currículo? In Sacristán, J. G. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo (pp. 16-35). São Paulo, SP: Penso.

Snyders, G. (1988). A Alegria na Escola. São Paulo, SP: Manole.

Publicado
2020-01-19
Como Citar
Dalmolin, A. M. T., & Garcia, R. N. (2020). Licenciaturas em Educação do Campo da área de Ciências da Natureza: análise da produção em periódicos nacionais. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 5, e6455. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e6455
Seção
Artigos / Articles / Artículos