Chico Bento e as representações sociais da infância

Resumo

Os registros visuais, e os discursos que eles transmitem, ou que deles se emitem, geram leituras sociais e contribuem para a construção de um imaginário coletivo. Este artigo propõe realizar uma reflexão sobre o imaginário em função dos sujeitos que vivem no campo, mais especificamente às crianças e infâncias rurais, por meio de um dos principais símbolos de representação da criança camponesa brasileira, o personagem de Chico Bento, criado pelo cartunista Maurício de Sousa. Constata-se que essa produção visual, produzida no contexto urbano e endereçada especialmente aos habitantes da cidade, muitas vezes (re)produz discursos sobre o campo e seus sujeitos permeados por estereótipos e preconceitos. Neste caso, considera-se que a produção cultural imagética tem grande relevância na construção do olhar e da leitura social que a ela se direciona.

Palavras-chave: Chico Bento, Crianças e Infâncias do Campo, Produção Cultural, Representações Sociais.

 

Chico Bento and the social representations of childhood                

ABSTRACT. The visual records, and the discourses they transmit, or that emit them, generate social readings and contribute to the construction of a collective imaginary. This article proposes to accomplish a reflection about the imaginary in function of the subjects who live in the countryside, more specifically children and rural children, through one of the main symbols of representation of the Brazilian peasant child, the character of Chico Bento, created by the cartoonist Mauricio de Sousa. It is observed that this visual production, produced in the urban context and addressed especially to the inhabitants of the city, often (re)produces discourses about the peasantry and its subject and its subjects permeated by stereotypes and prejudices. In this case, it is considered that the imagistic cultural production has great relevance in the construction of the look and the social reading that is directed to it.

Keywords: Chico Bento, Children and Peasantry Childhood, Cultural Production, Social Representations.

 

Chico Bento y las representaciones sociales de la infancia

RESUMEN. Los registros visuales, y los discursos que ellos transmiten, o que de ellos se emiten, generan lecturas sociales que contribuyen para la construcción de un imaginario colectivo. Este artículo se propone a realizar una reflexión sobre el imaginario en función de los sujetos que viven en el campo, más específicamente los niños y infancias rurales, por medio de uno de los principales símbolos de representación de los niños campesinos brasileños, lo personaje de Chico Bento, creado por el cartonista Maurício de Sousa. Se constata que esa producción visual, producida en el contexto urbano y direccionada especialmente para los habitantes de la ciudad, muchas veces (re)produce discursos sobre el campo y sus sujetos impregnados por estereotipos y preconceptos. En este caso, se considera que la producción cultural de imágenes es de gran relevancia en la construcción de la mirada y de la lectura social que a ella se dirige.

Palabras clave: Chico Bento, Niños y Infancia Campesina, Producción Cultural, Representaciones Sociales.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Douglas Alves dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Educação e graduado em Pedagogia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Membro do Núcleo Infância, Comunicação, Cultura e Arte (NICA). Escritor e Desmistificador de Dálias. E-mail para contato: jdneo@hotmail.com

Éverton Vasconcelos de Almeida, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Educação pela UFSC (2015). Licenciado em Arte, com habilitação em Música, atua como professor na Rede pública Estadual de Santa Catarina. É membro do Grupo de Pesquisa sobre Currículo ITINERA (http://itinera.ced.ufsc.br/)

Referências

Andrade, P. D. (2017). Artefatos culturais midiáticos e pedagogias culturais: uma análise para explorar as qualidades pedagógicas da vida contemporânea. In Anais Anped – GT16 – Educação e Comunicação (pp. 1-16). São Luís, MA.

Arroyo, M. G. (2009). Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bagno, M. (2003). A norma oculta da: língua & poder na sociedade brasileira. São Paulo, SP: Parábola Editorial.

Belloni, M. L. (2007). Infância, mídias e educação: revisitando o conceito de socialização. Perspectiva, 25(1), 41-56. Doi: https://doi.org/10.5007/%25x

Bosi, E. (2003). O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo, SP: Ateliê Editorial.

Brandão, C. R. (1983). Os caipiras de São Paulo. São Paulo, SP: Brasiliense.

Burke, P. (2004). Testemunha ocular: história e imagem. Bauru, SP: EDUSC.

Celidonio, B. (2017). Chico Bento, fatores culturais que fazem do personagem um caipira chinês. Temática, 13(12), 65-80. Doi: https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8931.2017v13n12.37590

Chartier, R. (1990). A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil; Lisboa, Portugal: Difel.

Cohn, C. (2013). Concepções de infância e infâncias. Um estado da arte da antropologia da criança no Brasil. Civitas, 13(2), 221-244. Doi: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2013.2.15478

Couto, G. D. C. (2016). Brincando na terra: tempo, política e faz de conta no acampamento Canaã (MST - DF) (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Cunha, S. R. V. (2007). Pedagogia das imagens. In Dornelles, L. V. (Org.). Produzindo pedagogia interculturais na infância (pp. 113-145). Petrópolis, RJ: Vozes.

Elias, N. (1990). O processo civilizador. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, v. 1.

Elias, N., & Scotson, J. (2000). Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Fantin, M. (2006). As crianças e o repertório lúdico contemporâneo: entre as brincadeiras tradicionais e os jogos eletrônicos. Revista Espaço Pedagógico, 13(2), 9-24. Doi: https://doi.org/10.5335/rep.v13i2.7829

Godoi, E. P. (2009). Diversidade do campesinato: expressões e categorias. São Paulo, SP: UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, 22(2), 15-46.

Horn, T. (2010). “É qui eu num sei de nada de nada!” Visualidades sobre a infância rural em artefatos visuais endereçados às crianças. In Martins, R., & Tourinho, I. (Orgs.). Cultura visual e infância: quando as imagens invadem a escola (pp. 191-208). Santa Maria, RS: Ed. da UFSM.

Kellner, D. (2001). A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: EDUSC.

Le Goff, J. (1998). Por amor às cidades: convenções com Jean Lebrun. São Paulo, SP: Fundação Editora da UNESP.

Liberatti, E. (2012). Ara, Chico; Aw, Chuck: uma tradução funcionalista de quadrinhos do Chico Bento (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Lobato, M. (1969). Urupês. São Paulo, SP: Brasiliense.

Mauss, M. (2003). As técnicas do corpo. In Mauss, M. Sociologia e antropologia (pp. 399-422). São Paulo, SP: Cosac Naify.

Mirzoeff, N. (2003). Una introdución a la cultura visual. Barcelona, Espanha: Paodós Ibérica.

Moura, M. M. (1988). Camponeses. São Paulo, SP: Ática.

Novaes, J. V. (2011). Beleza e feiura: corpo feminino e regulação social. In Priore, M. D., & Amantino, M. (Orgs.). História do corpo no Brasil (pp. 477-506). São Paulo, SP: Editora Unesp.

Parrilla, F. A. (2006). Chico Bento, um caipira do campo ou da cidade? A representação do espaço rural e urbano e de seus habitantes na revista em quadrinhos do Chico Bento (1982-2000) (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista, São Paulo.

Saint-Hilaire, A. (1972). Viagem à província de S. Paulo. São Paulo, SP: Livraria Martins/Editora da USP.

Santos, J. D. A. (2013). “O professor é importante, porque é porque se não for aí não é”: escutando as crianças e pensando o professor (Monografia de Graduação). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão.

Santos, J. D. A. (2014). Leituras de nossa vida: as vozes do sertão. Aracaju, SE: Editora J Andrade.

Santos, M. (2000). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Sennett, R. (2008). Carne e pedra. Rio de Janeiro, RJ: BestBolso.

Silva, C. S. (1997). Chico Bento: um herói caipira. A comunicação mediatizada e a mudança do caipira. INTERCOM, 2-15, São Paulo.

Silva, A. L. (2017). Tempo e espaço na pesquisa etnográfica que inclui as crianças. Psicologia & Sociedade, (29), 1-11. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29168810

Simon, R. I. (1995). A pedagogia como uma tecnologia cultural. In Silva, T. (Org.). Alienígenas em sala de aula: uma introdução aos estudos culturais na educação (pp. 61-84). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sousa, M. (2015). Dia de gincana. Chico Bento, São Paulo, (1).

Sousa, M. (2016). Tudo junto e misturado. Chico Bento, São Paulo, (11).

Souza, E. L. (2017). Umbigos enterrados: corpo, pessoa e identidade Capuxu através da infância. Florianópolis, SC: Editora da UFSC.

Souza, E. L. (2015). As crianças e a etnografia: criatividade e imaginação na pesquisa de campo com crianças. Iluminuras, 16(38), 140-164. Doi: https://doi.org/10.22456/1984-1191.57434

Tassinari, A. M. I. (2014). Ajudando e aprendendo: a participação das crianças nas atividades produtivas da agricultura familiar. In Tassinari, A. M. I., Almeida, J. N., & Resendíz, N. R. (Orgs.). Diversidade, educação e infância: reflexões antropológicas (pp. 97-131). Florianópolis, SC: Ed. da UFSC.

Tomás, C. (2007). Paradigmas, imagens e concepções da infância em sociedades mediatizadas. Media & Jornalismo, 11(11), 119-134.

Williams, R. (1989). O campo e a cidade na história e na literatura. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Wrasse, D. L. (2013) O caipira Chico Bento: representações do caipira nas histórias em quadrinhos do Chico Bento de Mauricio de Sousa (1962-2012) (Monografia de Graduação). Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon.

Zerner, H. (2012). O olhar dos artistas. In Corbin, A., Courtine, J., & Vigarello, G. (Orgs.). História do corpo: da revolução à grande guerra (pp. 101-139). Petrópolis, RJ: Vozes.

Zucchetti, D. T., & Bergamaschi, M. A. (2007). Construções sociais da infância e da juventude. Cadernos de Educação, (28), 213-234. Doi: http://dx.doi.org/10.15210/caduc.v0i28.1801

Publicado
2019-05-28
Como Citar
Santos, J. D. A. dos, & Almeida, Éverton V. de. (2019). Chico Bento e as representações sociais da infância. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6446. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6446
Seção
Dossiê Temático: Políticas para a educação e a diversidade sociocultural