Alfabetização do campo no âmbito do PNAIC: demandas e desafios

Resumo

Este estudo discute a alfabetização do campo a partir das proposições formativas do Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). A questão-problema que orienta esta pesquisa é: quais as implicações do PNAIC para a alfabetização do campo? Como processo metodológico, embasados na análise textual discursiva (Moraes & Galiazzi, 2016), realizamos uma pesquisa documental nos cadernos de formação do Programa que tratam da educação do campo, como também realizamos sessões reflexivas com professores alfabetizadores. Como aporte teórico, partimos das discussões sobre formação continuada de professores (Nóvoa, 1992; Imbernón, 2010); alfabetização e letramentos (Kleiman, 1995; Tfouni, 2010); educação do campo (Caldart, 2002; 2011); dentre outros. O estudo leva à compreensão de que a formação continuada poderá constituir-se como um processo relevante quando parte da reflexão colaborativa dos professores sobre a prática alfabetizadora no cotidiano escolar, apontando a necessidade de as práticas alfabetizadoras nas escolas do campo conectarem-se à realidade dos alunos, superando a discrepância entre o proposto e o realizado. Do estudo, infere-se, ainda, que as proposições do PNAIC precisam estabelecer uma relação mais próxima com as práticas alfabetizadoras das escolas do campo, de modo que se aproximem das demandas e especificidades educacionais dos alunos e da comunidade à qual pertencem.

Palavras-chave: PNAIC, Alfabetização do Campo, Alfabetização e Letramentos.

 

Literacy of the countryside within the framework of the PNAIC: demands and challenges

ABSTRACT. This study discusses the literacy of the countryside from formative propositions the National Pact for Literacy in the Right Age (PNAIC). The problem question that guides this research is: what are the implications the PNAIC for the countryside literacy? As a methodological process, based on the discursive textual analysis (Moraes & Galiazzi, 2016), we carried out a documentary research in the training books of the Program that deal with the rural education and held reflective sessions with literacy teachers. As a theoretical contribution, start with the discussions about continuing teacher education (Nóvoa, 1992; Imbernón, 2010); literacy (Kleiman, 1995; Tfouni, 2010); rural education (Caldart, 2002; 2011); among others. The study leads the understanding that continuing education may be relevant process when the collaborative reflection of teachers on the literacy practice in the daily school life, pointing out the need for literacy practices in rural schools connect to the reality of the students, overcoming discrepancy between the proposed and the realized. It is also inferred from the study that the PNAIC propositions need to establish a closer relationship with the literacy practices schools, that they approach the educational demands and specificities of the students and the community to which they belong.

Keywords: PNAIC, Countryside Literacy, Literacy.

 

Alfabetización del campo en el marco del PNAIC: propuestas y dilemas

RESUMEN. Este estudio discute la alfabetización del campo a partir de las proposiciones formativas del Pacto Nacional por Alfabetización en Edad Cierta (PNAIC). La cuestión-problema que orienta esta investigación es: ¿cuáles son las implicaciones del PNAIC para la alfabetización del campo? Como proceso metodológico, basadas en análisis textual discursivo (Moraes & Galiazzi, 2016), realizamos una investigación documental en los cuadernos de formación del Programa que tratan de la educación del campo y realizamos sesiones reflexivas con profesores alfabetizadores. Como aporte teórico, partimos de discusiones sobre formación continuada de profesores (Nóvoa, 1992; Imbernón, 2010); alfabetización y letras (Kleiman, 1995; Tfouni, 2010); educación del campo (Caldart, 2002; 2011); entre otros. El estudio lleva a comprensión que formación continuada puede constituirse proceso relevante cuando parte de reflexión colaborativa de profesores sobre las práctica alfabetizadora en cotidiano escolar, apuntando la necesidad que las prácticas alfabetizadoras en las escuelas del campo se conecten la realidad los alumnos, superando la discrepancia entre lo propuesto y lo realizado. Del estudio, se deduce, que las proposiciones del PNAIC necesitan establecer una relación más cercana con las prácticas alfabetizadoras de escuelas del campo, de modo que se aproximen a las demandas y especificidades educativas de alumnos y de comunidad a que pertenecen.

Palabras clave: PNAIC, Alfabetización del Campo, Alfabetización y Letras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sidmar da Silva Oliveira, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Graduação em Pedagogia e Especialização em Alfabetização e Letramento pela Faculdade do Sertão Baiano (FASB); Especialização em Educação do Campo pela Universidade Cândido Mendes (UCAM). Mestrando pelo Programa Pós-Graduação em Educação e Diversidade, Mestrado Profissional, da Universidade do Estado da Bahia. É professor alfabetizador e, atualmente, exerce a função de gestor escolar. Desenvolve estudos e pesquisas sobre alfabetização, letramentos e formação continuada de professor.

Obdália Santana Ferraz Silva, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Graduação em Pedagogia e em Letras: Habil. Port./Inglês pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB); Especialização em Metodologia do Ensino, Pesquisa e Extensão em Educação pela UNEB; Mestrado em Educação e Contemporaneidade pela UNEB. Doutorado em Educação, pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atualmente, é professora do Curso de Letras/Português, no Departamento de Educação, Campus XIV; professora do PPGEDuC/Campus I-UNEB e do MPED/Campus XIV-UNEB.

Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7118744090669965

Úrsula Cunha Anecleto, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Graduação em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS); Especialização em Metodologia do Ensino, Pesquisa e Extensão em Educação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira (FACINTER); Mestra em Crítica Cultural pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB); Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Atualmente, é professora do Curso de Letras/Português, Campus XIV /UNEB, professora e coordenadora do MPED/ Campus XIV-UNEB.

Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7781613113942036

Referências

Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs). (2011). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Brasil. (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação. Recuperado de: http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento referencia.pdf

Brasil. (2015). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm

Brasil. (2010). Decreto 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de Educação do Campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10199-8-decreto-7352-de4-de-novembro-de-2010/file

Brasil. (2007). Educação do campo: diferenças mudando paradigmas. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de: http://livros01.livrosgratis.com.br/me4531.pdf

Brasil. (2012a). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Caderno de apresentação. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012b). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Currículo no ciclo de alfabetização: perspectivas para uma educação do campo. Unidade 01. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012c). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Planejamento do ensino na perspectiva da diversidade. Unidade 02. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012d). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Apropriação do sistema de escrita alfabética e a consolidação do processo em alfabetização em escolas do campo. Unidade 03. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012e). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Brincando na escola: o lúdico nas escolas do campo. Unidade 04. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012f). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. O trabalho com gêneros textuais em turmas multisseriadas. Unidade 05. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012g). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Alfabetização em foco: projetos didáticos e sequências didáticas em diálogo com os diferentes componentes curriculares. Unidade 06. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012h). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Alfabetização para o campo: respeito aos diferentes percursos de vida. Unidade 07. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2012i). Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Organizando a ação didática em escolas do campo. Unidade 08. Brasília: MEC/SEB.

Brasil. (2002). Resolução CNE/CEB 1, de 3 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13800-rceb001-02-pdf&category_slug=agosto-2013-pdf&Itemid=30192

Brasil. (2001). Parecer nº 36/2001 CNE/CEB. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Recuperado de: http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/mn_parecer_36_de_04_de_dezembro_de_2001.pdf

Caldart, R. S. (2002). Por Uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In kolling, E. J., Cerioli, P. R., & Caldart, R. S. (Orgs.). Por uma educação do campo: identidade e políticas pública (pp. 18-25). Brasília.

Caldart, R. S. (2011). A escola do campo em movimento. In Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo (pp. 17-32). Petrópolis: Vozes.

Craveiro, C. B. A., & Medeiros, S. (Orgs.). (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica: diversidade e inclusão. SEC/MEC: Brasília.

Damiani, M. F. (2008). Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, Curitiba, n. 31, p. 213-230, 2008. Editora UFPR. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a13.pdf

Duarte, A. P. M., & Santos, B. M. C. (2013). A ética e a cidadania no currículo contextualizado para a convivência com o semiárido. In Duarte, A. P. M., & Carneiro, V. M. O. (Orgs.). Contribuições para construção de um currículo contextualizado para o semiárido (pp. 76-96). Feira de Santana: Curviana.

Freire, P. (2013). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2011). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Ibiapina, I. M. L. M. (2008). Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Liber Livros.

Imbernón, F. (2010). Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed.

Kleiman, A. B. (Org.). (1995). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras.

Lemke, J. (2010). Letramento Metamidiático: transformando significados e mídias. Trabalhos em Linguística Aplicada,49(2), 455-479. Campinas. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/tla/v49n2/09.pdf

Minayo, M. C. S. (Org.). (2009). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Molina, M. C., & Sá, L. M. (2012). Escola do Campo. In Caldart, R., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 326-333). Rio de Janeiro, Fiocruz; São Paulo: Expressão Popular.

Monte Santo. (2015). Lei nº 017/2015, 22 de dezembro de 2015. Define as diretrizes básicas da política municipal de educação contextualizada e de Educação do Campo, e dá outras providências. Recuperado de: http://doem.org.br/ba/montesanto?dt=2015-12-22

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2016). Análise textual discursiva. Ijuí: Editora Unijuí.

Nóvoa, A. (1992) Formação de professores e profissão docente. In Nóvoa, A. (Org.). Os professores e a sua formação (pp. 15-34). Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Prensky, M. (2001). Digital natives, digital immigrants. On the Horizon, 9(5), 1-6. Recuperado de: https://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf

Rios, J. A. V. P. (2016). De lavradora a professora primária na roça: narrativas, docência e profissionalização. Revista Brasileira de Educação, 21(65), 325-346. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v21n65/1413-2478-rbedu-21-65-0325.pdf Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782016216518

Rojo, R. (2009). Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial.

Rojo, R. (2010). Alfabetização e letramentos múltiplos: como alfabetizar letrando? In Rangel, E. O., & Rojo, R. H. R. (Orgs.). Língua Portuguesa: ensino fundamental (pp. 15-36). Brasília: MEC.

Rojo, R. (2012). Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In Rojo, R., & Moura, E. (Orgs.). Multiletramentos na escola (pp. 11-31). São Paulo: Parábola Editorial.

Soares, M. (2001). Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica.

Soares, M. (2002). Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educ. Soc., 23(81),143-160. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/es/v23n81/13935 Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002008100008

Soares, M. (2013). Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto.

Street, B. V. (2014). Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola Editorial.

Tfouni. L. V. (2010). Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez.

Publicado
2019-05-28
Como Citar
Oliveira, S. da S., Silva, O. S. F., & Anecleto, Úrsula C. (2019). Alfabetização do campo no âmbito do PNAIC: demandas e desafios. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6419. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6419
Seção
Dossiê Temático: Políticas para a educação e a diversidade sociocultural