A cultura como resistência à estrutura agrária: o caso dos agricultores familiares na colônia do Apiaú-RR

Resumo

O artigo propõe refletir as mudanças sociais, políticas e culturais do campo considerando que o espaço rural apresenta contradição diante das políticas públicas dos últimos anos. O objetivo é destacar a importância da cultura dos agricultores familiares como resistência à estrutura agrária no campo frente às políticas agrárias que se apresentam legitimadoras da expansão do capital. Buscou fundamentar as discussões à luz de autores que discutem a questão agrária, entre eles: Wanderley (2009), Prado Júnior (2000), Ianni (2004) e o conceito de cultura, tais como: Canclini (2015), Thompson (1998), Grignon (2009) e Eagleton (2011), destacando a importância da cultura dos sujeitos do campo em oposição à classe dominante. A metodologia utilizada foi de caráter bibliográfico e empírico através de depoimentos dos agricultores familiares na análise dos resultados. Evidencia que as políticas agrárias buscam a regulação dos sujeitos do campo para se adequar ao modelo latifundiário, enquanto a cultura construída por meio das relações sociais do campo revela contradição na estrutura agrária, tornando uma ferramenta de resistência à concentração fundiária.

Palavras-chave: Políticas Agrárias, Cultura, Agricultura Familiar e Espaço Rural.

 

The culture as resistance to the agricultural structure: The case of the family farmers in the Apiaú-RR Colony

ABSTRACT. The article proposes to reflect on the social, political and cultural changes in the field, considering that the rural area presents a contradiction in the face of public policies in recent years. The objective is to emphasise the importance of the culture of family member as resistance to agricultural structure in the field before the agrarian policies that are legitimating the expansion of capital. Base on the discussion according to authors that debate about the agrarian concern, among them: Wanderley (2009), Prado Júnior (2000), Ianni (2004) and the concept of culture, such as: Canclini (2015), Thompson (1998), Grignon (2009) and Eagleton (2011), highlighting the importance of the culture of the subjects in the field in opposition to the ruling class. The methodology used was bibliographic and empirical, through testimonies of the family farmers in the analysis of the results. It evidences that the agrarian policies seek the regulation of the subjects of the field to adapt to the landowner model, while the culture constructed through the social relations of the field reveals contradiction in the agrarian culture, becoming a tool of resistance to land ownership concentration.

Keywords: Agricultural Policies, Culture, Family farming and Rural Area.

 

La cultura como resistencia a la estructura agraria: el caso de los agricultores familiares en la colonia del Apiaú-RR

RESUMEN. El artículo propone reflejar los cambios sociales, políticos y culturales del campo considerando que el espacio rural presenta contradicción ante las políticas públicas de los últimos años. El objetivo es destacar la importancia de la cultura de los agricultores familiares como resistencia a la estructura agraria en el campo frente a las políticas agrarias que se presentan legitimadoras de la expansión del capital. En el caso de las mujeres, la mayoría de las veces, la mayoría de las veces, la mayoría de las veces, Grignon (2009) y Eagleton (2011), destacando la importancia de la cultura de los sujetos del campo en oposición a la clase dominante. La metodología utilizada fue de carácter bibliográfico y empírico a través de testimonios de los agricultores familiares en el análisis de los resultados. Evidencia que las políticas agrarias buscan la regulación de los sujetos del campo para adecuarse al modelo latifundista, mientras que la cultura construida por medio de las relaciones sociales del campo revela contradicción en la estructura agraria, haciendo una herramienta de resistencia a la concentración agraria.

Palabras clave: Políticas Agrarias, Cultura, Agricultura Familiar y Espacio Rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Selma Suely Baçal de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas (1991), Mestrado (1998) e Doutorado (2002) em Educação, ambos pela Universidade de São Paulo. É professora (Associado 4) da Universidade Federal do Amazonas com atuação no Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFAM, onde orienta discentes de Doutorado e Mestrado. Desenvolve pesquisa no campo das Políticas Públicas e Educação, Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Políticas Públicas e Educação da Universidade Federal do Amazonas, sendo líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Políticas Públicas e Educação na UFAM.

Osmiriz Lima Feitosa, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal de Roraima - UFRR (2005), graduado em História pela Universidade Estadual de Roraima-UERR (2012), Mestre em educação pela Universidade de Alcalá de Henares – UAH/Espanha, Mestre em Sociedade e Fronteiras pela Universidade Federal de Roraima (2015) e doutorando em Educação pela Universidade Federal do Amazonas-UFAM (2017). Membro efetivo do grupo de Políticas Públicas Educacionais da Universidade Federal do Amazonas – GPPE/UFAM (2017). Professor efetivo do curso de Ciências Humanas pela Universidade Estadual de Roraima-UERR.

http://lattes.cnpq.br/6359268555608989

 https://orcid.org/0000-0002-4930-9370

Referências

Becker, B. K. (2009). Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro: Garamond.

Banco Central do Brasil. (2014). Os créditos do PRONAF e a agricultura familiar no Brasil. Brasília-DF: IE.

Brasil. (2003). Ministério da Agricultura e do Abastecimento. PRONAF – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. Brasília, DF.

Canclini, N. G. (2015). Culturas Híbridas: Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Cotrin, I. (2011). Karl Marx: a determinação ontonegativa originária do valor. São Paulo: Almeida.

Dataluta. (2017). Banco de Dados da Luta pela Terra: Relatório 2016. Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária-NERA/UNESP, São Paulo.

Eagleton, T. (2011). A ideia de cultura. São Paulo: editora Unesp.

FAO. (2016). Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. América Latina e o Caribe: Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional.

Feliciano, C. A. (2006). Movimento camponês rebelde: a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Contexto.

Feitosa, O. L. (2015). Os impactos do PRONAF aos agricultores familiares na colônia do Apiaú em Mucajaí-RR (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Roraima, Roraima.

Grignon, C. (2009) Cultura dominante, cultura escolar e multiculturalismo popular. In Silva, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação (pp. 178-189). Petrópolis/RJ: Vozes.

Ianni, O. (2004). Origens Agrárias do Estado Brasileiro. São Paulo: Brasiliense.

Lustosa, M. G. O. P. (2012). Reforma agrária à brasileira: política social e pobreza. São Paulo: Cortez.

Marx, K. (2017). O Capital: crítica da economia política: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo.

Martins, J. S. (2010). O cativeiro da terra. São Paulo: Contexto.

Martins, J. S. (2000). Reforma Agrária: O Impossível Diálogo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Mello, L. G. (2002). Antropologia cultural: iniciação, teoria e temas. Petrópolis: Vozes.

Pereira, J. M. M. (2010). A política de reforma agrária de mercado do Banco Mundial: fundamentos objetivos, contradições e perspectivas. São Paulo: Hucitec.

Prado Júnior, C. (2000). A questão agrária no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

PNAD. (2016). Pesquisa Nacional por Amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015/IBGE. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE.

Santomé, J. T. (2009). As culturas negadas e silenciadas no currículo. In Silva, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação (pp. 159-177). Petrópolis/RJ: Vozes.

Sauer, S., & Pereira, J. M. M. (2006). Capturando a Terra: Banco Mundial, políticas fundiárias e reforma agrária de mercado. São Paulo: Expressão Popular.

Thompson, E. P. (1998). Costumes em Comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras.

Wanderley, M. N. B. (2009). O mundo rural como espaço de vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade, Porto Alegre - RS: Editora da UFRGS.

Publicado
2019-12-11
Como Citar
de Oliveira, S. S. B., & Feitosa, O. L. (2019). A cultura como resistência à estrutura agrária: o caso dos agricultores familiares na colônia do Apiaú-RR. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6389. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6389
Seção
Artigos / Articles / Artículos