Reflexões sobre os egressos do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade de Brasília: os elementos para “Transformar (ação) Pedagógica” na Educação Superior

Resumo

Neste artigo, apontaremos os elementos de transforma(ação) pedagógica que o curso de Licenciatura em Educação do Campo provocou, nos últimos dez anos, na Educação Superior, na Universidade de Brasília. O curso é resultado de uma política pública efetivada a partir de uma experiência piloto implantada nessa Universidade. A pesquisa foi realizada tendo como epistemologia e método o materialismo histórico-dialético. A coleta de dados foi desenvolvida em duas etapas: na primeira, utilizou-se os instrumentos: questionários e a pesquisa documental para traçar o perfil dos egressos; e, na segunda fase, a pesquisa-ação e entrevistas, com estudantes que estavam cursando a pós-graduação, o que resultou no apontamento de elementos de transformação na materialização da realidade pedagógica que vai desde a alteração da estrutura física da universidade para atender os sujeitos camponeses até a epistemologia de trabalho adotada pelos egressos do curso.

Palavras-chave: Educação do Campo, Formação de Professores, Epistemologia da Práxis.

 

Reflections about graduates of the Teaching Degree Course in Rural Education at the University of Brasília: elements for “Pedagogical (Action) Transformation” in Higher Education     

ABSTRACT. This paper addresses the elements of pedagogical (action) transformation brought about by the Teaching Degree Course in Rural Education, in the last ten years, in Higher Education at the University of Brasília. This course is the result of a public policy implemented based on a pilot program carried out in this University. The research was performed adopting historical-dialectical materialism as an epistemology and method. Data collection was developed in two steps: in the first step, the following instruments were used: questionnaires and documentary research to describe the profile of graduates; and, in the second stage, action research and interviews, with students who were attending postgraduate studies, which resulted in notes of transformation elements in the materialization of the pedagogical reality, ranging from changes in the university’s physical structure to serve peasant subjects to the work epistemology adopted by graduates who took the course. 

Keywords: Rural Education, Teacher Training, Praxis Epistemology.

 

Reflexiones acerca de los egresados de la carrera de Licenciatura en Educación del Campo de la Universidad de Brasilia: elementos para “Transformar (acción) Pedagógica” en la Educación Superior

RESUMEN. En este artículo, señalaremos los elementos de transforma(acción) pedagógica que la carrera de Licenciatura en Educación del Campo ha producido, en los últimos diez años, en la Educación Superior, en la Universidad de Brasilia. Esta carrera es el resultado de una política pública efectivada a partir de una experiencia piloto implantada en dicha Universidad. Se hizo la investigación adoptándose como epistemología y método el materialismo histórico-dialéctico. La recolección de datos se desarrolló en dos etapas: en la primera etapa, se utilizaron los siguientes instrumentos: cuestionarios y la investigación documental para trazar el perfil de los egresados; y, en la segunda fase, la investigación-acción y entrevistas, con estudiantes que estaban cursando el posgrado, lo que resultó en el señalamiento de elementos de transformación en la materialización de la realidad pedagógica que va desde el cambio de la estructura física de la universidad  para atender a los sujetos campesinos hasta la epistemología de trabajo adoptada por los egresados de la carrera. 

Palabras clave: Educación del Campo, Formación del Maestros, Epistemología de la Praxis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Mariana Bittencourt Brito, Universidade de Brasília - UnB

Doutorado em Educação (Universidade de Brasília - UnB).  Mestre em Educação (Universidade Federal do Pará - UFPA). Cursa pós-doc na Faculdade de Geografia e Cartografia – UFPA, participa do Grupo de Estudo e Pesquisa  em Educação do Campo e da Amazônia. É Membro da Rede Universitas/Br.  Avaliadora na Revista Roteiro Qualis Capes B1 na Educação. Participou da equipe Nacional da Pesquisa Nacional da Reforma Agrária (II PNERA), financiada pelo IPEA, em 2013-2015. Pertece à Secretaria de Educação do Estado do Pará.

Mônica Castagna Molina, Universidade de Brasília - UnB

Doutorado em Desenvolvimento Sustentável pela UnB (2003) e Pós-Doutorado em Educação pela UniCamp (2013). Professora Associada da Universidade de Brasília (UnB), da Licenciatura em Educação do Campo e do Programa de Pós-Graduação em Educação, onde coordena a Linha de Pesquisa Educação Ambiental e Educação do Campo, desde 2013. Coordenou o PRONERA e o Programa Residência Agrária. Participou da I Pesquisa Nacional da Reforma Agrária (I PNERA) em 2003-2004, e Coordenou a II Pesquisa Nacional da Reforma Agrária (II PNERA), financiada pelo IPEA, em 2013-2015. Coordenou a Pesquisa CAPES/CUBA, no período de 2010-2014.

Referências

Araújo, A. C. (2014). Discurso que constroem a Organicidade na Licenciatura em Educação do Campo (Monografia Especialização). Departamento de Teoria Literária, UnB, Guararema, São Paulo.

Brito, M. M. B. B. (2017). Formação de professores na perspectiva da Epistemologia da Práxis: análise da atuação dos egressos do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade de Brasília (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Ferreira, M. J. L. (2015). Docência na Escola do Campo e Formação de Educadores: Qual o lugar do trabalho coletivo? (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Freitas, L. C. (1995). Crítica da Organização do Trabalho Pedagógico e da Didática (8a ed.). São Paulo: Papirus.

Freitas, L. C. (2010). A Escola Única do Trabalho: explorando os caminhos de sua construção. In Cadernos do ITERRA, 15, Veranópolis - RS.

Freire, P. (2015). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra.

Gramsci, A. (1999). Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Luedke, A. M. S. (2013). A formação da criança e a Ciranda Infantil do MST (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Lamosa, R. A. C. (2014). Estado, Classe social e educação no Brasil: uma análise crítica da hegemonia da associação brasileira do agronegócio (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Lima, P. D. (2015). A Ger’Ação Direta no DF: Reflexões sobre as lutas sociais em Brasília na primeira década século XXI. In Rêses, et al. (Orgs.). Universidade e Movimentos Sociais (pp. 117-148). EDVCERE, Belo Horizonte: Traço Fino.

Marx, K. (1991). A ideologia alemã. São Paulo: Hucitec.

Machado, C. S. (2014). Formação de educadores e a construção da escola do campo: um estudo sobre a prática educativa no Colégio Estadual Vale da Esperança - Formosa/GO (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Michelotti, F. (2014). Resistência camponesa e agroecologia. In Molina, M. C., et al. (Orgs.). Práticas contra hegemônicas na formação dos professores das Ciências Agrárias: reflexões sobre Agroecologia e Educação do Campo nos cursos do Pronera (pp. 60-87). Brasília: NEAD.

Mészáros, I. (2012). A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo.

Molina, M. C., Montenegro, J. L., & Oliveira, L. L. N. A. (2009). Das desigualdades aos direitos: a exigência de políticas afirmativas para a promoção da equidade educacional no campo. Revista Raízes, 29(1), 174–190.

Molina, M. (2014). Análises de práticas contra-hegemônicas na formação de educadores: reflexões a partir do Curso de Licenciatura em Educação do Campo da UnB. In Souza, J. V. (Org.). O método dialético na pesquisa em educação (pp. 263-290). Campinas: Autores Associados.

Molina, M. C., & Hage, S. (2015). Política de formação de educadores do campo no contexto da expansão da educação superior. Revista Educação em Questão. 51(37), 121-146.

Molina, M. C. (Org). (2017). Licenciatura em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: Desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Volume II. Brasília, Editora: UnB.

Molina, M. C., & Hage, S. (2016). Riscos e potencialidades na expansão dos cursos de Licenciatura em Educação do Campo. RBPAE, 32, 805-828. Doi: https://doi.org/10.21573/vol32n32016.68577

Noronha, M. O. (2010). Epistemologia, formação de Educadores e práxis educativa transformadora. Quaestio, Sorocaba, SP, 12, 5-24.

Pistrak, M. M. (2009). A Escola-Comuna. São Paulo: Expressão Popular.

IBGE. (2014). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Recuperado de: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2014/default.shtm

Queiroz, J. B. (2004). Construção das Escolas Famílias Agrícolas no Brasil: ensino médio e educação profissional (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Santos, S. P. (2012). A Concepção de Alternância na Licenciatura em Educação do Campo na Universidade de Brasília (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Santos, E. M. (2016). Praticas pedagógicas de estudos da área de conhecimento de ciências da natureza e matemática do Curso de Licenciatura em Educação do Campo da UnB (Monografia de Especialização). SECADI/MEC, Brasília.

Silva, K.; A. C. P. C. (2011). A formação de professores na perspectiva crítico-emancipadora. Linhas Críticas, 17(32), 13-31.

Sguissardi, W. (2014). Relatório do estudo diagnóstico da política de expansão da (e acesso à) educação superior no Brasil 2002-2012. Piracicaba: UFSCAR.

Souza, A. G. S. (2016). Reflexões sobre uma pratica educativa de ciências da natureza e matemática inspirada na perspectiva Freiriana a partir da realidade do Assentamento Antônio Conselheiro- Tangará da Serra-MT (Monografia de Especialização). SECADI/MEC, Brasília.

Universidade de Brasília. (2009). Projeto Político Pedagógico LEdoC. Faculdade UnB Planaltina. Versão aprovada na 66ª Reunião do Conselho da FUP. Brasília. Recuperado de: http://backfupunb.esy.es/images/stories/media/Apresentao/PPPI__FUP.pdf

Xavier, P. H. (2016). Matrizes formativas e organização pedagógica: contradições na transição da escola rural para escola do campo (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Publicado
2019-05-28
Como Citar
Bittencourt Brito, M. M., & Molina, M. C. (2019). Reflexões sobre os egressos do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade de Brasília: os elementos para “Transformar (ação) Pedagógica” na Educação Superior. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6291. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6291
Seção
Dossiê Temático: Políticas para a educação e a diversidade sociocultural