Reflexões sobre a dimensão do cuidado na busca da justiça curricular das escolas do campo do município de Humaitá (AM)

Resumo

A justiça curricular, com suas  três dimensões - conhecimento, convivência e cuidado -, define que o currículo atenda a todas as necessidades dos envolvidos e os forme como pessoas solidárias e corresponsáveis na construção de uma sociedade mais justa. Assim sendo, o objetivo deste artigo, recorte de uma pesquisa de doutorado, foi identificar, na realidade das escolas do campo do município de Humaitá, Amazonas, os limites e as possibilidades no atendimento às crianças da região, tendo como parâmetro a dimensão do cuidado na busca da justiça curricular. A pesquisa participativa, utilizando-se de pesquisa de campo, análise documental, entrevistas, momentos de reflexão-ação e de escuta sensível (Barbier, 2007), com gestores, professores, merendeiras, pais e alunos, em sua fase exploratória, resultou no levantamento das dificuldades encontradas pelos participantes quanto ao atendimento da Educação do Campo: calendário escolar, transporte e merenda escolar. Os resultados apontam para a grande distância entre o que está escrito e a prática curricular, levando à injustiça curricular. Faz-se necessário, assim, refletir sobre a concepção da justiça curricular, em especial a dimensão do cuidado, pois um ambiente democrático e acolhedor das diferenças ajuda a garantir e a consolidar a formação solidária e modificar o processo de construção do conhecimento.

Palavras-chave: Justiça Curricular, Cuidado, Escolas do Campo.

 

Reflections on the dimension of care in the search for curricular justice in the field schools of the municipality of Humaitá (AM)               

ABSTRACT. Curricular justice, with its three dimensions - knowledge, coexistence and care -, defines that the curriculum meets all the needs of those involved and educates them as supportive and co-responsible people in the construction of a more just society. Therefore, the objective of this paper, a cutoff of a doctoral research, was to identify, in the reality of the field schools of the municipality of Humaitá, Amazonas, the limits and the possibilities in the care of the children of the region, having as parameter the dimension of care in the pursuit of curricular justice. Participatory research, using field research, documentary analysis, interviews, moments of reflection-action and sensitive listening (Barbier, 2007), with managers, teachers, school cooks, parents and students, in their exploratory phase, resulted in the survey of the difficulties encountered by the participants regarding the attendance of Rural Education: school calendar, transportation and school meals. The results point to the great distance between what is written and the curricular practice, leading to curricular injustice. It is therefore necessary to reflect on the conception of curricular justice, especially the dimension of care, since a democratic and welcoming environment of differences helps to guarantee and consolidate solidarity education and modify the process of knowledge construction.

Keywords: Curricular Justice, Care, Rural Schools.

 

Reflexiones sobre la dimensión del cuidado en la búsqueda de la justicia curricular de las escuelas unitarias del municipio de Humaitá (Amazonas, Brasil)

RESUMEN. La justicia curricular, con sus tres dimensiones - conocimiento, convivencia y cuidado -, define que el currículo atienda a todas las necesidades de los involucrados y los forme como personas solidarias y corresponsables en la construcción de una sociedad más equitativa. El objetivo de este artículo, el cual es un recorte de una investigación llevada durante el doctorado, fue identificar, en la realidad de las escuelas unitarias del municipio de Humaitá, Amazonas, los límites y las posibilidades en la atención a los niños de la región, teniendo como parámetro la dimensión del cuidado en la búsqueda de la igualdad curricular. En este estudio se utilizó una metodología investigación participativa, llevada a cabo mediante el trabajo de campo, el análisis documental, las entrevistas, los momentos de reflexión-acción y de la escucha sensible (Barbier, 2007), con gestores, profesores, monitores del comedor escolar, padres y alumnos, en su fase exploratoria, resultó en el levantamiento de las dificultades encontradas por los participantes en cuanto a la atención de la Educación del Campo: calendario escolar, transporte y merienda escolar. Los resultados apuntan a la gran distancia entre lo que está escrito y la práctica curricular, obteniendo como resultado lo que se denomina como injusticia curricular. Este hecho, hace que sea necesario reflexionar sobre la concepción de dicha justicia curricular, en especial la dimensión del cuidado, debido a que un ambiente democrático y acogedor de las diferencias ayuda a garantizar y consolidar la formación solidaria y modificar el proceso de construcción del proceso de enseñanza aprendizaje.

Palabras clave: Justicia Curricular, Cuidado, Escuelas Rurales.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zilda Gláucia Elias Franco, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Doutora Em Educação: Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP por meio da pesquisa " Um olhar sobre as escolas localizadas no campo do Município de Humaitá (Sul do Amazonas): em busca da justiça curricular". Possui Licenciatura em Pedagogia pela Faculdade de Educação de Tangará da Serra (1994). Mestre em Ciências da Educação na Universidad Autónoma de Asunción revalidado pela Universidade Estácio de Sá - RJ (2010), onde realizou pesquisa na área de História de Leitura de professoras alfabetizadoras. Professora do Curso de Pedagogia do Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente - IEAA no Campus Vale do Rio Madeira em Humaitá - AM da Universidade Federal do Amazonas - UFAM.

Referências

Apple, M. W. (1989). Educação e poder. Porto Alegre: Artes Médicas.

Arroyo, M. G. (2006). A escola do campo e a pesquisa do campo: metas. In Molina, M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão (pp. 103-116). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Arroyo, M. G. (2010). Escola: terra de direito. In Rocha, M. I. A., & Hage, S. M. (Orgs.). Escola de direito: reinventando a escola multisseriada (pp. 9-12). Belo Horizonte: Autêntica.

Barbier, R. (2007). A pesquisa-ação. Tradução Lucie Didio. Brasília: Liber Livro.

Connell, R. W. (1995). Justiça, reconhecimento e currículo na educação contemporânea. In da Silva L. H., & de Azevedo, J. C. (Orgs.). Reestruturação curricular: teoria e prática no cotidiano da escola (pp. 11-35). Petrópolis, Vozes.

Estêvão, C. V. (2004). Educação, justiça e democracia: um estudo sobre as geografias da justiça em educação. São Paulo: Cortez.

Franco, Z. G. E. (2018). Um olhar sobre as escolas localizadas no campo do Município de Humaitá (Sul do Amazonas): em busca da justiça curricular (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/PUC_SP-1_73835e36d4cbe3780e9722823bbe19c1

Freire, P. (1983). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Goodson, I. F. (1997). A construção social do currículo. Lisboa: Educa.

Haddad, L. (2006). Políticas integradas de educação e cuidado infantil: desafios, armadilhas e possibilidades. Cadernos de Pesquisa, 36(129), 519-546. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742006000300002

Hage, S. A. M. (2011). Por uma escola do campo de qualidade social: transgredindo o paradigma (multi)seriado de ensino. Em Aberto, 24(85), 97-113.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). Humaitá: histórico. Recuperado em 31 out. 2017 de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/humaita/historico

Lei Nº 688/2015. (2015). Plano Municipal de Educação – PME. Humaitá.

Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm

Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm

Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. (2009). Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11947.htm

Lüdke, M., & André, M. E. D. (1986). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Munarim, A. (2006). Elementos para uma política pública de Educação do Campo. In Molina, M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão (pp. 15-26). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Oliveira, N. B., Santos, A. R., & Oliveira, G. B. (2017, 26-28 abril). O Plano de Ações Articuladas e o Programa Nacional de Alimentação Escolar nas escolas. Artigo In Anais 28º Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Educação - Estado, políticas e gestão da educação: tensões e agendas em (des)construção. João Pessoa, Paraíba.

Ponce, B. J., & Neri, J. F. O. (2015). O currículo escolar em busca da justiça social: a violência doméstica contra criança e o adolescente. Revista e-Curriculum, 13(2), 331-349.

Resolução CNE/CEB Nº 1, de 3 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13800-rceb001-02-pdf&category_slug=agosto-2013-pdf&Itemid=30192

Severino, A. J. (2012). Educação, sujeito e história. São Paulo: Olho d’Água.

Thiollent, M. (2011). Metodologia da pesquisa-ação. 18 ed. São Paulo: Cortez.

Torres Santomé, J. (2013). Currículo escolar e justiça social: o cavalo de Troia da educação. Tradução Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Penso.

Publicado
2019-05-28
Como Citar
Franco, Z. G. E. (2019). Reflexões sobre a dimensão do cuidado na busca da justiça curricular das escolas do campo do município de Humaitá (AM). Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6225. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6225
Seção
Dossiê Temático: Políticas para a educação e a diversidade sociocultural