Gestão democrática na Educação do Campo: a organicidade como possibilidade de protagonismo dos estudantes

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre a gestão democrática na perspectiva da Educação do Campo e sobre o sentido da auto-organização coletiva como princípio educativo na mediação da participação e protagonismo dos estudantes no compartilhamento da gestão no Curso de Licenciatura em Educação do Campo (LECampo) da Universidade Federal de Minas Gerais. A pesquisa de natureza qualitativa contou com fontes bibliográficas, documentos, relatórios e pessoas. Como recursos da imersão, acompanhamento, observação, grupo focal e entrevista narrativa. A base teórica dialogou com a “Pedagogia do Movimento”, Educação do Campo e as Pedagogias Socialistas e da Alternância.  Na sequência, foram descritas e analisadas as estratégias de implementação da organicidade dos estudantes no LECampo como prática e tema de estudo. Concluiu-se que as práticas de organicidade contribuem para uma ampliação da participação dos estudantes na gestão do curso. Contudo, alguns desafios demandaram maior atenção, entre outros, a discussão sobre a concepção de liderança, consolidação da organicidade como prática curricular e autogestão pelos próprios estudantes, para se identificarem como um sujeito coletivo.

Palavras-chave: Organicidade, Protagonismo dos sujeitos, Gestão democrática, Pedagogia da organização coletiva.

 

Democratic management in Rural Education: the organity as a possibility of student’s protagonism

ABSTRACT. This work aims to reflect on the democratic management in the Rural Education perspective and on the meaning of collective self-organization as an educational principle in the mediation of participation and student’s protagonism in the sharing of management in the Course of Degree in Rural Education (LECampo) of the Federal University of Minas Gerais. The qualitative research relied on bibliographical sources, documents, reports and people. As resources of immersion, follow-up, observation, focus group and narrative interview. The theoretical basis spoke with the “Pedagogy of the Movement”, Rural Education and the Socialist and Pedagogy of Alternation. Following, described and analyzed the strategies of implementation of the students' organicity in the LECampo as practice and subject of study. It concluded that the organicity practices contribute to an increase of the participation of the students in the management of the course. However, some challenges demanded more attention, among others, the discussion about the conception of leadership, consolidation of the organicity as curricular practice and self-management by the students themselves, more than identify themselves as a collective subject.

Keywords: Organicity, Subject’s Protagonism, Democratic Management, Pedagogy of Collective Organization.

 

Gestión democrática en la Educación Rural: la organización como posibilidad de protagonismo de los estudiantes

RESUMEN. El presente trabajo tiene por objetivo reflexionar sobre la gestión democrática en la perspectiva de la Educación Rural y el sentido de la auto organización colectiva como principio educativo en la mediación de la participación y protagonismo de los estudiantes en el intercambio de la gestión en el Curso de Licenciatura en Educación Rural (LECampo) de la Universidad Federal de Minas Gerais, Brasil. La investigación de naturaleza cualitativa, contó con fuentes bibliográficas, documentos, informes y personas y los recursos de la inmersión, acompañamiento, observación, grupo focal y entrevista narrativa. La base teórica dialogó con la "Pedagogía del Movimiento", Educación del Campo y las Pedagogías Socialistas y de la Alternancia. En consecuencia, se describieron y analizaron las estrategias de implementación de la organización de los estudiantes en LECampo como práctica y tema de estudio. Se concluyó que las prácticas de organicidad contribuyen a una ampliación de la participación de los estudiantes en la gestión del curso. Sin embargo, algunos desafíos demandaron mayor atención, entre otros, la discusión sobre la concepción de liderazgo, consolidación de la organicidad como práctica curricular y autogestión por los propios estudiantes, para identificarse como un sujeto colectivo. 

Palabras clave: Auto-Organización, Protagonismo de los Sujetos, Gestión Democrática, Pedagogía de la Organización Colectiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Batista Begnami, Associação Mineira das Escolas Famílias Agrícolas - AMEFA

Professor regente de Filosofia, designado pela Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais. Assessor Pedagógico da Associação Mineira das Escolas Família Agrícola – AMEFA. Coordena projeto de implementação de curso de Licenciatura em Educação do Campo na área de Ciências Agrárias no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia – IFSULDEMINAS – Campus Inconfidentes – MG.

Maria Isabel Antunes-Rocha, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Professora Associada da Faculdade de Educação/Universidade Federal de Minas Gerais. Coordenadora do Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada dos Profissionais da Educação Básica (Comfor/UFMG), do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo (NEPCAMPO/FaE-UFMG) e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Representações Sociais - GERES). Membro do Comitê Científico do Grupo de Trabalho Psicologia da Educação/Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação/ANPED. Desenvolve projetos de Ensino, Pesquisa e Extensão com ênfase na Formação e Prática de Educadores, Psicologia Social, Identidade sócioterritorial e  Educação do Campo.

Referências

Abreu, M. G. R. (2017). Pedagogia Socialista: o legado da experiência educacional desenvolvida na Rússia pós-revolucionária. Curitiba, PR: Appris.

Antunes-Rocha, M. I. (2011). Licenciatura em Educação do Campo: histórico e Projeto Político Pedagógico. In Antunes-rocha, M. I., & Martins, A. A. (Orgs.). Educação do Campo: Desafios para a formação de Professores (pp. 39-55). Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Antunes-Rocha, M. I., Diniz, L. S., & Oliveira, A. M. (2011). Percurso formativo da Turma Dom José Mauro: segunda turma do curso de Licenciatura em Educação do Campo da FAE-UFMG. In Molina, M. C., & Sá, L. M. (Orgs.). Licenciatura em Educação do Campo: registros e reflexões das experiências-piloto (UFMG; UnB; UFBA e UFS) (pp. 19-34). Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Antunes-Rocha, M. I., Martins, A. A., & Machado, M. Z. (2012). Tempo e espaços formativos no Curso de Licenciatura em Educação do Campo na UFMG. In Antunes-Rocha, M. I., Martins, M. F. A., & Martins, A. A. (Orgs.). Territórios educativos na Educação do Campo: Escola, Comunidades e Movimentos Sociais (pp. 199-210). Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Arroyo, M., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). (2004). Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Begnami, J. B., & De Burghgrave, T. (2012). Posfácio de atualização. In Nosella, P. Origens da Pedagogia da Alternância no Brasil (pp. 251-274). Vitória, ES: EDUFES.

Brasil, Ministério da Educação, Edital de convocação das Instituições Públicas de Educação Superior – IES públicas – para apresentarem projetos de Cursos de Licenciatura em Educação do Campo. (2012). Edital nº 02 de 31 de agosto de 2012. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/index

Brasil. (2010). Decreto nº 7.352, de 4 de dezembro de 2010. Dispõe sobre a Política Nacional de Educação do Campo e o Pronera. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7352

Brasil, Ministério da Educação, Chamada pública para seleção de projetos de instituições públicas de Ensino Superior para o PROCAMPO. (2008). Edital nº 2, de 23 de abril de 2008. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/edital_procampo.pdf

Brasil. (2007). Constituição Federal. Brasília, DF: INEP/MEC.

Brasil, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade e Inclusão. (2006). Programa Nacional de Apoio à Formação de Educadores do Campo (PROCAMPO). Recuperado de:

http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/edital_procampo.pdf

Brasil. Casa Civil. (2006). Lei n. 11.326 de 24 de julho de 2006. Diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Recuperado de:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm

Brasil. (1996). Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional. 9304/96. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações.

Bordenave, J. (1994). O que é participação. São Paulo, SP: Brasiliense.

Caldart, R. S. (2010). Educação do Campo: notas para uma análise de percurso. In Molina M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa II: questões para reflexão (pp. 103-126). Brasília, DF: MDA/MEC.

Caldart, R. S. (2004). Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Cury, C. R. J. (2002). Gestão Democrática de Educação: exigências e desafios. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPAE, 18(2), 163-174 Doi: https://doi.org/10.21573/vol18n22002.25486

Documento II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo. (2004). Inter-Ação: Revista da Faculdade de Educação UFG, 29(2), 283-293. Recuperado de: https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=2ahUKEwjgmbX7rZbkAhWaJrkGHQ6bBe4QFjAAegQIABAC&url=https%3A%2F%2Frevistas.ufg.br%2Finteracao%2Farticle%2FviewFile%2F1418%2F1432&usg=AOvVaw2WmvQmugNOKR0VO2MLlSjn

Gimonet, J. C. (2007). Praticar e compreender a Pedagogia da Alternância dos CEFFAs. Tradução de Thierry De Burghgrave. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gimonet, J. C. (1999). Nascimento e desenvolvimento de um movimento educativo: As Casas Familiares Rurais de Educação e Orientação. In Anais do 1º Seminário Internacional, Alternância e Desenvolvimento (pp. 39-48). Brasília, DF: UNEFAB, Dupligráfica.

Horácio, A. S. (2015). Licenciatura em Educação do Campo e Movimentos Sociais: análise do curso da Universidade Federal de Minas Gerais (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Martins, F. J. (2009). Gestão Democrática na Escola do Campo. Recuperado de:

http://www.anpae.org.br/congressos_antigos/simposio2009/114.pdf

Molina M. C., & Hage, S. M. (2016). Riscos e potencialidades na expansão dos cursos de Licenciatura em Educação do Campo. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPAE, 32(3), 805-828. Doi: https://doi.org/10.21573/vol32n32016.68577

Molina, M. C., & Antunes-Rocha, M. I. (2014). Educação do Campo: história, práticas e desafios no âmbito das políticas de formação de educadores – reflexões sobre o PRONERA e o PROCAMPO. Revista Reflexão e Ação, 22(2), 220-253.

Molina, M. C. (2010). Reflexões sobre o significado do protagonismo dos Movimentos Sociais na construção de Políticas Públicas de Educação do Campo. In Molina, M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão II (pp. 137-149). Brasília, DF: MDA/MEC.

Molina, M. C. (2009). Cultivando princípios, conceitos e práticas. Presença Pedagógica, 15(88), 22-36.

Pistrak, M. M. (2009). (Org.) Escola-Comuna. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Pistrak, M. M. (2000). Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Roseno, S. M. (2010). O Curso de Licenciatura em Educação do Campo: Pedagogia da Terra e a Especificidade da Formação dos Educadores e Educadoras do Campo de Minas Gerais (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Telau, R. (2015). Ensinar – incentivar – mediar: dilemas nas formas de sentir, pensar e agir dos educadores do CEFFAs sobre os processos de ensino/aprendizagem (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Universidade Federal de Minas Gerais. (2005). Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. Belo Horizonte, MG: Faculdade de Educação/UFMG.

Universidade Federal de Minas Gerais. (2008). Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. Belo Horizonte, MG: Faculdade de Educação/UFMG.

Universidade Federal de Minas Gerais. (2009). Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. Belo Horizonte, MG: Faculdade de Educação/UFMG.

Publicado
2019-09-02
Como Citar
Begnami, J. B., & Antunes-Rocha, M. I. (2019). Gestão democrática na Educação do Campo: a organicidade como possibilidade de protagonismo dos estudantes. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6139. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6139
Seção
Artigos / Articles / Artículos

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)