Contextos e linguagens na Educação do Campo: uma discussão sobre a formação docente em matemática

  • Valdomiro Pinheiro Teixeira Junior Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Resumo

A Educação do Campo tem como princípios a valorização do contexto campesino e a consequente defesa da contextualização do conteúdo a partir de contextos locais, mas também defende o ensino do conhecimento formal. Entretanto, no ensino de matemática percebe-se problemas para satisfazer estas condições, como relacionar os contextos locais com a rigidez do conteúdo matemático formal. Nesse sentido, este artigo apresenta reflexões a partir de declarações de estudantes do Curso de Educação do Campo, na habilitação em Matemática, sobre o que pensam destes contextos (contexto do campo e a matemática formal) e as linguagens praticadas em atividades educacionais, como os usos de algoritmos e problemas contextualizados. Utiliza-se a filosofia da linguagem de Wittgenstein (1999) e os conceitos de jogos de linguagem e semelhanças de família para analisar as falas dos alunos. O discurso de defesa da contextualização a partir do cotidiano se mostra presente nas falas dos alunos, bem como defendem a importância do conteúdo formal. Os alunos ainda demonstram preferir o uso de algoritmos a problemas contextualizados.

Palavras-chave: Realidade Campesina, Conteúdo Matemático, Jogos de Linguagem, Formação Docente, Educação do Campo.

 

Contexts and languages in Rural Education: a discussion on teacher education in mathematics                          

ABSTRACT. The Peasant Education is based on the valorization of the peasant context and consequent defense of the contextualization of the content from local contexts, also defends the teaching of the formal knowledge. However, in mathematics teaching problems are perceived to satisfy these conditions, such as relating local contexts to the rigidity of formal mathematical content. In this sense, this article presents reflections from the statements of students of the Peasant Education Course, in the habilitation in Mathematics, about what they think of these contexts (Peasant context and formal mathematics) and the languages practiced in educational activities, such as uses of algorithms and contextualized problems. Wittgenstein's (1999) philosophy of language and the concepts of language games and family resemblances are used to analyze students' speeches. The discourse of the defense of the contextualization from the daily life is shown present in the speeches of the students, as well as defend the importance of the formal content. The students still demonstrate to prefer the use of algorithms to contextualized problems.

Keywords: Peasant Reality, Mathematical Content, Language Games, Teacher Education, Peasant Education.

 

Contextos y lenguajes en la Educación Rural: una discusión sobre la formación docente en matemáticas

RESUMEN. La Educación Rural tiene como principios la valorización del contexto campesino y la consecuente defensa de la contextualización del contenido a partir de contextos locales, y también defiende la enseñanza del conocimiento formal. Sin embargo, en la enseñanza de las matemáticas se percibe problemas para satisfacer estas condiciones, cómo relacionar los contextos locales con la rigidez del contenido matemático formal. En este sentido, este artículo presenta reflexiones a partir de declaraciones de estudiantes del Curso de Educación Rural, en la habilitación en Matemáticas, sobre lo que piensan de estos contextos (contexto del campo y las matemáticas formales) y los lenguajes practicados en actividades educativas, como los usos de algoritmos y problemas contextualizados. Se utiliza la filosofía del lenguaje de Wittgenstein (1999) y los conceptos de juegos de lenguaje y semejanzas de familia para analizar las palabras de los alumnos. El discurso de defensa de la contextualización a partir de lo cotidiano se muestra presente en las palabras de los alumnos, así como defienden la importancia del contenido formal. Los alumnos todavía demuestran preferir el uso de algoritmos a problemas contextualizados.

Palabras clave: Realidad Campesina, Contenido Matemático, Juegos de Lenguaje, Formación Docente, Educación Rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdomiro Pinheiro Teixeira Junior, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Possui graduação em licenciatura plena em matemática pela UEPA (2006), graduação em arquitetura e urbanismo pela UFPA (2012), mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas pela UFPA (2012) e doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas pela UFPA (2016). Professor pela SEDUC/PA de 2008 a 2015. Atualmente é professor adjunto da UNIFESSPA.

Referências

Arroyo, M., Caldart, R., & Molina, M. C. (Orgs.). (2004). Por uma Educação do Campo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Arroyo, M. (2007). Políticas de formação de educadores(as) do campo. Cad. Cedes, 27(72), 157-176. https://doi.org/10.1590/s0101-32622007000200004

Barbosa, L., Carvalho, D., & Elias, H. (2014). As relações estabelecidas entre o cotidiano camponês e a aula de matemática: análise da produção científica em 10 edições do Encontro Nacional de Educação Matemática. Em Teia, 5(1), 1-21.

Bizerril, M. (2014). Oportunidades e desafios para a Educação do Campo a partir do “Seminário de formação para o trabalho interdisciplinar na área de Ciências da Natureza e Matemática nas escolas do campo”. In Molina, M. (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar (pp. 111-125). Brasília, MA: MDA.

Resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE)/Câmara de Educação Básica (CEB) 1, (3 de abril de 2002). Institui diretrizes operacionais para a Educação Básica nas escolas do campo. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB012002.pdf

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de: http://www.senado.gov.br/sf/legislacao

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais (5ª a 8ª Séries). Matemática. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF.

Brasil. (2019). Censo Escolar – Notas estatísticas. Brasília, DF: Inep. Recuperado de: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf

Brick, E., Pernambuco, M., Silva, A., & Delizoicov, D. (2014). Paulo Freire: interfaces entre o Ensino de Ciências Naturais e Educação do Campo. In Molina, M. (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar (pp. 15-54). Brasília: MDA.

Caldart, R. (2004). Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Carmo, H., & Ferreira, M. (1998). Metodologia da Investigação. Guia para auto-aprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta.

Duarte, C. (2009). A “realidade” nas tramas discursivas da Educação Matemática escolar (Tese de Doutorado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

Freire, P. (1970). Pedagogia do Oprimido. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Freire, P. (1988). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo, SP: Cortez.

Freire, P. (1999). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, SP: Paz e Terra.

Giardinetto, J. (1999). Matemática escolar e matemática da vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 1999.

Maioli, M. (2012). A contextualização na matemática do Ensino Médio (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Molina, M. C. (2006). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Molina, M. C. (Org.). (2014). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília, DF: MDA.

Reis, A., & Nehring, C. (2017). A contextualização no ensino de matemática: concepções e práticas. Educação Matemática Pesquisa, 19(1), 339-364. https://doi.org/10.23925/1983-3156.2017v19i2p339-364

Santos, R. (2014). Reflexões sobre o ensino de Matemática na Licenciatura em Educação do Campo da Universidade de Brasília. In Molina, M. C. (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar (pp. 243-257). Brasília, DF: MDA.

Silva, P., & Silveira, M. (2013). Matemáticas ou diferentes usos da matemática? Reflexões a partir da filosofia de Wittgenstein. Acta Scientiarum. Education. 35(1), 125-132. https://doi.org/10.4025/actascieduc.v35i1.17806

Teixeira Junior, V. P. (2018). Contextualização e valorização em Wittgenstein: discussões na relação entre educação matemática e educação do campo. Acta Scientarium. Education. 40(3), 1-11. https://doi.org/10.4025/actascieduc.v40i3.37801

Wittgenstein, L. (1999). Investigações filosóficas. São Paulo, SP: Nova cultural.

Wittgenstein, L. (2003). Gramática filosófica. São Paulo, SP: Loyola.

Publicado
2019-10-29
Como Citar
Teixeira Junior, V. P. (2019). Contextos e linguagens na Educação do Campo: uma discussão sobre a formação docente em matemática. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6123. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6123
Seção
Artigos / Articles / Artículos