Egressos de uma escola de assentamento: onde estão os filhos da Educação do Campo?

  • Rosimar Serena Siqueira Esquinsani Universidade de Passo Fundo - UPF
  • Munir José Lauer Universidade de Passo Fundo - UPF
  • Carmem Lúcia Albrecht da Silveira Universidade de Passo Fundo - UPF

Resumo

O texto – e a pesquisa que o originou – partem de questões aparentemente simples: onde estão os filhos da Educação do Campo? Para onde vão nossos esforços pedagógicos, políticos e sociais quando nos dedicamos a uma educação do campo, no campo? Partindo da questão desafiadora, o texto recompõe informações sobre egressos da Escola Estadual de Ensino Fundamental 29 de Outubro, Assentamento 16 de Março, no município de Pontão, norte do Rio Grande do Sul, no recorte temporal de 1992 a 2014, totalizando 413 sujeitos pesquisados.  O texto localiza a escola referida, enfatizando seus quatro períodos históricos e apresentando dados acerca dos egressos, obtidos mediante o procedimento de Grupos Focais, partindo de duas categorias-chave: escolaridade e profissão. Os dados apontam para perspectivas animadoras: com raras exceções, a sucessão familiar nas propriedades rurais está ocorrendo. Os jovens agricultores, na sua ampla maioria com ensino médio, estão sustentando a agricultura familiar, com ações em produção agropecuária e diversificação de culturas, garantindo a segunda geração de agricultores no campo. Conclui que o êxito profissional e formativo dos filhos da Educação do Campo também representa o êxito do projeto e a pertinência de sua existência como contraponto e alternativa ao modelo de escolarização dominante.

Palavras-chave: Escola do Campo, Assentamento, Egressos.

 

Egress from a settlement school: where are the children of Rural Education?                        

ABSTRACT. The text - and the research that originated it - starts from an apparently simple question: Where are the children of Rural Education? Where do our pedagogical, political and social efforts go when we devote ourselves to an education in the countryside? Based on the challenging question, the text recomposes information about the departed from the State School of Primary Education October 29, Settlement March 16, in the municipality of Pontão, north of Rio Grande do Sul, in the time cut from 1992 to 2014, totaling 413 subjects surveyed. The text locates the School October 29, emphasizing its four historical periods and presenting data about the graduates, obtained through the Focal Groups procedure, starting from two key categories: schooling and profession. The data point to encouraging prospects: with rare exceptions, family succession on farms is occurring. Young farmers, in their large majority with secondary education, are supporting family farming, with actions for agricultural production and crop diversification, guaranteeing the second generation of farmers in the field. It concludes that the professional and formative success of the children of rural education also represents the success of the project and the pertinence of its existence as a counterpoint and alternative to the dominant schooling model.

Keywords: School of the Countryside, Settlement, Egress.

 

Egresados de una escuela de asentamiento: ¿dónde están los hijos de la Educación Rural?

RESUMEN. El texto - y la investigación que lo originó - parten de una pregunta aparentemente simple: ¿dónde están los hijos de la Educación Rural? ¿A dónde van nuestros esfuerzos pedagógicos, políticos y sociales cuando nos dedicamos a una educación del campo, en el campo? En el marco de la pregunta desafiante, el texto recompone informaciones sobre egresados de la Escuela Estatal de Enseñanza Fundamental 29 de Octubre, Asentamiento 16 de Marzo, en el municipio de Pontão, norte de Rio Grande do Sul, en el recorte temporal de 1992 a 2014, totalizando 413 sujetos investigados. El texto localiza la Escuela 29 de Octubre, enfatizando sus cuatro períodos históricos y presentando datos sobre los egresados, obtenidos mediante el procedimiento de Grupos Focales, partiendo de dos categorías clave: escolaridad y profesión. Los datos apuntan a perspectivas alentadoras: con raras excepciones, la sucesión familiar en las propiedades rurales está ocurriendo. Los jóvenes agricultores, en su amplia mayoría con enseñanza media, están sosteniendo la agricultura familiar, con acciones producción agropecuaria y diversificación de cultivos, garantizando la segunda generación de agricultores en el campo. Concluye que el éxito profesional y formativo de los hijos de la educación del campo también representa el éxito del proyecto y la pertinencia de su existencia como contrapunto y alternativa al modelo de escolarización dominante.

Palabras clave: Escuela del Campo, Asentamiento, Egresados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosimar Serena Siqueira Esquinsani, Universidade de Passo Fundo - UPF

Possui graduação em História pela Universidade de Passo Fundo (1993); graduação em Pedagogia pela Faculdade Anglo-Americano de Chapecó/SC (2016); especialização em História Regional pela Universidade de Passo Fundo (1997); aperfeiçoamento em Epistemologia, Pesquisa e Ciências da Educação pela Universidade de Passo Fundo (1998); aperfeiçoamento em Práticas Educacionais Inclusivas, pela Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho / UNESP (2012); Mestrado em Educação pela Universidade de Passo Fundo (2000); Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos / UNISINOS (2004) e Pós-Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2010). É professora Titular II da Universidade de Passo Fundo, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo. É pesquisadora e Bolsista Produtividade (nível 2) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq.  Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Gestão da Educação, Administração Educacional e Políticas Educacionais, pesquisando os seguintes temas: administração de redes, sistemas de ensino e unidades educativas, políticas educacionais, formação de professores e história da educação.

Munir José Lauer, Universidade de Passo Fundo - UPF

Possui graduação em Educação Física (licenciatura e bacharelado) pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ (2006). Especialização em Educação Física Escolar (2008), Especialização em Políticas e Gestão da Educação (2015), e Mestrado em Educação (2017), pela Universidade de Passo Fundo - UPF. Doutorando em Educação no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo - UPF.

Carmem Lúcia Albrecht da Silveira, Universidade de Passo Fundo - UPF

Possui graduação em Pedagogia pela UPF (1984), Especialização em Metodologia do ensino de 1º e 2º Graus (1997), Especialização em Supervisão Escolar (1998) pela UPF e MESTRADO EM EDUCAÇÃO pela UPF (2015). Atualmente é professora da Prefeitura Municipal de Carazinho. Atuou como professora substituta da UFFS e atuou como professora do INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA, polo de Carazinho.

Referências

Alves, G. L. (2009). Educação no campo: recortes no tempo e no espaço. Coleção educação contemporânea. Campinas, SP: Autores Associados.

Bonamigo, C. (2007). Pedagogias que brotam da terra: um estudo sobre práticas educativas do campo (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Brasil. (2002). Resolução CNE/CEB n. 1, de 3 de abril de 2002: institui diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo. Recuperado de: http:// www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/documentos/.../resolucao_ceb_1-2002.pdf

Brasil. (2010). Decreto 7.352/2010. Dispõe sobre a política de Educação do Campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm

Bomfim. L. A. (2009) Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis. Revista de Saúde Coletiva, 19(3), 777-796.

Caldart, R. S. (2002). Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília: DF.

Caldart, R. S. (2003). A Escola do Campo em Movimento. Currículo sem Fronteiras, 3(1), 60-81.

Caldart, R. S. (2004). Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Caldart, R. S. (2012). Educação do Campo. In Caldart, R., Pereira, I., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 259-267). São Paulo, Rio de Janeiro – Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio: Expressão Popular.

Molina, M. C., & Freitas, H. C. A. (2011). Avanços e desafios na construção da Educação do Campo. Em Aberto, 24(85), 17-31.

Molina, M. C., & Sá, L. (2012). Escola do Campo. In Caldart, R., Pereira, I., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 326 - 333). São Paulo, Rio de Janeiro – Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio: Expressão Popular.

Rio Grande do Sul (2017). Secretaria de Educação. Departamento de Planejamento. Censo Escolar da Educação Básica – 2017. Recuperado de: http://servicos.educacao.rs.gov.br/pse/srv/estatisticas.jsp?ACAO=acao1

Rio Grande do Sul (2016). Secretaria de Educação. Departamento Pedagógico / SEDUC. Reestruturação curricular Ensino Fundamental e Ensino Médio - RS 2016. Recuperado de: http://www.educacao.rs.gov.br/upload/arquivos/201702/09164831-reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-orientador.pdf

Publicado
2019-10-29
Como Citar
Esquinsani, R. S. S., Lauer, M. J., & da Silveira, C. L. A. (2019). Egressos de uma escola de assentamento: onde estão os filhos da Educação do Campo?. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e6042. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e6042
Seção
Artigos / Articles / Artículos