Educação Especial no campo: uma análise do perfil e das condições de trabalho dos docentes no Piemonte da Diamantina - Bahia

Resumo

O objetivo deste artigo foi descrever o perfil e as condições de trabalho dos professores de Educação Especial que atuam nas escolas do campo dos municípios integrantes da região do Piemonte da Diamantina, estado da Bahia. Foi aplicado um questionário com perguntas fechadas a 11 docentes que atuam com Educação Especial nas escolas do campo nos municípios da região do Piemonte da Diamantina. Foi possível observar que, de forma geral o perfil dos professores é: mulheres, majoritariamente autodeclaradas pardas, a maioria entre 36 a 50 anos de idade; são casados ou vivem com companheiro(a); tem na maioria 2 filhos; com salário entre 1 a 5 mil reais e estão satisfeitas com a remuneração; trabalham no máximo em duas escolas; são Licenciadas em Pedagogia e Especialização, cursados na maior parte em Instituições privadas; possuem na maioria acima de 11 anos de tempo de atuação na educação mas menos de 5 anos de trabalho na Educação Especial; são em sua maioria concursados; na maioria filiados ao sindicato da categoria e consideram sua atuação satisfatória; de forma geral estão satisfeitos com a carreira docente.

Palavras-chave: Trabalho Docente, Educação Especial, Educação do Campo.

 

Special Education in the countryside: an analysis of profile and working conditions of teachers in the Piemonte Diamantina - Bahia                                                                                     

ABSTRACT. The objective of this article was to describe the profile and the working conditions of the Special Education teachers who work in the rural schools of the municipalities of the Piedmont region of Diamantina, state of Bahia. A questionnaire with closed questions was applied to 11 teachers who work with Special Education in rural schools in the municipalities of the Piedmont region of Diamantina. It was possible to observe that, in general, the profile of the teachers is: women, mostly self-declared browns, most between 36 and 50 years of age; are married or live with partner; has mostly 2 children; with salary between 1 and 5 thousand reais and are satisfied with the remuneration; work in two schools at most; are Licensed in Pedagogy and Specialization, mostly attended by private institutions; most of them have more than 11 years of time in education but less than 5 years of work in Special Education; are mostly insolvent; most affiliated to the union of the category and consider their performance satisfactory; are generally satisfied with the teaching career.

Keywords: Teaching Work, Special Education, Rural Education.

 

Educación Especial en el campo: un análisis del perfil y de las condiciones de trabajo de los docentes en el Piemonte Diamantina - Bahia

RESUMEN. El objetivo de este artículo fue describir el perfil y las condiciones de trabajo de los profesores de Educación Especial que actúan en las escuelas del campo de los municipios integrantes de la región del Piamonte de Diamantina, estado de Bahía. Se aplicó un cuestionario con preguntas cerradas a 11 docentes que actúan con Educación Especial en las escuelas del campo en los municipios de la región del Piamonte de Diamantina. Es posible observar que, de forma general el perfil de los profesores es: mujeres, mayoritariamente autodeclaradas pardas, la mayoría entre 36 a 50 años de edad; son casados ​​o viven con un compañero (a); tiene en su mayoría 2 hijos; con salario entre 1 a 5 mil reais y están satisfechas con la remuneración; trabajan en un máximo de dos escuelas; son Licenciadas en Pedagogía y Especialización, cursados sobre todo en Instituciones privadas; en la mayoría por encima de 11 años de tiempo de actuación en la educación pero menos de 5 años de trabajo en la Educación Especial; son en su mayoría concursados; en la mayoría afiliados al sindicato de la categoría y consideran su actuación satisfactoria; de forma general están satisfechos con la carrera docente.

Palabras clave: Trabajo Docente, Educación Especial, Educación del Campo.

Biografia do Autor

Osni Oliveira Noberto da Silva, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Mestre e Doutorando em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Departamento de Ciências Humanas, Campus IV, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Líder do Grupo de estudos, pesquisa e extensão em Educação Especial e Educação Física adaptada (GEPEFA) e integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Theresinha Guimarães Miranda, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, com pós-doutorado pela Umeå University, Suécia. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Miguel Angel Garcia Bordas, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutor em Filosofia pela Universidad Complutense de Madrid, com pós-doutorado pela Universitat Autònoma de Barcelona, Espanha. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Referências

Alves, N. N. L. (2012). Perfil e desenvolvimento profissional docente na educação básica em Goiás. In Oliveira, J. F., Oliveira, D. A., & Vieira, L. F. (Orgs.) Trabalho docente na educação básica em Goiás (pp. 73-96). Belo Horizonte, MG: Fino Traço.

Araújo. C. M. (2017). Condições de trabalho docente na educação básica: um estudo sobre a rede pública (zona urbana e rural) na cidade de Serrolândia-Bahia. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade do Estado da Bahia, Bahia.

Arroyo. M. G. (2011). A educação básica e o movimento social do campo. In Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo (pp. 67-86). Petrópolis, RJ: Vozes.

Bitencourt, L., & Zart, L. L. (2017). Os educadores na educação do campo e as suas condições de trabalho docente. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 2(1), 252-274. Doi: https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n1p252

Braga, M. M., & Paternez, A. C. A. C. (2011). Avaliação do consumo alimentar de professores de uma Universidade particular da cidade de São Paulo. Rev. Simbio-Logias, 4(6), 84-97.

Brasil. (2009). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Sinopse do professor 2009. Brasília: INEP.

Brasil. (2008). Política Nacional da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP.

Borges, L. O., Alves Filho, A., Costa, M. T. P., & Falcão, J. T. R. (2015). Condições de trabalho. In Bendassolli, P. F., & Borges-Andrade, J. E. (Orgs.). Dicionário Brasileiro de Psicologia do Trabalho e das Organizações (pp. 227-236). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Camargo, S. A. F., & Rosa, S. V. L. (2018). Internacionalização das políticas educacionais, trabalho docente e precarização do ensino. In Libâneo, J. C., & Freitas, R. A. M. M. (Orgs.). Políticas educacionais neoliberais e escola pública: uma qualidade restrita de educação escolar (pp. 279-299). Goiânia: Editora Espaço Acadêmico.

Carvalho, A. L. O. F. C. (2016). Educação inclusiva e seus impactos nas práticas pedagógicas na rede municipal de Jacobina/BA: estudo colaborativo na escola professor Carlos Gomes da Silva. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Estado da Bahia, Bahia.

Carneiro, T. M. (2012). Condições de trabalho em enfermagem na unidade de terapia intensiva. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal Bahia, Bahia.

Deimling, N. N. M. (2013). A Educação Especial nos cursos de Pedagogia: considerações sobre a formação de professores para a inclusão escolar. Educação Unisinos, 17(3), 238-249.

Denning, S. (2011). The Ten Happiest Jobs. forbes.com. Recuperado em 15 de dezembro, 2017, de https://www.forbes.com/pictures/56d5f31ae4b0c144a7f6952b/the-10-happiest-and-unhap/#1526b72a582b

Diniz, E. C. C., & Rocha, S. A. (2014). Formação sindical e profissionalidade docente no magistério estadual de Mato Grosso-Brasil. In Lopes, A., Cavalcante, M. A. S., Oliveira, D. A., & Hypólito, A. M. (Orgs.). Trabalho docente e formação: políticas, práticas e investigação: pontes para a mudança (pp. 2199-2210). Porto: CIEE.

Duarte, A. (2011). Políticas educacionais e o trabalho docente na atualidade: tendências e contradições. In Oliveira, D. A., & Duarte, A. (Org.). Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. (pp. 161-182). Belo Horizonte: Fino Traço.

Farias Junior, R. S. (2014). A precarização do trabalho docente: reflexos da mundialização do capital em Moju. In Lopes, A., Cavalcante, M. A. S., Oliveira, D. A., & Hypólito, A. M. (Orgs.). Trabalho docente e formação: políticas, práticas e investigação: pontes para a mudança. (pp. 116-125). Porto: CIEE.

Ferro, F. F. (2012). Instrumentos para medir a qualidade de vida e a ESF: uma revisão de literatura. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, G. B. B. (2009). Programa Escola Ativa: educação do campo e trabalho docente. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Gouveia, A. B., Cruz, R. E., Oliveira, J. F., & Camargo, R. B. (2006). Condições de trabalho docente, ensino de qualidade e custo-aluno-ano. RBPAE, 22(2), 253-276.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). Cidades. Rio de Janeiro: IBGE.

Jacomini, M. A., & Penna, M. G. O. (2016). Carreira docente e valorização do magistério: condições de trabalho e desenvolvimento profissional. Proposições, 27(2), 177-202. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2015-0022

Kapitano-A-Samba, K. K., & Heinzen, V. A. (2014). Formação de professores em tecnologia assistiva para atendimento educacional especializado em salas de recursos multifuncionais: inclusão ou exclusão? Juara, 1(1), 47-76.

Motta, F. V. (2009) Avaliação ergonômica de postos de trabalho no setor de pré-impressão de uma indústria gráfica. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais.

Oliveira, D. A. (2004). A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc. 25(89), 1127-1144.

Palma, D. T. (2016). Escolas do campo e atendimento educacional especializado em sala de recursos multifuncional. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo.

Pimenta, A. R., Carvalho, R. A., & Leite, R. F. O. (2015). Uma crítica à formação e precarização do trabalho docente: análise da realidade das escolas rurais na região de Arraias-TO no sudoeste do Tocantins-Brasil. In Anais do III Seminário Nacional de Estudos e pesquisas sobre Educação no Campo (pp. 01-17). São Carlos: UFSCAR.

Rabelo, L. C. C., & Caiado, K. R. M. (2014). Educação especial em escolas do campo: um estudo sobre o sistema municipal de ensino de Marabá, PA. Revista Cocar, 8(5), 63-71.

Ramos, M. N., Moreira, T. M., & Santos, C. A. (Orgs.). (2004). Referências para uma política nacional de educação do campo: caderno de subsídios. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Grupo Permanente de Trabalho de Educação do Campo.

Santos. J. P. S. (2017). Condições de trabalho docente na educação básica: um estudo sobre a rede pública municipal da cidade de Jacobina-Bahia. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade do Estado da Bahia, Bahia.

Siade, A. R. V., & Ximenes-Rocha, S. H. (2018). Escola do campo e precarização do trabalho docente. RTPS – Rev. Trabalho, Política e Sociedade, 04(3), 107-124.

Silva, R., & Souza Sena, I. P. (2016). Educação do campo, experiência e formação docente numa perspectiva política emancipadora. Revista Brasileira de Educação do Campo, 1(2), 231-254. Doi: https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2016v1n2p231

Souza, E. C., & Sousa, R. C. (2015). Condições de trabalho docente, classes multisseriadas e narrativas de professoras no território do baixo sul baiano: significados e sentidos. Currículo sem Fronteiras, 15(2), 380-408.

Souza, E. C., Orrico, N. R., Souza, H. R., & Coelho, P. J. S. (2017). Construindo resistências: (auto)biografia e trabalho docente em contextos rurais. In Anais do IX Encontro brasileiro da Redestrado (pp. 01-20). Campinas, SP.

Publicado
2019-03-03
Seção
Artigos / Articles / Artículos