Paulo Freire e a alfabetização de jovens e adultos no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

Resumo

Esse texto é parte de uma pesquisa sobre a alfabetização de jovens e adultos no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O Movimento tem como um de seus fundamentos a pedagogia de Paulo Freire e compreende a alfabetização para além da decodificação e do mero conhecimento do sistema alfabético, mas como processo de conscientização. Nesse sentido, se apropriar da escrita é se apropriar de um instrumento de luta necessário para a emancipação. Porém, em seu percurso, o MST foi estabelecendo parcerias que pudessem garantir a implementação de seus projetos de educação, e essas parcerias também trouxeram para dentro do Movimento outros referenciais teóricos. Recentemente, a adoção do método cubano Sim, Eu Posso! (SEP), cujo vínculo é com a perspectiva tradicional de alfabetização, trouxe um elemento de tensionamento e a necessidade de que se investigue em que medida os pressupostos freireanos continuam fundamentando as práticas alfabetizadoras do MST. Para essa investigação, se recorreu à pesquisa bibliográfica, à análise de materiais produzidos pelo MST e à pesquisa de campo.

Palavras-chave: Alfabetização de Jovens e Adultos, Alfabetização, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

 

Paulo Freire and the literacy of young people and adults in the Landless Workers Movement (MST)                                     

ABSTRACT. This text is part and a survey on the literacy of young people and adults in the Landless Workers Movement (MST). The Movement has as one of its foundations in the pedagogy of Paulo Freire understands literacy beyond the decoding and the mere knowledge of the alphabetical system, but as a process of awareness. In this sense, ownership of the writing is appropriate for an instrument of struggle necessary for the emancipation. However, in your route, the MST has been establishing partnerships that could ensure the implementation of its education projects, and these partnerships also brought into the Movement other theoretical references. More recently, the adoption of the Sim, Eu Posso! (SEP), Cuban method, whose link is with the traditional literacy perspective, has brought a further element of tension and the need to investigate the extent to which Freirean assumptions continue to underpin MST literacy practices. For this investigation, bibliographical research, the analysis of materials produced by the MST and field research.

Keywords: Young People and Adults, Literacy, Landless Workers Movement (MST).

 

Paulo Freire y la Alfabetización de jóvenes y adultos en el MST (Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra)

RESUMEN. Este texto es parte y una investigación sobre la alfabetización de jóvenes y adultos en el Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST). El Movimiento tiene como uno de sus fundamentos la pedagogía de Paulo Freire y comprende la alfabetización más allá de la decodificación y del mero conocimiento del sistema alfabético, sino como proceso de concientización. En ese sentido, apropiarse de la escritura es apropiarse de un instrumento de lucha necesario para la emancipación. Sin embargo, en su recorrido, el MST fue estableciendo alianzas que pudieran garantizar la implementación de sus proyectos de educación, y esas alianzas también trajeron dentro del Movimiento otros referentes teóricos. Más recientemente, la adopción del método cubano Sim, Eu Posso! (SEP), cuyo vínculo es con la perspectiva tradicional de alfabetización, trajo otro elemento de tensión y la necesidad de que se investigue en qué medida los supuestos freireanos continúan fundamentando las prácticas alfabetizadoras del MST. Para esa investigación, se recurrió a la investigación bibliográfica, al análisis de materiales producidos por el MST ya la investigación de campo.

Palabras clave: Alfabetización de Jóvenes y Adultos, Alfabetización, Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisiani Vitória Tiepolo, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Graduação em Letras, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestrado em Letras pela UFPR. Doutora pelo do Programa de Pós-Graduação em Educação da PUC/PR. Professora da UFPR, Setor Litoral. Experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, Alfabetização de Jovens e Adultos e Literatura Infanto-Juvenil, atuando principalmente nos seguintes temas: alfabetização jovens e adultos, metodologias do ensino da língua portuguesa, de literatura, de jovens e adultos.

Referências

Arroyo, M. G. (2012). Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes.

Beisiegel, C. R. (2013). O pensamento de Paulo Freire: suas implicações na Educação Superior Eduardo Santos e Manuel Tavares conversam com o Professor Celso Rui Beisiegel. Revista Lusófona de Educação, 24(24), 165-180.

Bogo, A. (2013). O pedagogo da esperança e da liberdade. 2013.

Caldart, R. S. (2000). Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis, RJ: Vozes.

Caldart, R. S. et al. (Orgs.). (2012). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Freire, P. (1982). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo, SP: Cortez.

Freire, P. (1983). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1985). Amílcar Cabral: o pedagogo da revolução. Palestra: Curso de Mestrado da Faculdade de Educação. Universidade de Brasília, 8 de novembro de 1985. Disponível em: http://forumeja.org.br/files/amilcar.pdf Acesso 14/04/2017

Freire, P. (1997). Paulo Freire e MST - Somente pela luta teremos a Libertação. Recuperado de: http://www.youtube.com/watch?v=qQUtkvjNhSQ

Freire, P. (2001). A educação na cidade. São Paulo, SP: Cortez.

Gonzalez, A. (2016). Estudo mostra concentração de terras no Brasil, expressão máxima da desigualdade. Recuperado de:

http://g1.globo.com/natureza/blog/nova-etica-social/post/estudo-mostra-concentracao-de-terras-no-brasil-expressao-maxima-da-desigualdade-social.html

Macedo, M. S. A. N., & Mazilão Filho, A. (2013). Práticas de alfabetização com o método Yo, sí puedo em assentamento do MST. Educação, 36(3), 352-362.

MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (2016-2017). Guia Metodológico: método de alfabetização Sim, Eu Posso! Círculo de Cultura. Bahia, impresso.

MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (2007). Campanha Nacional de Alfabetização - Todos e todas Sem Terra estudando. São Paulo. Recuperado de:

http://www.reformaagrariaemdados.org.br/biblioteca/cadernos

MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Construindo o caminho. São Paulo, 2001.

MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (1996). Caderno de Educação nº 8: princípios da educação no MST. São Paulo. Recuperado de: http://www.reformaagrariaemdados.org.br/biblioteca/cadernos

MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Quem Somos. s/d Recuperado de: http://www.mst.org.br/quem-somos/#full-text

MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Surge o MST. s/d. Recuperado de: http://www.mst.org.br/nossa-historia/84-86/.

PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2012). Recuperado de:

https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2012/default_sintese.shtm

Stédile, J. P (2007). Entrevista concedida à revista Piauí, 15 jun. 2007. Recuperado de: http://www.revistapiaui.com.br/upload/ MSTStedile.pdf

Strek, D., Redin, E., & Zitkoski, J. (Orgs.) (2010). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Publicado
2019-04-24
Como Citar
Tiepolo, E. V. (2019). Paulo Freire e a alfabetização de jovens e adultos no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e5676. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e5676
Seção
Artigos / Articles / Artículos