Práticas de leitura e escrita de mulheres camponesas: reflexões a partir de algumas histórias de apropriação

Resumo

Este texto objetiva apresentar práticas de leitura e escrita de mulheres camponesas com pouca escolarização. O estudo insere-se no quadro de pesquisas sobre os modos de participação nas práticas culturais relacionadas à leitura e à escrita por meio de distintas instâncias de socialização. Ele surgiu do pressuposto de que não existe uma cultura escrita já dada, mas sim uma diversidade de culturas do escrito que variam em função do contexto de uso e aprendizagem e não são exclusivamente dependentes da língua escrita baseada no sistema alfabético. A metodologia de investigação seguiu uma orientação dos pressupostos qualitativos de pesquisa. Utilizou-se história oral, diário de campo constituído a partir dos eventos de letramento observados nas CEBs e entrevistas, com a finalidade de identificar formas de acesso e apropriação de materiais escritos. Além disso, apresentam-se os significados, os papéis e as concepções que as líderes das CEBs atribuem à leitura e à escrita, especificamente a partir de algumas histórias de apropriação. Por intermédio dos procedimentos adotados na análise dos dados, foi possível interpretar que as diferentes formas de participação nas culturas do escrito dessas mulheres se pautam na mediação entre o oral e o escrito.

Palavras-chave: Mulheres Camponesas, Culturas do Escrito, Letramento, CEBs, Participação Cidadã.

 

Reading and writing practices of peasant women: reflections from some appropriation stories

ABSTRACT. This text aims to present practices of reading and writing of peasant women with little schooling. The study is part of the research on the ways of participating in cultural practices related to reading and writing through different instances of socialization. It arose from the assumption that there is no written culture yet, but rather a diversity of writing cultures that vary according to the context of use and learning that are not exclusively dependent on written language based on the alphabetic system. The research methodology followed an orientation of the qualitative research presuppositions. We used oral history, a field diary made up of the literacy events observed in the CEBs and interviews, in order to identify forms of access and appropriation of written materials. In addition, the meanings, roles, and conceptions that CEB leaders attribute to reading and writing are presented, specifically from some appropriation histories. Through the procedures adopted in the analysis of the data it was possible to interpret that the different forms of participation in the writing cultures of these women are based on the mediation between the oral and the written.


Keywords: Peasant Women, Writing Cultures, Literacy, CEBs, Citizen Participation.

 

Prácticas de lectura y escrita de mujeres campesinas: reflexiones a partir de algunas historias de apropiación

RESUMEN. Este texto objetiva presentar prácticas de lectura y escritura de mujeres campesinas con poca escolarización. El estudio se inserta en el marco de investigaciones acerca de los modos de participación en las prácticas culturales relacionadas a la lectura ya la escritura por medio de distintas instancias de socialización. El surgió del supuesto de que no existe una cultura escrita ya dada, sino una diversidad de culturas del escrito que varían en función del contexto de uso y aprendizaje que no son exclusivamente dependientes de la lengua escrita basada en el sistema alfabético. La metodología de investigación siguió una orientación de los presupuestos cualitativos de investigación. Se utilizó historia oral, diario de campo constituido a partir de los eventos de letramento observados en las CEBs y entrevistas, con la finalidad de identificar formas de acceso y apropiación de materiales escritos. Además, se presentan los significados, los papeles y las concepciones que las líderes de las CEBs atribuyen a la lectura ya la escritura, específicamente a partir de algunas historias de apropiación. Por intermedio de los procedimientos adoptados en el análisis de los datos fue posible interpretar que las diferentes formas de participación en las culturas del escrito de esas mujeres se basan en la mediación entre lo oral y lo escrito.

Palabras clave: Mujeres Campesinas, Culturas del Escrito, Letramento, CEBs, Participación Ciudadana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia Maria Alves de Oliveira Reis, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Sônia Maria Alves de Oliveira Reis, graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia, especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Estadual de Santa Cruz, mestra e doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é professora adjunta da Universidade do Estado da Bahia – UNEB e Professora  do Programa de Pós-Graduação em Educação da UESB. Coordenadora do dinter entre a UNEB/UFMG e líder do grupo de pesquisa Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão Educacional Paulo Freire - NEPE/CNPq.

Carmem Lúcia Eiterer, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Graduada em Filosofia pela FFLCH-USP (Bacharel, 1992 e Licenciatura, 1993), Mestre em Educação pela FE-USP (Área Didática, sub área Linguagem e Educação - 1996) e Doutora em Educação pela FE-USP (Área Didática sub área Linguagem e Educação - 2001). Pós-Doutoramento na UFBa, Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher - NEIM (2012). Atua como Professora Associada no Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino (DMTE) da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE-UFMG). Leciona Didática junto a diferentes cursos de Licenciatura na Graduação. Integra a Linha de Pesquisa Educação, Cultura, Movimentos Sociais e Ações Coletivas do Programa de Pós Graduação em Educação: Educação e Inclusão Social desde 2005. Pesquisadora do NEJA - Núcleo de Educação de Jovens e Adultos desde 2002. Orienta diferentes pesquisas de mestrado e doutorado relativas à Educação de Jovens e Adultos (EJA), especialmente no recorte das especificidades dos sujeitos da educação (recortes de gênero e raça).

Referências

Abreu, M. (Org.). (2002). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras.

Barton, D., & Hamilton, M. (1998). Local literacies: reading and writing in one community. London: Routledge.

Bastos, L. C. (2011). Traçando metas, vencendo desafios: experiências escolares de mulheres egressas da EJA (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Berning, C. (Diretor). (1994). Anel de tucum. Chácara Santo Antonio: Verbo Filme.

Betto, F. (1981). O que é Comunidade Eclesial de Base. São Paulo: Abril Cultural, Brasiliense.

Bucciol, A. (2004) Queremos ver Jesus e ser suas testemunhas. Livramento de Nossa Senhora: Diocese de Livramento de Nossa Senhora.

Bucciol, A. (2007). Canta Povo de Deus. Livramento de Nossa Senhora: Diocese de Livramento de Nossa Senhora.

Castanheira, M. C., Crawford, T., Dixon, C. N., & Green, J. (2001). Interactional ethnography: an approach to studying the social construction of literacy practices. Linguistics and Education, 11(4), 353-400.

Certeau, M. (1999). A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

Chartier, R. (2001). Do livro à leitura. In R. Chartier (Org.). Práticas da Leitura (pp. 77-106). São Paulo: Estação Liberdade.

Durkheim, E. (2002). As regras do método sociológico. São Paulo: Martin Claret.

Feitosa, D. A. (2005). Cuidado e sustentação da vida: a interface da educação popular no cotidiano de mulheres recicladoras (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman.

Fonseca, M. C. F. R. (2005). Educação matemática de jovens e adultos: especificidades, desafios e contribuições. Belo Horizonte: Autêntica.

Galvão, A. M. O. (2001). Cordel: leitores e ouvintes. Belo Horizonte: Autêntica.

Galvão, A. M. O. (2004). Leitura: algo que se transmite entre gerações? In V. Ribeiro (Org.). Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF 2001 (pp. 125-153). Campinas: Global.

Galvão, A. M. O. (2010). História das culturas do escrito: tendência e possibilidades de pesquisa. In Marinho, M., & Carvalho, G. T. (Orgs.). Cultura escrita e letramento (pp. 218-278). Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Galvão, A. M. O., & Di Pierro, M. C. (2007). Preconceito contra o analfabeto. São Paulo: Cortez Editora.

Green, J., Dixon, C., & Zaharlick, A. (2005). A etnografia como uma lógica de investigação. Educação em Revista, 42, 13-79.

Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. (2011). Censo Demográfico 2010. Recuperado de: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/resultados_do_universo.pdf

Kleiman, A. B. (2008). Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In Kleiman, A. B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social (pp. 15-61). Campinas: Mercado de Letras.

Marinho, M. (2010). Letramento: A criação de um neologismo e a construção de um conceito. In Marinho, M., & Carvalho, G. T (Orgs.). Cultura escrita e letramento (pp. 68-100). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Nogueira, V. L. (2003). Educação de Jovens e Adultos e gênero: um diálogo imprescindível à elaboração de políticas educacionais destinadas às mulheres das camadas populares. In Soares, L. (Org.). Aprendendo com a diferença: estudos e pesquisas em Educação de Jovens e Adultos (pp. 65-90). Belo Horizonte: Autêntica.

Oliveira, M. K. (2009). Cultura e psicologia: questões sobre o desenvolvimento do adulto. São Paulo: Hucitec.

Paz Albuquerque, K. (2007). Mulheres pobres na Diocese de Goiás – uma trajetória de participação e emancipação feminina (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia.

Reis, S. M. A. O. (2009). A inserção dos egressos da educação popular na escola pública: tensão entre regulação e emancipação (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Rojo, R. (2009). Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial.

Rojo, R., & Moura, E. (2012). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola.

Silva, S. B. A., & Galvão, A. M. O. (2007). Práticas religiosas pentecostais e processos de inserção na cultura escrita (Pernambuco, 1950-1970). In Galvão, A. M. O., Melo, J. F., Souza, M. J. F., & Resende, P. C. (Orgs.). História da cultura escrita: séculos XIX e XX (pp. 365-403). Belo Horizonte: Autêntica.

Souza, M. J. F. (2007). Uma aprendizagem sem folheto: quem ainda vai rezar e benzer em Barra do Bengoso? In Galvão, A. M. O., Melo, J. F., Souza, M. J. F., & Resende, P. C. (Orgs.). História da cultura escrita: séculos XIX e XX (pp. 405-435). São Paulo: Autêntica.

Souza, M. J. F. (2009). Modos de participação nas culturas do escrito em uma comunidade rural no Norte de Minas Gerais (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Street, B. (1984). Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press.

Vóvio, C. L., & Kleiman, A. B. (2013). Letramento e Alfabetização de Pessoas Jovens e Adultas: um balanço da produção científica. Cad. Cedes, 33(90), 177-196. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v33n90/a02v33n90.pdf

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Alves de Oliveira Reis, S., & Eiterer, C. (2018). Práticas de leitura e escrita de mulheres camponesas: reflexões a partir de algumas histórias de apropriação. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(4), 1316-1344. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n4p1316