Experiências educativas e empoderamento das mulheres indígenas Kaingang: formação de professoras/es em educação do/no campo

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de compreender o contexto das mulheres indígenas Kaingang no Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza - Licenciatura da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Erechim, discutindo aspectos como as experiências educativas da participação feminina na construção do conhecimento científico e o empoderamento da mulher indígena com sua inserção na educação superior. A metodologia utilizada tem abordagem qualitativa de natureza interpretativa e a pesquisa, em relação aos procedimentos técnicos, é bibliográfica e documental. Os dados foram construídos com a utilização da Proposta Pedagógica do Curso (PPC), da observação das experiências e do Registro Acadêmico da UFFS. Os principais resultados evidenciam que as mulheres indígenas-Kaingangs possuem uma elevada representatividade no curso de Licenciatura em Educação do Campo na formação de professoras/es na área de Ciências da Natureza, percebendo, assim, que a inserção da mulher Kaingang na educação superior contribui para a construção da autonomia, para o empoderamento e a resistência dos povos indígenas. Tais resultados apontam para a importância da participação feminina indígena na construção do conhecimento científico e sua ressignificação, levando em consideração as dinâmicas sociais e culturais dos povos do/no campo.

Palavras-chave: Mulheres Indígenas Kaingangs, Formação de Professores, Empoderamento, Educação do Campo, Ciências da Natureza.

 

Educational experiences and empowerment of Kaingang indigenous women: teacher training in rural education                                          

ABSTRACT. This work aims to understand the context of Kaingang indigenous women in the Interdisciplinary Course in Rural Education: Natural Sciences - Licentiate of Federal University of Southern Border (UFFS), Campus Erechim, discussing aspects such as the educational experiences of female participation in construction of scientific knowledge and the empowerment of indigenous women with their inclusion in higher education. The methodology used has a qualitative approach of an interpretive nature and the research, in relation to the technical procedures, is bibliographical and documentary. The data were constructed using the Pedagogical Proposal of the Course (PPC), the observation of the experiences and the UFFS Academic Registry. The main results show that the Kaingangs indigenous women have a high degree of representation in the course in Rural Education in the training of teachers in the area of ​​Natural Sciences, thus realizing that the insertion of Kaingang women in higher education contributes to the construction of autonomy, empowerment and resistance of indigenous peoples. These results point to the importance of indigenous female participation in the construction of scientific knowledge and its re-signification, taking into account the social and cultural dynamics of the peoples of the countryside.

Keywords: Kaingangs Indigenous Women, Teacher Training, Empowerment, Rural Education, Natural Sciences.

 

Experiencias educativas y empoderamiento de las mujeres indígenas Kaingang: formación de profesoras/es en educación del/en el campo

RESUMEN. Este trabajo tiene el objetivo de comprender el contexto de las mujeres indígenas Kaingang en el Curso Interdisciplinario en Educación del Campo: Ciencias de la Naturaleza - Licenciatura de la Universidad Federal de la Frontera Sur (UFFS), Campus Erechim, discutiendo aspectos como las experiencias educativas de la participación femenina en la construcción del conocimiento científico y el empoderamiento de la mujer indígena con su inserción en la educación superior. La metodología utilizada tiene un enfoque cualitativo de naturaleza interpretativa y la investigación, en relación a los procedimientos técnicos, es bibliográfica y documental. Los datos fueron construidos con la utilización de la Propuesta Pedagógica del Curso (PPC), de la observación de las experiencias y del Registro Académico de la UFFS. Los principales resultados evidencian que las mujeres indígenas Kaingangs poseen una elevada representatividad en el curso de Licenciatura en Educación del Campo en la formación de profesoras/es en el área de Ciencias de la Naturaleza, percibiendo así que la inserción de la mujer Kaingang en la educación superior contribuye a la construcción de la autonomía, al empoderamiento ya la resistencia de los pueblos indígenas. Tales resultados apuntan a la importancia de la participación femenina indígena en la construcción del conocimiento científico y su resignificación, teniendo en cuenta las dinámicas sociales y culturales de los pueblos del campo. 

Palabras clave: Mujeres Indígenas Kaingangs, Formación de Profesores, Empoderamiento, Educación del Campo, Ciencias de la Naturaleza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moises Marques Prsybyciem, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Licenciado em Química (UEPG), mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia (UTFPR) e Doutorando do Programa de Pós - Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia (UTFPR). Professor e Coordenador Adjunto do Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza – Licenciatura da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Almir Paulo dos Santos, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Licenciado em Filosofia e habilitação em História e Psicologia, mestrado em Educação (UPF) e Doutorado em Educação (UNISINOS). Professor do Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza  – Licenciatura e Pedagogia Licenciatura da Universidade Federal da Fronteira Sul. 

Rejane Fernandes da Silva Vier, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

Licenciada em Pedagogia (UEPG). Bacharel em Psicologia pelo Instituto de Ensino Superior Sant’Ana. Mestre em Ensino de Ciência e Tecnologia (UTFPR) e Doutoranda do Programa de Pós – Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia (UTFPR). Atua na rede estadual de ensino do Paraná, nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio na Modalidade Educação Especial e como Psicóloga Clínica

Rosemari Monteiro Castilho Foggiatto Silveira, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

Bacharel em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1985), Licenciada em Educação Física pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1986), mestrado em Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (1999), doutora em Educação Científica e Tecnológica (2007) pela UFSC. Professora aposentada da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus de Ponta Grossa. Atualmente é professora permanente do mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT. Editora da Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia. Tem experiência na área de Educação Tecnológica e Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas: educação tecnológica, Ciência, Tecnologia e Sociedade -CTS, ensino de ciências, formação continuada de professores e empreendedorismo. Exerceu cargo de coordenadora do Programa de Empreendedorismo e Inovação da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica e do Hotel Tecnológico (PROEM) e também como Assessora da DIREC do campus de Ponta Grossa da UTFPR de 2008 à 2013. Foi Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia da UTFPR Câmpus Ponta Grossa (2013-2015). Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2.

Referências

Almeida, A. C. (2015). O empoderamento de lideranças indígenas Kaingang no sul do Brasil. Interações, 16(2), 407-419. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1518-70122015215

Amaral, W. R. (2010). As trajetórias dos estudantes indígenas nas universidades estaduais do Paraná: sujeitos e pertencimentos. (Tese de Doutorado) Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Alves, J. F. (2004). A invasão cultural norte-americana. São Paulo, SP: Moderna.

Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (2004). Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes Editora.

Ballivián, J. M. P. (2011). Artesanato Kaingang e Guarani: Territórios indígenas. São Leopoldo, RS: Oikos.

Bardin, L. (1991). Análise de Conteúdo. Trad.: Reto, L. A. & Pinheiro, A. Primeira Edição. Lisboa: Edições 10.

Bergamaschil, M. A., Doebber, M. B., & Brito, P. O. (2018). Estudantes indígenas em universidades brasileiras: um estudo das políticas de acesso e permanência. Rev. bras. Estud. pedagog., 99(251), 37-53. DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.99i251.3337

Bergamaschi, M. A., & Kurroschi, A. R. S. (2013). Estudantes Indígenas na UFRGS: movimento que anuncia um diálogo intercultural. In Rosado, R. M., & Fagundes, L. F. C. (Orgs.). Presença Indígena na Cidade: reflexões, ações e políticas (pp. 1-20). Porto Alegre, RS: Hartmann.

Brasil. (1988). Constituição Federal. Brasília, DF: Saraiva.

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: Saraiva.

Brasil. (2010). Programa Nacional de Educação do Campo – Pronacampo, Decreto nº 7.352/2010. Recuperado de: http://pronacampo.mec.gov.br/

Brasil. (2018). Cadastro e-MEC de Instituições e Cursos de Educação Superior, Portaria Normativa MEC nº 40/2007. Recuperado de: http://emec.mec.gov.br/

Chassot, A. (2004). A Ciência é masculina? É, sim senhora!. Revista Contexto e Educação. Ijuí, RS: Editora Unijuí.

Chassot, A. (2006). Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí, RS: Ed. Editora Unijuí.

David, M., Melo, M. L., & Malheiro, J. M. S. (2013). Desafios do currículo multicultural na educação superior para indígenas. Educ. Pesqui. 39(1), 111-125. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022013000100008

Faustino, R. C., Novak, M. S. J., & Cipriano, S. C. (2013). A Presença indígena na Universidade: acesso e permanência de estudantes Kaingang e Guarani no ensino superior do Paraná. Revista Cocar, 7(13), 69-81. Recuperado de: https://paginas.uepa.br/seer/index.php/cocar/article/view/243

Freire, G. (1999). Casa-Grande e Senzala. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Freire, P. (2009). Pedagogia do oprimido. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, SP: Editora Atlas.

Grubits, S. (2014). Mulheres indígenas brasileiras: educação e políticas públicas. Psicologia & Sociedade, 26(1), 116-125. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000100013

Hodson, D. (1998). Learning and Teaching Science: Approach Personalized a Towards. Buckingham: Open University Press.

Kauss, V. L., & Peruzzo, A. (2012). A inserção da mulher indígena brasileira na sociedade contemporânea através da literatura. Espaço Ameríndio, 6(2), 32-45. Recuperado de: http://seer.ufrgs.br/EspacoAmerindio/article/viewFile/31868/23619

Krasilchik, M., & Marandino, M. (2007). Ensino de Ciências e cidadania. São Paulo, SP: Moderna.

Leta, J. (2003). As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, 17(49), 271-284. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142003000300016

Luciano, G. J. S., Oliveira, J. C., & Hoffman, M. B. (Orgs). (2010). Olhares Indígenas Contemporâneos. Centro Indígena de Estudos e Pesquisas-CINEP. Brasília, DF: Cinep.

Moreira, H., & Caleffe, L. G. (2008). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro, RJ: Lamparina.

Munduruku, D. (2004). Contos indígenas brasileiros. Rio de Janeiro, RJ: Global.

Paladino, M. (2013). Um mapeamento das ações afirmativas voltadas aos povos indígenas no ensino superior. In Bergamaschi, M. A., Nabarro, E., & Benites, A. (Orgs). Estudantes indígenas no ensino superior: uma abordagem a partir da experiência na UFRGS (pp. 273-306). Porto Alegre, RS: Ed. da UFRGS.

Potiguara, E. (2004). Metade Cara, Metade Máscara. São Paulo: Global.

Pozo, J. L., & Crespo, M. A. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento ao conhecimento científico. Porto Alegre, RS: Artmed.

Projeto Pedagógico do Curso (PPC) Interdisciplinar em Educação do Campo (Ciências da Natureza) - Licenciatura do Campus Erechim. (2013). Recuperado de: https://www.uffs.edu.br/atos-normativos/ppc/ccieccner/2016-0001

Prsybyciem, M. M., Santos, A. P., & Sartori, J. (2017). Formação de professores em Ciências da Natureza para escolas do/no campo na UFFS – campus Erechim: perspectivas e desafios. Revista Brasileira de Educação do Campo, 2(3), 941-964. DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p941

Ribeiro, D. (1995). O povo brasileiro. São Paulo, SP: Cia das Letras.

Ribeiro, E. B. V., & Benite, A. M. C. (2013). Alfabetização científica e educação inclusiva no discurso de professores formadores de professores de ciências. Revista Ciência & Educação, 19(3), 781- 794. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v19n3/16.pdf

Santos, I. P. D., Gobbi, M. D. C. M., & Lopes, M. M. (2017). Formação do professor indígena em Humaitá, Sul do Amazonas. Rev. Retratos de Assentamentos, 20(2), 206-220. DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2017.v20i2.273

Seixas, R., Calabró, L., & Sousa, D. (2017). A Formação de professores e os desafios de ensinar Ciências. Revista Thema, 14(1), 289-303. DOI: http://dx.doi.org/10.15536/thema.14.2017.289-303.413

Schild, J. (2016). Mulheres Kaingang: seus caminhos, políticas e redes na Terra Indígena Serrinha. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Villacorta, A. E., & Rodríguez, M. (2002). Metodologias e ferramentas para implementar estratégias de empoderamento. In Romano, J., & Antunes, M. (Orgs.). Empoderamento e direitos de combate à pobreza (pp. 45-66). Rio de Janeiro, RJ: ActionAid Brasil.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Prsybyciem, M., Santos, A., Vier, R., & Silveira, R. (2018). Experiências educativas e empoderamento das mulheres indígenas Kaingang: formação de professoras/es em educação do/no campo. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(4), 1268-1293. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n4p1268