Educação de mulheres ribeirinhas no município de Breves

Resumo

Este artigo analisa a abordagem de gênero que permeia a proposta curricular do ensino fundamental das escolas do campo do município de Breves. Tal análise busca identificar o que se afirma sobre a mulher ribeirinha na referida proposta curricular e avalia quais conhecimentos sobre a mulher ribeirinha estão incluídos no documento. O estudo foi realizado por meio de uma pesquisa bibliográfica e documental. O documento analisado foi a proposta curricular das escolas do campo do município de Breves elaborada em 2012 e revisada em 2014. Os principais teóricos que fundamentam esta análise são: Scott (2005), Louro (2007, 2005), Meyer (2007), Oliveira (2004) e (Pinto, 2001). A proposta curricular das escolas do campo apresenta uma discussão frágil sobre gênero, pautada em uma concepção biológica que, ao dissimular a presença das diferentes identidades presentes na escola, as silencia. No documento analisado não se identifica referência alguma à mulher ribeirinha, suas histórias de luta e resistência ficam à margem das discussões de um documento que legitima o que deve ser ensinado e aprendido nas escolas do campo.

Palavras-chave: Educação, Gênero, Currículo, Mulher Ribeirinha.

 

Education of women riverside in the municipality of Breves                                           

ABSTRACT. This work aims to understand the gender approach that permeates the curricular proposal of the elementary schools of the countryside of the municipality of Breves, to identify what is affirmed about the riverside woman in the mentioned curricular proposal and evaluates what knowledge about the riverside woman is included in the document. The study was realized through bibliographical and documentary research. The document analyzed was the curricular proposal of the schools of the countryside of the municipality of Breves, elaborated in 2012 and revised in 2014. The main theorists who foundation this work were Scott (2005), Louro (2007, 2005), Meyer (2007), Oliveira 2004), (Pinto, 2001). The curricular proposal of the countryside schools presents a fragile discussion about gender, based on a biological conception, in which we do not perceive the presence of the different identities, which, although silenced, are present in the school. In the document we did not identify any reference to the riverside woman, her stories of struggle and resistance were left aside from the discussions of a document that legitimizes what should be taught and learned in the countryside schools.

Keywords: Education, Genre, Curriculum, Riverside Woman.

 

Educación de las mujeres ribereñas en el municipio de Breves

RESUMEN. Esto trabajo pretende comprender el abordaje de género que permea la propuesta curricular de la enseñanza fundamental de las escuelas del campo del municipio de Breves, identificar lo que se afirma o se supone sobre la mujer ribereña en la referida propuesta curricular así como, evaluar qué conocimientos sobre la mujer se incluyen y de qué forma se insertan en el documento. El estudio fue realizado por medio de la investigación bibliográfica y documental. El documento analizado fue la propuesta curricular de las escuelas del campo del municipio de Breves elaborada en 2012 y revisada en 2014. Los principales teóricos que fundamentaron este trabajo fueron Scott (2005), Louro (2007, 2005), Meyer (2007), Oliveira (2007), (2004), (Pinto, 2001).  La propuesta curricular de las escuelas del campo presenta una frágil discusión sobre género, pautada en una concepción biológica, en la cual no percibimos la presencia de las diferentes identidades, que aunque silenciadas, están presentes en la escuela. En el documento no identificamos ninguna referencia a la mujer ribereña, sus historias de lucha y resistencia quedaron al margen de las discusiones de un documento que legitima lo que debe ser enseñado y aprendido en las escuelas del campo.

Palabras clave: Educación, Género, Currículo, Mujer Ribereña.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleide Carvalho de Matos, Universidade Federal do Pará - UFPA

Doutora em educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Pará, PPGED/UFPA (2016), Mestre em Educação, PPGED/UFPA (2010), Especialista em Estudos Culturais da Amazônia pela UFPA (2004) e Graduação em Pedagogia pela UFPA. É Professora Adjunto I da Universidade Federal do Pará, Campus Universitário do Marajó, Breves, exercendo a docência no curso de Pedagogia. Atualmente, ocupa a função de Coordenadora de Pesquisa do Campus Universitário do Marajó, Breves. Tem experiência nos seguintes temas: formação de professores, didática, currículo e educação do campo. Pesquisadora no Núcleo de Estudos e Pesquisas em Currículo, NEPEC. É integrante da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação e da Associação Nacional de Política e Administração da Educação.

Manuelle Espíndola dos Reis, Universidade Federal do Pará - UFPA

Mestra em Gestão Pública pela Universidade Federal do Pará (UFPA/NAEA) (2016), Licenciada Plena em Pedagogia e letras pela Universidade Federal do Pará (2008). Têm experiências nas áreas de currículo, educação ambiental, educação do campo, saberes culturais e relações identitárias. Trabalhou nas escolas rurais multisseriadas, desenvolvendo acompanhamento pedagógico, promovendo formação continuada (Breves). Desenvolveu atividades com vínculo empregatício no processo de discussão com as comunidades para iniciar a estrutura física e metodológica da "Casa familiar Rural" (Breves). Coordenou o Programa PROJOVEM- Campo Saberes da Terra no Município de Breves que realiza ações com jovens agricultores de 15 a 29 anos Trabalhou como professora no Plano Nacional de Formação - PARFOR pelo Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia (IFPA) e Universidade Federal do Pará (UFPA). Atualmente é Professora Técnica Pedagógica Educacional na Secretaria Municipal de Educação do Município de Breves/PA e professora substituta na Universidade Federal do Pará (UFPA).

Referências

Amorim, M. J. P. (1997). Espaços femininos: gênero e identidade em comunidades rurais na Amazônia. In Alvares, M. L. M., & Santos, E. F. (Orgs.). Desafios de Identidade: espaço-tempo de mulher (pp. 39-50). Belém/PA: Cejup.

Antunes, R. (2009). Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed. São Paulo: Boitempo.

Buarque, C. M., & Vainsencher, S. A. (2001). Gênero e ONGs: a identidade da pequena agricultora. In Ferreira, M. et al. (Orgs.). Os Saberes e os Poderes das Mulheres: a construção do gênero (pp. 229-250). São Luis/MA: Edufma.

Carrara, S. (2009). Educação, diferença, diversidade e desigualdade In Barreto, A., Araújo, L., & Pereira, M. E. (Orgs.). Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em Gênero, orientação Sexual e Relações Étnico-Raciais (pp. 13-16). Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília: SPM.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Capturado em https://www.ibge.gov.br.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo Escolar. Obtido em http://portal.inep.gov.br/censo-escolar.

Cristo, A. C. P. et al. (2005). Educação rural ribeirinha marajoara: desafios no contexto das escolas multisseriadas. In Haje, S. M. (Org.). Educação do campo na Amazônia: retratos de realidades das escolas multisseriadas no Pará (pp. 114-131). Belém: Gráfica e Editora Gutemberg Ltda.

D’incao, M. Â., & Cotta, H. Jr. (2001). Transformações e permanências no espaço feminino na agricultura familiar. In D’Incão, M. Â. et al. (Org.). Mulher e Modernidade na Amazônia (pp. 429-465). Belém/PA: Cejup.

Feijó, B. V. (2005, 31 de março). Por que azul para meninos e rosa para meninas? [Web log post]. Recuperado de http://super.abril.com.br/historia/porque-azul-para-meninos-e-rosa-para-meninas. 18

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (1992). Metodologia do trabalho científico. 4. ed., São Paulo.

Louro, G. L. (2005). O currículo e as diferenças sexuais e de gênero. In Costa M. V. (Org.). O currículo nos limiares do contemporâneo (pp. 85-92). 4. ed. Rio de Janeiro: DP&D.

___________. (2007). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Manzo, A. J. (1971). Manual para la preparación de monografías: una guía para presentear informes y tesis. Buenos Aires: Humanistas.

Marx, K., & Engels, F. (2006). A ideologia Alemã. 1932. São Paulo: Editora Martin Claret.

Meyer, D. E. (2007). Gênero e educação: teoria e política. In Louro, G. L., Felipe, J., & Goellner, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo (pp. 9-27). 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

Oliveira, I. A. (Org.). (2004). Cartografias ribeirinhas: saberes e representações sobre práticas sociais cotidianas de alfabetizandos amazônidas. Belém-Pará: CCSE-UEPA.

Pinto, B. C. (2001). O fazer-se das mulheres rurais: a construção da memória e de símbolos de poder feminino em comunidades rurais negras do Tocantins. In D’incao, M. Â. et al. (Orgs.). Mulher e Modernidade na Amazônia (pp. 467-479). Belém/PA: Cejup.

Secretaria Municipal de Educação de Breves. (SEMED). (2014). Proposta curricular dos anos iniciais do ensino fundamental para as escolas do campo do município de Breves. Breves, PA.

Pupo, K. (2018, 21 de maio). Questão de gênero na escola. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Etica/20_pupo.pdf

Santos, M. P. (1997). A mulher na agricultura: contribuições, implicações e quereres. In Alvares, M. L. M. et al. (Orgs.). Mulher e modernidade na Amazônia (pp. 111- 119). Belém: EEM/CFCH/UFPA.

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. 20(2) pp. 71-99.

Siqueira, A. D. (2006). Mulheres, relações de gênero e tomada de decisões em unidades do Pupo, K. (2018, 21 de maio). Questão de gênero na escola. Recuperado de mésticas caboclas do estuário amazônico. In Adams, C. E., Murrieta, R. E., & Neves, W. E. (Orgs.). Sociedades caboclas amazônicas: modernidade e invisibilidade (pp. 261-276). São Paulo: Annablume.

Silva, T. T. (2004). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In Silva, T. T., Hall, S., & Woodward, K. (Orgs.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 7-67). Petrópolis, RJ: Vozes.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Matos, C., & Reis, M. (2018). Educação de mulheres ribeirinhas no município de Breves. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(4), 1249-1267. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n4p1249