Descautivar o pensamento pedagógico latino-americano: (Des)colonização e (Des)patriarcalização a partir da crítica feminista

Resumo

Nesse artigo, nos propomos a desenvolver as ideias de descautivar, descolonizar e despatriarcalizar a pedagogia a partir de teóricas feministas latino-americanas tomando-as como “fontes”, as quais nos ajudam a (re)criar bases epistemológicas de “nosotras”, ante as epistemologias dominantes. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico que se apoiou em Francesca Gargallo, Luz Maceira Ochoa, Cláudia Korol, Maria Lugones, Marcela Lagarde, entre outras. As suas aproximações e diálogos nos levam à compreensão de “sororidade” e de “ética feminista” como parte imprescindível de um pacto de complexas relações no fortalecimento experiências comuns das mulheres, em especial, quanto ao saber/conhecer, poder e ser. No movimento de transformação da Educação Popular e da Pedagogia, encontramos caminhos para descautivar, descolonizar e despatriarcalizar essas relações, mas também como caminhos para (re)existir e resistir na consubstancialidade entre raça, classe e gênero.

Palavras-chave: Descolonização do conhecimento, Despatriarcalização do conhecimento, Epistemologia Feminista, Educação Popular, Pedagogia Latino-americana.

 

Descautivar the Latin American pedagogic thought: (Des)colonization and (Des)patriarchalization from the feminist critique

ABSTRACT. In this paper, we propose to develop the ideas of “descautivar”, decolonizing and depatriarchallizing the pedagogy from Latin American theorists feminist, taking them as "sources", which help us (re)create bases epistemological of "us" before the dominant epistemologies. This is a qualitative bibliographic research that was supported by Francesca Gargallo, Luz Maceira Ochoa, Cláudia Korol, Maria Lugones, Marcela Lagarde, among others. Their approximations and dialogues lead us to the understanding of "sorority" and "feminist ethics" as an essential part of a pact of complex relationships in strengthening common experiences of women, especially as to knowing, power and being. In the transformation movement of Popular Education and Pedagogy, we find ways to “descautivar”, decolonize and depatriarcalize these relations, but also as ways to (re)exist and resist in the consubstantiality between race, class and gender.


Keywords: Knowledge Decolonization, Knowledge Depatrialization, Feminist Epistemology, Popular Education, Latin American Pedagogy.

 

Descautivar el pensamiento pedagógico latino americano: (Des)colonización y (Des)patriarcalización a partir de la crítica feminista

RESUMEN. En este artículo, nos proponemos desarrollar las ideas de descautivar, descolonizar y despatriarcalizar la pedagogía desde teóricas feministas latinoamericanas tomándolas como "fuentes", las cuales nos ayudan a (re)crear bases epistemológicas de "nosotras" ante las epistemologías dominantes. Se trata de una investigación cualitativa de base bibliográfica que se apoyó en Francesca Gargallo, Luz Maceira Ochoa, Cláudia Korol, Maria Lugones, Marcela Lagarde, entre otras. Sus aproximaciones y diálogos, nos llevan a la comprensión de "sororidad" y de "ética feminista" como parte imprescindible de un pacto de complejas relaciones en el fortalecimiento de experiencias comunes de las mujeres, en especial, en cuanto al saber/conocer, poder y ser. En el movimiento de transformación de la Educación Popular y de la Pedagogía, encontramos caminos para descautivar, descolonizar y despatriarcalizar esas relaciones, pero también como caminos para (re)existir y resistir en la consubstancialidad entre raza, clase y género.


Palabras clave: Descolonización del conocimiento, Despatriarcalización del conocimiento, Epistemología Feminista, Educación Popular, Pedagogía Latinoamericana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cheron Zanini Moretti, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade de Santa Cruz do Sul/UNISC, na linha de pesquisa: Educação, Trabalho e Emancipação, e também no Departamento de Educação.Coordena o grupo de pesquisa Educação Popular, Metodologias Participativas e Estudos Descoloniais (CNPq). Doutorada no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS; foi bolsista CNPq durante toda a realização do curso (2010-2014) onde compõe o grupo de pesquisa: Mediações Pedagógicas e Cidadania. É Mestra em Educação (2008) e licenciada em História (2005), nessa mesma universidade. Tem se preocupado em pesquisar temas relacionados à América Latina, como: Educação Popular, Alternativas e ideias pedagógicas, (Des)Colonialidade do Conhecimento e Insurgência como princípio educativo, tendo como referência a pesquisa ação participativa nos processos metodológicos. Realizou estágio de doutoramento no exterior na Facultad de Filosofia y Letras, da Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM) com bolsa do programa CAPES/PDSE (2012). Recentemente, concluiu pós-doutoramento em educação com bolsa CNPq/PDJ. Editora-Chefe da Revista Reflexão e Ação (B1).

Graziela Rinaldi da Rosa, Universidade Federal de Rio Grande - FURG

Professora adjunta do Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande-FURG-RS, campus São Lourenço do Sul. Professora colaboradora do programa de Pós-Graduação em Educação- PPG-Edu (UNISC). Foi pesquisadora PNPD/CAPES, realizando pesquisa de pós doutoramento e atividades no Grupo de pesquisa: Educação Popular, Metodologias Participativas e Estudos Descoloniais; Grupo de pesquisa Educação, trabalho e emancipação; com o projeto de pós doutoramento intitulado: Mulheres nas Fontes Pedagógicas Latino-Americanas: Diálogos entre a Educação Popular e as Epistemologias Feministas; (UNISC). Possui graduação em Licenciatura Plena em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (2002) e Licenciatura Plena em Geografia (2012), especialização em Metodologia do Ensino de História e Geografia; Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS. Coordena o Coletivo Feminista Dandaras; líder do Núcleo de Estudos Afrobrasileiro e Indígena da FURG/SLS; e do Coletivo Pomerano da FURG. Possui experiência de 15 anos na rede básica de ensino (Ensino Fundamental e Médio), com disciplinas de Filosofia, História, Geografia, Práticas de pesquisa, ética e Cidadania, Educação Ambiental, entre outras. Tem experiência com ensino com adolescentes, jovens e adultos. Participa do Grupo do Pesquisa Sexualidade e Escola-GESE/FURG, bem como do DGENERUS: Núcleo de Estudos Feministas e de Gênero/UFPEL. Experiência com pesquisa junto com mulheres quilombolas. Atua com estudos e pesquisas no campo do Currículo, Educação básica e políticas públicas, bem como no campo dos estudos de gênero e feministas na Educação e na Filosofia na perspectiva de descolonizar o pensamento pedagógico e filosófico. Trabalha com Epistemologias Feministas, Educação do campo e Filosofia; Relações de gênero na Filosofia e Filosofia da Educação com o olhar para América Latina e a Educação Popular. Integrante da Articulação em Defesa da Educação do Campo no Rio Grande do Sul, AEDOC-RS.

Referências

Amorós, C. (1991). Hacia una Crítica de La Razón Patriarcal. Barcelona: Anthropos.

Carrillo, A. T. (2014). Hacer historia desde Abajo y desde el Sur. Colômbia: Ediciones desde Abajo.

Gargallo, F. (2004, 20 de março de 2018). Las ideas feministas Latinoamericanas. Ediciones: fem-e-libros creatividad feminista. México. Recuperado de: <http://herbogeminis.com/IMG/pdf/ideas_feministas_latinoamericanas.pdf>.

Harding, S. (1996). Ciencia y Feminismo. Madrid: Morata.

Hierro, G. (1990). Ética e Feminismo. México: Textos universitários. Universidad Autónoma de México.

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça. Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, 26(1) 61-73.

Lowy, I. (2009), “Ciências e gênero”. In Hirata, H. et al. (Orgs.). Dicionário crítico do feminism (pp. 40-44). São Paulo, SP: Editora da Unesp.

Korol, C. (Org.). (2007a). Hacia una pedagogia feminista. Géneros y educación popular. Colección cuadernos de Educación Popular. Buenos Aires: Editorial El Colectivo/América Libre.

Korol, C. (2007b). “La Educación como práctica de la liberdad”. Nuevas lecturas posibles. In Korol, C. (Org.). Hacia una pedagogia feminista. Géneros y educación popular (pp. 9-22). Buenos Aires: Colección cuadernos de Educación Popular. Editorial El Colectivo/América Libre.

Lagarde, M. (2006). Pacto entre mujeres sororidad. p. 123-135. Recuperado de https://www.asociacionag.org.ar/pdfaportes/25/09.pdf.

Lagarde, M. (2005). Los cautiverios de las mujeres: De madreesposas, monjas, presas, putas y locas. México: UNAM.

Lagarde, M. (1994). Democracia genérica. Red Latinoamericana de Educación Popular entre Mujeres. REPEM. México.

Lugones, M. (2014a). Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, 22(3), 935-952.

Lugones, M. (2014b). Colonialidad y Género. In: Miñoso, Y. E.; Correal, D. G.; Muñoz, K. O. (Editoras). Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemologia y apuestas descoloniales en Abya Yala. (pp. 57-90). Popayán: Editorial Universidad del Cauca.

Lugones, M. (2008). Colonialidad y Género. Revista de Humanidades Tabula Rasa, 9, 73-101.

Macedo, A. G., & Amaral, A. L. (Orgs.). (2005). Dicionário da Crítica Feminista. Porto: Edições Afrontamentos.

Magda, R. M. R. (Ed.). (1997). Mujeres en la historia del pensamiento. Barcelona: Editorial Anthropos.

Nadeau, D. (1996). Educación Popular Feminista: Creando una nueva teoría y práctica. Palabra de mujer, 33-35. Aquelarre. Summer/Fall.

Ochoa, L. M. (2008). El sueño y la práctica de sí. Pedagogía Feminista: una propuesta. México: El Colégio de México, Centro de Estudios Sociológicos, Programa Interdisciplinario de Estudios de la Mujer.

Perrot, M. (2017). Minha história das mulheres. São Paulo, SP: Contexto.

Rago, M. (2012). Epistemologia Feminista, Gênero e História. Descobrindo historicamente o gênero. Compostela: CNT.

Rosa, G., & Silva, M. A. (2017). Práticas educativas feministas no Brasil: perspectivas epistemológicas antipatriarcais e a pedagogia feminista. In Amaro, S., & Durand V. (Orgs.). Veias feministas: memória, desafios e perspectivas para a mulher no século 21 (pp. 97-119). Porto Alegre, RS: Bonecker.

Saffioti, H. (2015). Gênero, patriarcado e violência. São Paulo, SP: Editora Fundação Perseu Abramo.

Saffioti, H. (2013). A mulher na sociedade de classes. Mito e Realidade. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Sardenberg, C. (2006). Pedagogias feministas: uma introdução. In Vanin, I., & Gonçalves, T. (Orgs.). Caderno Gênero e Trabalho, 44-57.

Sardenberg, C. (2011). Considerações Introdutórias às Pedagogias Feministas. In Costa, A. A. A., Rodrigues, A. T., & Vanin, I. M. (Orgs.). Ensino e Gênero: perspectivas transversais (pp. 17-32). Salvador, BA: Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM).

Streck, D. R., Adams, T., & Moretti, C. Z. (2010). Pensamento pedagógico em nossa América: uma introdução. In STRECK, Danilo R. (Org.). Fontes da pedagogía latinoamericana. Uma antología (pp. 19-36). Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora.

Valcárcel, A. (1997). La política de las mujeres. Madrid: Cátedra.

Valcárcel, A. (1994). Sexo y filosofia. Sobre “mujer y “poder”. Barcelona: Anthropos; Santafé de Bogotá: Siglo del Hombre.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Moretti, C., & da Rosa, G. (2018). Descautivar o pensamento pedagógico latino-americano: (Des)colonização e (Des)patriarcalização a partir da crítica feminista. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(4), 1105-1127. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n4p1105