Interdisciplinaridade na formação de professores em uma LEDOC: desafios de ensinar e aprender

Resumo

Este texto busca contribuir com o debate acerca dos desafios postos ao trabalho educativo interdisciplinar, apresentando a análise reflexiva de algumas práticas desenvolvidas em um curso interdisciplinar de formação de professores. Partimos da ideia de que há, na educação brasileira, uma monocultura do saber que privilegia a forma de organização fragmentada e descontextualizada do conhecimento. Essa forma de conceber o conhecimento, em todos os níveis de ensino, constitui-se um entrave aos educadores que tentam adotar outras pedagogias. Assim, quando nos deparamos com o desafio de mudar essa lógica cartesiana do processo educativo, a primeira pergunta que nos vem à mente é: como fazer isso acontecer na prática? Não há uma resposta única a essa pergunta porque não há uma receita. Este é o cenário que está posto a nós, professores das Licenciaturas Interdisciplinares. Assim, este trabalho evidencia alguns elementos por meio dos quais temos pautado essa perspectiva interdisciplinar, extrapolando os muros da universidade e os limites da sala de aula. Partimos de uma reflexão acerca da formação de professores na atualidade; apresentamos algumas notas sobre a formação de professores das Licenciaturas em Educação do Campo e apresentamos, por fim, cinco práticas desenvolvidas em um curso interdisciplinar de formação de professores de uma IES do estado de Goiás.

Palavras-chave: Interdisciplinaridade, Educação do Campo, Formação de Professores.

 

Interdisciplinarity in teacher training in a LEDOC: challenges of teaching and learning                

ABSTRACT. This text seeks to contribute to the debate about current challenges on interdisciplinary educational work, presenting a reflexive analysis of some practices developed within an interdisciplinary initial teacher education program. We start from the idea that in the Brazilian education exists a monoculture of knowledge which favors a fragmented and decontextualized way of organizing knowledge itself. This way of framing knowledge represents an obstacle to educators who have tried to adopt other pedagogies in all education levels. Therefore, we are confronted with the challenge of changing the Cartesian logic of the educative process, and a primary question that comes to our minds is: how can we put this change into practice? There is no single answer, nor a recipe for responding to this question. It is the scenario put before us who are professors of interdisciplinary undergraduate programs. Thus, this article shows some of the elements through which we have developed an interdisciplinary perspective. It is an approach that goes beyond the walls of the university and classroom boundaries. Starting from a reflection about contemporary teacher education, we also present some considerations regarding initial teacher training within the Degree in Rural Education. Finally, this piece discusses five practices developed in an interdisciplinary program focused on interdisciplinary teacher training at a Higher Education institution in Goias state.

Keywords: Interdisciplinarity, Rural Education, Teacher Training.

 

Interdisciplinaridad en la formación de profesores en LEDOC: retos a enseñar y aprender

RESUMEN. Este texto busca contribuir con el debate acerca de los retos puestos al trabajo educativo interdisciplinar, presentando análisis reflexivo de algunas prácticas desarrolladas en un curso interdisciplinar de formación de profesores. Partimos de la idea de que hay, en la educación brasileña, una monocultura del saber que privilegiarla la forma de organización fragmentada y descontextualizada del conocimiento. Esta forma de concebir el conocimiento, en todos los niveles de enseñanza, se constituyó un obstáculo a los educadores que intentan adoptar otras pedagogías. De este modo, cuando nos encontramos con el reto de cambiar esta lógica cartesiana del proceso educativo, la primera pregunta que se nos viene en mente es: ¿cómo esto pase en la práctica? No hay una respuesta única a esta pregunta porque no hay una receta. Este es el escenario que nos fue puesto, profesores de las Licenciaturas Interdisciplinares. De este modo, este trabajo evidencia algunos elementos por medio de los cuales tenemos centrado esta perspectiva interdisciplinar, extrapolando los muros de la universidad y los límites del aula. Partimos de una reflexión acerca de la formación de profesores en la actualidad; presentamos algunos apuntes sobre la formación de profesores de las Licenciaturas en Educación Rural e presentamos, finalmente, cinco prácticas desarrolladas a lo largo del curso interdisciplinar de formación de profesores de una IES de estado de Goiás. 

Palabras clave: Interdisciplinaridad, Educación Rural, Formación de Profesores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Zenaide Alves, Universidade Federal de Goiás - UFG

É professora na UFG (Catalão), onde atua no curso de Educação do Campo e no Mestrado em Educação. É formada em pedagogia pela UFMG. Mestre em Estudos e Desenvolvimento em Ciências Sociais e Educacionais pela Universidade do Porto-PT. Doutora em Educação pela UFMG, com estágio sandwiche na Columbia University. Coordena o Núcleo de Extensão e Pesquisa em Educação e Desenvolvimento do Campo (NEPCampo).

Wender Faleiro, Universidade Federal de Goiás - UFG

É professor da Unidade Acadêmica Especial de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Catalão. Tem licenciatura e bacharelado em Ciências Biológicas e Pedagogia, mestrado em Ecologia e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. É líder do Grupo de Pesquisa e Extensão em Ensino de Ciências e Formação de Professores – GEPEEC e vice-líder do Núcleo de Extensão e Pesquisa em Educação e Desenvolvimento do Campo – NEPCampo.

Referências

Araújo, E. S., & Moura, M. O. (2005). A aprendizagem docente na perspectiva histórico-cultural. In Anais da 28ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação –Anped (pp 535-552), Minas Gerais.

Arroyo, M. (2012). Outros sujeitos. Outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes.

Arroyo, M., & Caldart, R., & Molina, M. C. (2004). Por uma Educação do Campo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Alves, M. Z., Borges, B. G., & Faleiro, W. (2014). Perfil dos discentes da Educação do Campo na UFG Regional Catalão. In II Seminário Internacional de Educação do Campo (pp. 1797-1811). Santa Maria, RS: UFMS.

Brandão, C. R. (1992). O que é educação. São Paulo: Brasiliense.

Behrens, M. A. (1999). O paradigma emergente e a prática pedagógica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, 80(196), 383-403.

Bondia, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., 19(1), 20-28.

Bizzo, S. E. (2010). Hortas em Escolas Urbanas, Complexidade e Transdisciplinaridade: Contribuições para o ensino de Ciências e para a Educação em Saúde (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Campos, C. A. (2015). Procampo em Catalão: da Interdisciplinaridade que temos à que queremos. Enciclopédia Biosfera, 11(20), 664-672.

Carvalho, M. S. (2011). Realidade da educação do campo e os desafios para a formação de professores da educação básica na perspectiva dos movimentos sociais (Tese de doutorado). Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Costa, E. R., Alves, M. Z., & Faleiro, W. A. (2015). Interdisciplinaridade no Curso de Educação do Campo: O Caso da UFG Catalão. Enciclopédia Biosfera, 11(20), 47-55.

Faleiro, W., Alves, M. Z., & Borges, B. G. (2014). Experiência de implantação da licenciatura em Educação do Campo na UFG campus Catalão: desafios e perspectivas. In II Seminário Internacional de Educação do Campo (pp. 1797-1811). Santa Maria, RS: UFMS.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Gomes, N. L. (2017). O movimento negro educador. Saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Brasil. (2007a). Ministério da Educação. Secretaria Executiva. O Plano de Desenvolvimento da Educação: Razões, princípios e Programas. Brasília, DF: MEC. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/arquivos/livro/livro.pdf

Brasil. (2007b). Cadernos SECADI 2. Educação do Campo: Diferenças mudando paradigmas. Recuperado de: http://livros01.livrosgratis.com.br/me4531.pdf

Caldart, R. S. (2002). Pedagogia da terra: Formação de identidade e identidade de formação. Cadernos do ITERRA, 6(2), 77-98.

Canário, R. (2001). Escola – crise ou mutação? In Conferência: Espaços de Educação – Tempos de Formação (pp. 152-160). Lisboa, Anais: Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Cedro, W. (2008). O motivo de aprendizagem do professor de Matemática: uma perspectiva sócio-cultural (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Da Veiga J. E. (2003). Cidades Imaginárias. O Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas, SP: Editora Autores Associados.

Freire, P. (2013). Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Lemos, G. T. (2018). A política nacional para educação do campo no Brasil: que paradigmas alicerçam essa política? In Lima. I., Janssen, F. S., & Ferreira, M. G. (Orgs.). Diálogos da Educação do Campo (pp. 89-117). Recife, PE: Editora UFPE.

Molina, M. C., & Freitas, H. C. A. (2011). Avanços e Desafios na Construção da Educação no Campo. Em Aberto, 24(85), 17-31.

Molina, M. C. (Org.). (2014). Licenciaturas em Educação do Campo e o ensino de Ciências Naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília, DF: MDA. Recuperado de: http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/user_img_248/Livro%20LEDOC%20CIEMA%20WEB.pdf

Moura, M. (2004). Pesquisa Colaborativa: um foco na ação formadora. In Barbosa. R. (Org). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores (pp. 315-355). São Paulo, SP: Editora da UNESP.

Oliveira, M. A. A., & Macêdo, M. M. (2011). Educadores do Campo: Caminhos e Desafios. In III Congresso Norte-Mineiro – Pesquisa em Educação de Diferentes linguagens na formação de professores (pp. 258-275). Departamento de Métodos e Técnicas Educacionais.

Santos, B. S. (2007). Renovar a Teoria Crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo, SP: Editora Boitempo.

Silva, J. M., & Gadelha, L. (2012). O currículo e a Formação de professores na Educação do Campo. In I Seminário Internacional Sociedade e Fronteiras.

Silva, L. M., Brizola F., & Silva L. E. (2013). Projeto pedagógico do curso de licenciatura em Ciências da UFPR Litoral: desafios e possibilidades para uma formação emancipatória. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(237), 524-541.

Thiesen, J. S. (2008). A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Rev. Bras. Educ., 13(39), 545-554.

Publicado
2019-09-02
Como Citar
Alves, M. Z., & Faleiro, W. (2019). Interdisciplinaridade na formação de professores em uma LEDOC: desafios de ensinar e aprender. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 4, e5368. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.v4e5368
Seção
Artigos / Articles / Artículos