Mulheres com enxadas e lápis na mão: histórias de professoras primárias no meio rural sergipano (1930-1950)

Resumo

O presente texto tem como objetivo compreender a história de vida de professoras aposentadas, tendo em vista o trabalho, a escola e a trajetória no magistério. Analisamos as narrativas de dezesseis professoras entrevistadas e consideramos que no início do século XX houve uma política de feminização do magistério e, consequentemente, o abandono das populações rurais, que permaneceram desassistidas, afastadas das melhorias educacionais, uma vez que os investimentos púbicos concentraram-se no modelo de urbanização que emergia no país, naquele período. Contudo, as escolas no meio rural e as professoras desempenharam, neste aspecto, em que pese à precariedade de suas instalações e da formação de seus professores, importante papel na institucionalização do ensino primário em Sergipe.

Palavras-chave: História de Vida de Professoras, Feminização do Magistério, Sergipe.

 

Women with hoe and pencils in hand: stories of primary teachers in the rural scope sergipano (1930-1950)                                         

ABSTRACT. The following text seeks to understand the life stories of retired school teachers, according to their work, school, and teaching experiences. In order to do so, we analyzed stories collected from sixteen previously-interviewed teachers, considering the early-twentieth century policy of feminization in this profession and, subsequently, the abandonment of the countryside populace, which in turn left them to their own devices, keeping them away from educational improvements, this being the product of heavy investment on the urbanization model going on in the country at the time. However, schools in the countryside and their teachers played, in this regard, and in spite of the precariousness of its facilities and of the overall training of its teachers, an important role in institutionalizing of Sergipe’s primary school.

Keywords: Life Stories of Teachers, Feminization of Professor Ship, Sergipe.

 

Mujeres con azada y lápiz en la mano: historias de profesoras primarias en medio rural sergipano (1930-1950)

RESUMEN. El presente texto tiene como objetivo comprender la historia de vida de profesoras jubiladas, con miras al trabajo, la escuela y la trayectoria en el magisterio. Así, movilizamos las narrativas de dieciséis profesoras entrevistadas y, por fin, consideramos que en el inicio del siglo XX hubo una política de feminización del magisterio y, consecuentemente, lo abandono de las poblaciones rurales, que permanecieron sin ayuda, aparte de las mejorías educacionales, una vez que las inversiones públicos se concentraron en el modelo de urbanización que emergía en el país, en aquel periodo. Pero, las escuelas en medios rurales y las profesoras desempeñaron, en este aspecto, en que pese a la precariedad de sus instalaciones y de la formación de sus profesores, importante papel en la institucionalización de la enseñanza primaria en Sergipe.

Palabras clave: Historia de Vida de Profesoras, Feminización del Magisterio, Sergipe.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rony Silva, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP

Doutorando em Educação pela Universidade Estadual Paulista "Júlio Mesquita Filho"- Unesp, Campus Marília, com bolsa CNPq. Graduando em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio Mesquita Filho" - Unesp, Campus Marília. Mestre em Educação pela Universidade Tiradentes - UNIT (2016) com Bolsa Capes/FAPITEC/SE. Possui Graduação em Serviço Social pela Universidade Tiradentes - UNIT (2014). Foi aluno de Iniciação Científica com o projeto Memória Oral da Educação Sergipana. É membro dos Grupos de Pesquisas Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração da Educação e Formação de Educadores (GEPAEFE); Grupo de Pesquisa História, Memória, Educação e Identidade (GPHMEI) e Sociedade, Educação, História e Memória - (GPSEHM). É sócio da Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE) bem como da Associação Brasileira de Pesquisa (auto)Biográfica (BIOGraph). Tem experiência com Metodologia da História Oral, narrativas de vidas, memória e atualmente vem consolidando pesquisas sobre a história da formação do professor alfabetizador para o ensino primário rural no Brasil.

Ilka Miglio Mesquita, Universidade Tiradentes - UNIT

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Tiradentes – (PPEDUnit, Brasil). Líder do Grupo de Pesquisa História, Memória, Educação e Identidade (GPHMEI). E-mail: ilkamiglio@gmail.com.

Referências

Alberti, V. (2012). De “versão” a “narrativa” no Manual de história oral. História Oral, 15(2), 159-166.

Almeida, D. B. (2001). Vozes esquecidas em horizontes rurais: histórias de professores. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Barreto, L. A. (2009, 25 de agosto). Volta Seca, o Cangaceiro (sergipano) de Lampeão, 2009. [Web log post]. Recuperado de http://www.infonet.com.br/luisantoniobarreto/ler.asp?id=83094&titulo=Luis_Antonio_Barreto

Berger, M. A. (2011). O ensino rural e a atuação do intelectual Acrísio Cruz. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. 36(1), 165-173. DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2011.v20.n36.p%25p

Bosi, E. (1995). Memória e sociedade: lembrança de velhos. 4. ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Camelo, J. V. F. (1992). Lampião, o sertão e a sua gente. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Freitas, A. G. B. (2003) Vestidas de azul e branco: um estudo sobre as representações de ex-normalistas (1920-1950). São Cristóvão: Grupo de Estudos em História da Educação/NPGED.

Lima, S. C. F., & Assis, D. A. (2013). Poetas de seus negócios: professoras leigas das escolas rurais (Uberlândia-MG, 1950 a 1979). Cadernos de História da Educação. 12(1), 313-332.

Lobato, M. (2007). Urupês. Rio de Janeiro, RJ: Editora Globo.

Mendonça, J. A. N. (1958). A educação em Sergipe. Aracaju: Livraria Regina Ltda.

Moraes, A. I. D. (2014). Ensino primário tipicamente rural no Estado de São Paulo: um estudo sobre as Granjas Escolares, os Grupos Escolares Rurais e as Escolas Típicas Rurais (1933-1968). (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília.

Peixoto, A. M. C., & Andrade, T. (2007). A utopia que brota do campo: a Educação Rural em Minas Gerais (1949-1971). In Werle, F. O. C. (Org.). Educação rural em perspectiva internacional: instituições, práticas e formação do professor (pp. 99-129). Ijuí,RS: Unijuí.

Pinho, A. S. T., & Souza, E. C. (2010). O tempo nas classes multisseriadas do meio rural: identidades e subjetivação na construção do tempo escolar. In Anais do 8º Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação (pp.1-14). São Luís, MA.

Rezende, C. V. (2014). Educação no sertão: memórias e experiências das professoras no alto sertão sergipano (1950-1970). (Dissertação de Mestrado). Universidade Tiradentes, Aracaju.

Rodrigues, J. R. T. (1999). Educação além do asfalto: um estudo sobre as concepções e práticas do professor leigo rural. Teresina, PI: EDUFPI.

Schelbauer, A. R. (2014). Da roça para a escola: Institucionalização e expansão das escolas primárias rurais no Paraná (1930-1960). História da Educação - RHE, 43(1), 71-91.

Schelbauer, A. R., & Gonçalves Neto, W. (2013). Ensino primário no meio rural paranaense: em foco as escolas de trabalhadores rurais e de pescadores entre as décadas de 30 e 50 do século XX. Cadernos de História da Educação, 12(1), 83-107.

Souza, R. F., & Ávila, V. P. S. (2014a). As disputas em torno do ensino primário rural (São Paulo, 1931 – 1947). História da Educação - RHE, 43(1), 9-28.

Souza, R. F., & Ávila, V. P. S. (2014b). Representações, práticas de escolarização da infância na zona rural. História da Educação - RHE, 43(1), 9-11.

Souza, R. F. (1998). Templos de civilização: a implantação da Escola Primária Graduada no estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo, SP: Fundação Editora da Unesp.

Ximenes-Rocha, S. H., & Colares, M. L. I. S. (2013). A organização do espaço e do tempo escolar em classes multisseriadas. Na contramão da legislação. Revista HISTEDBR On-line, 13(1), 90-98. Recuperado de http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/download/8640296/7855.

Zarth, P. A. (2007). Entre a tradição e a inovação: as primeiras instituições de ensino e tecnologia para o campo no Rio Grande do Sul. In Werle, F. O. C. (Org.). Educação rural em perspectiva internacional: instituições, práticas e formação do professor (pp. 131-144). Ijuí, RS: Unijuí.

Fontes Documentais

Mensagem apresentada à Assembléia Legislativa, em 7 de setembro de 1936, pelo Dr. Eronides Ferreira de Carvalho em 1936. Aracajú: Imprensa Official.

Relatório do Curso de Formação de Professores Rurais. (1950).

Fontes Orais

Andrade, E. R. B. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. São Cristóvão, 22 fev.

Aragão, M. L. S. (2012). Relato oral sobre sua história de vida. Gararu, 19 jul.

Barreto, M. L. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. Nossa Senhora de Aparecida, 17 abr.

Bispo, A. A. (2012). Relato oral sobre sua história de vida. Umbaúba, 17 ago.

Cerqueira, L. R. (2011). Relato oral sobre sua história de vida. Arauá, 7 jun.

Eleotério, M. J. C. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. Itaporanga D’Ajuda, 14 jan.

Fontes, J. A. (2015). Relato oral sobre sua história de vida. Santa Luzia Itanhy, 15 out.

Freitas, M. J. S. (2012). Relato oral sobre sua história de vida. Telha, 27 ago.

Jesus, R. M. (2011). Relato oral sobre sua história de vida. Tobias Barreto, 12 mai.

Meneses, M. A. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. Ribeirópolis, 2 abr.

Menezes, M. D. (2012). Relato oral sobre sua história de vida. Nossa Senhora da Glória, 5 jul.

Reis, E. S. (2011). Relato oral sobre sua história de vida. Indiaroba, 21 jul.

Santos, H. G. S. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. Nossa Senhora da Glória, 26 abr.

Santos, O. V. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. Aquidabã, 10 maio.

Santos, R. A. (2012). Relato oral sobre sua história de vida. Poço Verde, 30 nov.

Santos, R. V. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. Macambira, 10 abr.

Silva, M. L. B. (2011). Relato oral sobre sua história de vida. Poço Redondo, 19 jun.

Silveira, M. L. (2012). Relato oral sobre sua história de vida. Umbaúba, 9 ago.

Teles, J. S. S. (2013). Relato oral sobre sua história de vida. Rosário do Catete. 24 abr.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Silva, R., & Mesquita, I. (2018). Mulheres com enxadas e lápis na mão: histórias de professoras primárias no meio rural sergipano (1930-1950). Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(4), 1345-1371. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n4p1345