Trajetórias de mulheres camponesas no Espírito Santo: permanências e descontinuidades

Resumo

Este texto visa compreender a trajetória de mulheres camponesas no Espírito Santo no período de 1930 a 2017, na busca pela compreensão dos modos como viveram/vivem e perceberam/percebem sua infância, trajetórias pessoais, processos de inserção como trabalhadoras e partícipes dos espaços sociais de suas comunidades, bem como os sentidos que a escolarização assume ao longo de suas vidas. Privilegia como aporte teórico-metodológico o pensamento de Carlo Ginzburg (1988, 1989, 2002, 2007), com os pressupostos da micro-história e do paradigma indiciário, e o de Mikhail Bakhtin (2003, 2004), tomando as narrativas como enunciados concretos. Como fonte, analisa os discursos/narrativas de quatro mulheres camponesas capixabas materializadas nos Cadernos da Realidade dos estudantes da Licenciatura em Educação do Campo/UFES. As análises indiciam permanências e descontinuidades nas trajetórias das mulheres capixabas no período investigado. Como permanências, destaca-se a mulher ocupando os espaços domésticos, sobretudo, exercendo atividades hercúleas, desprovidas de valor econômico. Ademais, o modelo patriarcal de família/sociedade presentifica-se nas narrativas e nos registros de mulheres de diferentes tempos geracionais. Emana dos documentos indícios de descontinuidades, tais como: a inserção ainda criança no processo de escolarização, o protagonismo das mulheres no âmbito doméstico, comunitário e nos espaços mais amplos da sociedade, como a Universidade.

Palavras-chave: Mulheres Camponesas, Caderno da Realidade, Espírito Santo, Permanências, Descontinuidades.

 

Trajectories of peasant women in Espírito Santo: permanence’s and discontinuities     

ABSTRACT. This article aims to understand the trajectory of peasant women in Espírito Santo from the period of 1930 to 2017, in the search for an understanding of the ways in which they lived/live and perceived/perceive their childhood, personal trajectories, insertion processes as workers and participants in the social spaces of their communities, as well as the meanings that schooling assumes throughout their lives. It uses as theoretical and methodological support Carlo Ginzburg's (1988, 1989, 2002, 2007) thinking, based on the assumptions of microhistory and the indicial paradigm, in cooperation with Mikhail Bakhtin's (2003, 2004) work, taking the narratives as concrete statements. As a source, it analyzes the narratives of four peasant women, born in Espírito Santo, materialized in the Cadernos da Realidade (Notebooks of Reality) of graduation students in Countryside Education/UFES. The analysis indicates continuities and discontinuities in the trajectories of these women in the period of investigation. As permanencies, it stands out that women still occupy domestic spaces, mainly exerting herculean activities, devoid of economic value. In addition, the patriarchal model of family/society is presented in the narratives and in the records of women from different generations. Evidence of discontinuities also emanate from the documents, such as: insertion as a child in the schooling process, the role of women in domestic services, community and wider spaces in society, such as the University. 

Keywords: Peasant Women, Notebook of Reality, Espírito Santo, Permanence’s, Discontinuities.

 

Trayectoria de las mujeres campesinas en Espírito Santo: permanencias y discontinuidades

RESUMEN. Este texto pretende entender la trayectoria de las mujeres campesinas en Espíritu Santo, durante el período de 1930 a 2017, con el objetivo de comprender los modos como vivieron/viven y percibieron/perciben su infancia. Así como las trayectorias personales, procesos de inserción en el trabajo y participación en los espacios sociales de sus comunidades, al igual que el sentido que la escolarización asume a lo largo de sus vidas. Se privilegian los aportes del pensador Carlo Ginzburg (1988, 1989, 2002, 2007), en relación a la micro-historia y el paradigma indiciario, además de los referentes de Mikhail Bakhtin (2003, 2004), donde se toman las narrativas como enunciados concretos. Como objeto de estudio, se analizan los discursos/narrativas de cuatro mujeres campesinas nacidas en Espírito Santo materializados en los Cuadernos de la Realidad de los estudiantes de Licenciatura en Educación del Campo/UFES. Los análisis indican permanencias y discontinuidades en las trayectorias de las mujeres nacidas en esta provincia, durante el periodo investigado. Como permanencias, se destaca a la mujer ocupando espacios domésticos, sobre todo, ejerciendo actividades hercúleas, desprovistas de valor económico. Además, el modelo patriarcal de familia/sociedad se exterioriza en las narrativas y en los registros de las mujeres de diferentes tiempos generacionales. Se derivan de los documentos, indicios de discontinuidades, como: la inserción infantil en el proceso de escolarización, el protagonismo de las mujeres en el ámbito doméstico, comunitario y en los espacios más amplios de la sociedad, como la Universidad.

Palabras clave: Mujeres Campesinas, Cuaderno de la Realidad. Espírito Santo, Permanencias, Discontinuidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deiviani de Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Graduanda em Licenciatura em Educação do Campo, habilitação em Ciências Humanas e Socias, da Universidade Federal do Espírito Santo.

Luan Eudair Bridi, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Graduando em Licenciatura em Educação do Campo, com habilitação em Linguagens. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Linguagens.

Miriã Lúcia Luiz, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Colatina (2004), graduação em História, pela Universidade de Uberaba (2009). Especialização em Orientação Educacional. Possui mestrado (2010) e doutorado (2015) em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. É membro do Núcleo Capixaba de Pesquisa em História da Educação (NUCAPHE). É professora Adjunto-A do Quadro Permanente da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Regina Godinho Alcântara, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, na Linha Educação e Linguagens (2014). Possui Mestrado pelo PGGE/CE/UFES, na Linha de Educação e Linguagens (2006). Licenciada em Letras - Português. Professora Adjunta do Departamento de Linguagens, Cultura e Educação/ Centro de Educação/Ufes. Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Educação Básica e Formação de Professores (PPGEEDUC/Ufes). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Cnpq - Estudos e Pesquisas em Processos de Apropriação da Língua Portuguesa - Gepalp. Pesquisadora e membro integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alfabetização, Leitura e Escrita do Espírito Santo (NEPALES - UFES/CE). É professora de Língua Portuguesa, com experiência em formação de professores, atuando com temáticas referentes ao ensinoaprendizagem da língua materna, estudos linguísticos, didática e metodologia da Língua Portuguesa.

Referências

Bakhtin, M. (2004). Marxismo e filosofia da linguagem: Problemas Fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. São Paulo: Editora HUCITEC.

______. (2003). Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Bassanezi, C. (2004). Mulheres dos anos dourados. In Del Priori, M. (Org.). História das mulheres no Brasil (pp. 508-535). São Paulo: Contexto.

Caliari, R., Foerster, E., Merler, A., & Paixão, Muri, L. M. B. (2013). Diálogos Interculturais em Terras Capixabas. Vitória (ES): EDUFES.

Cordeiro, R. (2007). Gênero em contextos rurais: A liberdade de ir e vir e o controle da sexualidade das mulheres no Sertão de Pernambuco. In Jacó-Vilela, A. M., & Sato, L. (Orgs.). Diálogos em Psicologia Social (pp. 131-139). Porto Alegre: Editora Evangraf Ltda.

Del Priori, M. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

D’Incao, M. A. (2004). Mulher e família burguesa. In Del Priore, M. (Org.). História das mulheres no Brasil (pp. 187-201). São Paulo: Contexto.

Ginzburg, C. (2007). O fio e os rastros: verdadeiro, falso e fictício. São Paulo: Companhia das Letras.

______. (2002). Relações de força: história, retórica e prova. São Paulo: Companhia das Letras.

______. (1989). A Micro História e outros ensaios. Lisboa: DIFEL.

______. (1988). Os andarilhos do bem: feitiçarias e cultos agrários nos séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras.

Holanda, S. B. (1995). Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

Lopes, E. M. T., Faria Filho, L. M., & Veiga, C. G. (Orgs.). (2000). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica.

Medeiros, L. S., & Neves, D. P. (Orgs.). (2013). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamento político. Niterói: Editora Qualidade.

Moreau, F. E. (2003). Os índios nas cartas de Nóbrega e Anchieta. São Paulo: Anablume.

Neves, D. P., & Motta-Maués, M. A. (2013). Apresentação: Parte 1: Mulheres camponesas e reprodução de grupos domésticos. In Medeiros, L. S., & Neves, D. P. (Orgs.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamento político (pp. 17-40). Niterói: Editora Qualidade.

Neves, D. P., Santos, P. T., & Cruz, R. P. (2013). Introdução. In Medeiros, L. S., & Neves, D. P. (Orgs.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamento político (pp. 347-357). Niterói: Editora Qualidade.

Paulilo, M. I. (2009). Movimentos das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da “igualdade de gênero”. In Fernandes, B. M., Medeiros, L. S., & Paulilo, M. I. (Orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas, v.2: a diversidade das formas das lutas no campo (pp. 179-202.). São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural.

Rangel, L. A. S. (2011). Feminismo ideal e sadio: os discursos feministas nas vozes das mulheres intelectuais capixabas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Ribeiro, A. I. M. (2000). Mulheres educadas na colônia. In Lopes, E. M. T., Faria Filho, L. M., & Veiga, C. V. (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil (pp. 79-94). Belo Horizonte: Autêntica.

Rocha, K. F. (2016). Mensageiras da liberdade: mulheres, abolicionismo e recrutamento militar (Província do Espírito Santo 1836-1888). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Santos, B., Jesus, M. E. O., Oliveira, L. B., & Oliveira, F. S. (2013). Um enfoque acerca da história e lutas do movimento de mulheres camponesas no município de Caetité-BA. In Anais do Simpósio baiano de geografia agrária e semana de geografia da UESB: o campo baiano na relação Estado, Capital, Trabalho: espaço de lutas. Universidade Estadual do Sudeste da Bahia, BA.

Silveira, L. (2015). Gênero, velhice e geração: a violência familiar contra a mulher idosa em Vitória (ES), 2010-2012. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Simões, R. H. S., & Franco, S. P. (2004). Arquivos, fontes e historiografia capixabas: tecendo espaços/tempos de reflexão, produção, socialização e investigação histórica da educação no Espírito Santo. In Anais do Congresso Brasileiro de História da Educação, 3., 2004, Curitiba. 1. Recuperado de: www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe3/Documentos/Individ/.../037.pdf

Siqueira, V. S. (2008). Mulher: entre o lar e o status de professora, uma questão de educação. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Suanno Neto, F. (2014). Poderes e família: domicílios multifacetados chefiados por mulheres: Aldêa Velha (ES). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Oliveira, D., Bridi, L., Luiz, M., & Alcântara, R. (2018). Trajetórias de mulheres camponesas no Espírito Santo: permanências e descontinuidades. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(4), 1221-1248. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n4p1221